Postagem em destaque

Taurus vence na Justiça mais uma ação que alegava problemas em seus armamentos

* LRCA Defense Consulting - 02/07/2020 Esta semana foi proferida sentença que julgou totalmente improcedente a ação civil pública proposta e...

janeiro 28, 2020

ABIMDE na Índia resultará em novos negócios para empresas brasileiras da área de Defesa



*Defesa TV - 28/01/2020, com informações da Agência Rossi Comunicação e da LRCA Consulting

A missão do governo brasileiro à Índia garantiu a assinatura de 15 acordos comerciais entre os dois países. A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) está acompanhando a visita oficial, que vai gerar novas oportunidades de negócios para as indústrias brasileiras da BID (Base Industrial de Defesa).

No último sábado, os governos do Brasil e da Índia anunciaram a assinatura de 15 acordos comerciais. A expectativa é que as exportações em armamentos do Brasil para a Índia aumentem para US$ 1 bilhão em cinco anos.

Hoje, a participação do Brasil é de US$ 427 mil. A Índia é o segundo maior importador do mundo de produtos de Defesa do planeta, atrás apenas da Arábia Saudita, e tem o quarto maior orçamento militar do mundo.

A comitiva que acompanha o presidente da República é composta por empresários de oito grandes empresas associadas (Atech, Avibras, CBC, Condor, Embraer, MacJee, Omnisys e Taurus).

Os representantes do governo e das indústrias brasileiras têm realizado reuniões com autoridades e lideranças da área de Defesa e Segurança da Índia e com CEOs de indústrias do setor naquele país.

Na segunda-feira (27), ocorreu o evento denominado Business Day Brasil-Índia, com a presença de autoridades dos dois países, empresários e investidores brasileiros e indianos.

Na programação do evento, há seminário setorial sobre Defesa, que conta com a presença de Rodrigo Modugno, que é representante da Omnisys e um dos diretores do Conselho Diretor da ABIMDE.

Durante o seminário, Modugno destacou o papel da ABIMDE no fomento da BID no Brasil. Ele lembrou que a entidade possui mais 200 associadas e há 34 anos trabalha para disseminar o valor da indústria de defesa brasileira.

“Um dos nossos principais papéis é o de promover a integração entre indústrias, centros de pesquisa, universidades e associações de defesa ao redor do mundo, o que demonstra a relevância deste evento dentro de nossa missão como associação”, afirmou.

O diretor ressaltou ainda o constante apoio recebido pela ABIMDE por parte da APEX (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), uma parceira estratégica na promoção internacional dos produtos de defesa brasileiros.

“A indústria de defesa brasileira hoje exporta para 117 países, sendo que do volume total exportado, aproximadamente 98% são de empresas associadas à ABIMDE, o que reforça sua total representatividade junto ao setor.”

Nesta terça-feira (28), a programação da visita inclui ainda visitas técnicas e eventos de networking entre empresários brasileiros e estrangeiros no dia 28.

Novos negócios a caminho

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o Secretário de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa, Marcos Degaut, disse que o Brasil está na fase final de negociação de dois acordos com a Índia, que serão assinados nos próximos meses pelo ministro da pasta, Fernando Azevedo.

Um dos acordos é para a criação de um fundo para financiar projetos estratégicos, produção e exportação de produtos de defesa e o outro é para cooperação no desenvolvimento e comercialização de equipamentos no setor.

Nesta segunda-feira, Degaut esteve ao lado do Secretário da Defesa da Índia, Ajay Kumar, na abertura do Primeiro Diálogo da Indústria de Defesa Brasil-Índia.

A missão do governo brasileiro à Índia faz parte de um acordo fechado durante encontro do presidente Bolsonaro com os membros do Brics – além do Brasil, o bloco é formado por Rússia, Índia, China e África do Sul, no ano passado, e está sendo organizada pelo Ministério da Defesa e pelo Ministério das Relações Exteriores, com apoio da Apex-Brasil e da ABIMDE.

Taurus Armas e Jindal Group firmam joint venture para produzir armas na Índia

Após quase um ano de negociações com grupo indiano Jindal, a empresa gaúcha Taurus Armas S.A., por meio de Fato Relevante (comunicado) divulgado nesta manhã (https://urlzs.com/DrfzU), informou que foi assinado nesta segunda-feira (27) um acordo definitivo para criação de uma joint venture que permitirá a fabricação e comercialização de armas na Índia. A assinatura da parceria aconteceu durante a missão comercial do governo brasileiro à Índia, em reunião entre empresários indianos e brasileiros, e contou com a presença de autoridades do Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Defesa.

Salesio Nuhs, Presidente e CEO global da empresa, assim se pronunciou “É um passo muito importante para o futuro da Taurus. Temos 80 anos no Brasil e uma fábrica nos Estados Unidos há 40 anos. Porém, pela primeira vez, estamos num programa de transferência de tecnologia na área de Defesa de governo, de uma grande economia mundial, segundo maior comprador de armas do mundo, a Índia. Brasil e Índia, duas potências econômicas mundiais. Taurus e Jindal, dois grupos econômicos que são referência no mundo em suas áreas de atuação. Queremos montar uma fábrica aqui na Índia que será referência mundial, a exemplo das nossas fábricas no Brasil e nos Estados Unidos”.

O Jindal Group é um dos mais poderosos grupos industriais indianos, além de ser o maior fabricante de aço da Índia e um dos dez maiores do mundo, com um faturamento superior a US$ 24 bilhões e com 200 mil funcionários no mundo, sendo 45 mil deles somente na divisão de aço.

Na joint venture, a Taurus ficará com 49% e o grupo indiano com 51% do empreendimento. O aporte da empresa brasileira se dará por meio da transferência de tecnologia para o Jindal Group, ou seja, não haverá dispêndio financeiro por parte da Taurus.

A parceria resultará no estabelecimento de uma grande fábrica de armas na Índia, aproveitando a recente abertura do mercado de defesa desse país a iniciativas abrigadas no programa "Make in India", que contam com o total apoio e incentivo do governo indiano.

As armas produzidas para o mercado civil terão a marca “Taurus”; as produzidas para o mercado militar terão a marca “Taurus Jindal”, com o início da produção ocorrendo ainda em 2020.

Desde sua fundação em São Leopoldo-RS no ano de 1939, este é o maior e mais significativo negócio da história da Taurus Armas.

Com a associação ao Jindal Group, a empresa brasileira conquistou um poderoso aliado com porte suficiente para abrir o imenso mercado indiano e de outros países asiáticos aos seus produtos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.