Pesquisar este portal

dezembro 23, 2020

Presidente-executivo da Embraer comenta sobre os projetos futuros, de novo turboélice ao STOUT

*Cavok, por Fernando Valduga - 22/12/2020

Em um momento em que algumas empresas aeroespaciais estão aparentemente hibernando até que a pandemia passe, a Embraer está se mexendo. Até meados do próximo ano, a fabricante brasileira pretende divulgar o progresso não de um, mas de dois programas conceituais de aeronaves.

Notícias sobre uma proposta de avião turboélice provavelmente surgirão no primeiro trimestre, seguido no segundo por desenvolvimentos relacionados a uma aeronave militar híbrida-elétrica, disse o presidente-executivo Francisco Gomes Neto.

Ele insiste que esses projetos, combinados com novas parcerias e diversificação, deixarão a Embraer uma empresa maior em 2025 do que era antes do fechamento da Covid-19.

“Achamos que, na verdade, daqui a cinco anos a Embraer será maior do que … antes da Covid”, diz Gomes Neto. “De 2022 em diante, esperamos muito crescimento lucrativo.”

É uma previsão ousada, considerando a posição em que o mercado aeroespacial se encontra agora. A Embraer também está se recompondo após ter separado sua unidade aeroespacial comercial em preparação para uma venda planejada de US$ 4,2 bilhões para a Boeing – um negócio do qual a empresa americana desistiu em abril.

As pressões sobre o setor podem ser vistas nas contas da Embraer: ela perdeu mais de US$ 723 milhões nos primeiros nove meses de 2020. As entregas de aeronaves comerciais também caíram, caindo para 16 no período de nove meses, ante 54 no mesmo período um ano antes. Embora a aviação executiva tenha se mantido melhor, apenas 43 jatos foram embarcados no período, contra 63 no mesmo período do ano anterior.

Mas a Embraer prevê que a pandemia acabará gerando mais demanda por viagens regionais – e, conseqüentemente, por seus jatos regionais – opinião compartilhada por alguns analistas.

Primeiro E195-E2 da Belavia.

Um relatório de 18 de dezembro do BofA Securities cita o “posicionamento favorável da Embraer para a recuperação das viagens aeroespaciais comerciais pós-Covid”, observando a força de sua linha de jatos comerciais e executivos.

Mas o BofA alerta sobre vendas limitadas de E-Jet no curto prazo, observando que os pedidos de aeronaves comerciais “podem permanecer reprimidos por algum tempo”.

Embora os pedidos de E2 tenham sido relativamente lentos, a Embraer prevê que eles irão acelerar à medida que alguns dos cerca de 1.600 E-Jets de primeira geração se aproximam da aposentadoria.

OLHANDO PARA O FUTURO

Uma fusão fracassada e o efeito incapacitante da pandemia podem ter levado uma empresa como a Embraer a adotar uma postura defensiva.

Mas a fabricante de São José dos Campos não ficou parada. Em vez disso, nos últimos meses aumentou suas ambições.

Em meio à crise, Gomes Neto revelou o “Plano Estratégico 21-25” da Embraer, um roteiro que ele insiste que tornará a Embraer mais forte e maior.

O plano prevê que a Embraer se adapte em 2020, comece a se recuperar em 2021 e cresça de 2022 a 2025.

Para isso, a Embraer pretende extrair eficiências e custos de compras, logística e produção. Também comercializará agressivamente as aeronaves existentes, diversificando, criando parcerias, expandindo seus negócios de serviços e desenvolvendo novos produtos.

“Estamos abertos a parcerias com engenharia, produção local … qualquer coisa que nos ajude a introduzir nossos produtos em novos mercados”, diz Gomes Neto.

Os novos produtos em estudo incluem um avião turboélice, um aeronaves de transporte militar híbrida-elétrica e uma aeronave elétrica de decolagem e pouso verticais (eVTOL).

“A eVTOL, acreditamos, pode ser o unicórnio da Embraer no próximo ano”, diz Gomes Neto.

Ele descreve os estudos do programa turboélice como “bastante avançados”, acrescentando que a Embraer busca parceiros para acelerar seu desenvolvimento.

“Esperamos ter notícias concretas sobre algumas parcerias potenciais no primeiro trimestre do ano que vem”, diz Gomes Neto.

“Estamos explorando diferentes alternativas”, acrescenta. “Parceiros financeiros, ou fabricantes também… Mas também com tecnologia.”

No dia 29 de outubro, a Embraer divulgou, via Twitter, a renderização digital de um novo avião turboélice. Isso pode não parecer muito, mas a mudança fez as pessoas falarem. A Embraer há anos flerta com a ideia de desenvolver um turboélice, mas este foi o primeiro vislumbre de como ele poderia ser.

A Embraer está insinuando que realmente pretende puxar o gatilho? Mais uma vez, Gomes Neto se recusa a dizer. Mas ele deixa poucas dúvidas de que a Embraer quer tornar o turboélice de 70-100 assentos uma realidade.

“Gostamos muito deste projeto”, diz ele, estimando a oportunidade de mercado em cerca de “1.000 unidades nos próximos dez anos”.

O chefe da aviação comercial da Embraer, Arjan Meijer, indicou recentemente que o turboélice, se desenvolvido, compartilharia a fuselagem do E-Jet e teria motores convencionais – porque a propulsão elétrica híbrida, neste ponto, proporcionaria economia de combustível marginal, mas aumentaria os custos operacionais em 15%.

Menos de um mês depois que a Embraer divulgou a imagem do turboélice, outra representação apareceu – esta de um avião militar híbrido-elétrico conceitual a ser feito para a Força Aérea Brasileira.

Chamada STOUT – um acrônimo para transporte utilitário de decolagem curta – a aeronave é concebida como um avião de transporte de tropas e carga que deve substituir os EMB-120 Brasília e os já aposentados De Havilland Canadá DHC-5 Buffalos da FAB.

A Embraer falou pouco sobre o projeto, mas Gomes Neto dá a entender que os detalhes estão por vir. “Esperamos ter notícias concretas sobre o contrato … até o segundo trimestre do ano que vem”, diz ele. “Estamos indo muito bem.”

O STOUT seria aproximadamente do tamanho de Brasília. Teria alcance de 1.310 nm (2.430 km), transportaria carga ou cerca de 30 soldados e seria capaz de lançar paraquedistas e operar em pistas curtas e não pavimentadas – notadamente na região amazônica do Brasil.

Gomes Neto também prevê candidaturas civis ao STOUT. “Só agora estamos esperando um contrato para acelerar o desenvolvimento”, diz ele. “Acho que o conceito está pronto … É uma bela aeronave.”

Ambições elétricas

Depois, há os projetos de aeronaves híbridas e totalmente elétricas da Embraer.

“Híbrido-elétrico e elétrico, acreditamos, podem ter uma aplicação rápida entre cinco a 10 anos”, diz Gomes Neto. A propulsão de hidrogênio, no entanto, pode levar 20 ou 30 anos para se tornar popular, acrescenta.

Para promover suas ambições de aeronaves elétricas, o braço de inovação do fabricante EmbraerX criou este ano a Eve Urban Air Mobility Solutions, uma start-up que desenvolve um eVTOL e tecnologias relacionadas de táxi aéreo.

Projeto conceito de eVTOL da EmbraerX.

A Eve fez uma parceria com o provedor de navegação aérea Airservices Australia para desenvolver os sistemas necessários para integrar os táxis aéreos ao espaço aéreo lotado.

A Embraer já pilotou um protótipo em escala de um terço de seu design eVTOL e espera voar um protótipo em escala real “no início do próximo ano”, diz Gomes Neto.

Demonstrador do Ipanema com motor elétrico em parceria com a WEG.

Enquanto isso, a Embraer desenvolve um protótipo de uma versão totalmente elétrica de seu EMB-203 Ipanema, uma aeronave agrícola. O primeiro voo dessa aeronave está programado para 2021.

Enquanto trabalha para levar seus projetos de desenvolvimento ao mercado, o foco provisório da Embraer repousa no aumento das vendas de produtos existentes.

Por exemplo, a empresa vê a oportunidade de vender novas configurações de aeronaves existentes. Gomes Neto observa que a Embraer agora oferece uma variante medevac de seu Phenom 300, chamada 300MED, e está desenvolvendo, com a divisão Elta Systems da Israel Aerospace Industries, uma versão de reconhecimento e vigilância de seu Praetor 600, chamada P600 AEW.

Proposta do Praetor 600 AEW.

Ela também desenvolveu uma variante do E-Jet que pode transportar carga em sua cabine e vendeu à Hungria dois KC-390 equipados com unidades de terapia intensiva.

Outra chave para a estratégia de cinco anos da Embraer: expandir seus negócios de serviços de aviação. Aqui, Gomes Neto vislumbra mais parcerias semelhantes a um recente acordo com a Pratt & Whitney.

KC-390 Millennium nas cores da Força Aérea Húngara.

Segundo esse acordo, divulgado em novembro, o braço português de MRO da Embraer OGMA tornou-se um centro de manutenção autorizado para motores PW1100G – uma unidade de força que equipa alguns Airbus A320neos – trabalho que acabará por mais do que triplicar a receita da OGMA, disse Gomes Neto.

O negócio reflete a intenção da Embraer de se tornar mais “agnóstica”, ou seja, atender aos produtos de outros fabricantes.

“Vamos nos concentrar em nosso mercado principal – que é a aviação. Mas também queremos abrir novas frentes para sustentar nosso crescimento e crescimento com rentabilidade”, afirma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque