Pesquisar este portal

16 junho, 2024

Indústria de Defesa: o exemplo e as ideias que vêm da Índia


*LRCA Defense Consulting - 16/06/2024

A Índia reportou um crescimento robusto do produto interno bruto (PIB) de 7,8 por cento em termos homólogos no T4AF24 (4º trimestre do ano fiscal de 2024), com as novas estimativas da taxa de crescimento global do AF24 a situarem-se em 8,2 por cento. 

Um dia após as eleições na Índia terem levado Narendra Modi a mais um mandato como Primeiro Ministro, após 10 anos de governo, a Fitch Ratings reforçou a sua perspectiva 'positiva' sobre o crescimento econômico a médio prazo desse país. "Esperamos que as fortes perspectivas de crescimento a médio prazo da Índia permaneçam intactas, sustentadas pelo esforço de investimento do governo e pela melhoria dos balanços empresariais e bancários", disse o Diretor da Fitch e analista soberano primário para a Índia, Jeremy Zook.

Após a pandemia da Covid-19 em 2020, a Índia tem apresentado um crescimento muito mais acelerado do que a China. Segundo projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), essa tendência deve se manter nos próximos anos. A expectativa é de que o país se torne a terceira maior economia mundial em 2027, superada apenas pelos Estados Unidos e pela própria China. Atualmente, a Índia ocupa a quinta posição.

Na área de Defesa, em linhas gerais, o governo do PM Modi se caracterizou por estabelecer, em meados da década passada, um programa chamado "Make in India", pelo qual o país passaria de maior importador de armas do mundo para a situação de grande exportador, além de tornar a Índia autossuficiente (Atma Nirbhar Bharat) na maior parte de suas necessidades de Defesa. Esta abordagem incentiva parcerias com empresas de defesa nacionais e internacionais para melhorar as capacidades e garantir a autossuficiência em tecnologias críticas.

Em consequência, o setor da defesa do país registra um crescimento significativo, projetado para atingir 23,05 bilhões de dólares até 2029, face ao seu tamanho atual de 17,40 bilhões de dólares em 2024, de acordo com um Relatório de Inteligência Mordor.

O grande sucesso da iniciativa tornou a Índia a quarta maior potência militar do planeta e fez com que houvesse um desenvolvimento fenomenal em sua Indústria de Defesa, principalmente no que diz respeito ao setor de alta tecnologia.

No entanto, é fundamental observar que o salto indiano não está acontecendo devido apenas à melhoria das práticas e normas industriais e políticas, mas também devido a profundas em alterações na sua área educacional, o que inclui também o segmento ligado à Defesa.

Para se ter uma ideia do período sob a liderança de Narendra Modi, nos últimos 10 anos houve uma melhoria contínua no desempenho das universidades indianas no QS World University Rankings, com a presença de 46 instituições, em comparação com 11 em 2015, um aumento de 318% em 10 anos, o melhor entre o G20.

Para entender mais sobre o desenvolvimento do gigante asiático, confira abaixo o interessante artigo escrito pelo Diretor da Academia Nacional de Produção de Defesa (NADP) da Índia:


Fechando a lacuna: desenvolvendo líderes tecnogerenciais para uma indústria de defesa autossuficiente

*Indian Defence Review, por Dr. JP Dash - 03/06/2024

Introdução
A indústria de defesa é única, com uma combinação única de tecnologia de ponta, impacto global inabalável e um impulso constante pela inovação. Ao contrário dos seus homólogos comerciais, às empresas de defesa é confiada a salvaguarda da integridade da nação, o que, por sua vez, cria um ambiente interno seguro que alimenta ainda mais o progresso.

A indústria da defesa é única em muitos aspectos porque funciona com tecnologia de ponta e uma cadeia de abastecimento muito complexa, e o Estado ou as suas aspirações militares ditam a procura. As tecnologias de defesa estão em constante evolução para enfrentar ameaças em constante mudança. Esta busca incansável por avanços estimula descobertas inovadoras que se espalham para beneficiar também as aplicações civis. As decisões da indústria de defesa têm um peso imenso no cenário internacional. Os empreiteiros e fornecedores de defesa desempenham um papel crucial na definição dos cenários de segurança globais.

Para além dos interesses comerciais, as empresas de defesa cumprem um dever nacional vital. Fornecem as ferramentas de que as nações necessitam para se defenderem a si próprias e aos seus cidadãos, uma responsabilidade que ultrapassa as margens de lucro.

A indústria de defesa é um poderoso motor de inovação, um protetor da soberania e um pilar da segurança global. É um campo desafiador, mas gratificante, onde a engenhosidade encontra a responsabilidade nacional e os resultados moldam o nosso mundo. Este é o incomparável Mundo da Defesa, onde a inovação está na vanguarda da segurança nacional e satisfazer as necessidades nesta conjuntura crucial em que a Índia aspira a ser grande, é a necessidade do momento. A combinação de Tecnologia + Talento levará à Transformação, fornecendo um Plano de Desenvolvimento de Competências para a Liderança do Setor de Defesa.

Forjando um escudo mais forte: desafios enfrentados pela indústria de defesa da Índia
A Índia aspira ser um líder global, para o qual uma indústria de defesa doméstica robusta é uma peça crucial do quebra-cabeças. No entanto, vários obstáculos impedem o seu progresso. Vamos explorar alguns destes desafios: historicamente, a indústria dependeu de empresas estatais, que se revelaram lentas e burocráticas. Tem sido criticado pelo seu legado de ineficiência e dependência de importações. A Índia depende frequentemente de tecnologia estrangeira, limitando a sua autossuficiência na produção de defesa. Uma possível escassez de trabalhadores/engenheiros qualificados em áreas como a engenharia aeronáutica, a engenharia de precisão, a ciência avançada dos materiais, a eletrônica e a cibersegurança pode dificultar esse desenvolvimento.

Apesar destes desafios, a indústria de defesa da Índia tem potencial para se tornar um ator global significativo. Ao abraçar a inovação, investir no desenvolvimento de competências e simplificar processos, a Índia pode criar um setor de defesa mais robusto e mais Atmanirbhar (autossuficiente).

Liderando o ataque: habilidades essenciais para gerentes de defesa indianos

A indústria de defesa da Índia está pronta para decolar e uma liderança forte é vital para o sucesso. Aqui estão as principais habilidades que os futuros gerentes devem possuir. É essencial um conhecimento sólido de tecnologias de defesa como mecatrônica, ciência de materiais, engenharia de plataformas, engenharia de sistemas, modelos de negócios enxutos e engenharia frugal. Os projetos de defesa são complexos. Gerenciar equipes, recursos e orçamentos de maneira eficaz é fundamental para uma conclusão oportuna antes que o adversário apresente um novo produto.

As decisões de defesa têm implicações a longo prazo. Os gestores precisam pensar estrategicamente e planejar o futuro. Inspirar e motivar equipes é fundamental para atingir metas. Os líderes devem ser capazes de construir confiança e promover uma cultura de excelência. Compreender aspectos comerciais como a gestão da cadeia de abastecimento e a negociação de contratos é essencial e exige que os gestores da nova era sejam experientes em negócios. A gestão eficaz de talentos é fundamental para reter pessoal qualificado e envolver os funcionários da Geração Z. Com o conjunto certo de competências e dedicação, os gestores da indústria de defesa indiana podem conduzir a nação rumo à autossuficiência e à proeminência global.

Avançando: a ascensão da indústria de defesa da Índia
A indústria de defesa da Índia está a passar por um período de transformação significativa impulsionado por uma série de reformas políticas. Estas reformas, delineadas pelo governo indiano, resultaram numa crescente base de produção interna, no aumento da autossuficiência e num futuro promissor para o setor.

Os sinais visíveis de progresso são evidentes. Alimentada pela necessidade de modernizar as suas forças armadas, a procura interna de equipamento de defesa na Índia está a aumentar, como evidenciado pelo crescimento da procura interna e pelo apoio a uma economia em expansão. O Ministério da Defesa estabeleceu um roteiro ambicioso para atingir uma meta anual de produção de defesa de 3 lakh crore até
2028-29, priorizando a autossuficiência. O governo empreendeu reformas estruturais significativas, incluindo a criação de novos corredores de defesa para impulsionar a indústria.

Perspectivas futuras
A indústria de defesa indiana está preparada para um crescimento significativo, tornando-se potencialmente num líder global. Uma base robusta de investigação e desenvolvimento nacional é crucial para a inovação e a autossuficiência em tecnologia de defesa, o que deve refletir-se num aumento do investimento em I&D, principalmente por parte do setor privado. Setor. As parcerias público-privadas e a colaboração entre fabricantes nacionais e estrangeiros serão essenciais para a transferência de conhecimento e os avanços tecnológicos. À medida que a Índia alcança a autossuficiência na produção de defesa, tem um potencial significativo para exportar armamento nacional para outros países, a fim de se afirmar como uma superpotência.

A indústria de defesa da Índia está numa trajetória ascendente, impulsionada por reformas políticas, iniciativas governamentais e um mercado interno em crescimento. Com foco contínuo na inovação, colaboração e potencial de exportação, a indústria de defesa indiana está bem posicionada para se tornar uma força autossuficiente e competitiva globalmente.

Análise de um PGDM para a Academia Nacional de Produção de Defesa - NADP
O programa (Post Graduate Diploma in Management - pós-graduação em gestão) preenche a lacuna entre a defesa e os negócios, fornecendo uma base nas principais disciplinas de negócios. Isto permite que os profissionais apliquem estratégias de negócios e melhores práticas ao contexto único da produção de defesa, melhorando a eficiência e a relação custo-benefício.

O programa se alinha com a visão do AtmaNirbhar Bharat (Índia Autossuficiente) ao preparar profissionais para contribuir para o desenvolvimento de capacidades de defesa, inovação e tecnologia indígenas. Os graduados estão equipados para apoiar startups relacionadas à defesa, pesquisa e desenvolvimento e fabricação de defesa local.

Os graduados estão preparados para funções de liderança, conduzindo iniciativas estratégicas e contribuindo para o crescimento e sucesso das organizações relacionadas com a defesa. O programa garante um fornecimento sustentável de profissionais qualificados para reduzir a dependência das importações e fortalecer as capacidades indígenas.

A NADP trouxe alguns dos melhores professores da academia, das Forças Armadas e da indústria como
professores adjuntos ou visitantes para impulsionar o sucesso do programa. É necessário mencionar a Mentoria do IIM Indore, através da qual a NADP trará alguns professores do IIM Indore e oferecerá um
programa de imersão de verão no Campus do IIM A NADP introduziu algumas práticas universitárias corporativas, como treinamento externo e testes psicométricos individualizados, para orientar sobre os pontos fortes e fracos de cada aluno. A NADP não só formou o Conselho de Inovação, formado por mandato do Ministério da Educação, mas a sua parceria com o inFED, a incubadora do IIM Nagpur, dará profundidade à orientação empreendedora. A NADP orgulha-se da rica parceria que estabeleceu com a academia e a indústria, como IIPA, IIMV, IIMN, VNIT, AIMA, NIPM, etc.

As ofertas técnicas incluem todos os tópicos em sistemas terrestres, artilharia, infantaria, tecnologia blindada, foguetes e mísseis, balística, prova, indústria 4.0, engenharia de confiabilidade e segurança de munições. As ofertas gerenciais incluem Estratégia, Excelência em Fabricação, Cadeia de Suprimentos, Gestão de Inovação, Gestão de Segurança e Desastres, Gestão de Mudanças e TPM. Para desenvolvimento Pessoal, a NADP oferece tópicos como Liderança, Gestão de Estresse, Diversidade e Inclusão e EQ. As ofertas legais e regulatórias incluem leis societárias, transparência e divulgação, conformidade, DPI e relações industriais. Áreas emergentes como Transformação Digital, IA, Análise de Negócios, Segurança Cibernética, Transformação Digital, Análise de Negócios e Segurança Cibernética são cobertas.

O currículo acadêmico é muito rigoroso e ministrado pelos melhores professores usando a pedagogia mais recente, como Liderança e Autodescoberta por meio de Centro de Avaliação e Mentoria, Coaching, Aprendizagem baseada em ação por meio de Casos, Simulações, Laboratórios, Outbound Camp, Sessões de Excelência em Fabricação com Projetos na fábrica, Imersão e Estágio Best of Corporate World, Série de Palestras de Liderança de Eminentes Líderes da Indústria, Sociedade e Governo e Integração de aprendizagem teórica, prática e experiencial. A Academia Nacional de Produção de Defesa (NADP) oferece um programa PGDM único em Gerenciamento de Defesa que se alinha perfeitamente com a visão de AtmaNirbhar da Índia.

Hoje, a defesa exige colaboração entre os setores público e privado, incluindo startups. Os programas PGDM enfatizam a promoção de uma cultura de inovação e trabalho em equipe. A ascensão da IA, do big data e de outras tecnologias pode revolucionar a gestão da defesa. Os programas PGDM poderiam abordar estes avanços e como aproveitá-los para uma melhor tomada de decisões e eficiência operacional. Tradicionalmente, as aquisições no domínio da defesa centravam-se nas especificações técnicas. Um novo paradigma poderia enfatizar a compreensão das necessidades dos usuários e o fornecimento de soluções que atendam essas necessidades de forma eficaz. O campo da educação em gestão está em constante evolução e estão a surgir novos paradigmas que podem ser altamente relevantes para o PGDM na Defesa. A última oferta da NADP para seu PGDM pode ser uma virada de
jogo para a Indústria de Defesa na Índia.


*Dr. JP Dash é um oficial da IOFS, subordinado ao Ministério da Defesa em nível de secretário adjunto. Membro do Instituto de Diretores com 33 anos de experiência em Governo, UPAs e Acadêmicos. Ele dirige a Academia Nacional de Produção de Defesa (NADP) e trabalhou como CEO da Casa da Moeda do Governo da Índia, Hyderabad (IGMH). Ele também é atual chefe de projeto de ERP na Munitions India Limited.


15 junho, 2024

Jatos executivos da Embraer crescem à medida que linhas de produtos rendem 'colheita'

 

*AIN Online, por Kerry Lynch - 27/05/2024

A Embraer Executive Jets está na “época de colheita” à medida que ganha impulso com a série de atualizações em sua linha de produtos existente, de acordo com o presidente e CEO da empresa, Michael Amalfitano.

Abordando os rumores sobre qual seria o próximo avião de sua linha e se seria maior, ele disse: “Faremos algo maior quando pudermos interrompê-lo com algo diferenciado”, apontando como a Embraer migrou fly-by-fly para ingressar na classe de jatos executivos de médio porte.

Enquanto isso, Amalfitano classificou o impulso que a empresa está experimentando como “muito forte”. Isso ocorre no momento em que o mercado parece estar se normalizando desde o pico após a Covid. “Estamos aproveitando isso... ainda estamos capturando vendas.” Ele destacou que o Phenom 300 é a aeronave mais entregue em sua classe há doze anos consecutivos e o jato bimotor mais entregue em quatro anos. Também foi o jato particular mais voado nos EUA em 2023, acrescentou.

“O que é interessante nisso é que ele desbancou a categoria [Cessna] Citation XLS, que ocupou a posição por 10 anos consecutivos”, disse Amalfitano. “Então, obviamente, isso é um grande impulsionador em termos de dinâmica do mercado. Mas vimos um crescimento semelhante em termos de penetração de mercado em todos os nossos produtos."

O Phenom 100 cresceu em participação de mercado de 12% para 19%, o 300 ganhou um ponto adicional para 34% e o Praetor 500 aumentou sua participação no mercado de 26% para 33%. O Praetor 600, na competitiva categoria supermédio, permaneceu estável em 19%.

Apoiando isso está um backlog que atingiu o que Amalfitano caracterizou como historicamente alto de US$ 4,6 bilhões e um book-to-bill que excedeu 1,3:1 no final de 2023 e saltou para 2:1 no primeiro trimestre à medida que essa proporção recuou para perto de 1:1 em muitos OEMs. “Muito significativo em termos de impulso do backlog”, ressaltou.

A Embraer agora está vendendo no segundo semestre de 2026 as linhas Phenom e Praetor. Especificamente para o Phenom 300 e o Praetor 600, a empresa prevê o quarto trimestre de 2026 e o ​​primeiro trimestre de 2027, respectivamente.

Quanto aos clientes, Amalfitano disse que está equilibrado na maioria dos segmentos de aeronaves, lembrando que embora o mercado fracionário seja forte, o Phenom 100 não tem esse cliente. Em vez disso, é uma aeronave a jato de nível básico, pilotada pelo proprietário. “Estávamos obtendo um grande impulso em termos de crescimento dessa linha de produtos”, observou ele, especialmente com o lançamento do 100EX em outubro.

O Phenom 300 tem se beneficiado com pedidos constantes da NetJets e da Flexjet, mas as vendas são mistas, afirmou ele. “Temos um forte departamento de voo corporativo [business]. Temos indivíduos de alto patrimônio líquido. Temos fracionários e temos clientes de frota em todos os níveis. Portanto, essa é uma boa balança comercial.”

Quanto ao Praetor 500 e 600, “O que é interessante é a crescente adoção dos departamentos de voo corporativo em nossa linha de produtos. Obtivemos o benefício das empresas Fortune 50, 100, 500 e dos clientes dos departamentos de voos corporativos que estavam em um ciclo de substituição. Esse ciclo de substituição tem sido muito forte, não só durante o período pandêmico, mas desde então ainda mais forte. Isso realmente nos beneficiou.”

Embora este seja mais um fenômeno do mercado norte-americano, ele disse: “Tivemos um crescimento igual de segmentos individualmente na América Latina e na Europa. Portanto, há muitas oportunidades de ver nossos produtos sendo atendidos não apenas no crescimento total da participação de mercado, mas também no crescimento regional nos segmentos que atendemos.”

Quanto aos novos compradores que entraram no mercado durante a pandemia, Amalfitano disse: “Não diria que seja único como foi durante [aquele] período. Foi esse efeito boom e o bolo ficou maior. Um monte de gente entrou.”

A Embraer se beneficiou disso durante a pandemia. “Agora, à medida que o mercado se normaliza, o mesmo ocorre com os compradores de primeira viagem que estão comprando a aeronave”, disse ele, estimando que esses clientes se contentaram com adolescentes de nível médio a alto como porcentagem dos compradores. “Não é mais baseado em fenômenos. É mais estável em termos de crescimento.”

Mas como resultado desse crescimento, a empresa conseguiu desenvolver a marca da controladora Embraer, hoje com 55 anos, segundo Amalfitano. Esta é uma parte fundamental do seu pilar de manter uma filosofia centrada no cliente, disse ele.

Amalfitano observou que as restrições de fornecimento serão um foco crítico, à medida que a Embraer trabalha para cumprir sua orientação de 125 a 135 entregas de jatos executivos este ano, contra 115 no ano passado. “Estamos muito focados no nivelamento da produção para que você tenha a capacidade de gerenciar o tempo de entrega mais longo que o backlog atendeu”, disse ele. Isto requer investimentos de longo prazo para manter os aumentos de volume.

A cadeia de fornecimento em geral se recuperou, observou Amalfitano, “mas quando você é específico em determinados segmentos, ainda é muito desafiador e não tem nada a ver com algo exclusivo da Embraer”.

Ele apontou os para-brisas como um desafio da indústria. “A mesma coisa com propulsão, tudo relacionado a motores, tudo relacionado a APUs, tudo relacionado a compressores.” Ele também disse que pode haver desafios específicos das aeronaves, como envolver trens de pouso em uma e atuadores em outra. Amalfitano citou as resinas como uma área “sistêmica”, acrescentando que elas estão em para-brisas, pneus e peças internas.

“Há muita coisa acontecendo em termos de gerenciamento de sua cadeia de suprimentos”, disse ele. A Embraer tem vantagem em conversar com fornecedores devido à sua sólida carteira de pedidos.

“Não há questões especulativas com os ciclos típicos da cadeia de abastecimento. Eles podem apostar tudo porque você pode mostrar a eles uma carteira de pedidos. Isso lhes permite fazer os investimentos necessários para aumentar seu pessoal, aumentar suas ferramentas e aumentar sua base de fornecimento para apoiar esse crescimento. Mas isso leva tempo.”

A empresa tem uma agenda ambiciosa de pesquisa e desenvolvimento, focada na exploração de uma gama de tecnologias sustentáveis ​​e autônomas. Mas quaisquer que sejam essas soluções, acrescentou, elas têm de ser centradas no cliente.

“Precisamos ter certeza de que, para qualquer novo produto que criamos, esses são tipos de pilares que são realmente poderosos em termos de nossas características de design”, disse Amalfitano à AIN .

Qualquer novo produto deve ter “desempenho incomparável, tecnologia disruptiva, conforto superior e serviços de suporte de ponta”, disse ele. “Estamos ativamente em fases de estudo conceitual para observar os mercados que acreditamos que melhor servirão essas propostas de valor em cada um desses pilares de valor para que, quando chegarmos ao mercado, continuemos a capturar participação, a ser a primeira escolha do cliente, e impulsionar o futuro da mobilidade aérea através da inovação.”

Mas, observando a especulação em torno do seu próximo produto, sublinhou: “Temos de reconhecer que estamos a colher. Esta é a época da colheita, como a chamamos; estamos colhendo os benefícios da liderança nas categorias que atendemos.”

Agepen investe mais R$ 2,45 milhões na compra de 700 pistolas Taurus TS9 9mm para a Polícia Penal


*Agepen - 14/06/2024

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) anunciou a aquisição direta de armamentos destinados ao treinamento e uso operacional da PPMS (Polícia Penal de Mato Grosso do Sul). Com investimentos de R$ 2.450.000,00, foram adquiridas 700 pistolas Taurus TS9  9mm.

A aquisição, conforme a direção da Agepen, visa, primeiramente, a renovação dos armamentos dos policiais penais que atuam em serviços de escolta e de segurança. A expectativa é que a entrega dos armamentos seja feita dentro de 90 dias. A escolha da Taurus Armas S.A. foi fundamentada em critérios técnicos rigorosos para assegurar a qualidade e a confiabilidade dos armamentos.

A compra das armas integra o Plano de Trabalho da agência penitenciária, por meio de sua Diretoria de Administração e Finanças, que coordena a elaboração e execução de projetos para aparelhamento da Polícia Penal de Mato Grosso do Sul.

Com esta aquisição, Agepen busca aprimorar a capacidade de resposta e a segurança de seus policiais penais e reforça seu compromisso com a eficiência administrativa, buscando sempre os melhores recursos para o desempenho das funções da Polícia Penal, segundo o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini.

“Os novos armamentos são um passo importante nesse sentido, demonstrando a prioridade dada à segurança e à profissionalização do serviço penitenciário no Estado”, destaca o dirigente.

O processo administrativo da compra das pistolas foi ratificado, homologado e adjudicado, conforme publicação no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (14.6). A aquisição foi feita por contratação direta, em consonância com a Lei Federal nº 14.133/2021, que estabelece normas gerais de licitação e contratação para as administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Moya Aero e Aeromot teriam firmado acordo para drones de carga capazes de enfrentar terrenos desafiadores


*DroneXL, por Haye Kesteloo - 01/06/2024

Parceria revolucionária para eVTOL Middle-Mile
A Moya Aero, fabricante brasileira de drones, está ganhando as manchetes com seu plano de entrar no mercado de drones eVTOL de meia milha. A empresa teria feito parceria com a Aeromot para desenvolver drones capazes de enfrentar terrenos desafiadores, como a floresta amazônica e plataformas de petróleo offshore.

Sucesso no primeiro voo de teste
Em novembro de 2023, a Moya Aero conduziu com sucesso o primeiro voo de seu protótipo eVTOL de subescala para transporte pesado perto de São José dos Campos, São Paulo. O voo pairado de cinco minutos foi um marco significativo na jornada da Moya em direção à certificação e implantação comercial de seus drones.

Projeto do Drone de Carga Moya
O Moya eVTOL é um drone elétrico autônomo de decolagem e pouso vertical (eVTOL) para carga pesada. Sua fuselagem é feita de materiais compósitos de fibra de carbono.

O drone tem uma configuração de asa inclinada em tandem com quatro hélices e quatro motores elétricos. É alimentado por baterias desenvolvidas internamente pela Moya Aero, juntamente com motores produzidos pela T-Motors.

O eVTOL decola e pousa com a fuselagem quase paralela ao solo. Uma vez em voo, as asas se inclinam e a aeronave voa com a fuselagem em um ângulo que permite um voo eficiente para a frente.

O drone possui trem de pouso fixo com rodas de triciclo[1]. Seu design arrojado permite adaptações para diferentes missões como entrega de cargas em áreas remotas e pulverização de culturas agrícolas.

Moya afirma que a capacidade de carga útil do seu eVTOL é 10 vezes maior do que os atuais pequenos drones convencionais. Para aplicações agrícolas, pode pulverizar 6 vezes mais área por hora com maior precisão.

O drone de carga Moya eVTOL possui um design inovador de asa inclinada em tandem, otimizado para decolagem e pouso vertical, bem como voo para frente eficiente. Seu grande tamanho e capacidade de carga o diferenciam dos drones convencionais menores, permitindo novas aplicações logísticas e agrícolas.


Especificações e capacidades
A versão de produção do drone de carga eVTOL da Moya está planejada para ter as seguintes especificações:

Comprimento total: 5,1 m (16,7 pés)
Altura: 1,8 m (5,9 pés)
Envergadura da asa dianteira: 7,1 m (23,3 pés)
Envergadura da asa traseira: 7,4 m (24,2 pés)
Carga útil máxima: 200 kg (441 lb)
Volume de carga útil de líquido: 550 litros (145 gal)
Velocidade de cruzeiro: 150 km/h (93 mph)
Alcance: 300 km (186 milhas)
Tempo de voo: 42 minutos

O drone possui asas inclinadas em tandem, quatro hélices e bateria, tornando-o uma solução robusta para entrega de carga em quilômetros médios.

Visando regiões remotas e desafiadoras
Com a colaboração da Aeromot, a Moya pretende revolucionar o transporte de cargas nas áreas remotas do Brasil. O seu foco no segmento middle-mile significa que os seus drones preencherão a lacuna entre os centros de distribuição e as lojas de varejo, melhorando a eficiência da cadeia de abastecimento em locais de difícil acesso.

Contexto da Indústria
O mercado de drones de carga de meia milha está crescendo, com diversas empresas desenvolvendo globalmente drones eVTOL autônomos para essa finalidade. A abordagem inovadora e a parceria estratégica da Moya Aero colocam-na como um player promissor neste campo competitivo.

A opinião da DroneXL

A entrada da Moya Aero no mercado de eVTOL de meia milha é um passo ousado que pode transformar a logística nas regiões remotas do Brasil. Ao aproveitar a experiência da Aeromot e a sua própria tecnologia inovadora, a Moya está preparada para enfrentar desafios logísticos significativos. Esta parceria destaca o potencial dos drones para melhorar a eficiência e a conectividade em áreas de difícil acesso, reafirmando o poder transformador da Tecnologia Drone na logística moderna.

Jatos Phenom e Praetor da Embraer terão Sistema ACA para melhorar ar interior e neutralizar patógenos

*LRCA Defense Consulting - 15/06/2024

A Aviation Clean Air (ACA) finalizou um acordo com a Embraer para a instalação do Sistema de Purificação de Ionização patenteado ACA como opção de produção aprovada de fábrica nas aeronaves das séries Phenom e Praetor. O sistema ACA também foi aprovado para instalação como opção de reposição.

“Estamos muito satisfeitos que a Embraer tenha optado por incluir o sistema ACA como uma opção para novos proprietários de aeronaves, bem como para aeronaves já em serviço”, disse Howard Hackney, membro executivo da ACA. “O sistema proativo ACA melhora imediatamente a qualidade do ar interior e neutraliza os patógenos. Embora o sistema tenha sido instalado numa variedade de modelos de aeronaves durante vários anos, o advento da COVID-19 colocou em destaque a necessidade de mitigar a propagação desse e de outros vírus. Está comprovado que nosso sistema faz exatamente isso, além de fornecer muitos outros benefícios que garantem um ambiente de cabine seguro e confortável.”

O sistema patenteado da ACA foi projetado para melhorar de forma rápida e eficaz a qualidade do ar interior, ao mesmo tempo que neutraliza os patógenos no ar e nas superfícies da aeronave. O Sistema de Ionização Aerotransportado da ACA é certificado e instalado em mais de 60 modelos de aeronaves e é certificado de acordo com os mais recentes requisitos ambientais e regulatórios da FAA e EASA.

“O sistema ACA é instalado no sistema de controle ambiental (ECS) da aeronave e funciona automaticamente quando o ECS está funcionando”, disse Hackney. “O sistema proporciona descontaminação contínua do interior da aeronave, sem exigir manutenção programada. A tecnologia comprovada é uma replicação do processo natural da natureza sem nada mais adicionado e, portanto, é segura para todas as facetas do espaço interior e não danificará de forma alguma os móveis ou componentes da aeronave.”

As instalações da ACA estão localizadas ao lado do Aeroporto Internacional Savannah/Hilton Head, em Savannah, Geórgia, e perto de Los Angeles, Califórnia.  

*Com informações da Aviation Clean Air.



WEG inova e fornece estações de recarga sustentáveis para a Volvo Car


*

Reforçando seu compromisso com a sustentabilidade, a WEG anunciou o desenvolvimento e o fornecimento de estações de recarga da linha Green+ para a campanha de lançamento do EX30, novo SUV elétrico da Volvo Car. Disponíveis nos modelos WEMOB® EASY, WALL e PARKING, as estações estarão nas concessionárias da fabricante desde a pré-venda do veículo.

Desenvolvida com a tecnologia WEG, a nova linha de estações Green+, inovam no segmento com a utilização de materiais reciclados (PCR – Post-Consumer Recycled), produzidas com 50% de resina reciclada, que evitam as emissões de até 3,4kg equivalentes de CO2 por produto, e reduzem em 42% o uso de energia elétrica na fabricação do produto. Além disso, seu material pode ser 100% reciclável após a utilização. As características de desempenho mecânico, proteção UV e antichamas permanecem inalteradas com relação aos produtos da linha Standard. O WEMOB® EASY Green+ é a nova linha de estação de recarga portátil mais segura e potente para o padrão de tomada brasileiro (NBR). Além disso, pode ser personalizado de acordo com a cor do veículo e possui potência configurável pelo usuário até 4,4kW.

Já os modelos WALL e PARKING são a solução ideal para instalações seguras e inteligentes em residências e condomínios, em redes monofásicas, bifásicas e trifásicas (PARKING), além de possuir conectividade Wi-Fi, atualização remota (Over-The-Air), LEDs de sinalização e controle de acesso por TAGs RFID. Os modelos permitem o uso com aplicativo WEMOB® EV Drivers e possui funções de medição de energia e controle da potência para recarga simultânea de vários veículos elétricos através do WEMOB® Smart Charging System.

"Com a linha Green+, estamos não apenas impulsionando a mobilidade elétrica, mas também reduzindo significativamente as emissões de CO2 e promovendo a circularidade dos materiais. Estamos orgulhosos de colaborar com a Volvo Car nesse importante passo rumo a um futuro mais sustentável”, relata Carlos José Bastos Grillo, Diretor Superintendente WEG Digital & Sistemas.

A WEG já anunciou outros fornecimentos com a Volvo Car Brasil. Em setembro de 2023, a Companhia divulgou o fornecimento de estações de recarga da linha WEMOB® modelo PARKING para o maior hub de recarga de veículos elétricos e híbridos da América Latina, com capacidade para recarregar 80 veículos simultaneamente no São Paulo Corporate Towers, onde fica o novo escritório da marca.

14 junho, 2024

WEG equipa três plataformas no Campo de Búzios


*LRCA Defense Consulting - 14/06/2024

A WEG está fornecendo todos os geradores elétricos e a grande maioria dos motores elétricos e inversores de frequência de três plataformas instaladas no Campo de Búzios, o maior campo em águas profundas do mundo.

O escopo inclui 24 geradores principais, de emergência e auxiliares, cerca de 120 motores de média tensão com potências até 14 MW, 39 inversores de frequência de média tensão e mais de 300 motores de baixa tensão, que serão utilizados nos três projetos. Os fornecimentos juntos superam R$ 360 milhões de receita para a WEG. Cerca de 70% dos equipamentos já foram entregues, e os 30% restante serão entregues nos próximos meses.

Localizado na Bacia de Santos, o Campo de Búzios concentra o maior volume de óleo e gás em águas profundas do mundo. Segundo Elder Stringari, Diretor Internacional Corporativo da WEG, a presença majoritária dos produtos WEG nestas plataformas atesta não apenas a qualidade e confiabilidade dos equipamentos, mas também a capacidade da empresa de oferecer produtos competitivos internacionalmente com alto índice de conteúdo local.

"Estes fornecimentos reafirmam o compromisso da WEG em oferecer soluções completas e integradas para a indústria de óleo e gás, promovendo eficiência, segurança e sustentabilidade. Além disso, evidencia a expertise global da WEG em atender às demandas específicas de cada mercado, gerenciando projetos complexos, que envolvem simultaneamente clientes e parceiros distribuídos em múltiplos países como Brasil, Singapura, China, Índia, Itália e Emirados Árabes Unidos", explica o executivo.

A WEG está fornecendo os equipamentos para as três plataformas por meio de uma abrangente rede de clientes, empresas de engenharia e fabricantes de compressores e bombas em diversos países. Esta rede global se beneficia da estrutura de atendimento da WEG, estrategicamente posicionada em todo o mundo, assegurando eficiência, competitividade e assistência rápida através de 1.250 pontos de assistência técnica distribuídos pelos 5 continentes.

Mídia da China repercute o avanço do fuzil JD Taurus T4 na Índia


*LRCA Defense Consulting - 14/06/2024

Em matéria intitulada "O novo fuzil de assalto doméstico T4 da Índia", o grupo chinês "Amantes da Militaria" divulga o avanço do fuzil JD Taurus T4 na megalicitação indiana para a aquisição de 425 mil fuzis CQB para as Forças Armadas do país.

"Amantes da Militaria" é um grupo especializado em notícias sobre assuntos militares de todo o tipo, com ênfase, evidentemente, nos relacionados às forças armadas chinesas. O grupo está abrigado no portal "NetEase", um portal de notícias chinês de amplo espectro sediado em Guangdong e patrocinado pela empresa Guangzhou NetEase Computer Systems Co., Ltd.. Como tudo o que é divulgado pela mídia na China, a publicação deve estar de acordo com as diretrizes e a ideologia do Partido Comunista Chinês.

Abaixo, alguns trechos da matéria:

"Um rifle desenvolvido em conjunto pela Jindal Defense da Índia e pela Taurus Armas do Brasil passou por uma série de testes do Exército Indiano, informou o portal online Defense Research. Jindal Defense India é uma empresa privada.

Jindal Defense e Taurus Armas formaram uma joint venture, JD Taurus, em 2020. A parceria está em conformidade com os regulamentos de investimento estrangeiro direto da Índia e tem um índice de participação acionária de 51:49. A JD Taurus está ativamente em busca de grandes licitações, incluindo o processo de aquisição em andamento de 425.000 carabinas (fuzis CQB), sinalizando sua ambição de se tornar um player importante no mercado de defesa indiano.

O portal Defense Research disse que a aprovação aproxima o rifle T4 de garantir um contrato para fornecer 425.000 rifles ao exército indiano. Afetado por isso, o preço das ações da Jindal Stainless Steel subiu 2,5%, para 814,8 rúpias, na Bolsa de Valores de Bombaim em 10 de junho. O rifle teria passado por vários testes para verificar sua confiabilidade, durabilidade e desempenho."

A matéria do 'Amantes da Militaria' prossegue explicado que o T4 é um fuzil com estrutura AR, "igual" ao M4 e que tem muitos clientes em todo o mundo, afirmando ainda que a Taurus, apesar dos problemas mais antigos, hoje é um "fabricante de armas leves de classe mundial".

No final, refletindo a indisfarçável beligerância com o país vizinho que está se tornando uma grande potência militar e econômica mundial, o portal chinês faz algumas considerações desairosas, afirmando que "o nível de produção de armas leves na Índia não é tão bom como o de Myanmar".

13 junho, 2024

Centro de Serviços Autorizados e dedicado à linha Embraer é inaugurado em Cincinnati, Ohio


*LRCA Defense Consulting - 13/06/2024

No dia 10 de junho, a Embraer recebeu convidados no Aeroporto Municipal de Cincinnati – Lunken Field (LUK) Hangar 12 para marcar a inauguração do Centro de Serviços Autorizados Embraer.

A OnFlight é um Centro de Serviço Autorizado e Dedicado Embraer. Esse foco singular deriva de um amplo conhecimento da aeronave combinado com a tecnologia de ponta da Embraer e a qualidade geral do projeto, resultando em experiência e eficiência operacional incomparáveis.

O hangar de 24.000 pés², recém-reformado e de última geração, garante a funcionalidade ideal, estando totalmente equipado para acomodar uma ampla gama de atividades de serviço e suporte da Embraer. No Centro, os clientes têm acesso total ao novo lounge do cliente, área de planejamento de voo, estações de trabalho e estacionamento fechado privativo. As principais ofertas de negócios da OnFlight são os Serviços de Fretamento e Manutenção da Embraer.

OnFlight  - serviços exclusivos de MRO da Embraer
A OnFlight é um Centro de Serviços Autorizado Embraer dedicado exclusivamente à linha de produtos Embraer que possui um rico legado de 25 anos em gerenciamento de aeronaves, com mais de uma década de experiência com jatos executivos da Embraer. Além disso, a OnFlight detém um histórico impressionante de mais de 25.000 horas de voo sem incidentes e uma taxa de despacho excepcional de 99,99%.

Operando com um departamento de voo composto por pilotos experientes e uma equipe de manutenção composta por técnicos intimamente familiarizados com a linha de produtos Embraer, a OnFlight garante uma experiência única ao cliente a cada passo.

Comprometida com sua história de fortes valores fundamentais, a OnFlight se esforça para fazer com que cada cliente se sinta como se estivesse saindo de seu próprio departamento de voo ao sair do nosso centro de serviços.

O Aeroporto de Lunken está perfeitamente configurado para receber aeronaves executivas com diversas aproximações e uma pista de 6.000 pés. O Aeroporto de Cincinnati/Northern Kentucky (CVG) fica a 20 minutos de carro do Aeroporto de Lunken, proporcionando conexões convenientes para a tripulação e opções de voo de retorno.

Sobre a OnFlight
Operando desde 2000, a OnFlight evoluiu ainda mais em 2023 sob nova propriedade e liderança revitalizada e está comprometido em fornecer serviços expandidos de operações e manutenção de fretamento (MRO) para a comunidade Embraer.

Originados de suas raízes como departamento de voo de uma seguradora com sede em Cincinnati, a empresa transferiu a experiência operacional e o profundo conhecimento corporativo da OnFlight em operações de fretamento e manutenção, formando a base dos serviços excepcionais que oferece hoje.

O hangar privado e seguro, as instalações de manutenção, os escritórios executivos e o lounge do cliente da OnFlight foram amplamente atualizados para fornecer a máxima conveniência e conforto aos clientes de fretamento e manutenção.

Gerador WEG contribui para expansão de usina do setor de açúcar e etanol


*LRCA Defense Consulting - 13/06/2024

Quando o assunto é geração de energia, a WEG oferece uma linha completa de produtos e soluções que garantem segurança operacional, alto padrão tecnológico e atendem às exigências do mercado mundial. A companhia também se destaca por entregar soluções customizadas para atender as necessidades dos clientes. Toda essa expertise e flexibilidade de engenharia são demonstradas nos mais diversos projetos onde a WEG está presente.

Para o setor de açúcar e etanol, recentemente a companhia forneceu um gerador de dupla tensão, juntamente com os painéis e cubículos do gerador, para expansão de uma usina de fabricação de açúcar de cana na Argentina. Essa solução permitirá incrementar a confiabilidade operacional para a planta no presente, permitindo ainda a exportação da energia excedente para a rede elétrica na futura expansão.

O modelo de gerador fornecido destaca-se pela capacidade de operar em uma tensão inicial de 6.600 V, podendo ser aumentado para 13.200 V em uma fase futura sem a necessidade de instalação de um transformador elevador.

Ao escolher as soluções WEG, o cliente não apenas investe em tecnologia avançada, mas também garante a confiança e a excelência do projeto a instalação. A WEG segue dedicada em impulsionar a eficiência operacional de seus clientes.

Kryptus inaugura Laboratório Avançado de Análise de Canal Colateral

Único na América Latina, LabSCA visa elevar nível da segurança cibernética e das capacidades de guerra eletrônica no Brasil 


*LRCA Defense Consulting - 13/06/2024

A Kryptus, multinacional brasileira especializada em soluções de segurança cibernética e defesa, inaugurou recentemente o Laboratório Avançado de Análise de Canal Colateral - LabSCA, único do gênero na América Latina. O LabSCA permite a avaliação e a extração de chaves criptográficas de todas as classes de equipamentos de comunicação e de segurança, como HSMs, cartões inteligentes, rádios digitais e enlaces de dados.

Construído com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - FINEP e equipado com tecnologia de última geração, incluindo instrumentos de medição de alta precisão e software especializado para detectar e analisar vulnerabilidades em dispositivos eletrônicos, o LabSCA tem como principal objetivo auxiliar os clientes da Kryptus a garantir a segurança de suas soluções tecnológicas, bem como apoiar investigações de segurança em colaboração com entidades governamentais e privadas.

A técnica de Análise de Canal Colateral (SCA, do inglês side-channel analysis) empregada pelo novo laboratório da Kryptus explora informações indiretas vazadas durante o funcionamento normal de dispositivos eletrônicos para inferir dados confidenciais, em particular chaves criptográficas. “Diferentemente dos ataques convencionais que visam vulnerabilidades no software, os ataques de canal lateral tiram proveito de aspectos físicos do hardware, como consumo de energia, emissões eletromagnéticas, variações de tempo, entre outros”, explica Rogério Gallo, CEO da Kryptus.

As aplicações do LabSCA contemplam diversos mercados, entre eles:

Defesa: com recursos avançados, o LabSCA oferece benefícios significativos para as Forças Armadas nacionais e amigas, garantindo a segurança de diversos equipamentos de comunicação militar, incluindo rádios e datalinks utilizados pelo Exército, Marinha e Força Aérea. A análise detalhada desses dispositivos permite identificar e mitigar vulnerabilidades, assegurando que as comunicações militares permaneçam seguras e impenetráveis. Isso aumenta a confiança operacional e protege informações sensíveis contra interceptações e ataques.

Comercial/bancário: o LabSCA contribui para a proteção de módulos de segurança de hardware (HSMs), tokens, smartcards, ATMs e seus periféricos, dispositivos fundamentais para a realização de transações financeiras seguras e a proteção de dados sensíveis dos clientes. A análise de canal lateral permite identificar e corrigir potenciais falhas de segurança, garantindo que os dispositivos sejam resistentes a ataques e fraudes. Isso não apenas protege os consumidores, mas também fortalece a confiança no sistema financeiro como um todo.

Criminalística: o laboratório da Kryptus pode desempenhar um papel crucial no suporte às operações de investigação criminal, tanto nacionais quanto estrangeiras, com apoio à inteligência policial na recuperação de informações encriptadas, facilitando investigações e operações contra o crime organizado. A capacidade de analisar dispositivos e quebrar mecanismos criptográficos sofisticados torna o LabSCA uma ferramenta valiosa para a aplicação da lei e a segurança pública.

O LabSCA também opera em conformidade com o TEMPEST, conjunto de padrões e técnicas voltados para a proteção contra espionagem por meio de emissões eletromagnéticas e outras formas de vazamento não intencional de informações (padrões NATO SDIP-27). O CEO da Kryptus reforça que uma estratégia de segurança integrada que combine SCA e TEMPEST é essencial para a proteção contra ataques sofisticados. “A compreensão profunda dessas técnicas permite desenvolver contramedidas eficazes, como a introdução de ruído nos sinais de energia, a blindagem eletromagnética e a implementação de algoritmos criptográficos resistentes a canais laterais.”

Com o Laboratório Avançado de Análise de Canal Colateral - LabSCA, a Kryptus dá mais um passo na evolução contra as ameaças atuais e emergentes, incorporando novas tecnologias e metodologias para expandir suas capacidades de defesa e manter os clientes à frente dos adversários. “Nossa visão para o futuro da segurança cibernética no Brasil envolve uma abordagem integrada e proativa, onde a colaboração e a inovação contínua são essenciais para enfrentar os desafios complexos da segurança moderna”, conclui Gallo.

Sobre a Kryptus
A Kryptus é uma multinacional brasileira referência em serviços gerenciados de cibersegurança, provedora de soluções de criptografia e segurança cibernética altamente customizáveis, confiáveis e seguras para aplicações críticas. Fundada em Campinas (SP), em 2003, atua hoje nos setores público e privado dos mercados do Brasil, LATAM, Europa, Oriente Médio e África, sendo reconhecida pelo Ministério da Defesa do Brasil com o selo EED – Empresa Estratégica de Defesa, além de contar com selo Gartner Cool Vendor.

 

12 junho, 2024

Embraer e Bombardier disputam licitação de jato executivo para o estado indiano de Madhya Pradesh

Embraer Praetor 600
 
*The Free Press Journal - 13/06/2024

Dois fabricantes internacionais de aeronaves demonstraram interesse em vender o avião ao governo de Madhya Pradesh. Suas propostas técnicas e financeiras foram abertas recentemente. Agora, o departamento de aviação submeterá o assunto ao Conselho de Ministros para a necessária aprovação. O governo comprará o avião a jato bimotor de médio porte da empresa que cotar o preço mais baixo (L1).

As duas empresas são a Bombardier Inc, fabricante canadense de jatos executivos, e a Embraer, empresa brasileira. A Bombardier fabrica o jato 'Challenger 3500'.

Pessoas a par da evolução do departamento de aviação afirmaram que as licitações técnicas e financeiras das duas empresas foram abertas no final de maio. As duas empresas cumpriram as condições mencionadas na Solicitação de Proposta (RFP).

O Comissário da Aviação, Chandramauli Shukla, disse à Free Press que duas empresas se qualificaram tecnicamente e as suas propostas financeiras foram abertas. Agora o assunto será levado à autoridade competente para a necessária aprovação.

Notavelmente, esta é a segunda tentativa do governo estadual de comprar um avião a jato bimotor de médio porte. Na primeira vez, um dos principais fabricantes de aeronaves dos EUA participou da licitação, mas manifestou incapacidade de entregar o avião no prazo estipulado pelo governo. Além disso, também houve algum problema relacionado ao preço. O governo decidiu então abortar a licitação e lançar uma nova.

Soube-se também que a Falcon Company (EUA) participou da Manifestação de Interesse lançada há algum tempo pelo governo do estado, mas não compareceu à licitação.

Pessoas do departamento de aviação disseram que o preço de um avião Falcon é muito superior ao dos jatos das empresas Embraer e Bombardier. Isto pode ter levado a empresa sediada nos EUA a dar um passo atrás.

Sabe-se que o custo do jato bimotor de tamanho médio que o governo está interessado em comprar será provavelmente de cerca de 250 milhões de rupias, além de certos tipos de impostos (cerca de 30 a 35% do custo).

RPF lançado em março

Foi em março que o governo do estado lançou uma Solicitação de Proposta (RFP) para comprar um novo avião a jato bimotor. A condição estabelecida na RFP diz que o licitante selecionado deverá ser capaz de fornecer ou tomar as providências necessárias para a manutenção do avião por um período de 12 meses a partir da data de chegada do avião em Bhopal. O licitante deverá ser capaz de fornecer o avião dentro de um período de 20 meses a partir da data do pagamento inicial de 10%, etc. 

**********

 
Embraer Praetor 600

Esta Consultoria acredita que o jato executivo da Embraer seja o Praetor 600, pois tem características semelhantes ao Challenger 3500 da Airbus. Assim, segue um comparativo das principais características das duas aeronaves:

Fonte: air.one


Akaer: de uma sobreloja para o C-390 e o Gripen


*LRCA Defense Consulting - 12/06/2024

A Akaer, em seu percurso de desenvolvimento e expansão no mercado, viu a necessidade de aprimorar suas capacidades e oferecer melhores instalações para sua crescente equipe.

Dois marcos cruciais foram a parceria com a Saab e a mudança para o Parque Tecnológico de São José dos Campos, em 2009.

A busca por instalações adequadas foi meticulosa, considerando as exigências de integração de equipes, flexibilidade para projetos variados e infraestrutura de comunicação com clientes. Quando surgiu a oportunidade de adquirir as instalações da Vale, em 2015, a Akaer não hesitou, percebendo o potencial de crescimento.

Hoje, instalada em uma área de 100 mil metros quadrados, com mais de 20 mil metros quadrados de construção, emprega mais de 600 colaboradores, marcando uma evolução significativa desde seus modestos começos em uma sobreloja no centro de São José dos Campos.

32 anos de experiência em sistemas e estruturas de aeronaves
Aproveitando 32 anos de experiência, a Akaer acumulou mais de 8 milhões de horas de trabalho dedicado de engenharia no desenvolvimento de sistemas e estruturas de aeronaves. Contribuindo ativamente para mais de 50 projetos reconhecidos mundialmente, a Akaer tem demonstrado consistentemente o seu compromisso com a excelência na indústria aeroespacial.

A empresa tem um rico histórico de colaboração com a Embraer, contribuindo ativamente para os principais projetos da fabricante brasileira, como a aeronave multimissão KC-390.

A empresa também desempenhou um papel importante no desenvolvimento dos caças Gripen E para a Força Aérea Brasileira, colaborando estreitamente com a empresa sueca Saab. Além disso, a empresa esteve ativamente envolvida no projeto do caça supersônico Hürjet, iniciado pela indústria aeroespacial turca. Projetada para treinamento avançado e missões de ataque leve, esta aeronave completou com sucesso seu voo inaugural em abril de 2023.

Em abril, a Akaer alcançou um marco histórico ao se tornar a primeira empresa brasileira do setor aeroespacial a obter o status de Fornecedora Global de Nível 1 (Tier 1). Essa qualificação foi conquistada por meio de um contrato inovador com a fabricante alemão Deutsche Aircraft para o desenvolvimento da aeronave sustentável D328eco. A Akaer será responsável pela fabricação da fuselagem dianteira da aeronave, um componente vital que será produzido em São José dos Campos (SP).

A Akaer está situada dentro do Parque de Inovação Tecnológica em São José dos Campos (SP) e mantém escritórios comerciais em Portugal e na Turquia. A empresa anunciou recentemente planos para sua segunda unidade de produção no Parque Tecnológico Aeroespacial da Bahia, em Salvador, Brasil.



Agrale lança o Marruá AM200 Microbus, um revolucionário utilitário 4x4 para o transporte escolar em locais de difícil acesso

*LRCA Defense Consulting - 12/06/2024

A Agrale, uma Empresa Estratégica de Defesa que produz veículos utilitários para as Forças Armadas e Auxiliares, além de veículos para o mercado civil, está lançando uma importante novidade para o setor educacional brasileiro.

Verificando que existem tantos lugares no interior do País em que os micro-ônibus ou vans convencionais não conseguem chegar, a Agrale desenvolveu o Marruá AM200 Microbus, um revolucionário utilitário 4x4 ("qualquer terreno") direcionado para o mercado de transporte de passageiros que enfrenta qualquer obstáculo.

Com capacidade para 15 pessoas (motorista, ajudante e 13 passageiros), o Marruá AM200 foi especialmente desenvolvido para operar nas condições mais extremas. Com características oriundas dos modelos militares, como o forte e robusto trem de força, o amplo curso de suspensão e a resistência do conjunto, o Agrale Marruá é o veículo ideal para transportar pessoas em locais de difícil acesso. 

Além das poderosas características off road, o veículo traz também diversos itens de facilidades e conforto:
- Cluster composto de velocímetro, tacômetro, indicador de temperatura, luzes espia e computador de bordo;
- Câmera de ré;
- Sensor de estacionamento;
- Espelho retrovisor com monitor;
- Rádio SD/USB e autofalantes;
- Chave geral;
- Tacógrafo;
- Ar condicionado;
- Iluminação de Rodagem Diurna (DRL). 


 






Com o fuzil T4, Jindal Defence & Aerospace e Taurus Armas avançam na modernização do Exército Indiano


*LinkedIn, por Shreyansh Mishra - 11/06/2024

Em um marco significativo para o setor de defesa da Índia, o fuzil T4 desenvolvido pela Jindal Defence & Aerospace conseguiu aprovar uma série de testes rigorosos do exército. Essa conquista deixa o T4 um passo mais perto de ser selecionado para um enorme contrato de fornecimento de 425.000 fuzis para as Forças Armadas indianas.

Pontos-chave
Esforço conjunto
O fuzil T4 é um produto da colaboração entre a Jindal Defence e a fabricante brasileira de armas de fogo Taurus Armas. Esta parceria combina a proeza de fabricação da Jindal com a experiência da Taurus em design de armas pequenas.


Atendendo aos requisitos
O fuzil T4 passou por testes extensivos sob várias condições para avaliar seu desempenho, confiabilidade e durabilidade. Isso garante que o fuzil atenda aos requisitos específicos do Exército indiano e funcione efetivamente em diversos ambientes.

Iniciativa "Make in India"
O desenvolvimento do fuzil T4 está alinhado com a iniciativa "Make in India" do governo, que visa promover a produção de defesa no país e reduzir a dependência de importações estrangeiras. A seleção do T4 seria um grande impulso para esta iniciativa.

Esforços de modernização:
Se escolhido, o fuzil T4 desempenhará um papel crucial em equipar os soldados indianos com armamento moderno e confiável, melhorando suas capacidades e contribuindo para a modernização geral do Exército Indiano.

O que vem pela frente?
Embora a aprovação bem-sucedida dos julgamentos do Exército seja um marco significativo, a decisão final sobre a adjudicação do contrato cabe ao Ministério da Defesa Indiano. No entanto, essa conquista posiciona o fuzil T4 como um forte candidato para atender à necessidade do Exército indiano de um fuzil de serviço moderno e confiável.

*Shreyansh Mishra é pós-graduando em Gestão de Negócios pela Academia Nacional de Produção de Defesa, Ordnance Factory Ambajhari, Nagpur (Índia), com bacharelado em Comércio pela Universidade de Allahabad.  

Postagem em destaque