Pesquisar este portal

sexta-feira, dezembro 31, 2021

KC-390 vira motor do faturamento da indústria nacional de defesa


*Conexão Política - 31/12/2021

O KC-390, da Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A (Embraer), é o maior avião militar projetado, desenvolvido e fabricado no continente sul-americano.

Na esteira desse sucesso, a indústria nacional de Defesa e Segurança planeja entrar em 2022 com um recorde de R$ 4,5 bilhões em negócios em andamento.

De acordo com informações da coluna Radar (Veja), o cargueiro brasileiro tem interessados na Europa, no Oriente Médio e no Sudeste Asiático.

O modelo KC-390 já atua em missões militares pelo Brasil desde 2019. De acordo com sites especializados em aviação, sua alta tecnologia impressiona e o coloca no topo da modernidade em sua categoria.


quinta-feira, dezembro 30, 2021

FAB assina contrato com AEL para ampliação da frota de aeronaves Hermes RQ-900


*Agência Força Aérea - 30/12/2021

A Força Aérea Brasileira (FAB) oficializou, nesta quinta-feira (30/12), a parceria com a empresa brasileira AEL Sistemas para a aquisição de duas Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP). O contrato assinado pelo Comandante de Operações Aeroespaciais e Comandante de Preparo, Tenente-Brigadeiro do Ar Sergio Roberto de Almeida, e pelo Presidente da AEL Sistemas, Gal Lazar, tem por objetivo ampliar a frota de aeronaves RQ-900, aumentando a capacidade operacional da Força Aérea, principalmente na tarefa de inteligência, vigilância e reconhecimento, onde já atua, inclusive, de maneira conjunta com outras Forças e instituições governamentais.

O evento contou com a presença do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior; do Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno; do Comandante-Geral do Pessoal, Tenente-Brigadeiro do Ar Ricardo Reis Tavares; dentre outros Oficiais-Generais da Aeronáutica; de Diretores e integrantes da AEL Sistemas; e da Advogada Flávia do Espírito Santo Batista, representando a Consultoria Jurídica Adjunta do Comando da Aeronáutica (COJAER).

Na ocasião, o Tenente-Brigadeiro Baptista Junior destacou a importância da ampliação da frota das ARP, também conhecidas como Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT). “A assinatura deste contrato de ampliação da nossa frota de aeronaves remotamente pilotadas (ARP) é mais um passo na construção das capacidades necessárias à Força Aérea Brasileira do futuro. Tais capacidades são construídas pela combinação de meios materiais, pessoais, infraestrutura e doutrina de emprego, dentre vários fatores. No caso dos meios materiais, nosso maior desafio é a priorização daquilo que precisamos adquirir, frente aos recursos que nos são disponibilizados. O contrato assinado no dia de hoje comprova a prioridade que estamos dando para estes sistemas remotamente pilotados, que têm se mostrado muito importantes não só para a defesa do Brasil, mas para as ações de combate a crimes transnacionais, mineração ilegal, controle de queimadas e desmatamentos. São sistemas de grande importância para nosso país", explicou.

Por sua vez, o Tenente-Brigadeiro Almeida enfatizou que, até o momento, essa aeronave era operada como uma espécie de prova de conceito. “O recebimento dessas novas aeronaves nos coloca no nível de um esquadrão operacional, que passa a ter a capacidade de cumprir ainda mais efetivamente a missão, podendo fazer uma substituição de aeronaves em voo, que é muito comum no emprego de VANT, prolongando o tempo de operação”, pontuou.

Já o Presidente da AEL ressaltou que a nova aquisição promove um salto operacional nunca visto para a área de inteligência do País. “Esse contrato está virando a página dos VANT no País. Ele está transformando um simples conceito em uma capacidade operacional realmente forte. Um esquadrão vai conseguir, agora com três aeronaves, fazer missões mais complexas. Com a coordenação do COMAE e a capacidade de controlar essas aeronaves por satélite em qualquer lugar do País, essa nova aquisição vai trazer uma grande capacidade militar para a Força Aérea Brasileira”, disse Gal Lazar.

ARP RQ-900

O Hermes 900 é uma ARP de grande porte, com avançado sistema, e com alta confiabilidade e segurança nas operações. Com voo totalmente autônomo, ele possui rápida capacidade de manobras e grande autonomia, além da possibilidade de ser equipado com diferentes configurações.

Anteriormente, o voo era feito com a necessidade de uma linha de visada entre a ARP e a estação de solo. Ou seja, havia algumas limitações de distância para a operação da aeronave, pois, à medida que a distância aumentava, a aeronave começava a ficar abaixo do horizonte, interrompendo essa linha de visada. Agora, utilizando-se sensores, a antena não aponta mais diretamente para a aeronave, e sim para o satélite, que faz a ponte com a ARP.


O Sistema Aéreo Remotamente Pilotado (SARP) da FAB tem auxiliado e otimizado, por exemplo, os trabalhos de reconhecimento de áreas de desmatamento na Amazônia Legal na Operação Samaúma, que surgiu da necessidade de intervir em 26 municípios dos estados do Amazonas, Mato Grosso, Pará e Rondônia, nos quais foram detectados indícios de ilícitos ambientais, mapeados pelo Grupo Gestor do Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAL).

 

terça-feira, dezembro 28, 2021

Armamentos Taurus são adquiridos para GCMs e para a PMSC


*LRCA Defense Consulting - 28/12/2021

Com base em matérias divulgadas pela imprensa, seguem-se algumas das vendas realizadas pela Taurus Armas S.A. para mobiliar efetivos das Guardas Civis Municipais de diversos municípios brasileiros e da Polícia Militar de Santa Catarina.

Em 08 de dezembro, a Polícia Militar de Garopaba (SC) realizou, nas dependências do quartel, uma solenidade de entrega de armamentos. A aquisição só foi possível graças a um grupo de empresários, do município de Garopaba, unido aos poderes Públicos Estaduais e Municipais, que realizou a doação para compra de parte dos seguintes armamentos: três fuzis marca Taurus, calibre 5.56, modelo T4; duas carabinas, marca Taurus, modelo CTT40, calibre .40mm; 2000 munições CBC calibre 5.56mm para instrução e habilitação do efetivo; duas pistolas elétricas incapacitantes, marca Condor, modelo Spark; oito cartuchos de disparo para uso nas pistolas elétricas.

No dia 09, na sede da Secretaria Municipal de Segurança Pública de Mogi-Mirim (SP), foram entregues as seis novas carabinas Taurus CTT40, recentemente adquiridas pela Prefeitura. As novas armas vão fazer parte do arsenal da GCM (Guarda Civil Municipal) e custaram cerca de R$ 40 mil.

Também no dia 09, a Polícia Militar de Caçador (SC) recebeu três fuzis da marca Taurus, modelo T4 - calibre 5,56 e 2.000 munições, conforme entrega simbólica realizada pelo prefeito Saulo Sperotto. O armamento foi adquirido através de recursos devolvidos da Câmara de Vereadores ao poder executivo municipal, por indicação do ex-vereador Neri Vezaro e durante a presidência do vereador Alcedir Ferlin (Lilo).

Com vistas à segurança na temporada de verão, a Prefeitura de Guarujá (SP) equipou a Guarda Civil Municipal (GCM) com 52 novas pistolas semiautomáticas Taurus PT 59s, totalizando 149 armas para uso da corporação.  O armamento foi entregue em meados de dezembro, em cerimônia na Secretaria de Defesa e Convivência Social (Sedecon). 

A Prefeitura de Carapicuíba (SP) entregou, na semana de 20 a 24 de dezembro, novos armamentos e coletes para a Guarda Civil Municipal. Ao todo, são 35 pistolas Taurus 9mm, duas carabinas Taurus CT9 no calibre 9mm, duas espingardas CBC Pump Military calibre 12, além dos coletes à prova de balas. 

 

segunda-feira, dezembro 27, 2021

2021 já é o segundo maior ano de vendas de armas em Nova York, mesmo sem dezembro

“O aumento de novos atiradores tem sido astronômico”. “Prevemos, com base em dados anuais, que as vendas de armas de fogo aumentarão durante o último mês do ano, coincidindo com as temporadas de caça e as vendas nas festas de fim de ano.”

No final de novembro, o estado de Nova York registrou 425.778 verificações de antecedentes de armas de fogo no ano, ultrapassando o número de verificações de antecedentes em todo o ano de 2019. O ano de 2021 detém o recorde de maior dia e semana de sempre para verificação de antecedentes em todo o país.


*The Hudson Valley Times Union - 16/12/2021

As vendas de armas em 2021 em Nova York estão caminhando para ser o segundo maior ano já registrado, após o número recorde do ano passado de compras de armas de fogo na pandemia, conforme indicado pelo volume de verificações de antecedentes (NICS) relatadas pelo Federal Bureau of Investigation (FBI).

Os Estados Unidos não têm um governo central ou banco de dados nacional de vendas de armas, mas o rastreamento do FBI de verificações de antecedentes antes da venda é um indicador de compras de armas de fogo.

Com mais um mês para relatar, houve 425.778 verificações de antecedentes de armas de fogo em Nova York nos primeiros 11 meses de 2021, ultrapassando de longe os níveis de compra de armas pré-pandêmica em 2019, quando o FBI relatou um total de 355.374 verificações de antecedentes de armas de fogo no Estado.

Em 2020, o FBI conduziu um recorde de 507.940 verificações de antecedentes de armas de fogo em Nova York e 21 milhões em todo o país.

“O aumento de novos atiradores tem sido astronômico”, disse Steve Meyen, gerente do Mid-Hudson Sporting, que vende armas e oferece aulas de tiro ao alvo. (“Atiradores” é o termo que os vendedores de armas usam para descrever os proprietários de armas.)

A tendência de aumento da compra de armas ecoa nacionalmente. “Este ano já parece ser o segundo ano mais forte em vendas de armas de fogo já registrado, perdendo apenas para o número recorde de 2020, de 21 milhões de verificações de antecedentes”, disse Joe Bartozzi, National Shooting Sports Foundation (NSSF) Presidente e CEO, em um comunicado à imprensa datado de 29 de novembro.

“Prevemos, com base em dados anuais, que as vendas de armas de fogo aumentarão durante o último mês do ano, coincidindo com as temporadas de caça e as vendas nas festas de fim de ano.”

Lojas de armas locais vêem aumento
A Ulster Firearms, com sede em Milton, teve um crescimento semelhante nas vendas de armas desde a pandemia. A loja de armas, que usa o slogan “Sede de tiro feminino” em seu veículo da empresa, afirma ter visto um aumento no número de proprietários de armas novas e femininas entre sua base de clientes.

“Eu vi um aumento nessa demografia?”, disse o proprietário Ryan DiStefano. "Significativamente, sim."

Ele estima um aumento de 120% no número de mulheres e novos compradores de armas em sua loja em comparação com antes da pandemia.

“As pessoas chegam e dizem: 'Escute, não sou realmente uma pessoa que gosta de armas, mas tenho uma TV e vejo o que está acontecendo neste mundo e quero defender a mim e à minha família'”, disse DiStefano. “Essa é a narrativa geral.”

O Ulster Firearms oferece um programa de treinamento completo para novos proprietários de armas, com seminários nas lojas que variam de duas a quatro horas, dependendo do nível de compreensão. O seminário mais popular da loja de armas tem sido um programa de quatro dias no qual os instrutores treinam os clientes em suas casas em um ambiente de atirador ativo encenado.

A Ulster Firearms também oferece cursos de treinamento de segurança de armas, que são exigidos no condado antes de obter uma licença de porte de arma.

Meyen disse que também viu um aumento no número de clientes, desde aqueles que compram armas até aqueles que buscam instrução ou prática geral de tiro ao alvo. O comparecimento à aula de introdução às aulas de esportes em uma hora quadruplicou desde os níveis pré-pandêmicos, estimou ele.

2021 vê dias recordes para verificações de antecedentes
Enquanto 2020 teve o maior número de verificações de antecedentes já registradas, 2021 viu seus próprios surtos de compra de armas. Este ano representa 7 dos 10 dias com mais vendas de armas de fogo no país, com base em dados de verificação de antecedentes.

As vendas de armas da Black Friday este ano também geraram o décimo dia mais alto do ano, com 187.685 verificações de antecedentes na sexta-feira, 26 de novembro, de acordo com o FBI.

Além disso, 2021 estabeleceu um recorde para o maior número de verificações de antecedentes em um único dia: quarta-feira, 17 de março, quando ocorreram 236.295 verificações de antecedentes de armas de fogo.

Março, como um todo, foi um mês recorde para vendas de armas, respondendo por 6 dos 10 principais dias para verificações de antecedentes de todos os tempos. Uma semana em 2021, de 15 a 21 de março, representou a maior semana de verificações de antecedentes em todo o país.

Dois tiroteios em massa ocorreram este ano em março, primeiro em 16 de março, em um spa em Atlanta, que deixou oito pessoas mortas, e depois em 22 de março, em uma mercearia de Boulder, Colorado, que matou 10. Enquanto tiroteios em massa foram conhecidos por eemperrar a venda de arma de fogo, a legislação sobre armas pode ter um efeito semelhante. Em 11 de março de 2021, os democratas da Câmara aprovaram dois projetos de lei de controle de armas para expandir os requisitos de verificação de antecedentes nas vendas e transferências de armas.

As vendas de armas e munições também tendem a aumentar em tempos de crise, e a mesma semana de março de 2020 - o início da pandemia do coronavírus - marcou a segunda semana com maior índice de verificação de antecedentes em nível nacional.

WEG fornece transformador para novo parque eólico da EDF Renewables

WEG fornece transformador para novo parque eólico da EDF Renewables


*LRCA Defense Consulting - 27/12/2021

A WEG será uma das parcerias estratégicas no desenvolvimento do Parque Eólico Serra do Seridó, e responsável pelo fornecimento de um transformador de 300 MVA / 550 kV, um equipamento de alta performance com previsão de entrega no início de 2022. Equipamentos desta natureza, são projetados e fabricados para atender especificamente as características e condições de operação exigidas pelo empreendimento.

O Parque Eólico Serra de Seridó, primeiro empreendimento da EDF Renewables no estado da Paraíba, receberá R$ 1 bilhão em investimentos e terá capacidade instalada para geração de 242MW, o suficiente para suprir o consumo anual de cerca de 700 mil famílias brasileiras.

Mais uma vez, a expertise, a qualidade e a competência da WEG são reconhecidos e recompensados pelo mercado. Desta vez, por meio da confiança que a EDF Renewables depositou na empresa, para fabricar e entregar um equipamento que desempenharão um papel extremamente importante em mais esta planta de geração eólica.

Com mais esse fornecimento, a WEG comemora sua participação cada vez mais ativa na viabilização e no desenvolvimento do mercado de energias renováveis no Brasil.

domingo, dezembro 26, 2021

EUA: "Taurus GX4 é a micropistola mais precisa que a Shoot On já testou"

 "A GX4 é a micropistola mais precisa que a Shoot On já testou, e a GX4 TORO mantém o alto desempenho de sua versão standard". Arma será lançada no Brasil e nos EUA em Jan/22, também em versão com grafeno.


*LRCA Defense Consulting - 26/12/2021

A Taurus não para de inovar e segue trazendo novos modelos de armas ao mercado. Em seu pré-lançamento, a pistola microcompacta GX4 TORO (Taurus Optic Ready Option), versão que já vem preparada para receber miras ópticas, tornou-se um sucesso entre especialistas. Isso é o que mostra uma recente avaliação (review) publicada por Rob Reaser, editor-chefe da Shoot On, principal fonte de notícias dos Estados Unidos para consumidores do maior e mais exigente mercado de armas do mundo.

Rob Reaser é também autor e co-autor de vários livros sobre armas. Suas paixões no tiro e na caça abrangem desde o arco e flecha tradicional até as últimas novidades em pistolas, rifles e recarga de munições.

A avaliação ímpar e superior (outperform) do editor-chefe da Shoot On é de grande relevância, haja vista esta ser a principal publicação do setor de armamento leve nos EUA, servindo como balizadora para novas compras de armas nesse país.

De acordo com o site True Gun Value, a diferença de preço médio (2021) entre a GX4 standard e suas principais concorrentes varia entre $104 e $317, como pode ser visto na relação abaixo:

  • Sig P365x: $630
  • Springfield Hellcat: $602
  • Smith & Wesson M&P Shield Plus: $528
  • Glock 43X: $524
  • Ruger Max 9: $417
  • Taurus GX4: $313

Com isso, o lançamento no Brasil e nos Estados Unidos em janeiro de 2022, incluindo a revolucionária versão com grafeno, poderá transformar a GX4 TORO em um dos maiores sucessos de vendas da empresa, já que é uma arma premium, diferenciada, recomendada pela Shoot On e por outras conceituadas publicações, além de ter um preço substancialmente inferior às principais concorrentes.

Confira, abaixo, a avaliação completa ou clique aqui para ler em inglês:

---xxx---


*Shoot On - by Rob Reaser

Uma das grandes tendências da indústria de armas é o desenvolvimento de acessórios por empreendedores inovadores para atender às necessidades dos consumidores de armas de fogo. Eles fazem isso identificando essas necessidades e criando um produto que se adapta as mais variadas e específicas plataformas de armas.

Hoje, essa tendência vem acontecendo de uma forma reversa, pelo menos no que se refere a óptica eletrônica - especificamente, a de ponto vermelho (red dot). Nos últimos anos, houve um aumento no uso deste sistema de mira para pistolas de defesa pessoal. Muitos consumidores gostam desta opção por sua imagem precisa e fácil enquadramento, outros simplesmente seguem um padrão ao qual se acostumaram com seus AR-15, adicionando coisas porque podem.

Seja qual for a opinião sobre red dots ou eletro-óptica para porte diário (EDC) e pistolas de defesa pessoal, os fabricantes de ópticas pelo mundo entenderam a sugestão, desenvolvendo miras cada vez menores para comodidade dos usuários de porte velado que se sente mais confortável com um sistema de mira eletrônico do que com mira aberta convencional.

Não muito antigamente, colocar um red dot em uma pistola semiautomática significava adaptar ou trocar o ferrolho por um de maior custo para aceitar um red dot. Agora, os fabricantes de pistolas resolveram essa situação e estão fazendo armas para acomodar as miras já de fábrica.

A Taurus é uma das mais recentes fabricantes de armas a entrar neste nicho. Depois de lançar sua pistola G3 9mm em 2019, a empresa deu continuidade ao lançamento de seu modelo G3 TORO no início deste ano. A G3 TORO foi a primeira pistola Taurus a apresentar o sistema de montagem Taurus Optic Ready Option. Em seguida, veio a pistola G3c TORO, oferecendo um sistema de montagem óptica pronto de fábrica.

E, como muitos da mídia especializada presumiram que aconteceria, a Taurus agora segue, após a recém-lançada pistola GX4 microcompacta calibre 9mm, com a pistola GX4 TORO, fornecendo aos fãs de porte dissimulado um upgrade de fábrica.

Conseguimos colocar as mãos em uma versão de pré-lançamento da GX4 TORO e gostamos de atirar e portar nas últimas semanas. Mas antes de entrarmos nisso, vamos falar um pouco sobre o sistema TORO.

A GX4 TORO, assim como a G3 TORO e a G3c TORO, apresenta o mesmo dimensional do ferrolho de sua versão não TORO, a qual possui um corte de fábrica ao longo da parte superior do ferrolho entre a porta de ejeção e a mira traseira, que é dimensionada para permitir que as miras red dot mais populares se encaixem perfeitamente.


De fábrica, a pistola GX4 TORO vem com uma tampa no topo do ferrolho instalada, pronta para funcionar como está, sem mira ótica. Para instalar o red dot, basta simplesmente remover os dois parafusos que prendem a tampa do ferrolho e montar a mira ótica com os parafusos de montagem fornecidos.

A GX4 TORO aceita as seguintes miras óticas: Holosun HS407K, Holosun HS507K, Shield RMSc, Sightmark Mini Shot A-Spec M3, Hex Wasp GE5077-MIC-RET, Sig RomeoZero e Riton 3 Tactix MPRD2. Também funciona com o Trijicon RMR ou Red Dot.


Além do novo sistema de montagem ótica, a GX4 TORO é idêntica a GX4 lançada recentemente. Para uma arma de porte dissimulado, seu desempenho provou ser bastante impressionante e os testes com a nova GX4 TORO mostram que ela permanece no mesmo nível.

A óptica Holosun, com seu perfil baixo e encaixe de precisão, não dificulta em nada o manuseio da arma. A presença da mira não interfere no equilíbrio e ajuste cuidadosamente projetados da arma. Graças à ergonomia inteligente da armação e design do punho, a GX4 TORO com o red dot instalado oferece uma imagem de visão rápida, apresentando-se com nitidez e confiança para o alvo.

Isso é um grande negócio porque, ao contrário de muitos atiradores, não sou um devoto de red dot. Na verdade, levo um bom tempo para me tornar perito em obter uma imagem visual com uma determinada combinação arma/óptica. Para uma pistola microcompacta, porém, a GX4 oferece um ponto de mira natural quase incrível, tornando mais fácil trazer a mira para o alvo e a curva de adaptação é curta e agradável.


Tudo isso, mais as tolerâncias de precisão do ferrolho, cano e conjunto de estrutura híbrida de polímero/aço inoxidável integrados, tornam a GX4 a micropistola mais precisa que a Shoot On testou, e a GX4 TORO mantém o alto desempenho de sua versão standard.

Em termos de conforto no porte e conveniência, a mira ótica nem mesmo interferiu no coldre Crossbreed Micro Reckoning IWB adquirido pela publicação para a GX4. A pistola GX4 TORO se encaixa neste coldre tão bem quanto a GX4. A parte de trás até cobre o Holosun com meia polegada de sobra. Portanto, esta é uma combinação perfeita para portar a GX4 TORO, com ou sem óptica.


Enquanto atiradores com mãos maiores podem hesitar no manuseio de microcompactas, a plataforma GX4 oferece alternativas. A arma é construída com um sistema de placas de empunhadura modulares (backstrap) e vem com duas variações. O backstrap padrão é instalado na fábrica. Uma segunda placa, com uma protuberância da palma mais proeminente, está inclusa. Aqueles com mãos maiores podem facilmente trocá-las para oferecer um conforto para uma mão maior, se desejarem.

Outro sistema que expande a área de aderência é um carregador de 13 munições com uma extensão para o dedo mínimo. Adicione isso e terá uma microcompacta que se comporta quase como uma arma maior.

Não há dúvida de que as plataformas de porte dissimulado estão liderando o mercado de armas curtas atualmente. O que antes eram armas de "serviço secundárias" agora se popularizaram graças aos seus recursos robustos, ergonomia aprimorada, maior capacidade e acomodações para sistemas de mira avançados. Conte com a nova Taurus GX4 TORO entre os líderes da matilha.


Especificações da Taurus GX4 TORO
CALIBRE: 9mm Luger;
CAPACIDADE: 10, 11, 13;
CARREGADORES: 1×11 tiros e 1×13 tiros (carregador estendido) ou 2×10 tiros;
SISTEMA DE DISPARO: Striker;
CATEGORIA: Microcompacta;
EMPUNHADURA: Polímero;
FERROLHO: Liga de aço;
ACABAMENTO DO CANO: Revestimento DLC Preto Acetinado;
ACABAMENTO DO FERROLHO: Nitretação a gás;
COMPRIMENTO DO CANO: 3,06 polegadas;
COMPRIMENTO GERAL: 5,8 polegadas (com backstrap pequeno), 6,05 polegadas (com backstrap grande);
LARGURA GERAL: 1,08 polegadas;
ALTURA GERAL: 4,4 polegadas;
PESO: 18,7 onças (530 g);
TIPO DE AÇÃO: Apenas ação simples;
MIRA FRONTAL: Fixa em aço com ponto branco;
MIRA TRASEIRA: Serrilhada com ajuste lateral;
SEGURANÇA: Trava do percussor, trava de gatilho, indicador visual de munição na câmara;
RETÉM DO CARREGADOR: Reversível.

quinta-feira, dezembro 23, 2021

Conheça o Armadillo. novo e revolucionário lançador de foguetes brasileiro



*LRCA Defense Consulting - 23/12/2021

O Armadillo, fabricado pela Mac Jee - uma Empresa Estratégica de Defesa brasileira, é um dos lançadores de foguetes mais leves, compactos e rápidos do mercado global. 

Projetado e desenvolvido para condições extremas de operação, o veículo tem alto poder ofensivo e pode retrair o sistema de lançamento durante a fase não ofensiva. 

Contando com um módulo em sua plataforma de lançamento, mais três módulos em seu compartimento de munições, é possível lançar mais de 70 foguetes de 70mm em poucos minutos.

Confira o teste de disparo realizado nas instalações do CaEX, em Marambaia, Rio de Janeiro.

 


 

Malásia quer adquirir até 400 veículos blindados. Brasil estará na disputa com o Guarani

K806 da Hyundai Rotem, um dos concorrentes para a licitação do Exército da Malásia de novos veículos blindados 6x6. Foto: Defense Security Asia.


*Asia Pacific Defense Jornal - 06/06/2021

O Exército da Malásia está se preparando para abrir uma licitação internacional para a aquisição de veículos blindados de rodas 6x6 para substituir os modelos mais antigos em seu estoque.

A aquisição, batizada de projeto de Veículo Blindado com Rodas de Próxima Geração, visa adquirir 400 novos veículos blindados 6x6 com rodas para substituir sua frota de veículos blindados SIBMAS 6x6 de fabricação belga e 4x4 Condor de fabricação alemã.

O Veículo Blindado de Transporte de Pessoal Condor foi construído pela Henschel Wehrtechnik GmbH da Alemanha, enquanto o SIBMAS 6x6, construído pela BN Constructions Ferroviaires et Metalliques da Bélgica e armado com canhão de baixa pressão Cockerill de 90 mm, está em serviço com o Exército da Malásia desde 1981.

O Condor é sendo usado como um transporte de pessoal blindado, enquanto os SIBMAS são usados ​​como veículos de apoio de fogo de apoio a unidades de infantaria.

Espera-se que o novo veículo se torne o veículo blindado mais numeroso no inventário do Exército da Malásia.

Espera-se que a FNSS da Turquia, a PT Pindad da Indonésia, a General Dynamic Land Systems Canada e a Hyundai Rotem da Coréia do Sul participem da licitação.

A FNSS está potencialmente oferecendo seu veículo PARS II 6x6, enquanto a PTT Pindad deve oferecer seu veículo Anoa 6x6.

A General Dynamics Land Systems Canada também pode prosseguir com uma versão 6x6 de sua bem-sucedida série de veículos LAV, enquanto a Hyundai Rotem pode oferecer o novo veículo blindado de rodas K806 6x6.

O Governo da Malásia pode exigir a produção local dos veículos. Nesse caso, a FNSS da Turquia atualmente tem vantagem devido à recente conclusão da produção dos veículos blindados PARS 8x8, conhecidos localmente como AV8 Gempita pelo parceiro malaio DefTech.

A Hyundai Rotem também abriu a possibilidade de produção local, e confirmou que participa da licitação com o veículo blindado de rodas K806. O K806 foi projetado e construído para o Exército da República da Coreia, e também está sendo oferecido para exportação para outros países.

Além da exigência de 400 novos veículos blindados de rodas 6x6, o Exército da Malásia também deverá licitar 36 novos veículos blindados 4x4, que poderiam ser para requisitos das Operações de Paz das Nações Unidas.

===xxx===

Blidado Brasileiro Guarani estará na disputa
Desde o mês de setembro, quando o assunto foi divulgado pela imprensa malaia, a concorrência internacional tem despertado grande interesse dos principais fabricantes desse tipo de veículo blindado, inclusive da Iveco Defence Vehicle que, em 16 de dezembro, com o suporte do Centro de Avaliações do Exército Brasileiro (CAEx), realizou uma grande demonstração da VBPT-MSR 6X6 Guarani equipada com uma torre de tiro SARC REMAX a uma comitiva composta por militares do Exército da Malásia e por representantes do setor de defesa desse país.

A demonstração, publicada ontem por esta Consultoria, pode ser vista neste link.



quarta-feira, dezembro 22, 2021

Desempenho do blindado Guarani é demonstrado à comitiva do Exército da Malásia


*LRCA Defense Consulting - 22/12/2021

O Centro de Avaliações do Exército (CAEx) realizou, em 16 de dezembro, uma demonstração da Viatura Blindada de Transporte de Pessoal Médio sobre Rodas Guarani (VBTP-MSR 6X6 Guarani) para uma comitiva do Exército da Malásia.

A atividade foi conduzida pelo Chefe do CAEx, General de Brigada Alexandre Martins Castilho e teve como objetivo demonstrar o desempenho da plataforma veicular e do sistema de armas da VBTP-MSR 6X6 Guarani equipada com estação REMAX, que integram o Programa Estratégico do Exército Guarani.

A demonstração ocorreu na Seção de Testes do CAEx e contou com a presença de engenheiros e técnicos da Divisão de Avaliação de Material, de engenheiros da Iveco Defence Vehicles (fabricante da viatura), da empresa ARES Aeroespacial e Defesa (fabricante da Estação REMAX) e de uma comitiva do Exército da Malásia e da Prima Elite Technology Sdn Bhd, empresa da área de defesa daquele país.

Foram realizadas demonstrações em sítio de obstáculos, como transposição de trincheira, navegação em raia no lago de navegação e navegação em lago com a comitiva embarcada. Na Linha I, linha de tiro destinada a realizar um amplo espectro de ensaios com armamento pesado e munições de todos os calibres até o alcance de 6 Km e aparelhado com sistema de alvos fixo e móvel, foi montada uma infraestrutura para apresentação e vídeos explicativos a respeito da plataforma REMAX pela empresa ARES, com demonstração de emprego de tiro do sistema e com metralhadora .50 em alvo fixo a 1.000m e viatura parada e em aproximação.

Os militares malaios executaram tiro com o sistema REMAX e, em seguida, foram para o terraço do prédio do radar, de onde assistiram o desempenho da Viatura Guarani em terreno arenoso, para, posteriormente, embarcarem para percurso naquele tipo de terreno. Foi feito deslocamento na pista “Qualquer Terreno” (QT), assistido pela comitiva, que, em seguida, embarcou e realizou o deslocamento na pista. No circuito oval do campo de provas, houve a demonstração do Teste de Estabilidade Lateral (Double Lane Change); em seguida, os militares do Exército Malaio embarcaram para o percurso.

Ao encerramento, aconteceram as discussões finais e despedidas, momento em que foi evidenciada a importância do papel do Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação do Exército (SCTIEx) e da Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS), no fomento da Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de tecnologia no Brasil e na projeção de nosso País no cenário internacional.

Nem os militares brasileiros e nem os malaios comentaram oficialmente sobre o interesse da Malásia no blindado. No entanto, o fato de terem vindo ao Brasil assistir uma demonstração patrocinada pelo Exército Brasileiro e feita com a presença dos fabricantes da viatura e da estação de armas é um sinal evidente desse interesse. A presença de membros da Prima Elite Technology Sdn Bhd, empresa da área de defesa daquele país, é outro fato que contribui para essa hipótese.

*Com informações do Centro de Avaliações do Exército

Click to enlarge image 01-PRINCIPAL-DSCN8850.jpg

Taurus adquire novo forno para aumentar em 130% sua capacidade em MIM (Metal Injection Moulding)

*LRCA Defense Consulting - 22/12/2021

Com o apoio da Trilux Chemical Supplier, a Taurus Armas adquiriu o mais moderno e atualizado equipamento para processamento MIM (Metal Injection Moulding).

O equipamento, da fabricante alemã Cremer Thermoprozessanlagen GmbH - líder mundial em fornos contínuos de debinding e sinterização, é o MIM Master NEO XL, a mais nova tecnologia da Cremer para a produção em larga escala de peças metálicas complexas com alta produtividade e significativa redução de custos de energia e operação.

Esse investimento, combinado com os já realizados em 2021 nessa tecnologia, vai aumentar em 130% a capacidade de produção de peças MIM de alta qualidade, garantindo os planos de crescimento da Taurus no Brasil e no mundo.

Somente duas fabricantes de armas têm tecnologia MIM no mundo
Somente duas fábricas de armas tem a tecnologia Metal Injection Molding (MIM) no mundo e a Taurus é a única abaixo do Equador. Numa arma, são cerca de 14 peças de MIM e a empresa, hoje, fabrica mais de 110 mil dessas peças por dia.

A tecnologia MIM permitiu a produção de peças de geometria complexa, com baixo custo e alto volume, dispensando a necessidade de fornecedores externos, utilizados pela maioria dos fabricantes de armas, com grande vantagem sobre processos tradicionais, como microfusão e usinagem. Esta tecnologia de alta performance une a resistência mecânica dos metais com a versatilidade de forma dos polímeros, a partir da injeção dos componentes, com posterior processo térmico de remoção dos polímeros e sinterização.

Em julho deste ano,  a Taurus iniciou a operação de seu terceiro forno contínuo na unidade MIM na planta de São Leopoldo (RS). O novo equipamento aumentou em cerca de 40% a capacidade de produção de peças com a tecnologia MIM pela companhia. A implementação do projeto do forno - da proposta à instalação - durou cerca de um ano, com investimentos da ordem de R$ 5 milhões. 

Com a aquisição, a Taurus se consolida no ranking mundial das 10 maiores empresas com a tecnologia MIM e se torna a maior no Hemisfério Sul.

O objetivo é que os equipamentos operem 24 horas nos 365 dias do ano, aumentando a flexibilidade e capacidade de produção de armas e componentes pela Taurus. 

A sede da empresa, em São Leopoldo, será responsável pela distribuição de peças MIM para todas as unidades produtivas (Brasil, EUA e Índia).

ABIMDE e ABES certificam a CBC como Empresa Ética


*LRCA Defense Consulting - 22/12/2021

A Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), Empresa Estratégica de Defesa e líder mundial em munições, recebeu recentemente a certificação de "Empresa Ética", concedida pela Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) em conjunto com a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES).

Para a certificação, que tem validade até dezembro de 2022, o programa levou em consideração os seguintes critérios: Existência e divulgação dos Códigos de Conduta para colaboradores e terceiros; treinamentos de Compliance; e disponibilização de um canal de denúncia independente.

"Com esse reconhecimento, a CBC conquistou mais um importante patamar no ano em que comemora seus 95 anos de história. Cumprimos todos os requisitos e, agora, temos orgulho em reafirmar que a CBC preza e busca por práticas transparentes e justas. Seguimos trabalhando com ética e dedicação, servindo ao país, clientes, parceiros e colaboradores de maneira responsável e honesta", afirma Marcelo Del Bianco, Compliance Officer da CBC.

Com o compromisso de conduzir seus negócios com ética, integridade e transparência, buscar a melhoria contínua de seus processos, assim como manter-se atualizada e em conformidade com a legislação anticorrupção no Brasil e no mundo, e com a Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil - LGPD, a CBC aprimorou a sua estrutura de Compliance e atualizou suas políticas e procedimentos, dentre eles, o Código de Conduta CBC Trust, em vigor desde 2017, e o seu Código de Conduta para Terceiros, ambos publicados no site da CBC. 

Para c onhecer mais sobre o programa Uma Empresa Ética, clique aqui.

terça-feira, dezembro 21, 2021

Em nova ação social, Taurus doa brinquedos, aves e cestas natalinas a entidades assistenciais


*LRCA Defense Consulting - 21/12/2021

A Taurus realizou nesta quinta-feira (16) uma nova ação social, desta vez com a doação de brinquedos, aves e cestas natalinas para a Prefeitura de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul.

Os mantimentos serão repassados para 17 cozinhas comunitárias da região voltadas a pessoas em situação de vulnerabilidade social e os brinquedos serão destinados à três entidades assistenciais de São Leopoldo (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE de São Leopoldo, Fundação Casa Aberta e Turma do Sopão).

Esta é mais uma das inciativas solidárias promovida pela Taurus que, consciente da importância de seu papel na atividade empresarial e na sociedade, vem ampliando seu trabalho de responsabilidade social com ações voltadas para atender as demandas das comunidades próximas de sua unidade em São Leopoldo.

Em 2020, a Taurus realizou a doação de 14.310 quilos de alimentos e produtos de higiene e limpeza para as entidades assistenciais de São Leopoldo Fundação Casa Aberta, Turma do Sopão, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE de São Leopoldo, Lar São Francisco de Assis, CCEI Talitha Kum e Instituto Educacional Espírita – IEDE.

Em abril de 2021, a empresa também entregou mais de 1.500 cestas básicas e 260 caixas de bombom para entidades assistenciais da região do Vale dos Sinos, com o intuito de ajudar as famílias que mais necessitam e minimizar, dentro do possível, os impactos sociais e econômicos da pandemia de Covid-19.

E em julho de 2021 doou cerca de 100 toneladas de alimentos e produtos de higiene/limpeza para ajudar famílias carentes cadastradas pelas Prefeituras de São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Esteio e Cachoeirinha, no Rio Grande do Sul. A iniciativa fez parte da campanha "Solidariedade em Dobro”, realizada pela Taurus com seus colaboradores, que doaram 21 toneladas, e fornecedores, que contribuíram com mais 11 toneladas. A Taurus dobrou o total angariado na ação (doando mais 64 toneladas).

Durante a pandemia, a Taurus também realizou diversas contribuições para a sociedade de São Leopoldo, que ultrapassaram mais de R$ 15 milhões em doações, ajudando a aumentar o volume de testes, tanques de oxigênio, equipamentos de proteção, leitos de UTI e outras necessidades advindas de hospitais e instituições de caridade.

A empresa contribuiu também com doações para o Santuário Sagrado Coração de Jesus, localizado junto ao túmulo do Padre Reus, na cidade de São Leopoldo, ajudando o padre Resende e sua comunidade a manter as despesas e as obras sociais durante o período de pandemia, assim como com equipamentos de proteção (máscaras face shield) para os trabalhadores do Santuário.

“Como uma Empresa Estratégica de Defesa, a Taurus tem um forte compromisso com a sociedade brasileira e iniciativas como essas fazem parte da nossa responsabilidade social. Esta é mais uma forma de contribuirmos com a sociedade e devolvermos parte do que ela nos dá como empresa. Por meio dessa ação solidária, queremos ajudar essas famílias que realmente necessitam, para que tenham um final de ano mais alegre, recebendo alimentos e brinquedos que complementem este momento especial, e desejar-lhes um Natal abençoado”, diz Salesio Nuhs, CEO Global da Taurus.


Embraer (EMBR3): com acordo da Eve melhor do que o esperado, empresa coroa salto de mais de 160% da ação em 2021


*InfoMoney - 21/12/2021

No apagar das luzes de 2021, a Embraer (EMBR3) coroou um ano que já caminhava para ser bastante positivo para a ação da companhia com uma notícia que era bastante esperada pelos investidores, fazendo os ativos EMBR3 dispararem mais de 17% na máxima do dia e de mais de 160% no acumulado do ano. Às 14h15 (horário de Brasília), as ações subiam 17,33% na B3, a R$ 23,37.

A Eve Urban Air Mobility, unidade da Embraer de mobilidade aérea urbana, anunciou a fusão com a Zanite Acquisition no ano que vem, em mais um acordo em que startups de táxis voadores buscam capital no mercado aberto.

A operação inclui US$ 237 milhões em capital da Zanite, uma empresa de aquisição de propósito específico (SPAC, na sigla em inglês), e US$ 305 milhões por meio de uma colocação privada em ações públicas, instrumento conhecido como PIPE (sigla em inglês para “Private Investment in Public Equity), que conta com vários investidores. Entre eles a Embraer, com US$ 175 milhões, e US$ 105 milhões de um consórcio que inclui BAE Systems, Rolls-Royce e duas companhias aéreas regionais dos EUA, Republic Airways e SkyWest.

Com alguns desses investidores, a Embraer celebrou acordos para protegê-los com relação a variações de até US$ 30 milhões do valor de seus compromissos de investimento, mediante outorga de créditos para compra de peças ou pagamento em caixa pela transferência de ações da nova empresa. Assim, a companhia terá caixa inicial de US$ 512 milhões.

A Embraer, por meio de sua subsidiária Embraer Aircraft Holding, Inc., permanecerá como acionista majoritária, com uma participação acionária de aproximadamente 82% na Eve Holding após o fechamento do negócio, incluindo seu investimento no PIPE.

Após a conclusão da transação, a Zanite mudará seu nome para Eve Holding, Inc. e será listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) sob o ticker “EVEX” e “EVEXW”.

A combinação de negócios atribui à Eve um valor implícito de US$ 2,4 bilhões. Como, após o fechamento da transação, e assumindo que não haja nenhum resgate pelos acionistas da Zanite, a Eve terá aproximadamente US$ 512 milhões em dinheiro, resulta-se em um valor patrimonial pro forma total de aproximadamente US$ 2,9 bilhões.

As negociações para a fusão com a SPAC estavam no radar dos investidores, desde junho desde que foi publicada uma reportagem pela Bloomberg. Mas o valor atribuído na época era de US$ 2 bilhões. Ou seja, o valor efetivado de US$ 2,4 bilhões é 20% maior do que divulgado em meados de 2021, ajudando a impulsionar ainda mais os ativos.

A fusão coloca a companhia ainda mais no mapa das líderes em inovação e disrupção na mobilidade urbana. Cabe ressaltar que, nesse mesmo dia em que a fusão foi anunciada, vários anúncios foram feitos. A Embraer anunciou até 500 encomendas de aeronaves elétricas da Eve de pouso e decolagem verticais (eVTOL), com as encomendas feitas por Azorra (até 200 unidades), Republic Airways (até 200 unidades) e SkyWest (100 unidades).

Novas frentes se abrem
O eVTOL é um tipo de veículo que se assemelha muito a um helicóptero (que é definido pela sigla VTOL), mas tem já como grande diferencial ser totalmente elétrico. Mais do que isso, a ideia futurista desses veículos também trazem comparações com um grande drone, já que parte de seu projeto também já é focado em ele não ter um piloto.

O interesse de muitas empresas pelo veículo é por conta do custo de compra e de operação. A expectativa é de que, quando houver maior produção, em escala, o eVTOL custará cerca de 30% menos do que um helicóptero, além de ter uma manutenção considerada mais simples.

Desta forma, saindo na frente nessa operação, a Embraer tem conseguido provar cada vez mais o seu potencial após o forte baque das suas ações em 2020, ano que foi marcado pela desistência da Boeing em fazer uma joint venture com a companhia brasileira. Além disso, ela viu a sua situação financeira piorar bastante no ano passado com o estouro da pandemia do coronavírus, que paralisou sua produção e fez despencar os pedidos por novas unidades conforme os voos no mundo todo foram cancelados.

Mas o último resultado da companhia, por exemplo, referente ao terceiro trimestre e divulgado no início de novembro, animou os investidores, com o destaque ficando para as medidas de eficiência operacional, com a Embraer registrando o primeiro período do terceiro trimestre de geração de caixa livre em 10 anos, historicamente com sazonalidade ruim para a Embraer, mesmo com volume de entregas menor. A geração de caixa livre ficou em R$ 123,3 milhões. Além disso, os impactos relacionados à pandemia têm diminuído, aumento as expectativas de que as companhias aéreas renovem sua frota

Na ocasião, o Bradesco BBI destacou: “a Embraer tem otimizado com sucesso seu legado de negócios, melhorando sua estrutura de custos e focando na geração de fluxo de caixa. Isso deve posicionar melhor a empresa para se beneficiar da recuperação na aviação comercial. Além disso, a Embraer tem diversas oportunidades de crescimento advindas de seus novos produtos, como as aeronaves eVTOL e turboélice”, apontam os analistas do BBI.

Já nesta terça-feira, em breve comentário após ser confirmado o acordo de combinação de negócios entre a Eve e a Zanite, o BBI destacou ver que a transação pode materializar US$ 13,00 por ADR (na prática, papéis da companhia negociados na Bolsa de Nova York) ERJ ou R$ 18,70 por ativo EMBR3 negociado na B3.

Atualmente, os analistas do banco possuem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado)  para os ativos da companhia, com preço-alvo de US$ 26 por ADR, ou um potencial de valorização de 87% em relação ao fechamento da véspera.

Eles, por sinal, elevaram a recomendação justamente em junho, com o anúncio das negociações com a SPAC, apontando que essa operação não faria apenas só parte da estratégia da Embraer de investir em novos produtos, mas também de compartilhar parte do risco de desenvolvimento.

Os analistas também destacaram que os pedidos feitos para a Eve (a Embraer atualizou os números, destacando que a empresa já recebeu ordens de cerca de US$ 5 bilhões  de 1.735 aeronaves por 17 clientes, que vão de empresas de leasing, operadores de helicópteros e empresas de compartilhamento de transporte) devem reduzir significativamente o risco do projeto e podem atrair investidores para financiar o desenvolvimento desta aeronave elétrica de decolagem e pouso vertical que deve entrar em serviço até 2026. A Embraer tem experiência comprovada no desenvolvimento de produtos e a associação com a Zanite e outras parcerias estratégicas potenciais ajudam a financiar o projeto eVTOL, avaliaram.

Francisco Gomes Neto, presidente-executivo da Embraer, destacou que o caixa da Eve deve ser suficiente para cobrir os custos de desenvolvimento da aeronave elétrica até sua certificação, esperada para 2025.

Gomes Neto espera que a Eve tenha vários locais de produção porque terá que fazer entregas a clientes em vários continentes, mas os locais das fábricas ainda não foram escolhidos. O presidente-executivo projeta uma receita de US$ 4,5 bilhões da Eve em 2030, e uma participação de 15% no mercado global de mobilidade urbana aérea.

A fase de produção provavelmente será financiada pela emissão de dívida, afirmou ainda o co-presidente-executivo da Eve Jerry DeMuro, ex-presidente da BAE Systems. O outro co-presidente-executivo da Eve é Andre Stein, executivo da Embraer por mais de duas décadas.

A Embraer fornecerá infraestrutura para a Eve, incluindo a alocação de engenheiros de acordo com a necessidade dos projetos, locais para teste e simuladores de voo. “Isso permitirá reduzir os custos de produção”, disse DeMuro em entrevista.

O Morgan Stanley destacou que o valor atribuído foi substancialmente acima do que ele projetava, mas também destacou que o caixa poderia ser baixo em relação ao capital total necessário para desenvolver o projeto. “Também vale a pena mencionar que há sempre o risco de ajustes nos termos dado que a transação ainda está pendente de aprovação dos acionistas da Zanite”, avaliaram os analistas, notando que já houve casos parecidos com ajustes significativos.

Dito isso, destaca a reação positiva das ações uma vez que não havia garantia até então de que a negociação com a SPAC chegaria à fase de assinatura e a Embraer, pelo que os analistas tinham entendido, não tinha um plano B claro para financiar o projeto.

“Além disso, embora não seja uma surpresa para nós, também fomos encorajados ao ver que Eve será capaz de alavancar a infraestrutura, colaboradores e conhecimento da Embraer para prosseguir com o desenvolvimento de seu eVTOL”, ressaltaram. A recomendação dos analistas do Morgan para o papel é equalweight (exposição em linha com a média do mercado), com preço-alvo de US$ 20 para o ADR (ou upside de 44% em relação ao fechamento da véspera).

De acordo com compilação feita pela Refinitiv, de doze casas que cobrem o ADR, 7 recomendam compra, enquanto 5 possuem recomendação neutra, com preço-alvo médio de US$ 21,82, um potencial de alta de 57% em relação ao fechamento da véspera.

Com a assinatura de acordo para a fusão da Eve com a SPAC, a expectativa é de que a Embraer avance mais em suas novas frentes de negócios, mas sem gerar preocupação sobre os outros negócios, mais “tradicionais”, da companhia. Após um 2021 de recuperação, analistas têm mostrado mais otimismo com a companhia.

Conforme destacou a Levante de Investimentos em relatório recente, a preocupação com o alto endividamento e com o consumo agressivo de caixa pode ter passado, “de modo que o mercado agora olha a Embraer como um dos principais players do setor de aviação e, agora, de inovação na mobilidade urbana e transporte aéreo”.

BAE Systems e Embraer vão explorar potenciais variantes de defesa para a aeronave Eve eVTOL

Imagem


*LRCA Defense Consulting - 21/12/2021

A BAE Systems e a Embraer Defense & Security anunciaram planos para embarcar em um estudo conjunto para explorar o desenvolvimento do veículo elétrico de decolagem e pouso vertical (eVTOL) da Eve para o mercado de defesa e segurança. O estudo conjunto baseia-se no desenvolvimento do Eve para o mercado de mobilidade aérea urbana e analisará como a aeronave poderia fornecer capacidade econômica, sustentável e adaptável como uma variante de defesa.

Engenheiros do setor aéreo da BAE Systems em Lancashire, Reino Unido, trabalharão em conjunto com a equipe de Defesa e Segurança da Embraer com sede em São José dos Campos, Brasil, para explorar como uma variante de defesa pode ser usada para uma variedade de aplicações, como transporte de pessoal, vigilância e reconhecimento, socorro a desastres e resposta humanitária. O eVTOL da Eve pode ajudar a transformar as operações de defesa, ao mesmo tempo que reduz seu impacto ambiental - a um custo operacional muito menor do que as plataformas atuais.

“Esta colaboração com uma das principais empresas de defesa do mundo nesta tecnologia emocionante e revolucionária está em linha com nosso objetivo de estabelecer parcerias estratégicas. Estamos ansiosos para explorar mais maneiras pelas quais nossas duas organizações podem trabalhar juntas e se beneficiar dessas ricas experiências e reputações. A colaboração nos permite explorar talentos de todo o mundo em nosso interesse comum de desenvolver soluções inovadoras e sustentáveis ​​para os céus ”, disse Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança.

Ian Muldowney, Diretor de Operações, setor BAE Systems Air, disse: “Combinar a tecnologia inovadora da Embraer no setor comercial com nossa ampla experiência em engenharia de defesa e integração de sistemas nos ajudará a acelerar o ritmo de novas inovações. Este estudo conjunto é um ótimo exemplo de como estamos cumprindo nosso compromisso de colaborar para explorar tecnologias novas e sustentáveis ​​para nossos clientes.

” A aeronave totalmente elétrica faz parte do compromisso da Embraer com a aviação mais sustentável e é fruto da Eve, empresa independente que se dedica a acelerar o ecossistema global de Mobilidade Aérea Urbana (UAM). O estudo conjunto apóia diretamente a estratégia da BAE Systems para acelerar o desenvolvimento de tecnologia sustentável por meio de um maior investimento em pesquisa e desenvolvimento, bem como trabalhar com parceiros da indústria, PMEs e academia.

Eve, da Embraer, recebe novos pedidos de até 500 aeronaves eVTOL

Imagem

 

*LRCA Defense Consulting - 21/12/2021 (atualizado às 09h47)

Eve e Azorra assinam parceria com pedido de 200 eVTOLs

A  Eve Air  Mobility,  uma  empresa da Embraer,  e  a  Azorra,  parceira  de  longa  data  e empresa  de  leasing de  aeronaves  da  Embraer, assinaram uma Carta de Intenções para encomendar até 200 aeronaves elétricas de decolagem e  pouso  vertical  (eVTOL)  da  Eve.  

Esta  colaboração, em  adição  à parceria  de  investimento anunciada hoje, confirma o compromisso conjunto da Azorra e da Eve em fornecer transporte acessível  e  soluções  de  infraestrutura  para  os  primeiros  clientes  da  indústria  de  Mobilidade Aérea Urbana (UAM).

A parceria estratégica entre Eve e Azorra terá como foco a definição de uma base de operadores que planejem missões UAM regulares, ajudando a estabelecer a infraestrutura necessária para permitir voos de eVTOL em todo o mundo.O  experiente  time  de  gerenciamento  da  Azorra  e  o  modelo  de  negócios  voltado  para  o relacionamento  fornecem  a  plataforma  ideal  para  colaborar  com  a  Eve  no  suporte  às necessidades dos clientes e no desenvolvimento de soluções de leasing.

“A Azorra está animada com a parceria com a Eve e por fazer parte da vanguarda da revolução do eVTOL. A praticidade do projeto da Eve, em conjunto com o histórico de mais de 50 anos da Embraer no desenvolvimento de aeronaves seguras e confiáveis, posicionará a Eve para ter um bem-sucedido do lançamento do produto”, afirma Ron Baur, Presidente da Azorra.

Além do pedido da Azorra para 200 aeronaves, a carta de intenções cria uma oportunidade para ambas  as  equipes,  bem  como  para  futuros  operadores  de  UAM, a propor  novos  processos  e diferentes  estruturas,  de  forma  que  todo  o  ecossistema  de  Mobilidade  Aérea  Urbana  possa complementar o portfólio agnóstico de produtos e serviços da Eve.

“Hoje, quase metade das aeronaves comerciais são alugadas e acreditamos que as empresas de leasing  também  terão  um  papel  ativo  na  Mobilidade  Aérea  Urbana,  permitindo  que  as operadoras permaneçam com poucos ativos. A Azorra tem um histórico de ajudar os mercados a crescer e estamos entusiasmados em nos juntar a eles nesta nova fronteira da aviação”, disse André Stein, co-CEO da Eve.

Eve  e  Republic  Airways  anunciam  parceria  para  desenvolveras operações regionais do futuro com um pedido de até 200 eVTOL


Eve Air Mobility, uma empresa da Embraer, e a Republic Airways Holdings Inc, anunciaram hoje um Memorando de Entendimento e uma Carta  de  Intenções para  comprar  até  200  aeronaves  elétricas  de  decolagem  e  pouso  vertical (eVTOL)  da  Eve.  

O  objetivo  é explorar  oportunidades  adicionais  dentro  das subsidiárias da Republic,  como a LIFT  Academy- focada  em  iniciativas  de  desenvolvimento  de  força  de trabalho  e  no  futuro  das  viagens  aéreas. O  relacionamento  estratégico  terá  como  foco  o desenvolvimento de uma rede de implantação em todos os mercados da Costa Central e Leste dos Estados Unidos, com foco inicial em Boston, Nova York e Washington, D.C.

Em preparação para os primeiros voos de Mobilidade Aérea Urbana (UAM) com aeronaves de Eve, as empresas concordaram em estabelecer um grupo de trabalho que estudará os requisitos de  futuros  AOCs  (sigla  em  inglês  para Certificados  Operacionais  de  Linhas  Aéreas)  onde  as aeronaves  de  Eve  podem  ser  implantadas  em  mercados  e  missões  específicos.  Esse  mesmo grupo  de  trabalho  também  examinará  a  viabilidade  de  serviços  adicionais a outros  tipos  de veículos aéreos urbanos, o que poderia ampliar ainda mais o acesso a novos mercados.

“O  compromisso  da  Republic em  fornecer  soluções  de  aviação  sustentáveis  para  nossos parceiros American, Delta e United depende de investimentos contínuos em desenvolvimento de força de trabalho e emergentes tecnologias limpas. O relacionamento estratégico com a Eve se baseia em décadas de relacionamento de sucesso com a Embraer, que expandiu o acesso aos aeroportos  regionais  em  todo  o  país. Acreditamos  que  a  plataforma  UAM  da  Eve  pode desempenhar um papel essencial em nossas iniciativas futuras de desenvolvimento da força de trabalho”, disse Bryan Bedford, presidente e CEO da Republic Airways.

“Esta  parceria  é  um  novo  capítulo  de  uma longa aliança  e compartilha uma  tradição  de excelência entre Republic e Embraer, e agora Eve. A Republic tem a experiência de voar uma extensa malha de rotas nos Estados Unidos que são semelhantes ao que esperamos ver com a UAM  em  uma  escala  geográfica  diferente.  Além  disso,  a  implantação  de  nosso  eVTOL fornecerá a milhões de passageiros nos Estados Unidos uma solução melhor e mais rápida como opção para os últimos quilômetros de sua viagem,” disse Andre Stein, co-CEO da Eve.

Imagem

Eve e SkyWest anunciam parceria para desenvolver malha aérea de operações regionais com pedido de 100 aeronaves eVTOL

A Eve Air Mobility (Eve), uma empresa da Embraer, e a SkyWest, Inc. (NASDAQ: SKYW) (SkyWest), anunciaram hoje um Memorando de Entendimento e uma Carta de Intenções não vinculada para a compra pela SkyWest de 100 aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL).

A parceria tem como foco o desenvolvimento e implantação de uma malha aérea nos mercados central e do oeste dos Estados Unidos. A SkyWest, Inc. (SkyWest) e a Eve também se comprometeram a desenvolver um portfólio de serviços para otimizar o desempenho do eVTOL nas principais e primeiras cidades que adotarem as operações de Mobilidade Aérea Urbana. Para apoiar esse esforço, SkyWest e Eve planejam ter uma equipe dedicada no design do veículo, nas especificações do vertiporto e no roteiro de certificação para as operações do eVTOL.

A SkyWest é parceira da Embraer desde 1986, numa união entre a maior operadora aérea regional do mundo e a líder mundial na fabricação de aeronaves regionais. A SkyWest, que opera aviões comerciais da Embraer para grandes empresas aéreas nos Estados Unidos, escolheu a Eve como parceira da Mobilidade Aérea Urbana (UAM) devido ao longo histórico da empresa em certificação de aeronaves confiáveis por mais de 50 anos.

Além da carta de intenções para 100 aeronaves, as duas empresas concordaram em formar um grupo de trabalho para avaliar, em conjunto, a utilização das soluções de gerenciamento de tráfego aéreo e operação de frota de última geração da Eve, enquanto a indústria de Mobilidade Aérea Urbana se prepara para crescer na próxima década.

“Estamos satisfeitos com a parceria com a Eve ao lançar este produto revolucionário à medida que aumentamos nosso compromisso com a sustentabilidade”, disse Chip Childs, Presidente e CEO da SkyWest.

“Acreditamos que o eVTOL 100% elétrico da Eve contribuirá com os benefícios da emissão zero de carbono, melhor qualidade de vida urbana e maior conectividade. Por meio desta parceria, Eve, Embraer e SkyWest ajudarão a impulsionar a aviação sustentável.”

“A parceria da Eve com a SkyWest oferece o melhor a todos os passageiros que serão atendidos por esta aliança. A união entre a experiência e conhecimento operacional da SkyWest e da Eve, por meio de sua parceria com a Embraer, proporcionará uma robusta e madura operação para a vasta presença da SkyWest nos EUA. Estamos muito entusiasmados em oferecer à SkyWest uma experiência excelente, que servirá para aumentar a acessibilidade para todos”, conclui André Stein, co-CEO da Eve.

Imagem

 

Eve, da Embraer, firma parceria com a Zanite e será listada na NYSE

 Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem


*LRCA Defense Consulting - 21/12/2021

A Eve UAM, LLC ("Eve"), líder no desenvolvimento de soluções de próxima geração de Mobilidade Aérea Urbana ("UAM", na sigla em inglês), firmou um acordo definitivo de combinação de negócios com a Zanite Acquisition Corp. (“Zanite”) (Nasdaq: ZNTE, ZNTEU, ZNTEW), empresa de aquisição de propósito específico focada no setor de aviação.

Após a conclusão da transação, a Zanite mudará seu nome para Eve Holding, Inc. (“Eve Holding”) e será listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque (“NYSE”) sob o ticker “EVEX” e “EVEXW”. A Embraer S.A. (“Embraer”), por meio de sua subsidiária Embraer Aircraft Holding, Inc., permanecerá como acionista majoritária, com uma participação acionária de aproximadamente 82% na Eve Holding após o fechamento do negócio, incluindo seu investimento no PIPE, sigla em inglês para private investment in public equity.

A parceria estratégica da Eve com a Embraer é uma vantagem competitiva fundamental. Ainda sobre a transação, a Embraer contribuiu para a Eve seus ativos, colaboradores e Propriedade Intelectual (PI) relacionados à UAM. Além disso, a Embraer concedeu à Eve uma licença livre de royalties para a PI da Embraer para ser usada no mercado de UAM. A Eve tem acesso a milhares de colaboradores qualificados da Embraer em uma base flexível e prioritária, assim como o uso da infraestrutura global da Embraer em termos preferenciais, de acordo com os termos de determinados contratos de serviços entre a Embraer e a Eve. O alinhamento estratégico com a Embraer oferece à Eve vantagens significativas de custo e execução em relação a outros participantes de UAM.

“Acreditamos que o mercado de mobilidade aérea urbana tem um enorme potencial de expansão nos próximos anos com base em uma proposta de transporte eficiente e com zero emissões, e que com essa combinação de negócios, a Eve estará muito bem-posicionada para se tornar um dos principais players neste segmento”, disse Francisco Gomes Neto, presidente e CEO da Embraer. “Como uma empresa aeroespacial global, com posição de liderança em vários segmentos, entendemos que a inovação e a tecnologia desempenham um papel estratégico para impulsionar o crescimento sustentável e redefinir o futuro da aviação.”

A Eve é a primeira empresa da EmbraerX, a aceleradora de mercado criada em 2017 pela Embraer, líder global na indústria de aviação com mais de 50 anos de experiência em fabricação e certificação de aeronaves. Com um foco singular em um mercado potencial de mobilidade aérea urbana, avaliado em US$ 760 bilhões, a Eve apresentou uma solução de UAM abrangente, prática, e eficiente em termos de capital, incluindo o projeto e produção de veículo elétrico de decolagem e pouso vertical ("eVTOL", na sigla em inglês), serviço e suporte, operações de frota e gestão do tráfego aéreo urbano. Com esse suporte e os recursos contínuos da Embraer, assim como com os resultados antecipados desse negócio, as partes da transação acreditam que a Eve está posicionada de forma ímpar para desenvolver, certificar e comercializar suas soluções de UAM em escala global.

“A equipe da Zanite está extremamente orgulhosa com a parceria com a Eve e a Embraer nesta transação. Depois de uma extensa busca, selecionamos a Eve por causa de seu projeto de eVTOL, simples e certificável, sua abordagem eficiente em termos de capital para operações de frota e presença global da Embraer, que acreditamos que irão permitir que a Eve não apenas alcance a certificação do tipo de veículo, mas também possa escalar sua produção, suporte e operações globais”, disse Kenn Ricci, Co-CEO da Zanite e Diretor da Directional Aviation Capital, um membro da Zanite Sponsor.

A Eve será comandada pelos co-CEOs Jerry DeMuro, que mais recentemente atuou como CEO da BAE Systems, Inc., e Andre Stein, que está no comando da Eve desde seu início e ocupou cargos de liderança na Embraer por mais de duas décadas. “A mobilidade aérea urbana é uma oportunidade de transformação no setor de aviação. Entrei para a Eve porque acredito que não há empresa mais bem posicionada para capitalizar o enorme potencial desse mercado emergente”, disse Jerry DeMuro, Co-CEO. Andre Stein, Co-CEO, acrescentou: “A Eve foi fundada com a visão de acelerar o ecossistema de UAM, tornar o transporte aéreo urbano seguro, acessível e disponível para todos os cidadãos, enquanto reduz as emissões globais de carbono. A transação anunciada hoje com a Zanite é um marco importante que irá acelerar nosso plano estratégico e nos apoiar na concretização de nossa visão”.

A Eve formou uma rede poderosa de dezenas de parceiros estratégicos altamente respeitados, abrangendo o ecossistema de UAM, incluindo operadores de frotas, parceiros de transporte compartilhado, fornecedores de vertiportos, locadores de aeronaves, parceiros de financiamento, fornecedores de energia renovável e líderes nos setores de defesa e tecnologia. A partir dessa rede de parceiros, a Eve assegurou encomendas de 17 clientes, por meio de cartas de intenções não vinculantes, resultando em um pipeline de 1.735 veículos avaliados em aproximadamente US$ 5,2 bilhões.

Visão geral da transação


A combinação de negócios atribui à Eve um valor implícito de US$ 2,4 bilhões. Após o fechamento da transação, e assumindo que não haja nenhum resgate pelos acionistas da Zanite, a Eve terá aproximadamente US$ 512 milhões em caixa, resultando em um valor patrimonial pro forma total de aproximadamente US$ 2,9 bilhões.

A expectativa é que os recursos financeiros levantados na transação sejam usados para financiar as operações, apoiar o crescimento e para fins corporativos de forma geral. Os recursos serão financiados por uma combinação de aproximadamente US$ 237 milhões em dinheiro fiduciário da Zanite, assumindo que não haja nenhum resgate pelos acionistas da Zanite, e um PIPE de US$ 305 milhões de ações ordinárias a US$ 10,00 por ação, composto de compromissos de US$ 175 milhões da Embraer, US$ 25 milhões da Zanite Sponsor e US$ 105 milhões de um consórcio de investidores financeiros e estratégicos importantes, incluindo Azorra Aviation, BAE Systems, Bradesco BBI, Falko Regional Aircraft, Republic Airways, Rolls-Royce e SkyWest. 

No contexto destes contratos de subscrição, a Embraer celebrou acordos com alguns investidores estratégicos para proteger estes investidores com relação a variações de até US$30 milhões do valor de seus compromissos de investimento, mediante a outorga de créditos para a compra de peças ou o pagamento em caixa pela transferência de ações da Nova Eve para a Embraer. Além disso, a Embraer concordou com um período de restrição na venda de ações de três anos nas suas ações de rollover e a Zanite Sponsor concordou com um período de restrição na venda de ações de três anos na negociação de suas ações (founder shares).

A transação foi aprovada por unanimidade pelos conselhos de administração da Embraer e da Zanite e deve ser concluída no segundo trimestre de 2022, ainda sujeita às aprovações regulatórias, dos acionistas e demais condições habituais para a conclusão desse tipo de negócio.

Informações adicionais sobre a combinação de negócios proposta, incluindo uma cópia do contrato da combinação de negócios e apresentação para investidores, serão fornecidas no Formulário 8-K a ser protocolado pela Zanite na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (ou Securities and Exchange Commission "SEC") e disponível em www.sec.gov. 

Eve é a empresa de mobilidade aérea urbana criada pela Embraer S.A. e estabelecida como uma empresa independente em outubro de 2020
•    Os recursos da transação serão usados para expandir o desenvolvimento e a comercialização da solução de mobilidade aérea urbana da Eve, contemplando design e produção de eVTOL, serviço e suporte, operações de frota e gestão de tráfego aéreo urbano
•    O fluxo de pedidos está estimado em aproximadamente US$ 5,2 bilhões, composto de 1.735 pedidos de veículos, por meio de cartas de intenção não vinculantes de 17 clientes, incluindo operadores de asa fixa e helicópteros, locadores de aeronaves e parceiros de plataforma de transporte compartilhado
•    O valor implícito pro forma da empresa é de aproximadamente US$ 2,4 bilhões e o valor patrimonial pro forma é de aproximadamente US$ 2,9 bilhões
•    A transação inclui aproximadamente US$ 237 milhões em dinheiro da Zanite Acquisition Corp. e um PIPE de US$ 305 milhões, ancorado pela Embraer SA, Zanite Sponsor LLC, investidores financeiros e um importante consórcio de parceiros estratégicos - incluindo Azorra Aviation, BAE Systems, Bradesco BBI, Falko Regional Aircraft, Republic Airways, Rolls-Royce e SkyWest, Inc.

Consultores


White & Case LLP atuou como consultor jurídico da Zanite. Jefferies LLC e BTIG, LLC atuaram como consultores financeiros e consultores de mercado de capitais para a Zanite. Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom LLP e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados atuaram como assessores jurídicos da Embraer e da EAH. Raymond James & Associates, Inc. atuou como assessor financeiro e assessor de mercado de capitais da Eve e o Banco Santander (Brasil) S.A., o Banco Bradesco BBI S.A. e o Banco Itaú International atuaram como consultores financeiros da Eve.

Informações sobre webcast e teleconferência

Zanite, Embraer e Eve realizarão um webcast conjunto com investidores e uma teleconferência para discutir a combinação de negócios proposta na terça-feira, 21 de dezembro de 2021 às 10: 00 BRT.
 
Para acessar a chamada, disque +1 (412) 717-9627 / +1 (844) 204-8942 dos Estados Unidos, +55 (11) 3181-8565 / +55 (11) 4090-1621 do Brasil ou +44 20 3795 9972 do Reino Unido. Os participantes devem se conectar 15 minutos antes do horário programado.

A chamada ao vivo e a reprodução também estarão disponíveis como um webcast, que poderá ser acessado no site de investidores da Zanite em https://www.zaniteacquisition.com/znte-i/

Sobre a Eve     

A Eve tem como finalidade acelerar o ecossistema de UAM. Beneficiando-se de uma visão de startup, respaldada pela história de mais de 50 anos de expertise aeroespacial da Embraer e com um foco singular, a Eve adota uma abordagem holística para progredir no ecossistema de UAM, com um projeto de eVTOL avançado, uma rede global abrangente de serviços e suporte e uma solução única de gerenciamento de tráfego aéreo. Para obter mais informações, visite www.eveairmobility.com.  

Sobre a Zanite

A Zanite é uma empresa de aquisição de propósito específico e foi constituída com a finalidade de efetuar uma fusão, troca de ações, aquisição de ativos, compra de ações, reorganização ou combinação de negócios semelhantes com uma ou mais empresas nos setores de Aviação, Aeroespacial e Defesa, Mobilidade Urbana e indústrias emergentes de tecnologia. A Zanite Sponsor é administrada por Kenneth C. Ricci, Diretor da Directional Aviation Capital, e Steven H. Rosen, Co-Fundador e Co-Diretor Executivo da Resilience Capital Partners, juntamente com seu Conselho de Administração e Consultores Estratégicos, Larry Flynn, Dr. Ron Sugar, Patrick Shanahan e John Veihmeyer. A Zanite começou a ser negociada na Nasdaq em novembro de 2020 e suas ações ordinárias, unidades (units) e garantias (warrants) são negociadas sob os símbolos "ZNTE", "ZNTEU" e "ZNTEW", respectivamente. Para obter mais informações, visite www.zaniteacquisition.com. 

Consulte aqui o Fato Relevante divulgado pela Embraer.

segunda-feira, dezembro 20, 2021

APCE lidera a 1ª reunião dos Organismos de Certificação Designados com o Exército

 REUNIÃO DE ALINHAMENTO ENTRE OS OCDs E DFPC


*LRCA Defense Consulting - 20/12/2021

A Associação Brasileira de Produtos Controlados (APCE) liderou neste último dia 08, a 1° reunião dos OCD - Organismos de Certificação Designados com a Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército (DFPC). 

A proposição da pauta consistiu basicamente no alinhamento dos procedimentos adotados desde a publicação da Portaria 189-EME, as expectativas para o ano 2022, principalmente no que tange as avaliações de manutenção e dos produtos importados, bases normativas, sugestões de melhoria no processo, dentre outros assuntos. 

Estiveram presentes:
- Pela DFPC: Coronel Carlos Eduardo Brugiolo, Coronel Alei Magluf, Capitão Bernardo Camargo, Tenente Fabiana;

Pela APCE: Monica Rios - Presidente da entidade;

Pela ABIMDE: Coronel Armando Lemos, Miriam Pereira e Lauro Oliveira Martins;

Pelos OCD: Fábio Sianga, da T&A Brasil; Sergio Fabiano, do IQA; Cristina Minosso, da Certa; Cesar Augusto Vieira, da Dekra; e Lenice Rocha, da Falcão Bauer.

Segundo a presidente da APCE, a reunião foi extremamente produtiva e demonstrou a parceria e o comprometimento do grupo, ficando prevista a montagem de uma agenda positiva para os próximos meses.

Sistema Transportável para Rastreio de Engenhos em Voo, da Omnisys, é testado pelo Exército


*LRCA Defense Consulting - 20/12/2021

O Centro de Avaliações do Exército (CAEx) realizou, no período de 28 de junho a 9 de dezembro, uma série de Testes de Aceitação em Campo (TAC) do Sistema Transportável para Rastreio de Engenhos em Voo (STREV), cuja concepção está inserida no Programa Estratégico do Exército ASTROS.

O escopo do Projeto de Instrumentação para Campo de Instrução (PICI) contemplou a celebração de contrato de serviços entre o Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) e a empresa Omnisys Engenharia, para implantação do (STREV), que se encontra atualmente em andamento, e cujas fases de revisão de projeto preliminar, revisão de projeto detalhado, fabricação, testes de aceitação em fábrica e treinamento teórico dos operadores do sistema foram entregues.

Os TAC são fase decisiva do serviço em questão, durante os quais o STREV foi empregado no rastreio de munições reais de Morteiro 81 mm e Obuseiro 155 mm, com o apoio do Arsenal de Guerra do Rio (AGR) e do 11º Grupo de Artilharia de Campanha (11º GAC), e de três lançamentos de foguetes SS-30 ASTROS, com o apoio do 6º Grupo de Mísseis e Foguetes (6º GMF). Nos testes realizados no CAEx, destacou-se a demonstração do STREV ao Chefe do DCT, General de Exército Guido Amin Naves, em 17 de agosto, ocasião na qual o rastreio foi monitorado em tempo real pelas autoridades presentes, por meio da exibição de dados obtidos pelo próprio sistema.

Após o treinamento em campo dos operadores do sistema realizado no CAEx, no mês de setembro, o STREV foi transportado em comboio a partir da Restinga da Marambaia, no Rio de Janeiro, RJ, até o Forte Santa Bárbara, em Formosa, GO, em percurso aproximado de 1.480 km, para execução dos TAC no Campo de Instrução de Formosa (CIF), no período de 25 de outubro a 17 de novembro, durante o qual foi empregado no rastreio de seis lançamentos de foguetes SS-30 ASTROS, com o apoio do Comando de Artilharia do Exército e do 11º Grupo de Mísseis e Foguetes (11º GMF).

Nos testes realizados no CIF, destacou-se a demonstração do STREV, em 16 de novembro, ao Chefe do Estado-Maior do Exército (EME), General de Exército Marcos Antonio Amaro dos Santos, quando o rastreio foi executado, em tempo real, às autoridades presentes, por meio da exibição de dados obtidos e apresentados pelo próprio sistema.


Após a conclusão dos testes no Forte Santa Bárbara, em 17 de novembro, o STREV foi transportado em comboio, durante quatro dias, em percurso aproximado de 1.960 km, a partir de Formosa (GO) até o Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), organização militar da Aeronáutica localizada na Serra do Cachimbo, em Novo Progresso (PA).

Foram executados TAC no CPBV, no período de 29 de novembro a 3 de dezembro, cujos testes objetivaram verificar e validar a transportabilidade e a operação do STREV naquela localidade remota, com vistas à aplicação do sistema no rastreio do Míssil Tático de Cruzeiro MTC-300 em campanhas de lançamento planejadas para 2022. Após a conclusão, o STREV foi transportado em comboio até o CAEx, aproximadamente 2.930 km, durante seis dias, quando foram concluídos os testes, em 9 de dezembro.

O retorno do STREV ao CAEx, após a conclusão dos Testes de Aceitação em Campo, marca o término da mais importante fase do sistema, que antecede a aceitação definitiva prevista para janeiro de 2022.


STREV - rastreio de engenhos em voo é uma capacidade tecnológica estratégica
A parceria entre a Omnisys, subsidiária da Thales no Brasil, e o Exército Brasileiro para o desenvolvimento e implantação do STREV foi firmada em abril de 2019. O contrato, de cinco anos, incluiu o desenvolvimento e a implantação do sistema de rastreio, capaz de fornecer informações essenciais para a análise de desempenho de foguetes, mísseis e munições, além da instrumentação completa, treinamento e suporte logístico.

O STREV irá apoiar o Exército Brasileiro em missões de rastreio de forma a prover informações essenciais para o desenvolvimento e avaliação de projetos e produtos, como a do míssil tático de cruzeiro MTC-300 e a do foguete guiado SS-40G que integram o Programa Estratégico do Exército Astros 2020. Totalmente transportável, o sistema poderá ser operado em diferentes campos de ensaios e testes brasileiros, resultando em significativa redução de custos de instrumentação para as forças armadas brasileiras.

É importante destacar que o rastreio de engenhos em voo é uma capacidade tecnológica estratégica dominada por poucos países. Por sua arquitetura transportável, o STREV pode ser operado em diferentes locais acessíveis por rodovias, em todo o território nacional, o que viabiliza a realização dos ensaios em área geográfica mais adequada para a missão de lançamento do engenho a ser avaliado.

*Com informações do Centro de Avaliações do Exército


Postagem em destaque