Pesquisar este portal

19 abril, 2024

Embraer registra maior carteira de pedidos dos últimos 7 anos e aumento de 67% nas entregas no 1T24


*LRCA Defense Consulting - 19/04/2024

A Embraer entregou 25 jatos no 1T24, um aumento de 67% em relação ao 1T23, quando foram registradas 15 aeronaves. A Aviação Executiva apresentou um crescimento robusto de entregas, saltando de 8 para 18 jatos durante o período. Esse número de entregas representou o melhor primeiro trimestre da unidade em oito anos, e mais do que dobrou em relação ao mesmo período do ano anterior. Na Aviação Comercial, por sua vez, as entregas ficaram estáveis em 7 aeronaves. 

A Embraer entregou 12% do total de aeronaves previstas no ponto médio do guidance para 2024, tanto para a Aviação Executiva quanto para a Aviação Comercial (25 de 206). A companhia desenvolveu e está implementando um plano para mitigar a sazonalidade do seu negócio. O plano, chamado de Production Leveling (Nivelamento de Produção), tem o objetivo de consolidar um ritmo constante de produção ao longo do ano, no médio prazo.

A carteira de pedidos da empresa aumentou US$2,4 bilhões, chegando aos US$21,1 bilhões no 1T24. Isso representa um aumento de 13% na comparação com os US$18,7 bilhões do 4T23. O maior aumento ocorreu na Aviação Comercial (US$ 2,3 bilhões ou 26%), enquanto o menor foi em Defesa & Segurança (-US$ 0,1 bilhão ou -4%). 

A Aviação Executiva manteve o forte desempenho de vendas com alta demanda por todo o seu portfólio e grande aceitação tanto por parte de clientes de varejo como operadores de frotas. O número de entregas aumentou 83% em relação ao ano anterior no segmento de jatos leves e mais do que triplicou no segmento de jatos médios em comparação com o 1T23. Assim, a Aviação Executiva encerrou o período com uma carteira de pedidos de US$ 4,6 bilhões no 1T24, com um aumento de US$ 300 milhões em relação ao trimestre anterior. 

Em Defesa & Segurança, o primeiro C-390 Millennium da Força Aérea Húngara completou com sucesso seu voo inaugural. A aeronave está passando agora por uma campanha de testes de integração de sistemas de missão, antes de sua entrada em serviço. Outro marco importante no trimestre foi o primeiro Embraer Defense Day nos Estados Unidos; um evento durante o qual o C-390 Millennium e o A-29 Super Tucano foram apresentados a autoridades governamentais, oficiais militares, clientes potenciais e parceiros, em nossas instalações em Melbourne, Flórida. A seleção do C-390 por países das regiões EMEA e Ásia-Pacífico ainda não foi incorporada à carteira de pedidos, o que representa uma fonte significativa de potencial crescimento para os próximos trimestres. A carteira de pedidos de Defesa & Segurança foi de US$ 2,4 bilhões (-4% na comparação trimestral) no 1T24. 

A unidade de Serviços & Suporte continua a ser um dos principais drivers do crescimento da Embraer por meio de uma combinação de excelência operacional, experiência do cliente e soluções inovadoras. A carteira de pedidos da Embraer Serviços & Suporte encerrou o período em US$ 3,1 bilhões no 1T24, valor estável em relação ao trimestre anterior. 

A Aviação Comercial registrou uma carteira de pedidos de US$ 11,1 bilhões, ou US$ 2,3 bilhões mais em relação ao 4T23.O destaque do trimestre foi o acordo com a American Airlines para 90 E175s, com direitos de compra para outros 43 jatos adicionais. O pedido da companhia aérea tem o objetivo de atender à demanda doméstica nos Estados Unidos. Além disso, a Embraer entregou um E195-E2 para a Azorra, que voará sob a bandeira da Royal Jordanian.

Exército pretende adquirir até 420 viaturas Iveco 4x4 Guaicurus


*LRCA Defense Consulting - 19/04/2024

Em 17 de abril de 2024, no Quartel General do Exército, o General de Exército Fernando José Sant’ana Soares e Silva, Chefe do Estado-Maior do Exército (EME), e Humberto Marchioni Spinetti, Presidente da Iveco Defense Vehicle Latin America (IDV), assinaram Protocolos de Intenções relativos à diversificação e ampliação do portfólio de viaturas blindadas produzidas por aquela empresa, em prol da Força Terrestre.

Os acordos firmados têm por objetivo equalizar as aquisições da VBTP MSR 6x6 Guarani, cuja gestão é encargo do Comando Logístico, bem como formalizar os entendimentos sobre a aquisição de até 420 unidades da VLMT 4x4 Guaicurus, cujo contrato, em fase de elaboração, está sob responsabilidade do Departamento de Ciência e Tecnologia, por meio da Diretoria de Fabricação.

VLMT 4x4 Guaicurus (Foto: RP / 14 RCMec / WH Comunicações)

As aquisições destas viaturas estão inseridas no escopo do Programa Estratégico do Exército Forças Blindadas (PEE F Bld), que tem por finalidade modernizar as tropas mecanizadas e blindadas da Força, dotando-as com meios modernos, capazes de proporcionar mobilidade, ação de choque, proteção blindada e poder de fogo. 

A cerimônia contou com a presença de oficiais generais do Alto Comando do Exército (ACE) e do EME.

Forças Armadas Austríacas: próximo passo para a aquisição do Embraer C-390


*Militär Aktuell - 19/04/2024

Como é sabido, o Exército Federal quer substituir seus antigos aviões de transporte Hércules por novos aviões C-390M da fabricante brasileira Embraer. Tal como anunciou o Ministério da Defesa austríaco, foi agora assinado um Memorando de Entendimento (MoU) com o Ministério da Defesa holandês para a aquisição conjunta de aeronaves de transporte. A Embraer também anunciou a assinatura de outro memorando de entendimento com a AICAT (Austrian Industrial Cooperation & Aviation Technology), plataforma de cooperação industrial dentro da Câmara de Comércio Austríaca (WKÖ), para cooperação mais estreita com empresas austríacas.

De acordo com o BMLV (Ministério Federal da Defesa), o acordo de princípios de 39 páginas entre a Áustria e os Países Baixos estipula a necessidade urgente de substituir a aeronave de transporte C-130, bem como aquisições conjuntas e efeitos de sinergia nas áreas de formação e manutenção.

Tal como inicialmente previsto, os Países Baixos estão a adquirir um total de nove aeronaves de transporte, quatro das quais se destinam às forças armadas. A Holanda assume o papel de parceiro contratual. Com a assinatura do memorando de entendimento, as negociações e discussões contratuais para a Áustria podem agora ser finalizadas. Após a assinatura do contrato, os primeiros aviões poderão pousar na Áustria já em 2027

MoU entre AICAT e Embraer
O MoU celebrado entre Embraer e AICAT visa explorar oportunidades de pesquisa conjunta, desenvolvimento tecnológico e possíveis contribuições de empresas austríacas para a cadeia de fornecimento dos programas de aeronaves da Embraer.

“Uma colaboração mais intensa com a Embraer seria uma grande oportunidade para a AICAT. Tanto o setor de aviação austríaco e suas operações, bem como a Embraer, poderiam se beneficiar de uma colaboração estruturada em benefício de ambas as partes”, disse Reinhard Marak, CEO da AICAT.

“A Embraer e a Áustria estabelecem há muito tempo um relacionamento de longo prazo, e esta parceria avança ainda mais com o novo MoU”, disse Marcio Monteiro, Vice-Presidente de Inteligência de Mercado da Embraer Defesa & Segurança. “Gostaríamos de agradecer à AICAT, às empresas e aos representantes do governo austríaco por este importante passo na nossa parceria.”

O anúncio ocorreu na sede da Embraer, em São José dos Campos. Após a cerimônia, representantes das empresas aeroespaciais austríacas e do governo austríaco tiveram a oportunidade de se reunir com especialistas da Embraer de diversas áreas tecnológicas para explorar oportunidades de colaboração.

18 abril, 2024

Akaer é primeira empresa brasileira do setor aeroespacial a obter o status de Fornecedora Global de Nível 1 (Tier 1)


*LRCA Defense Consulting - 18/04/2024

A Akaer alcançou um marco histórico ao se tornar a primeira empresa brasileira do setor aeroespacial a obter o status de Fornecedora Global de Nível 1 (Tier 1).

Essa qualificação foi conquistada por meio de um contrato inovador com a fabricante alemão Deutsche Aircraft para o desenvolvimento da aeronave sustentável D328eco. A Akaer será responsável pela fabricação da fuselagem dianteira da aeronave, um componente vital que será produzido em São José dos Campos (SP).

Esta importante conquista é resultado de muito trabalho. Desde sua fundação, há 32 anos, a Akaer vem se preparando continuamente para esse momento. O compromisso da empresa com a excelência tem sido a força motriz por trás de sua ascensão – um caminho marcado por resiliência, ousadia, visão estratégica e compromisso permanente com a inovação.

Esse trabalho foi impulsionado pelo apoio decisivo da FINEP (a agência pública de financiamento vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), por meio do programa Inova Aerodefesa, que envolveu também o BNDES, o Ministério da Defesa e a Agência Espacial Brasileira (AEB). Com o suporte do programa, a Akaer desenvolveu, a partir de 2016, ações para aumento da produtividade, redução de custos, gestão de projetos e expansão de portfólio, com implantação de novas metodologias e processos e modernização de sua unidade produtiva, tendo como foco o fortalecimento de competências para o futuro da indústria.

As sementes plantadas durante esse projeto floresceram nas robustas capacidades que definem a Akaer atualmente.

Índia aumenta presença de defesa com entrega de mísseis BrahMos às Filipinas


*Financial Express, por Huma Siddiqui - 18/04/2024

Num movimento histórico para reforçar a sua posição no mercado global de defesa, a Índia deverá entregar mísseis de cruzeiro supersônicos BrahMos às Filipinas, marcando um marco significativo na cooperação bilateral em defesa. Este acordo de 374,96 milhões de dólares, assinado em janeiro de 2022, sublinha as ambições estratégicas da Índia como um exportador emergente de defesa.

Fontes da Direção Geral de Aviação Civil indicam que três Freightliners civis estão programados para partir para Manila hoje (18 de abril de 2024), acompanhados por um C-17 Globemaster da Força Aérea Indiana (IAF), ilustrando a estrutura logística de dupla utilização deste Operação. A participação do transporte civil e militar sublinha a importância estratégica e operacional da entrega.

A presença hoje do Embaixador das Filipinas em Nagpur para supervisionar o envio destaca ainda mais o peso diplomático desta iniciativa. Essa entrega utiliza um mix de meios de transporte, refletindo a magnitude logística da operação.

Estes desenvolvimentos ocorrem no momento em que as exportações de defesa da Índia atingiram um recorde de 21.083 milhões de rupias (aproximadamente 2,63 mil milhões de dólares) no ano financeiro de 2023-24, marcando um aumento de 32,5% em relação ao ano anterior. A implantação de mísseis BrahMos deverá fortalecer as capacidades de defesa marítima das Filipinas, especialmente na região estratégica do Mar da China Meridional, e ilustra um salto significativo na estratégia de exportação de defesa da Índia.

Implicações estratégicas e perspectivas futuras

A entrega dos mísseis BrahMos, os mísseis supersônicos mais rápidos do mundo desenvolvidos em conjunto com a Rússia, utilizando um C-17 da IAF adquirido dos Estados Unidos, simboliza uma parceria estratégica multifacetada. A utilização de um C-17 da IAF para esta operação não só destaca as capacidades logísticas imediatas, mas também a disponibilidade da Índia para fornecer apoio estratégico rápido, potencialmente em tempos de conflito.

Esta iniciativa é indicativa das proezas logísticas e militares da Índia e serve como elemento dissuasor, mostrando as capacidades de resposta da Índia aos intervenientes regionais. As implicações estratégicas destas entregas vão além da utilidade imediata da defesa, até à demonstração da crescente influência da Índia no mercado internacional de armas.

Contexto Histórico e Geopolítico

O contrato de US$ 374,96 milhões com a BrahMos Aerospace Private Limited representa a primeira exportação do míssil desenvolvido localmente pela Índia, uma joint venture entre a Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO) da Índia e a NPO Mashinostroyeniya da Rússia. O acordo inclui três baterias de mísseis e pacotes abrangentes de treinamento e apoio, aprimorando o Regimento de Defesa Costeira do Corpo de Fuzileiros Navais das Filipinas.

Este desenvolvimento é particularmente comovente dadas as disputas marítimas em curso no Mar das Filipinas Ocidental, onde as Filipinas têm enfrentado pressões marítimas da China. Espera-se que os mísseis BrahMos reforcem significativamente as capacidades navais das Filipinas, proporcionando um elemento de dissuasão credível na região.

Um salto estratégico e defensivo para a estabilidade regional
A integração destes mísseis no quadro de defesa das Filipinas representa um reforço significativo das suas capacidades militares. Esta implantação em todo o arquipélago filipino serve tanto como dissuasão estratégica como como força de reação rápida, reforçando a estabilidade nacional e regional.

Além disso, a entrega que envolve uma aeronave militar fabricada nos Estados Unidos reflete ainda mais a complexa interação das relações internacionais de defesa e sublinha a capacidade da Índia de navegar e alavancar estas parcerias de forma eficaz.

Panorama
À medida que as tensões na região Indo-Pacífico aumentam, o acordo sobre mísseis BrahMos deverá remodelar os alinhamentos de defesa, melhorando tanto a estatura da Índia como um parceiro chave na defesa como a postura defensiva das Filipinas contra ameaças regionais. Esta entrega não só simboliza uma transferência de armas, mas também reafirma o fortalecimento dos laços entre a Índia e as Filipinas, contribuindo para o objetivo mais amplo de manter a estabilidade num cenário geopolítico cada vez mais volátil.
---xxx---




Embraer assina MoU com a AICAT para avançar em cooperação com a indústria aeroespacial da Áustria


 

*LRCA Defense Consulting - 18/04/2024

A Embraer e a AICAT (Austrian Industrial Cooperation & Aviation Technology), associação de empresas aeroespaciais da Áustria, assinaram hoje um Memorando de Entendimento para aprimorar a cooperação internacional no setor aeroespacial. A cooperação auxiliará os relacionamentos já estabelecidos pela Embraer na Áustria, e também irá possibilitar oportunidades adicionais no país europeu, como pesquisas conjuntas, desenvolvimento de tecnologias e contribuições da rede de empresas austríacas para a cadeia de suprimentos dos programas de aeronaves da Embraer. A AICAT é uma organização que integra a Câmara Econômica Federal Austríaca (WKO) e representa toda a comunidade de tecnologia de aviação na Áustria. 

"A AICAT é uma associação que representa cerca de 100 empresas austríacas de aviação, a maioria das quais são pequenas e médias empresas que integram a cadeia de suprimentos do setor. Para a associação, uma cooperação intensificada com a Embraer sustentada por um MoU é uma grande oportunidade, que ajudará tanto a Embraer quanto o setor aeronáutico austríaco, criando uma colaboração mais estruturada de benefício mútuo", afirma Reinhard Marak, CEO da AICAT. 

"A Embraer e a Áustria vêm construindo um relacionamento de longo prazo há muitos anos, e essa parceria continuará avançando com o novo Memorando de Entendimento. Agradecemos à AICAT, às empresas locais e aos representantes do governo austríaco por este importante passo em nossa parceria", afirma Marcio Monteiro, Vice-Presidente de Inteligência de Mercado da Embraer Defesa & Segurança. 

O anúncio foi feito na sede da Embraer, em São José dos Campos. Após a cerimônia, representantes de empresas aeroespaciais austríacas e do governo austríaco tiveram a oportunidade de se reunir com especialistas da Embraer em diferentes tecnologias para explorar oportunidades de cooperação.

17 abril, 2024

Parceria entre Aero Concepts e Stella Tecnologia vai desenvolver drones com turbinas a jato


 

*LRCA Defense Consulting - 17/04/2024

Durante a Feira Internacional do Ar e Espaço (FIDAE) 2024, realizada recentemente no Chile, a Aero Concepts e a Stella Tecnologia assinaram um contrato de parceria para o desenvolvimento de projetos que englobem a integração de turbinas a jato da Aero Concepts em plataformas de voo da Stella Tecnologia, visando desenvolver sistemas de alta tecnologia de propulsão em aeronaves não tripuladas.

As empresas, ambas de capital nacional, unem suas especialidades para desenvolver tecnologias complexas para os mercados civil e militar, com recursos majoritariamente nacionais e utilização de projetistas brasileiros, representando um avanço significativo para o Brasil em tecnologias críticas de defesa.

Esta será a primeira vez que o Brasil fornecerá turbinas a jato de 500N ou 1000N, prontas para serem aplicadas em plataformas de voo de menores portes, como drones de médio e grande porte.

Desde 2005, o Ministério da Defesa, junto com outras entidades, tem investido em projetos de desenvolvimento de turbinas aeronáuticas nacionais, agora culminando em capacidades industriais para produção em larga escala.

A parceria também estende a aplicabilidade das turbinas da Aero Concepts em diversas áreas, incluindo sistemas de armas e geração de energia, inclusive em soluções híbridas, com uso de energias limpas. Além disso, ela possibilita a abertura de portas para negociações com empresas do exterior, que já vêm demonstrando interesse em adquirir os produtos oriundos dessa junção de tecnologias.

Alexandre Roma, diretor da Aero Concepts, reforçou a importância de contratos como esse em declaração para o portal Sobre Tudo:

“Esta parceria estratégica entre nós e a Stella Tecnologia é um passo decisivo rumo à autonomia tecnológica e à defesa nacional. Ao integrarmos turbinas a jato em plataformas de voo não tripuladas, estamos não apenas impulsionando a indústria aeroespacial brasileira, fornecendo recursos tecnológicos otimizados no combate a crimes, mas também fortalecendo a capacidade de vigilância e de defesa de nosso país. Essa colaboração representa um avanço significativo para a segurança nacional, garantindo que tenhamos as ferramentas necessárias para proteger nossas fronteiras e interesses soberanos.”

Stella Tecnologia e o desenvolvimento de munições vagantes
A Stella Tecnologia - fundada em 2015 para desenvolver aeronaves não tripuladas de grande porte - desenvolve, fabrica e opera sistemas aéreos não tripulados para emprego no setor de defesa e em setores industriais que necessitam de produtos de alto desempenho.

Seus projetos aeronáuticos utilizam recursos de última geração altamente configuráveis para atender a uma ampla gama de requisitos operacionais de missões táticas e estratégicas, com o emprego dos melhores sensores e subsistemas, escolhidos com isenção, para compor sistemas integrados de altíssimo desempenho e confiabilidade.  

Percebendo que o mercado necessitava de armamentos leves para serem embarcados em  drones (VANT, ARP, SARP) e que os armamentos disponíveis no mercado internacional eram de difícil acesso devido a questões geopolíticas, a Stella iniciou o desenvolvimento de uma linha de munições vagantes (drones kamikazes) para serem embarcadas em suas plataformas.

O primeiro exemplar dessa linha é a munição planadora Siopi, com uma razão de planeio máxima de 20:1, ou seja: a cada 20 metros de deslocamento, perde 1 metro de altitude. Desta forma, se lançada a 10.000 metros, ela poderá planar 200 km levando uma "cabeça de guerra" de 4 kg. 

Essa munição tem uma assinatura acústica praticamente nula, uma assinatura de radar mínima e uma assinatura térmica também próxima a zero. Desta forma, torna-se muito difícil de ser detectada.

Para atingir o alvo com precisão exata, a Stella trabalha em um sistema de guiamento que utiliza medições inerciais combinadas com visão computacional. Além do mais, o operador poderá corrigir o curso da munição, ou destruí-la, se assim o desejar, até muito perto do momento da detonação da carga.

A munição vagante terá um custo de aquisição baixíssimo e poderá também operar por enxame (sworm), pois a empresa está trabalhando em parceria com um importante pesquisador nessa área. 

A ideia é criar um produto barato, eficaz e disruptivo que permitirá o armamento de pequenos e grandes drones fabricados pela Stella Tecnologia ou por outras empresas brasileiras ou estrangeiras.

Em contato com a empresa, a LRCA apurou que todos os seus três modelos de drones de defesa poderão ser utilizados para o uso desse tipo de munição.  

Com isso, a empresa revoluciona o Setor de Defesa brasileiro, com reflexos na América do Sul e no mundo, haja vista ser a primeira fabricante sul-americana de drones a desenvolver tal recurso.





Munição planadora Siopi, da Stella Tecnologia

Atobá, Albatroz e Condor: os três principais drones da Stella Tecnologia
A empresa produz três tipos de aeronaves remotamente tripuladas, popularmente conhecidos como drones:

Atobá
O ARP Atobá voou em 2020, sendo a maior plataforma aérea desse tipo já desenvolvida na América Latina, possibilitando o monitoramento de fronteiras e áreas extensas com sua surpreendente autonomia de 28 horas.

Dados técnicos:
MTOW: 500 kg
Comprimento: 8 metros
Envergadura: 11 metros
Motorização: 60 hp
Carga-paga: 150 kg
Autonomia: 20 horas
Alcance do datalink: 250km
Decolagem e pouso: 400 metros
Possibilidade de embarcar múltiplos sensores. 

Drone Atobá com munição planadora Siopi, também da Stella

Albatroz
O Albatroz é uma plataforma aérea extremamente versátil, com uma autonomia surpreendente, que pode ser operada a partir de pistas não preparadas com menos de 150 metros. Foi desenvolvido para atender uma demanda da Marinha do Brasil, para operações a partir do Navio Aeródromo Multipropósito Atlântico.

Dados técnicos:
MTOW: 500 kg
Comprimento: 4 metros
Envergadura: 7 metros
Motorização: 25 hp
Carga-paga: 6 kg
Autonomia: 28 horas
Alcance do datalink: 250km
Decolagem e pouso: 150 metros
Possibilidade de embarcar múltiplos sensores.


Drone Albatroz com munição planadora Siopi

Condor
O Condor é uma plataforma em desenvolvimento para atender as necessidades de monitoramento persistente de fronteiras com habilidade de embarcar múltiplos sensores e subsistemas com até 390 kg por 40 horas. Além disso, um outro diferencial é o alcance ilimitado do seu datalink (quando são utilizadas informações satelitais). Quando estiver operacional, ocupará o lugar do Atobá como a maior plataforma aérea do tipo já desenvolvida na América Latina.

Dados técnicos:
MTOW: 1400 kg
Comprimento: 9 metros
Envergadura: 15 metros
Motorização: 145 hp
Carga-paga: 390 kg
Autonomia: 40 horas
Alcance do datalink: 250km
Alcance do datalink satelital: ilimitado
Decolagem e pouso: 600 metros
Possibilidade de embarcar múltiplos sensores.


Drone Condor, em desenvolvimento


Sobre a Aero Concepts
Fundada em janeiro de 2016, em Ribeirão Preto (SP), a Aero Concepts – Aeroespacial, Industrial e Defesa Ltda é uma empresa de inovação tecnológica de desenvolvimento de sistemas e de produtos que necessitam de alto desempenho e confiabilidade que, atualmente, está consolidada no mercado de projetos, consultorias e serviços em turbomáquinas aplicadas à geração de energia com plantas térmicas na ordem de 250 MW, projetos de sistemas de controle e de bancos de ensaios para os setores industrial e aeroespacial.

Visando ampliar sua participação nos setores Aeroespacial e de Defesa, para se tornar uma empresa nacional fabricante e fornecedora de tecnologia de turbinas a gás para Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) e de sistemas aeronáuticos, a Aero Concepts dá um grande passo rumo ao seu objetivo com a abertura da Unidade II no Vale do Paraíba, nas dependências do Parque Tecnológico de São José dos Campos, considerado o maior complexo de inovação e empreendedorismo do Brasil.

Dentro do Parque Tecnológico de São José dos Campos, referência nacional em inovação e alta tecnologia, a Aero Concepts potencializa a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) de seus produtos e serviços, amplia parcerias com novas empresas, estruturas e instituições que colaborem na evolução e no desenvolvimento de turbinas a gás, de sistemas de supervisão, de controle e de ensaios para o mercado civil e de Defesa, potencializando a sinergia entre a empresa e o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) em projetos existentes e futuros.

 

Embraer conta com a OTAN para relançar seu A-29 Super Tucano


*Avions Legendaires - 16/04/2024

A fabricante brasileira de aeronaves planeja vender de 200 a 250 novas unidades nos próximos vinte anos. Oficialmente conhecido como aeronave de treinamento intermediário e avançado Emb 314 Super Tucano, o A-29B conseguiu há vários anos conquistar uma boa reputação em missões de ataque ao solo e apoio tático. Porém, é justamente contando com isso que a fabricante brasileira de aeronaves pretende lançar em breve o A-29N, voltado principalmente para os países da aliança atlântica. Estamos a falar, em particular, de uma abordagem com três países europeus.

Para propor isso à OTAN, a Embraer coloca suas futuras aeronaves como ideais para o treinamento de Joint Terminal Attack Controllers, os operadores terrestres de designação de alvos para apoio aéreo. No entanto, o fabricante brasileiro de aeronaves insiste que o A-29N (N de NATO) também será uma aeronave de ataque ao solo e apoio aéreo aproximado de última geração. Integrará uma cadeia de comunicações da Ligação 16, específica da aliança atlântica e das suas operações coordenadas. O A-29N Super Tucano também será adequado para a maioria das munições padrão da OTAN, sejam elas de design americano ou europeu. Também parece adequado para combater ameaças ar-ar representadas por drones leves.

Nos últimos vinte anos, o A-29B Super Tucano provou seu valor em muitos países em desenvolvimento, como Burquina Faso, Gana, Mali e Mauritânia. Cada um deles utilizou-os contra grupos terroristas armados, jihadistas presentes em massa na África Subsaariana. Podemos considerar que serviram de cobaias, experimentadores do que viria a ser o A-29N. Porque agora com reconhecida capacidade de vigilância, reconhecimento e ataque ao solo em quaisquer condições meteorológicas com o uso de munições guiadas, a aeronave brasileira se apresenta como um sistema de armas de última geração. Além disso, o A-29N Super Tucano não é dedicado aos países em desenvolvimento. É, portanto, improvável que os burkinabes e os malineses tenham meios para substituir os seus A-29B por esta nova versão.

Atualmente três países parecem estar na mira da Embraer, todos os três europeus e todos os três membros da OTAN. Estamos aqui a falar da Albânia, da Letônia e de Portugal. Este último é até considerado o potencial cliente lançador do A-29N dentro de alguns meses. Segundo informações, estão em curso negociações para este efeito com Lisboa. 

Na verdade, um dos aspectos mais interessantes desta aeronave é que ela representa uma alternativa aos drones de ataque ao solo e reconhecimento MALE (grande autonomia e média altitude) de última geração, como o General Atomics MQ-1C Gray Eagle e o MQ-9A Reaper. Agora é óbvio que o mercado futuro de 200 a 250 novos Super Tucanos não pode dizer respeito apenas aos A-29N. Contudo, se este objetivo for alcançado nos próximos 20 anos, terão sido construídas quase 500 aeronaves no total.

===xxx===


A-29 Super Tucano fará exibição solo no Beja International Air Show 2024

*LRCA Defense Consulting - 17/04/2024

Nos dias 1 e 2 de junho, um Super Tucano A-29A brasileiro estará participando do Beja International Air Show 2024, na Base Aérea nº 11, em Beja, Portugal, onde realizará uma exibição solo.

O anúncio da Força Aérea Portuguesa (FAP), divulgado recentemente, está gerando um grande interesse entre entusiastas da aviação e especialistas militares, já que o A-29 Super Tucano é uma visão rara em shows aéreos nessa parte do mundo.

Em virtude de o local e o evento serem estratégicos, esta Consultoria acredita que a participação ativa de um A-29 Super Tucano possa estar relacionada à intenção da Embraer de oferecer sua aeronave à OTAN, com ênfase inicial na FAP.

Beja International Airshow 2024
O Beja International Airshow 2024 é considerado uma joia escondida entre os shows aéreos europeus e possui uma incrível linha de exibições voadoras que atualmente incluem o F-15E Strike Eagles dos EUA, o F-16 Fighting Falcons romeno, o JAS-39C Gripen húngaro, o Eurofighter Typhoon espanhol, bem como o equipes de ponta, como Patrouille Suisse da Força Aérea Suíça, equipe de demonstração tática Couteau Delta da Força Aérea e Espacial Francesa e Patrula Aguila da Força Aérea e Espacial Espanhola. 

Haverá também shows aéreos civis e aeronaves da Força Aérea Portuguesa somando-se ao diversificado leque de exibições à disposição dos visitantes. Além das exibições aéreas, os visitantes também podem esperar exibições estáticas de várias aeronaves, incluindo aviões militares e civis, helicópteros e outros equipamentos relacionados à aviação.

Eve Air Mobility e AirX Inc. assinam carta de intenções para até 50 eVTOLs, suporte de serviço e software ATM urbano


*LRCA Defense Consulting - 17/04/2024

A Eve Air Mobility assinou uma carta de intenções com a AirX Inc., o maior serviço público de fretamento aéreo de helicópteros do Japão, para um pedido firme de até 10 aeronaves de decolagens e pousos verticais (eVTOL) e até 40 opcionais. O pedido apoiará o desenvolvimento contínuo e a expansão de operações de transporte inovadoras no Japão.

“Agradecemos a confiança da AirX na Eve, não apenas adquirindo nossas aeronaves eVTOL, mas também soluções de serviços e operações e nosso Vector – o software de gerenciamento de tráfego aéreo urbano”, disse Johann Bordais, CEO da Eve. “O Japão tem sido progressista em sua abordagem e interesse nas operações eVTOL e esperamos continuar a expandir nossos relacionamentos e apoiar os objetivos de mobilidade aérea urbana do Japão no futuro.”

“Estamos profundamente impressionados não apenas com as capacidades tecnológicas da EVE, mas também com o seu compromisso com a construção de um ecossistema”, disse Kiwamu Tezuka, CEO da AirX Inc. “Nosso objetivo é revolucionar a indústria atual, tornando os serviços de transporte úteis e acessíveis para todos. Ao integrar nosso conhecimento, experiências e plataforma de negócios existente com as soluções abrangentes da EVE, esperamos superar as limitações de transporte ao avançar nas operações eVTOL no Japão.”

A AirX é pioneira em mobilidade aérea avançada no Japão e uma empresa de plataforma digital que oferece uma solução completa de serviços fretados ao público japonês via AIROS Skyview. A AirX anunciou o lançamento do primeiro campo de teste eVTOL da área da Grande Tóquio, o UAM Center. Esta iniciativa inovadora baseia-se na rica história da AirX de oferecer experiências aéreas únicas através do AIROS Skyview desde 2015, marcando um marco significativo na jornada da empresa em direção à mobilidade aérea urbana (UAM) sustentável e acessível. O UAM Center pretende revolucionar as viagens aéreas na área metropolitana de Tóquio, mostrando o compromisso da empresa com a inovação e o futuro do transporte.

A região Ásia-Pacífico é um mercado importante para a Eve Air Mobility. A empresa continua a construir diversos relacionamentos e a trabalhar com seus clientes e potenciais clientes para trazer um novo meio de transporte para ajudar a aliviar o congestionamento do tráfego na região. Além do Japão, a Eve já está trabalhando em estreita colaboração com clientes e operadoras na Austrália, Índia e Coreia do Sul, entre outros locais. Como a empresa trabalha com parceiros locais, seu objetivo é construir ecossistemas UAM de forma colaborativa com seus parceiros operacionais em cada uma das comunidades de lançamento pretendidas e compartilhar insights de informações à medida que as discussões continuam.

A aeronave eVTOL da Eve utiliza configuração lift+cruise com oito hélices dedicadas para voo vertical e asas fixas para voo em cruzeiro, sem alteração na posição desses componentes durante o voo. O mais recente conceito inclui um empurrador elétrico alimentado por motores elétricos duplos que proporcionam redundância de propulsão com o objetivo de garantir os mais altos níveis de desempenho e segurança. Embora ofereça inúmeras vantagens, incluindo menor custo de operação, menos peças, estruturas e sistemas otimizados, foi desenvolvido para oferecer impulso eficiente com baixo ruído.

No ano passado, a empresa anunciou que sua primeira unidade de produção de eVTOL estará localizada na cidade de Taubaté, no estado de São Paulo, Brasil. A empresa iniciou a montagem de seu primeiro protótipo eVTOL em escala real, que será seguido por uma campanha de testes. Eve tem cartas de intenções para quase 3.000 eVTOLs e a aeronave deverá entrar em serviço em 2026.

Ao mesmo tempo, a Eve continua a desenvolver um portfólio abrangente de soluções agnósticas de serviços e operações, incluindo o Vector, um software exclusivo de gerenciamento de tráfego aéreo urbano para otimizar e dimensionar as operações de mobilidade aérea urbana em todo o mundo.

16 abril, 2024

Embraer busca impulso no comércio eletrônico asiático para conversões de carga de E-Jets

Primeiro cargueiro E190 convertido da Embraer em São José dos Campos. Fonte: Alfred Chua/FlightGlobal

*FlightGlobal, por Alfred Chua - 11/04/2023

A Embraer espera aproveitar o crescimento contínuo do comércio eletrônico para impulsionar seu programa incipiente de conversão de passageiros em cargueiros de E-Jets.

Marcelo Tocci é diretor do programa de conversão de E-Jets da Embraer. Falando à FlightGlobal na sede da empresa em São José dos Campos, no Brasil, ele disse que os cargueiros convertidos para E-Jets são “uma opção perfeita” para o comércio eletrônico, especialmente para atender comunidades menores.

“Acho que [as empresas de comércio eletrônico] estão a perceber que há muitas cidades mais pequenas nos seus países ou mesmo na região que não são servidas. E acho que somos a combinação perfeita”, diz Tocci.

Lançado em 2022, o programa E-Jet de passageiros em cargueiro abrange a conversão do E190 e do E195. O primeiro E190F decolou em seu primeiro voo de teste em 5 de abril, e sua segunda surtida foi realizada cinco dias depois.

O E190F terá carga útil de 10.700 kg (23.600 lb), enquanto o E195F terá 12.300 kg.

A certificação dos reguladores brasileiros, norte-americanos e europeus está prevista para o segundo trimestre do ano, com a entrada do serviço a seguir.

Mercado global para cerca de 600 pequenos cargueiros nos próximos 20 anos
A empresa prevê um mercado global para cerca de 600 pequenos cargueiros nos próximos 20 anos. Destes, cerca de um terço irá para a Ásia-Pacífico, sublinhando a “imensa oportunidade” na região, diz Tocci.

Ele acrescenta que a Embraer está “analisando cuidadosamente” as oportunidades no Sudeste Asiático, observando o crescimento das economias de países como o Vietnã.

Arjan Meijer, presidente-executivo da Embraer Aviação Comercial, acrescenta: “As aeronaves [existentes] que voam neste segmento são muito antigas. Se você olhar para o perfil [dos cargueiros] nos diferentes perfis, há uma queda no segmento [do pequeno cargueiro de fuselagem estreita], não porque não haja demanda, mas porque não há nada disponível.”

Tocci também observa que cerca de dois terços das entregas projetadas de pequenos cargueiros serão para fins de crescimento, com o restante para substituição.

Assim como Meijer e Villaron, ele acredita que há espaço para os cargueiros E-Jet substituírem os aviões de fuselagem estreita maiores e mais antigos.

A empresa também está pensando em lançar o tipo para operadores de cargueiros turboélice. Tocci acrescenta: “Acreditamos que há muito mais produtividade em ter um jato [como o E-Jet] substituindo um turboélice – há mais alcance… e também estamos falando de eficiência de custos. Quando você ultrapassar o alcance de 700nm [1.300km] para operações de carga, descobrirá que algo como o E-Jet é mais eficiente.”  

O primeiro cargueiro E190 da Embraer decolou em seu primeiro voo de teste em 5 de abril

As conversões ocorrem nas instalações da Embraer em São José dos Campos, com duas linhas atualmente em operação. Estão em construção mais duas linhas, com meta de converter até 12 cargueiros por ano.

Como parte do acordo com a Lanzhou Aviation, a Embraer também poderá estabelecer uma instalação de conversão na China.

Tocci sugere que a Embraer está aberta a várias opções para o trabalho de modificação na Ásia, incluindo realizar conversões internamente, usando terceiros ou formando uma joint venture.

 

15 abril, 2024

Protótipo do drone de carga Moya eVTOL completou 87 voos bem-sucedidos


*LRCA Defense Consulting - 16/04/2024

O projeto Moya eVTOL está avançando em direção a um novo horizonte da aviação, com um novo conceito visando otimizar a logística aérea. A equipe vem realizando uma série de testes para validar e certificar a aeronave e informa que ela já completou 87 voos com sucesso.

A campanha de testes tem sete fases, desde testes em solo até voos em modo automático. Atualmente, está no final da Fase 4, onde está fazendo os ajustes finais nas capacidades de voo vertical da aeronave. O piloto controla a velocidade frontal e lateral, e a sintonia nesta fase corresponde ao loop externo. Ao final da Fase 4, que corresponde ao momento atual, a aeronave voa em modo de posição, com velocidade como entrada. A decolagem, a missão e o pouso automático são possíveis nesta fase.

A empresa está empenhada em continuar os testes em 2024 para concluir as fases subsequentes. A Fase 5 envolverá a missão em modo vertical, incluindo decolagem, voo para pontos pré-definidos, retorno à casa e pouso automático. Na Fase 6, será feita a transição para voo horizontal e serão repetido os ajustes da fase vertical, mas agora isso será feito em voo horizontal. Finalmente, a Fase 7 marcará a conclusão da missão, incluindo decolagem vertical, transição para voo horizontal, voo vertical e pouso.

Na Moya, a equipe está entusiasmada com o futuro das viagens aéreas e com as possibilidades da tecnologia eVTOL para atender o mercado de logística. Com mais de 87 voos bem-sucedidos realizados e mais por vir, a Moya está confiante de que suas aeronaves revolucionarão a indústria e fornecerão um meio de transporte seguro, eficiente e sustentável para todos.




Sobre a Moya Aero

A Moya Aero, fundada em 2020, é uma spin-off da ACS Aviation, empresa brasileira de engenharia aeronáutica, pesquisa e desenvolvimento de aeronaves localizada em São José dos Campos. A experiência de mais de 20 anos no mercado de aviação está por trás do Moya eVTOL, o primeiro veículo autônomo de alta capacidade construído na América Latina.

A experiência da equipe Moya abrange um amplo espectro da indústria aeroespacial. Este conhecimento é usado para capitalizar oportunidades de mercado com conceitos de veículos aéreos que abordam muitos problemas logísticos de longa data, como a redução das emissões de CO₂, a ligação de regiões remotas com abastecimentos vitais, a melhoria da eficiência, a produtividade e o custo da gestão das culturas e a ligação de empresas com os clientes de forma mais rápida, barata e direta.

Seed4Science, Hards e Techstars investiram na Moya, que também conta com o apoio da FINEP no desenvolvimento do protótipo. Helisul Drones, ProAero e Certifica Drones são parceiros.

Eve Air Mobility nomeia KAI como fornecedora de pilones eVTOL


*LRCA Defense Consulting - 15/04/2024

A Eve Air Mobility nomeou a Korea Aerospace Industries Ltd. (KAI), como fornecedora de seus pilones elétricos de decolagem e pouso vertical para aeronaves. Os pilones são um componente chave da fuselagem que fornecem suporte para as unidades de energia elétrica da aeronave e oito hélices de sustentação. 

“A KAI tem excelente reputação em qualidade, tecnologia e desempenho comercial, fornecendo diversos componentes aeroestruturais para uma variedade de aeronaves, incluindo o modelo E-Jet E2 da Embraer”, disse Johann Bordais, CEO da Eve. “Estamos entusiasmados por ter a KAI se juntando a uma lista forte e diversificada de fornecedores que trabalharão conosco para fornecer componentes desde o protótipo até a produção.” 

Durante os últimos 30 anos, a KAI forneceu importantes componentes aeroestruturais para fabricantes globais de aeronaves, incluindo a Embraer para seu modelo E-Jet E2. O acordo marca a entrada formal da KAI no mercado de mobilidade aérea avançada (AAM). No ano passado, o CEO da KAI, Goo Young Kang, designou o espaço e a mobilidade aérea futura como os principais negócios futuros da empresa através da sua declaração de visão para 2050. A KAI anunciou recentemente um investimento significativo em infraestrutura de produção com o objetivo de aumentar a sua participação no mercado de AAM em rápido crescimento no futuro. 

A KAI é o mais recente fornecedor do eVTOL a ser nomeado pela Eve. Em fevereiro, a Eve nomeou a Aciturri (pele da asa, longarinas e bordas de ataque/fuga da asa) e a Crouzet (controles do piloto) como fornecedores. Em janeiro, a Eve anunciou que a Thales forneceria sensores e um computador, enquanto a Honeywell forneceria orientação, navegação e iluminação externa. A RECARO Aircraft Seating foi selecionada para fornecer os assentos do eVTOL e a FACC fornecerá a cauda horizontal e vertical, incluindo leme e profundor. Em 2023, a Eve selecionou a Garmin para fornecer os aviônicos da aeronave, a Liebherr-Aerospace para fornecer os atuadores de controles de voo e a Intergalactic para fornecer o sistema de gerenciamento térmico. A empresa também nomeou a Nidec Aerospace, LLC, uma joint venture entre a Nidec e a Embraer, para fornecer o sistema de propulsão elétrica, a BAE Systems para fornecer o sistema de armazenamento de energia e a Duc Hélice Propellers para fornecer os rotores e a hélice. 

A aeronave eVTOL da Eve utiliza uma configuração lift+cruise com oito hélices dedicadas para voo vertical e asas fixas para voo em cruzeiro, sem alteração na posição desses componentes durante o voo. O mais recente conceito inclui um empurrador elétrico alimentado por motores elétricos duplos que proporcionam redundância de propulsão com o objetivo de garantir os mais altos níveis de desempenho e segurança. Embora ofereça inúmeras vantagens, como menor custo de operação, menos peças, estruturas e sistemas otimizados, foi desenvolvido para oferecer impulso eficiente com baixo ruído. 

No ano passado, a empresa anunciou que sua primeira unidade de produção de eVTOL estará localizada na cidade de Taubaté, no estado de São Paulo, Brasil. A empresa iniciou a montagem de seu primeiro protótipo eVTOL em escala real, que será seguido por uma campanha de testes. O eVTOL da Eve está programado para iniciar as entregas e entrar em serviço em 2026. 

Ao mesmo tempo, a Eve continua a desenvolver um portfólio abrangente de soluções agnósticas de serviços e operações, incluindo o Vector, um software exclusivo de gerenciamento de tráfego aéreo urbano para otimizar e dimensionar as operações de mobilidade aérea urbana em todo o mundo.

14 abril, 2024

A crise no Oriente Médio e a Indústria Brasileira de Defesa


*LRCA Defense Consulting - 14/04/2024

O ataque do Irã a Israel, a partir do seu território, inaugura uma nova fase nos conflitos do Oriente Médio e evidencia o quão próxima pode estar uma conflagração geral na região e, também, no mundo, bastando um pequeno erro de cálculo ou uma decisão equivocada de alguma das partes envolvidas. Tal situação é agravada pelo apoio ostensivo da Jordânia e velado (ou não) da Arábia Saudita - dois países árabes - nas ações contra os drones e mísseis iranianos.

Sem dúvida, esse fato deverá trazer consequências importantes para as empresas de defesa brasileiras que exportam seus produtos para a região ou que nela já produzem localmente, ou ainda que estão em vias de ali produzir, seja por estar participando de importantes licitações, seja por se encontrar em negociações para uma futura produção local.

É importante observar que, além da região do Oriente Médio em si, a Índia surge como uma potência bélica e econômica vizinha que tem grande interesse em manter livre a rota marítima para a Europa, tanto para escoar seus produtos como para receber outros que lhe são necessários. Além disso, o país já possui uma forte presença militar na área, com sua marinha de guerra patrulhando o Mar Vermelho e atuando ativamente contra os rebeldes Houthis, em uma clara demonstração de seu poderio naval, principalmente em oposição afirmativa à crescente influência da China no mar.

Em qualquer caso, o acirramento das tensões no Oriente Médio pode também estimular outros focos de tensão na região do Indo-Pacífico, principalmente o risco permanente de a China invadir Taiwan e o de a Coreia do Norte cumprir suas ameaças de guerra contra a Coreia do Sul e o Japão, passando por outros, como as questões de fronteira entre Índia e China, Índia e Paquistão, Paquistão e Irã etc.

Neste cenário, há algumas grandes empresas brasileiras que possuem fortes interesses em países dessas regiões, sendo Akaer, CBC, Embraer, Mac Jee, SIATT e Taurus Armas as principais.

A Akaer participa do programa HÜRJET, da Turkish Aerospace Industry (TAI), uma aeronave de treinamento avançado e ataque leve turca para dois ocupantes em configuração tandem. Capaz de operar em velocidades supersônicas e equipado com aviônicos modernos, foi projetado para atender a demanda por treinadores capazes de preparar pilotos para os desafios trazidos pelos novos caças de 5ª geração.

A CBC está com uma fábrica pronta na Índia, em joint venture com a SSS Defence, só aguardando as últimas licenças governamentais. Na Arábia Saudita, a empresa está próxima de firmar uma joint venture para estabelecer produção local.

A Embraer, após vencer a licitação da Coreia do Sul para fornecer aeronaves de transporte, está em vias de fornecer 33 aeronaves C-390 Millennium para a Arábia Saudita, podendo estabelecer uma joint venture para produção local, além de ter firmado acordos relativos à aviação comercial e militar. Na Índia, a gigante brasileira participa de uma megalicitação de 40 a 80 aeronaves de transporte, onde o C-390 é um dos favoritos, haja vista sua característica multimissão e demais vantagens frente aos concorrentes.

A Mac Jee é uma grande exportadora de bombas, foguetes e munição de artilharia para o Oriente Médio, possuindo ainda uma unidade fabril de explosivos militares na Arábia Saudita em vias de conclusão.

A SIATT, que teve 50% de seu capital adquirido pelo EDGE Group, dos Emirados Árabes Unidos, deverá ver um grande incremento na produção de mísseis antinavio MANSUP e MANSUP ER direcionados a países da região.

A Taurus Armas iniciou as atividades produtivas de sua fábrica na Índia no mês passado, já venceu uma primeira licitação de submetralhadoras para o Exército Indiano e está participando das etapas finais da maior licitação de armas leves do mundo, por meio da qual esse país irá adquirir 425 mil fuzis CQB para suas forças armadas. Na Arábia Saudita, a empresa está em vias de firmar uma joint venture para a produção local de armas leves (pistolas, submetralhadoras e fuzis) para equipar as Forças Armadas Sauditas.

O fato é que, com o acirramento das tensões, a Arábia Saudita e outros países do Oriente Médio, bem como a Índia, Filipinas, Indonésia e Malásia, no Indo-Pacífico, necessitarão agilizar medidas para fortalecer os seus meios bélicos e de segurança que estiverem deficientes, dada à nova urgência com que podem ser requisitados. 

O agravamento da situação no Oriente Médio traz também consequências para algumas das empresas que concorrem diretamente com as brasileiras e que estão (ou não) localizadas na região, haja vista que que o respectivo país-sede pode vir a necessitar de toda a sua produção, caso esteja diretamente envolvido em um conflito ou haja uma possibilidade real desse envolvimento no curto prazo. É o caso de Israel, por exemplo, que terá dificuldades para exportar armas e munições; inclusive, recentemente, precisou importar uma grande quantidade de fuzis dos EUA, apesar de possuir duas grandes empresas que os produzem.

Por outro lado, o Brasil emerge como um país que possui uma indústria de defesa que, apesar de limitada na diversidade de produtos, é dotada de alta capacidade e tecnologia, qualidade de nível mundial e bom volume de produção (em alguns casos), com condições de suprir necessidades importantes das forças armadas do Oriente Médio, do Indo-Pacífico e de outras regiões que também venham a necessitar, especialmente no que diz respeito a armamento leve, explosivos, munições, bombas, foguetes (e seus lançadores), mísseis, drones, radares e aeronaves (transporte, AEW&C ou treinamento e ataque leve/ao solo). 

Além disso, o Brasil está suficientemente distante, possui razoável estabilidade política e, por enquanto, não está diretamente alinhado a nenhum dos lados envolvidos nos atuais conflitos.

Devido a esse somatório de fatores, esta Consultoria acredita que alguns países dessas regiões, particularmente Arábia Saudita e Índia, devam aligeirar decisões relativas a aquisições diretas, processos licitatórios e estabelecimento de joint ventures com foco em empresas brasileiras da área de defesa.

Embraer C-390 Millennium – unindo continentes, capacitando missões: o alvorecer da supremacia aeroespacial

 

*ACE-Aerospace Central Europe, por Katerina Urbanova - 11/04/2024

Revolucionando a mobilidade aérea global
O Embraer C-390 Millennium, aeronave de transporte militar multimissão de última geração, anuncia uma nova era na mobilidade aérea média, caracterizada por flexibilidade incomparável, tecnologia avançada e eficiência excepcional. Concebido para superar as rigorosas demandas da Força Aérea Brasileira (FAB), o C-390 Millennium combina uma plataforma multimissão altamente versátil com custos operacionais extraordinariamente baixos e capacidade de resposta rápida. Esta síntese proporciona uma combinação inigualável de disponibilidade, produtividade e eficiência de custos às forças aéreas em todo o mundo, estabelecendo uma nova referência na sua categoria.

Embarcando em uma Nova Era de Excelência Aeroespacial
Originário da Embraer, uma potência aeroespacial reconhecida mundialmente com mais de cinquenta anos de história pioneira, o C-390 é a pedra angular do conjunto contemporâneo e inovador de produtos da Embraer Defesa & Segurança. O estimado legado da Embraer, moldado pela evolução incessante de suas ofertas comerciais, executivas e de defesa, enfatiza o compromisso com alta disponibilidade e facilidade de manutenção. Esses princípios fundamentais estão intrinsecamente integrados ao DNA do C-390, estabelecendo-o como a aeronave de transporte mais avançada e sofisticada tecnologicamente da Embraer até hoje.

Uma Vanguarda de Sistemas de Missão Militar
As capacidades de missão militar do C-390 Millennium são nada menos que notáveis, apresentando os mais recentes avanços em radar tático, mecanismos de autoproteção, aviônicos, aprimoramento de visão, bem como tecnologias avançadas de manuseio de carga e lançamento aéreo. . Sua versátil filosofia de design “uma aeronave, muitas capacidades” permite uma rápida reconfiguração para uma ampla variedade de operações, abrangendo reabastecimento aéreo, assalto, reabastecimento ar-ar (com a variante KC-390), combate aéreo a incêndios, busca e salvamento (SAR). ), ajuda humanitária, evacuação médica e apoio a operações especiais. Além disso, a compatibilidade da aeronave com um pod EO/IR (Eletro-Óptico/Infravermelho) destacável amplia significativamente seu escopo operacional em SAR, Patrulha Marítima e Operações Especiais.

Projetado para prosperar nas condições mais desafiadoras – desde desertos escaldantes até regiões polares congeladas – o C-390 apresenta desempenho incomparável em ambientes austeros com suporte mínimo no solo. A sua proficiência na execução de operações a partir de pistas não pavimentadas ou comprometidas sublinha a sua adaptabilidade e resiliência incomparáveis.

Superando os padrões de desempenho
As métricas de desempenho do C-390 Millennium eclipsam significativamente as de outras aeronaves de transporte militar de médio porte. Atingindo uma velocidade máxima de 470 nós de velocidade calibrada (KCAS), uma carga útil máxima de 26 toneladas e um alcance de 1.470 milhas náuticas com uma carga de 23 toneladas, ele supera os turboélices de elevação média em impressionantes 40% em alcance, velocidade e eficiência de carga útil. Este desempenho notável, juntamente com a sua versatilidade operacional, atraiu a atenção de governos e forças aéreas em todo o mundo, consolidando o C-390 como a aeronave de transporte multimissão de próxima geração por excelência.

Integrações estratégicas e expansão da presença global
A introdução do C-390 Millennium na Força Aérea Portuguesa (FAP) na Base Aérea de Beja representa um marco importante. Cumprindo os rigorosos padrões da Autoridade Aeronáutica Nacional (AAN) de Portugal e equipado com equipamento padrão da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), esta aeronave inaugural KC-390 Millennium para a FAP exemplifica a parceria de sucesso entre a Embraer, OGMA e FAP. O compromisso de Portugal, destacado pela aquisição de cinco aeronaves KC-390, juntamente com um acordo abrangente de serviço e suporte e um simulador de voo, sublinha o seu papel significativo como principal parceiro internacional no programa C-390. Esta colaboração não só reforça o crescimento econômico e a criação de emprego, mas também catalisa os avanços tecnológicos em Portugal.

As capacidades operacionais do C-390 Millennium, particularmente enfatizadas pela sua configuração única de reabastecimento ar-ar, destacam a sua flexibilidade operacional e relação custo-benefício, distinguindo-o na categoria de aeronaves de transporte tático militar. A sua capacidade de transportar mais carga útil, atingir velocidades mais elevadas e cobrir distâncias mais longas do que aeronaves comparáveis, juntamente com a sua capacidade de realizar um amplo espectro de missões em diversas condições de pista, solidifica o estatuto do C-390 Millennium como um avião moderno, eficiente e extremamente solução de transporte militar capaz.

A seleção do C-390 por vários países europeus, incluindo a Hungria, os Países Baixos, a Áustria e, nomeadamente, a República Checa, reflete o seu crescente apelo internacional e o reconhecimento das suas capacidades superiores, fiabilidade e desempenho. Este interesse crescente de nações de toda a Europa e de outros lugares não apenas ressalta a importância estratégica e a excelência operacional do C-390 Millennium, mas também exemplifica a dedicação da Embraer ao avanço de soluções globais de mobilidade aérea. À medida que o C-390 continua a cativar as forças aéreas globais, a sua expansão internacional atesta o seu potencial transformador, pronto para atender aos requisitos de missão multifacetados e dinâmicos das operações militares modernas e futuras. A adoção do C-390 por estas nações representa um endosso significativo ao seu design inovador, versatilidade operacional e vantagem estratégica que oferece, abrindo caminho para um novo capítulo na aviação militar global.

13 abril, 2024

Estratégia centrada no desgaste e não na manobra: lições da guerra russa na Ucrânia

Após o insucesso da grande, pretensiosa e mal planejada ofensiva inicial russa, a Ucrânia estabeleceu uma acertada guerra de desgaste. Porém, pressões políticas internas e externas fizeram-na acreditar que uma contraofensiva poderia ser vitoriosa. Como não foi, agora é a Rússia que empreende uma contundente guerra de desgaste que poderá levar a Ucrânia a corner.


*RUSI, por Alex Vershinin - 18/03/2024

Se o Ocidente leva a sério a possibilidade de um conflito entre grandes potências, precisa analisar atentamente a sua capacidade de travar uma guerra prolongada e de desenvolver uma estratégia centrada no desgaste e não na manobra.

Guerras de desgaste têm a sua própria arte

As guerras de desgaste exigem a sua própria “Arte da Guerra” e são travadas com uma abordagem “centrada na força”, ao contrário das guerras de manobra que são “centradas no terreno”.

Estão enraizadas numa enorme capacidade industrial para permitir a substituição de perdas, na profundidade geográfica para absorver uma série de derrotas e em condições tecnológicas que impedem o rápido movimento terrestre.

Nas guerras de desgaste, as operações militares são moldadas pela capacidade do Estado de substituir perdas e gerar novas formações, e não por manobras táticas e operacionais. O lado que aceita a natureza desgastante da guerra e se concentra em destruir as forças inimigas em vez de ganhar terreno, tem maior probabilidade de vencer.

Na mentalidade ocidental, a estratégia de desgaste é contraintuitiva

O Ocidente não está preparado para este tipo de guerra. Para a maioria dos especialistas ocidentais, a estratégia de desgaste é contraintuitiva. Historicamente, o Ocidente prefere o curto confronto de exércitos profissionais em que o “vencedor leva tudo”. Jogos de guerra recentes, como a guerra do CSIS sobre Taiwan, cobriram um mês de combates. A possibilidade de a guerra continuar nunca entrou em discussão. Isto é um reflexo de uma atitude ocidental comum. As guerras de desgaste são tratadas como exceções, algo a evitar a todo o custo e geralmente produtos da inépcia dos líderes.

Infelizmente, as guerras entre potências próximas são provavelmente desgastantes, graças a um grande conjunto de recursos disponíveis para substituir as perdas iniciais. A natureza desgastante do combate, incluindo a erosão do profissionalismo devido às baixas, nivela o campo de batalha, independentemente do exército que começou com forças mais bem treinadas. À medida que o conflito se arrasta, a guerra é vencida pelas economias e não pelos exércitos.

Os Estados que compreendem isto e travam tal guerra através de uma estratégia de desgaste que visa esgotar os recursos do inimigo e, ao mesmo tempo, preservar os seus próprios, têm maior probabilidade de vencer. A forma mais rápida de perder uma guerra de desgaste é concentrar-se na manobra, despendendo recursos valiosos em objetivos territoriais de curto prazo. Reconhecer que as guerras de desgaste têm a sua própria arte é vital para vencê-las sem sofrer perdas devastadoras.

A Dimensão Econômica
As guerras de desgaste são vencidas pelas economias que permitem a mobilização em massa de militares através dos seus setores industriais. Os exércitos expandem-se rapidamente durante um conflito deste tipo, exigindo enormes quantidades de veículos blindados, drones, produtos eletrônicos e outros equipamentos de combate. Como o armamento de ponta é muito complexo de fabricar e consome vastos recursos, uma mistura de forças e armas de alto-baixo é imperativa para vencer.

As armas de última geração têm um desempenho excepcional, mas são difíceis de fabricar, especialmente quando necessárias para armar um exército rapidamente mobilizado e sujeito a uma elevada taxa de desgaste. Por exemplo, durante a Segunda Guerra Mundial, os Panzers alemães eram tanques excelentes, mas utilizando aproximadamente os mesmos recursos de produção, os soviéticos lançaram oito T-34  para cada Panzer alemão. A diferença de desempenho não justificou a disparidade numérica na produção. Armas de ponta também exigem tropas de ponta. Estes levam um tempo significativo para serem treinados – tempo que não está disponível em uma guerra com altas taxas de desgaste.

É mais fácil e rápido produzir grandes números de armas e munições baratas, especialmente se os seus subcomponentes forem intercambiáveis ​​com bens civis, garantindo uma quantidade em massa sem a expansão das linhas de produção. Os novos recrutas também absorvem armas mais simples mais rapidamente, permitindo a rápida geração de novas formações ou a reconstituição das existentes.

Alcançar a massa é difícil para as economias ocidentais mais sofisticadas. Para alcançar a hipereficiência, eliminam o excesso de capacidade e lutam para se expandir rapidamente, especialmente porque as indústrias de nível inferior foram transferidas para o estrangeiro por razões econômicas.

Durante a guerra, as cadeias de abastecimento globais são perturbadas e os subcomponentes já não podem ser protegidos. Somado a esse enigma está a falta de uma força de trabalho qualificada e com experiência em um determinado setor. Estas competências são adquiridas ao longo de décadas e, uma vez encerrada uma indústria, são necessárias décadas para a reconstruir. O relatório interagências do governo dos EUA de 2018 sobre a capacidade industrial dos EUA destacou estes problemas. O resultado final é que o Ocidente deve analisar com atenção a forma de garantir o excesso de capacidade em tempos de paz no seu complexo industrial militar, ou correrá o risco de perder a próxima guerra.

Geração de Força
A produção industrial existe para ser canalizada para repor perdas e gerar novas formações. Isto requer doutrina apropriada e estruturas de comando e controle. Existem dois modelos principais; a OTAN (a maioria dos exércitos ocidentais) e o antigo modelo soviético, com a maioria dos estados a apresentar algo intermédio.

Os exércitos da OTAN são altamente profissionais, apoiados por um forte corpo de sargentos (NCO), com extensa formação e experiência militar em tempos de paz. Baseiam-se neste profissionalismo para que a sua doutrina militar (fundamentos, táticas e técnicas) enfatize a iniciativa individual, delegando uma grande margem de manobra aos oficiais subalternos e sargentos. As formações da OTAN gozam de uma enorme agilidade e flexibilidade para explorar oportunidades num campo de batalha dinâmico.

Na guerra de desgaste, este método tem uma desvantagem. Os oficiais e sargentos necessários para executar esta doutrina requerem amplo treinamento e, acima de tudo, experiência. Um sargento do Exército dos EUA leva anos para se desenvolver. Um líder de grupo de combate geralmente tem pelo menos três anos de serviço e um sargento de pelotão pelo menos sete. Numa guerra de desgaste caracterizada por pesadas baixas, simplesmente não há tempo para substituir sargentos  perdidos ou gerá-los para novas unidades. A ideia de que os civis podem receber cursos de formação de três meses, divisas de sargento e depois esperar que tenham o mesmo desempenho que um veterano de sete anos é uma receita para o desastre. Só o tempo pode gerar líderes capazes de executar a doutrina da OTAN, e o tempo é algo que as enormes exigências da guerra de desgaste não proporcionam.

A União Soviética construiu o seu exército para conflitos em grande escala com a OTAN. Pretendia-se que fosse capaz de se expandir rapidamente através da mobilização de reservas massivas. Todos os homens na União Soviética passaram por dois anos de treinamento básico logo após o ensino médio. A constante rotação do pessoal alistado impediu a criação de um corpo de sargentos  ao estilo ocidental, mas gerou um enorme conjunto de reservas semitreinadas disponíveis em tempos de guerra. A ausência de sargentos fiáveis ​​criou um modelo de comando centrado nos oficiais, menos flexível do que o da OTAN, mas mais adaptável à expansão em grande escala exigida pela guerra de desgaste.

No entanto, à medida que a guerra ultrapassa a marca de um ano, as unidades da linha da frente ganharão experiência e é provável que surja um corpo de sargentos  melhorado, dando ao modelo soviético maior flexibilidade. Em 1943, o Exército Vermelho havia desenvolvido um robusto corpo de sargentos, que desapareceu após a Segunda Guerra Mundial, à medida que as formações de combate foram desmobilizadas. Uma diferença fundamental entre os modelos é que a doutrina da OTAN não pode funcionar sem sargentos de alto desempenho. A doutrina soviética foi reforçada por sargentos experientes, mas não os exigia.

Em vez de uma batalha decisiva alcançada através de manobras rápidas, a guerra de desgaste concentra-se na destruição das forças inimigas e na sua capacidade de regenerar o poder de combate, preservando ao mesmo tempo o próprio poder de combate.

O modelo mais eficaz é uma mistura dos dois, em que um Estado mantém um exército profissional de dimensão média, juntamente com uma massa de recrutas disponíveis para mobilização. Isto leva diretamente a uma mistura alta/baixa. As forças profissionais pré-guerra constituem o topo deste exército, tornando-se brigadas de bombeiros – movendo-se de setor em setor na batalha para estabilizar a situação e conduzir ataques decisivos. As formações de baixo nível mantêm a linha e ganham experiência lentamente, aumentando a sua qualidade até adquirirem a capacidade de conduzir operações ofensivas. A vitória é alcançada através da criação de formações low-end da mais alta qualidade possível.

Transformar novas unidades em soldados capazes de combater, em vez de turbas civis, é feito através de treinamento e experiência de combate. Uma nova formação deverá treinar por pelo menos seis meses, e somente se for tripulada por reservistas com treinamento individual prévio. Os recrutas demoram mais. Estas unidades também deveriam ter soldados profissionais e sargentos trazidos do exército anterior à guerra para aumentar o profissionalismo. Uma vez concluído o treinamento inicial, eles só deverão ser incluídos na batalha nos setores secundários. Nenhuma formação deve cair abaixo de 70% de resistência. A retirada antecipada das formações permite que a experiência prolifere entre os novos substitutos, à medida que os veteranos transmitem suas habilidades. Caso contrário, perde-se uma experiência valiosa, fazendo com que o processo seja reiniciado.

Outra implicação é que os recursos devem dar prioridade às substituições em detrimento das novas formações, preservando a vantagem de combate tanto no exército anterior à guerra (alta) como nas recém-criadas (baixas) formações. É aconselhável desmantelar várias formações pré-guerra (de alto nível) para espalhar soldados profissionais entre as formações de baixo nível recém-criadas, a fim de aumentar a qualidade inicial.

A Dimensão Militar
As operações militares num conflito de desgaste são muito distintas daquelas numa guerra de manobra. Em vez de uma batalha decisiva alcançada através de manobras rápidas, a guerra de desgaste centra-se na destruição das forças inimigas e na sua capacidade de regenerar o poder de combate, preservando ao mesmo tempo o seu próprio. Neste contexto, uma estratégia bem sucedida aceita que a guerra dure pelo menos dois anos e seja dividida em duas fases distintas. A primeira fase vai desde o início das hostilidades até ao ponto em que foi mobilizado poder de combate suficiente para permitir uma ação decisiva. Verá pouca mudança de posição no terreno, concentrando-se na troca favorável de perdas e na construção de poder de combate na retaguarda. A forma dominante de combate são os fogos e não as manobras, complementados por extensas fortificações e camuflagem. O exército em tempos de paz inicia a guerra e conduz ações de contenção, proporcionando tempo para mobilizar recursos e treinar o novo exército.

A segunda fase pode começar depois de um lado ter cumprido as seguintes condições:

- As forças recentemente mobilizadas concluíram a sua formação e adquiriram experiência suficiente para se tornarem formações eficazes em combate, capazes de integrar rapidamente todos os seus recursos de forma coesa.

- A reserva estratégica do inimigo está esgotada, deixando-o incapaz de reforçar o setor ameaçado.

- A superioridade de fogos e de reconhecimento é alcançada, permitindo ao atacante efetivamente concentrar fogos em um setor-chave, ao mesmo tempo que nega o mesmo ao inimigo.

- O setor industrial do inimigo está degradado ao ponto de ser incapaz de substituir as perdas no campo de batalha. No caso de lutar contra uma coligação de países, os seus recursos industriais também devem ser esgotados ou pelo menos contabilizados.

Só depois de cumpridos estes critérios é que as operações ofensivas terão início. Devem ser lançados através de uma frente ampla, procurando subjugar o inimigo em múltiplos pontos com ataques superficiais. A intenção é permanecer dentro de uma bolha em camadas de sistemas de proteção amigos, enquanto amplia as reservas inimigas esgotadas até que a frente entre em colapso. Só então a ofensiva deverá estender-se para objetivos mais profundos na retaguarda inimiga. A concentração de forças num esforço principal deve ser evitada, pois dá uma indicação da localização da ofensiva e uma oportunidade para o inimigo concentrar as suas reservas contra este ponto-chave.

A Ofensiva Brusilov de 1916, que resultou no colapso do exército austro-húngaro, é um bom exemplo de uma ofensiva de desgaste bem-sucedida a nível tático e operacional. Ao atacar ao longo de uma frente ampla, o exército russo impediu que os austro-húngaros concentrassem as suas reservas, resultando num colapso ao longo de toda a frente. No entanto, a nível estratégico, a Ofensiva Brusilov é um exemplo de fracasso. As forças russas não conseguiram estabelecer condições contra toda a coligação inimiga, concentrando-se apenas no Império Austro-Húngaro e negligenciando a capacidade alemã. Os russos gastaram recursos cruciais que não puderam substituir, sem derrotar o membro mais forte da coligação. Para voltar a enfatizar o ponto-chave, uma ofensiva só terá sucesso quando os critérios-chave forem cumpridos. A tentativa de lançar uma ofensiva mais cedo resultará em perdas sem quaisquer ganhos estratégicos, jogando diretamente nas mãos do inimigo.

Guerra Moderna
O campo de batalha moderno é um sistema integrado de sistemas que inclui vários tipos de guerra eletrônica (EW), três tipos básicos de defesas aéreas, quatro tipos diferentes de artilharia, inúmeros tipos de aeronaves, drones de ataque e reconhecimento, engenheiros de construção e sapadores, infantaria tradicional, formações blindadas e, acima de tudo, logística. A artilharia tornou-se mais perigosa graças ao aumento do alcance e à mira avançada, ampliando a profundidade do campo de batalha.

Na prática, isso significa que é mais fácil concentrar fogos do que forças. A manobra profunda, que requer a concentração do poder de combate, já não é possível porque qualquer força concentrada será destruída por fogos indiretos antes de poder alcançar sucesso em profundidade. Em vez disso, uma ofensiva terrestre requer uma bolha protetora apertada para afastar os sistemas de ataque inimigos. Esta bolha é gerada através da sobreposição de recursos amigáveis ​​de contrafogos, defesa aérea e EW. Mover numerosos sistemas interdependentes é altamente complicado e dificilmente terá sucesso. Os ataques superficiais ao longo da linha avançada das tropas têm maior probabilidade de serem bem-sucedidos com uma relação de custo aceitável; as tentativas de penetração profunda ficarão expostas a fogos em massa no momento em que saírem da proteção da bolha defensiva.

A integração destes ativos sobrepostos requer um planejamento centralizado e operadores excepcionalmente bem treinados, capazes de integrar múltiplas capacidades em tempo real. Leva anos para treinar tais oficiais, e mesmo a experiência de combate não gera tais habilidades em pouco tempo. Listas de verificação e procedimentos obrigatórios podem aliviar estas deficiências, mas apenas numa frente estática e menos complicada. As operações ofensivas dinâmicas exigem tempos de reação rápidos, que os oficiais semitreinados são incapazes de realizar.

Um exemplo desta complexidade é o ataque de um pelotão de 30 soldados. Isto exigiria que os sistemas EW bloqueiem os drones inimigos; outro sistema EW para bloquear as comunicações inimigas, impedindo o ajuste dos fogos inimigos; e um terceiro sistema EW para bloquear sistemas de navegação espacial, negando o uso de munições guiadas com precisão. Além disso, os fogos exigem radares de contrabateria para derrotar a artilharia inimiga. Para complicar ainda mais o planejamento, está o fato de que a guerra eletrônica inimiga localizará e destruirá qualquer radar amigo ou emissor de guerra eletrônica que esteja emitindo por muito tempo. Os engenheiros terão que abrir caminhos através dos campos minados, enquanto os drones amigáveis ​​fornecem ISR sensível ao tempo e apoio de fogo, se necessário (esta tarefa requer muito treino com as unidades de apoio para evitar o lançamento de munições sobre as tropas de ataque amigas). Finalmente, a artilharia precisa de fornecer apoio tanto no objetivo como na retaguarda inimiga, visando as reservas e suprimindo a artilharia. Todos estes sistemas precisam de funcionar como uma equipe integrada apenas para apoiar 30 homens em vários veículos atacando outros 30 homens ou menos. A falta de coordenação entre estes meios resultará em ataques fracassados ​​e perdas terríveis sem nunca ver o inimigo. À medida que aumenta o tamanho da formação que conduz operações, aumenta também o número e a complexidade dos ativos que precisam ser integrados.

Implicações para Operações de Combate

Os fogos profundos – a mais de 100–150 km (o alcance médio dos foguetes táticos) atrás da linha de frente – visam a capacidade do inimigo de gerar poder de combate. Isto inclui instalações de produção, depósitos de munições, depósitos de reparos e infraestrutura de energia e transporte. De particular importância são os alvos que exigem capacidades de produção significativas e que são difíceis de substituir/reparar, uma vez que a sua destruição causará danos a longo prazo. Tal como acontece com todos os aspectos da guerra de desgaste, tais ataques levarão um tempo significativo para surtir efeito, com prazos que chegam a anos.

Os baixos volumes de produção global de munições guiadas com precisão de longo alcance, as ações eficazes de dissimulação e ocultação, os grandes arsenais de mísseis antiaéreos e a enorme capacidade de reparação de Estados fortes e determinados combinam-se para prolongar os conflitos. A estratificação eficaz das defesas aéreas deve incluir sistemas de ponta em todas as altitudes, juntamente com sistemas mais baratos para combater as plataformas de ataque de base massivas do inimigo. Combinado com a fabricação em grande escala e uma guerra eletrônica eficaz, esta é a única maneira de derrotar os fogos profundos do inimigo.

A vitória numa guerra de desgaste é assegurada por um planejamento cuidadoso, pelo desenvolvimento da base industrial, pelo desenvolvimento de infraestruturas de mobilização em tempos de paz e por uma gestão ainda mais cuidadosa dos recursos em tempos de guerra.

A guerra de desgaste bem-sucedida concentra-se na preservação do próprio poder de combate. Isto geralmente se traduz numa frente relativamente estática interrompida por ataques locais limitados para melhorar as posições, utilizando artilharia na maior parte dos combates. A fortificação e a ocultação de todas as forças, incluindo a logística, são a chave para minimizar as perdas. O longo tempo necessário para construir fortificações impede movimentos significativos do solo. Uma força de ataque que não consiga entrincheirar-se rapidamente sofrerá perdas significativas devido aos fogos de artilharia inimiga.

As operações defensivas ganham tempo para desenvolver formações de combate de baixo nível, permitindo que as tropas recentemente mobilizadas ganhem experiência de combate sem sofrer pesadas perdas em ataques de grande escala. A construção de formações de combate experientes de baixo nível gera a capacidade para futuras operações ofensivas.

As fases iniciais da guerra de desgaste vão desde o início das hostilidades até ao ponto em que os recursos mobilizados estão disponíveis em grande número e prontos para operações de combate. No caso de um ataque surpresa, uma ofensiva rápida de um lado pode ser possível até que o defensor consiga formar uma frente sólida. Depois disso, o combate se solidifica. Esse período dura pelo menos um ano e meio a dois anos. Durante este período, devem ser evitadas grandes operações ofensivas. Mesmo que grandes ataques sejam bem-sucedidos, resultarão em baixas significativas, muitas vezes com ganhos territoriais sem sentido.

Um exército nunca deveria aceitar uma batalha em condições desfavoráveis. Numa guerra de desgaste, qualquer terreno que não tenha um centro industrial vital é irrelevante. É sempre melhor recuar e preservar forças, independentemente das consequências políticas. Lutar em terrenos desvantajosos queima unidades, perdendo soldados experientes que são fundamentais para a vitória. A obsessão alemã com Stalingrado em 1942 é um excelente exemplo de combate em terreno desfavorável por razões políticas. A Alemanha queimou unidades vitais que não podia perder, simplesmente para capturar uma cidade que levava o nome de Stalin.

Também é sensato forçar o inimigo a combater em terreno desvantajoso através de operações de informação, explorando objetivos inimigos politicamente sensíveis. O objetivo é forçar o inimigo a gastar reservas materiais e estratégicas vitais em operações estrategicamente sem sentido. Uma armadilha importante a evitar é ser arrastado para a mesma armadilha que foi preparada para o inimigo.

Na Primeira Guerra Mundial, os alemães fizeram exatamente isso em Verdun, onde planejaram usar a surpresa para capturar terrenos importantes e politicamente sensíveis, provocando dispendiosos contra-ataques franceses. Infelizmente para os alemães, eles caíram na sua própria armadilha. Eles não conseguiram ganhar um terreno importante e defensável desde o início, e a batalha se transformou em uma série de ataques de infantaria dispendiosos de ambos os lados, com fogos de artilharia devastando a infantaria atacante.

Quando a segunda fase começar, a ofensiva deverá ser lançada através de uma frente ampla, procurando subjugar o inimigo em múltiplos pontos utilizando ataques superficiais. A intenção é permanecer dentro da bolha em camadas de sistemas de proteção amigos, enquanto amplia as reservas inimigas esgotadas até que a frente entre em colapso. Há um efeito em cascata no qual uma crise num setor força os defensores a transferir reservas de um segundo setor, apenas para gerar uma crise aí, por sua vez. À medida que as forças começam a recuar e a abandonar as fortificações preparadas, o moral desce, com a pergunta óbvia: 'Se não conseguimos manter a megafortaleza, como poderemos manter estas novas trincheiras?' A retirada então se transforma em derrota.

Só então a ofensiva deverá estender-se para objetivos mais profundos na retaguarda inimiga. A Ofensiva dos Aliados em 1918 é um exemplo. Os Aliados atacaram ao longo de uma frente ampla, enquanto os alemães não tinham recursos suficientes para defender toda a linha. Assim que o exército alemão começou a recuar, foi impossível pará-lo.

A estratégia de desgaste, centrada na defesa, é contraintuitiva para a maioria dos oficiais militares ocidentais. O pensamento militar ocidental vê a ofensiva como o único meio de alcançar o objetivo estratégico decisivo de forçar o inimigo a sentar-se à mesa de negociações em condições desfavoráveis. A paciência estratégica necessária para estabelecer as condições para uma ofensiva vai contra a sua experiência de combate adquirida em operações de contrainsurgência no exterior.

Conclusão
A condução das guerras de desgaste é muito diferente das guerras de manobra. Duram mais e acabam por testar a capacidade industrial de um país. A vitória é assegurada por um planejamento cuidadoso, pelo desenvolvimento da base industrial e pelo desenvolvimento de infraestruturas de mobilização em tempos de paz, e por uma gestão ainda mais cuidadosa dos recursos em tempos de guerra.

A vitória é alcançada através da análise cuidadosa dos objetivos políticos próprios e dos do inimigo. A chave é reconhecer os pontos fortes e fracos dos modelos econômicos concorrentes e identificar as estratégias econômicas que têm maior probabilidade de gerar o máximo de recursos. Esses recursos podem então ser utilizados para construir um exército enorme usando a mistura de força alta/baixa e armas.

A condução militar da guerra é impulsionada por objetivos estratégicos políticos globais, realidades militares e limitações econômicas. As operações de combate são superficiais e concentram-se na destruição dos recursos inimigos, não na conquista de terreno. A propaganda é usada para apoiar operações militares, e não o contrário. Com paciência e planejamento cuidadoso, uma guerra pode ser vencida.

Infelizmente, muitos no Ocidente têm uma atitude muito arrogante de que os conflitos futuros serão curtos e decisivos. Isto não é verdade pelas mesmas razões descritas acima. Mesmo as potências globais médias têm a geografia, a população e os recursos industriais necessários para conduzir uma guerra de desgaste.

A ideia de que qualquer grande potência recuaria no caso de uma derrota militar inicial é uma ilusão, no seu melhor. Qualquer conflito entre grandes potências seria visto pelas elites adversárias como existencial e prosseguido com todos os recursos disponíveis ao Estado. A guerra resultante tornar-se-á desgastante e favorecerá o Estado que possui a economia, a doutrina e a estrutura militar mais adequada para esta forma de conflito.

Se o Ocidente leva a sério um possível conflito entre grandes potências, precisa de analisar atentamente a sua capacidade industrial, a sua doutrina de mobilização e os meios de travar uma guerra prolongada, em vez de realizar jogos de guerra que abranjam um único mês de conflito e esperar que a guerra acabe depois. Tal como a Guerra do Iraque nos ensinou, a esperança não é um método.

Postagem em destaque