Pesquisar este portal

terça-feira, maio 31, 2022

Posse de armas e medo de invasões sustentam apoio do agro a Bolsonaro


*Política Livre - 31/05/2022

A possibilidade de ter armas na fazenda e a preocupação com a invasão de terras são dois dos principais motivos citados por lideranças rurais para manterem o apoio a uma possível candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Lideranças nacionais do agronegócio ouvidas pela Folha entre abril e maio também apontam como um de seus principais méritos a manutenção da ex-ministra Tereza Cristina (PP-MS) na pasta da Agricultura.

A defesa dos valores da família também é um ponto citado pelos que dizem apoiá-lo, embora a aprovação ao governo federal venha sendo afetada pelo atraso na liberação de recursos para o Plano Safra deste ano.

O corolário de argumentos favoráveis a Bolsonaro entre os 12 líderes do agro ouvidos –a maioria na condição de anonimato– inclui o combate ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), a defesa da exploração de terra em áreas protegidas na região Norte do país –como terras indígenas– e a possibilidade de manter o trabalho agropecuário durante a pandemia, que, de acordo com eles, teria evitado uma inflação ainda mais alta no país.

A inflação atingiu 12,13% no acumulado em 12 meses até abril, segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), maior nível desde outubro de 2003, quando alcançou 13,98%.

“O armamento foi essencial. Está em fazenda e não pode se proteger? Agora não, você pode se proteger. Fazenda tem muito produto caro, principalmente defensivos agrícolas, que são de mais fácil comercialização. Com esse armamento, e muito bem feito, não é qualquer um, isso nos deu mais tranquilidade de defender nossa área, o patrimônio do produtor rural. São várias coisas que levaram o agropecuarista a ter uma visão boa do presidente”, disse Rivaldo Machado Borges Júnior, presidente da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), organizadora da Expozebu, em Uberaba, no Triângulo Mineiro.

Na abertura da feira pecuária, Borges Júnior não conseguiu fazer seu discurso, já que o público presente –grupos bolsonaristas convocados por redes sociais– pedia que Bolsonaro falasse.

O discurso não lido de Borges Júnior continha muitos trechos semelhantes a argumentos de pecuaristas ouvidos pela reportagem na feira mineira.

“Temos a obrigação de, neste momento, em que os olhos do mundo se voltam aqui para a Expozebu, na presença de tão importantes meios de comunicação, defender, com vigor, a liberdade e a democracia. Somos brasileiros, com orgulho. Somos verde e amarelo. Não podemos esquecer isso. Não podemos, em nenhum momento, colocar em risco a soberania do povo. É inadmissível que de forma velada e silenciosa tentem pregar o comunismo. Somos espectadores do fracasso de países que se desarmaram e foram invadidos, bombardeados”, dizia trecho do discurso.

Entre os presentes ao evento em Uberaba, o pecuarista mineiro João Carlos Peixoto disse que no agro as famílias vivem juntas no campo e que Bolsonaro tem essa visão de união.

“Entregar a titulação de terras, como tem feito, acabou com invasões dos sem-terra. Ele valorizou isso de um lado e, do outro, permitiu termos meios de nos defender.”

Em quase três anos e meio de mandato, Bolsonaro intensificou ação iniciada por Michel Temer (MDB) e transformou o programa de reforma agrária no país, ao entregar 337 mil títulos a assentados, um recorde, numa política comandada por ruralistas.

Bolsonaro tem respondido ao apoio com visitas frequentes às feiras agrícolas realizados na retomada deste ano.

Além de abrir a Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação), em Ribeirão, e a Expozebu, ele visitou a Expoingá, em Maringá, a Feibanana, em Pariquera-Açu, e tem viagem programada para a Bahia Farm Show, em Luís Eduardo Magalhães (BA), nesta terça-feira (31).

No mesmo dia, participará da cerimônia de entrega do Prêmio FPA em comemoração aos dez anos do Código Florestal.

O pré-candidato petista, Luiz Inácio Lula da Silva, por seu lado, não compareceu a grandes eventos de empresários do agronegócio neste ano. Ciro Gomes, do PDT, compareceu à Agrishow, mas foi hostilizado e se envolveu em discussões com um apoiador de Bolsonaro. João Doria (PSDB), na época ainda na corrida presidencial, passou incólume pelos corredores do evento.

É comum nos eventos do agro, e não só neles, Bolsonaro estar acompanhado do locutor de rodeios Cuiabano Lima, que também é produtor rural e atua como uma espécie de mestre de cerimônias nas agendas do presidente das quais participa.

“O presidente Jair Messias Bolsonaro é um predestinado e um escolhido por Deus para estar no comando da nação […] Esse presidente apoia o humilde, o sertanejo, o brasileiro, as medidas. Aqui não tem mimimi, não tem o politicamente correto, a gente tem de fazer o que precisa ser feito e doa a quem doer”, disse em Uberaba Cuiabano, que é secretário do Turismo de Barretos (a 427 km de São Paulo) e um dos locutores da tradicional Festa do Peão de Boiadeiro, na mesma cidade.

Nesse segmento, Bolsonaro também é bem visto. Desfilou num cavalo na arena de Barretos, ironicamente projetada pelo comunista Oscar Niemeyer (1907-2012), e participou dos últimos eventos presenciais ocorridos na cidade, onde anunciou a flexibilização da lei sobre rodeios.

Ainda instituiu o Dia Nacional do Rodeio, em 4 de outubro, dia do padroeiro dos animais, são Francisco de Assis.

Líderes do agro não reclamam da atuação do Ministério da Agricultura nos governos do ex-presidente Lula –o ex-ministro Roberto Rodrigues é elogiado–, mas se queixam do Meio Ambiente, que, na visão deles, interferia muito nos assuntos do agronegócio.

Uma das principais queixas em relação a Bolsonaro refere-se ao Plano Safra.

A indústria de máquinas agrícolas cresceu 9% no primeiro trimestre, segundo a Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), com viés de alta para o ano, mas o setor pediu a liberação de R$ 44 bilhões em créditos agrícolas via Moderfrota e Pronaf (Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar), sendo R$ 32 bilhões para o primeiro programa, e o restante, para o segundo.

O pedido foi feito há um mês em Ribeirão Preto, mas a não sinalização governamental nos dias posteriores gerou frustração entre ruralistas integrantes de associações.​

Marcelo Toledo / Folha de São Paulo

Eve, da Embraer, faz parceria com a Porsche Consulting


*LRCA Defense Consulting - 31/05/2022

A Eve Holding, Inc., líder no desenvolvimento de soluções de Mobilidade Aérea Urbana de última geração e controlada pela Embraer SA , anunciou hoje que escolheu a Porsche Consulting, Inc. para definir a estratégia global de manufatura, logística e cadeia de suprimentos da eVTOL

Considerando pesquisa e inovação de fabricação avançada, as empresas combinarão seus conhecimentos aeronáuticos e automotivos para apoiar o plano de implementação da Eve. O contrato mestre de serviços firmado entre as empresas inclui estudos de operação industrial, logística, cadeia de suprimentos e distribuição de peças em uma abordagem inédita otimizada para eficiência, produtividade e segurança.

O estudo abordará a escalabilidade e a produção distribuída à medida que o mercado de UAM evolui para atender à demanda projetada. Embora a transformação digital gere novas possibilidades para o uso de tecnologias mais ágeis pelo setor com foco em objetivos de negócios e sustentabilidade, soluções de rede abrangentes estão sendo consideradas para atender às necessidades exclusivas do setor.

“Temos o prazer de trabalhar com um líder do setor que pode nos apoiar na tomada de decisões estratégicas. O ecossistema UAM está evoluindo rapidamente e só podemos atingir nosso objetivo se despertarmos o entusiasmo por novas ideias nas áreas de manufatura e cadeia de suprimentos”, disse Andre Stein, co-CEO da Eve. “Estou ansioso para ver todas as novas oportunidades à frente, pois as tecnologias estão mudando profundamente a produção industrial.”

“Estamos muito orgulhosos de nossa nova parceria com a Eve, porque temos a oportunidade de moldar o futuro da mobilidade juntos”, disse Rudy Leutz, CEO da Porsche Consulting Ltda. “Compartilhamos os mesmos valores e, com o know-how líder do setor, poderemos questionar e desafiar todos os conceitos existentes para logística e fabricação. Vamos redesenhar o conceito de industrialização para essa nova aeronave com base nos mais altos níveis de eficiência, qualidade, segurança e foco no cliente!”

Omnisys celebra 25 anos e aposta em novos negócios, como IoT e cibersegurança, para aumentar receita em 10%


*IP News, por João Monteiro - 31/05/2022

Celebrando 25 anos de operação no setor de Defesa e Segurança, a Omnisys, empresa brasileira subsidiária do Grupo Thales no País, anunciou uma nova era de investimentos em novos negócios digitais. A empresa vai passar a desenvolver tecnologia local e entrar em novos mercados com a missão de dobrar sua capacidade e aumentar sua receita anual em 10% ao ano até 2027.

A aposta para crescer mais é uma estratégia de multinegócios, que vai além da tradicional produção de radares de uso civil e militar, carro-chefe desde a fundação da empresa, em 1997. A sinergia com projetos da Thales em IoT (Internet das Coisas) e cibersegurança foi o ponto de partida para expansão do foco em novos serviços e mercados, como o de energia e ciberguerra.  

Em parceria com equipes de IoT da Thales, a Omnisys está desenvolvendo uma linha de Smart Grids, medidores de consumo e geração de energia que tornam a rede elétrica mais conectada, tecnológica e alinhada com objetivos atuais do setor, de transição energética e sustentabilidade.

Os radares da companhia também passaram por reformulação e ganharam uma nova arquitetura, com dispositivos e softwares contra ataques cibernéticos, além de soluções de energia para mantê-los em funcionamento.
 
Projetos desenvolvidos recentemente para as Forças Armadas do Brasil complementam o novo portfólio voltado para exportação, como o STREV, a mais avançada instrumentação do mercado para avaliações de desempenho de foguetes, mísseis e munições; e o Seeker, míssil antinavio criado para atender à Marinha brasileira.

Digitalização já era o caminho do grupo
A nova fase da Omnisys está ancorada na dedicação da Thales à pesquisa e desenvolvimento – área que recebe 5% da receita anual do Grupo, de aproximadamente 1 bilhão de euros – e na recente expansão da fábrica em São Bernardo do Campo (SP), que recebeu investimentos de R$ 15 milhões. No local passou a funcionar o Centro de Serviços Aviônicos, com oferta de serviços de reparo, controle de voos e sistemas elétricos de aeronaves civis e militares para toda a América Latina.

Hoje, o Brasil representa mais de 50% da receita da Omnisys na América Latina, e a empresa está presente nos principais programas de defesa do governo federal, com 42 produtos e serviços certificados como Produtos Estratégicos de Defesa (PED).  

ABIMDE se posiciona sobre o Decreto Nº 11.084, de 27/05, que dispõe sobre a missão logística do MJSP em Washington

 

*ABIMDE - 29/05/2022

A ABIMDE – Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

CONSIDERANDO

- que as Empresas da Base Industrial de Defesa e Segurança do Brasil – essenciais para a Soberania Nacional e a sustentabilidade operacional de suas Forças de Defesa e de Segurança Pública - são extremamente penalizadas nos certames públicos, ante as “Assimetrias Tributárias e Regulatórias” vigentes;

- que as empresas estrangeiras, ao contrário das brasileiras, nos certames públicos federais, estaduais e municipais, se beneficiam de isenção impostos nacionais, além de, em sua maioria, terem sua produção completamente desonerada nos seus países de origem;

- que a assertiva de que as compras públicas internacionais geram economia é questionável - ante aos subsequentes custos de sustentabilidade logística e operacional e, sobretudo, aos “ganhos” advindos da desoneração de impostos, gerando uma ilusória sensação de economicidade, mormente advinda do não pagamentos de ICMS (12 a 25%), PIS (1,65%), COFINS (7,6%) e IPI (5 a 45%);

- que os marcos legais e regulatórios em vigor facilitam as aquisições por meio de certames internacionais e que os mecanismos de controle de certificação de Produtos de Defesa e de Segurança (bens e serviços) adquiridos, geralmente, favorecem o produto de origem estrangeira em detrimento do nacional;

- que a Base Industrial de Defesa e Segurança do Brasil é favorável à livre concorrência, mostrando-se bastante competitiva em qualidade, preço e prazo - haja vista a crescente pauta de exportações nacionais;

- que as compras efetivadas junto às empresas nacionais geram altos índices de emprego e renda, fortalecendo exponencialmente a economia e contribuindo com a paz e o bem estar social, economizando recursos demandados pela Defesa e pela Segurança Pública; e

- que os certames licitatórios realizados no exterior restringem de fato e de direito, em muitos casos, a participação de empresas brasileiras.

VEM A PÚBLICO

REPUDIAR a criação da “missão logística do Ministério da Justiça e Segurança Pública em Washington, D.C., Estados Unidos da América”, conforme DECRETO Nº 11.084, DE 27 DE MAIO DE 2022.

ESCLARECER que a Base Industrial de Defesa e Segurança não é contrária à competitividade isonômica internacional nem tão pouco é desfavorável aos gestores públicos buscarem soluções legítimas para reduzir os custos governamentais destinados à aquisição de Produtos de Segurança Pública.

REAFIRMAR que a indústria de defesa e segurança instalada no Brasil é altamente competitiva em qualidade, preço, e oportunidade nos cenários internacional e nacional, quando isonômicos.

REPUDIAR veementemente a não aplicação da imunidade tributária constitucional entre os entes federativos, prevista no Art. 150 Inc. VI Alínea “a”, nas aquisições nacionais executadas pelos órgãos de defesa e segurança pública, a qual gera um paradoxal desequilíbrio concorrencial em desfavor das empresas brasileiras, já que nas importações feitas pelos entes federativos esta imunidade tributária é efetivamente aplicada.

REAFIRMAR a confiança no Congresso Nacional quanto à aprovação do Projeto de Lei Complementar PLP 244/2020 que, assegurando a imunidade tributária constitucional, garantirá a Isonomia Concorrencial às empresas nacionais, e na Presidência da Câmara dos Deputados, grande defensora da preservação de empregos e investimentos no Brasil, que venha a pautar, com oportunidade, o “Requerimento de Urgência Nº 2535/2020”.

MANIFESTAR a plena confiança no apoio e liderança do Ministério da Economia, reconhecido defensor da livre e isonômica concorrência, que, ante o potencial de contribuição à retomada econômica nacional gerado pela pujante Base Industrial de Defesa e Segurança do Brasil, envidará todos os esforços para apoiar a votação e aprovação, em regime de urgência, do PLP 244/2020, que assegurará a consolidação da efetiva Isonomia Concorrencial no âmbito das licitações públicas.

segunda-feira, maio 30, 2022

Taurus lança a linha Executive Grade, com armas sofisticadas e customizadas de fábrica

A linha Executive Grade, além de oferecer produtos diferenciados ao maior e mais exigente mercado mundial para armamento leve, possibilita à Taurus um acréscimo no seu ticket médio e, consequentemente, uma maior lucratividade para ela e para seus acionistas.


*LRCA Defense Consulting - 30/05/2022

Na semana passada, a Taurus Armas lançou, nos Estados Unidos, as duas primeiras armas da sua nova linha Executive Grade: o revólver Executive Grade 856 e a pistola G3 Tactical.

Chamada de "Executive Grade" (Classe Executiva, em tradução livre), a novíssima linha de modelos Taurus vai ao encontro do desejo de seus consumidores mais exigentes, contando com atenção especial durante a produção para criar produtos acabados mais refinados e sofisticados, com foco renovado no controle de qualidade e com recursos premium já customizados de fábrica.

No Brasil, o lançamento de alguns modelos da nova linha acontecerá no segundo semestre. Entre estes, estarão a G3 Tactical, o T4 e a CTT9c.

A linha Executive Grade, além de oferecer produtos diferenciados ao maior e mais exigente mercado mundial para armamento leve, possibilita à empresa um acréscimo no seu ticket médio e, consequentemente, uma maior lucratividade para ela e para seus acionistas.

Acompanhe, abaixo, duas matérias sobre os recentes lançamentos.

===xxx===

Testado: Taurus Executive Grade 856 - perfeição em revólver

*Shoot-On, por Jace Bauserman - 27/05/2022

Preparem-se, fãs de revólveres. A Taurus atingiu um grand slam com seu novo Executive Grade 856 para 2022, e esta arma de uso diário funciona tão bem quanto parece.


Eu sou um geek de revólveres. Adoro sua simplicidade e durabilidade, e sempre consegui atirar melhor com um bom revólver do que com uma pistola alimentada por carregador.

O primeiro de seu tipo, o Executive Grade 856 fabricado sob medida pela Taurus, chegou em um estojo Pelican Vault. Mais tarde, minha esposa me disse que um sorriso malicioso deslizou pelo meu rosto quando eu abri as travas. Por que não? A arma é um stunner - uma armação de aço inoxidável, cano e cilindro com acabamento acetinado polido à mão. O punho xadrez de nogueira de Altamont chamou minha mão desde o início.

Imediatamente notei o martelo oculto, o que facilita o transporte da arma e evita engasgos e travamentos quando sacado. Desde o início, tive certeza de que esse revólver compacto seria ideal para transporte oculto.

Primeiras impressões
Sim, eu já anotei algumas das minhas primeiras impressões, mas as primeiras impressões com uma arma de mão ficam melhores ou piores quando você a pega na mão e a segura pela primeira vez.

Eu tinha razão; a pegada xadrez quente deu as boas-vindas à minha mão, e não só consegui obter uma pegada alta, como a circunferência estava perfeita e minha mão direita a envolvia perfeitamente. A pegada é uma vitória.

Com 25 onças sem munição carregada no cilindro, a arma parecia equilibrada e robusta. Eu aplaudo o tamanho pequeno do quadro e a liberação robusta do cilindro. O retém de liberação em aço inoxidável é suave e seus contornos combinados com aço serrilhado e áspero promovem a manipulação positiva do polegar.

O cilindro libera suavemente. Uma pressão para a frente no retém do cilindro com meu polegar direito e um empurrão contra o lado direito do cilindro com meu dedo indicador abriu o cilindro sem esforço. As câmaras chanfradas do cilindro são amanteigadas, permitindo que minha munição .38 Special PMC Bronze 132-Grain FMJ caia bem. O cilindro gira com facilidade e a haste ejetora é fácil de operar. Tudo sobre este revólver grita simplicidade suave, e eu adoro isso.


Eu gosto da visão traseira ranhurada na parte superior do quadro. O perfil baixo e a configuração limpa oferecem uma rápida aquisição de visão. A mira frontal inclui uma rampa serrilhada e é removível caso você queira correr com um cano elegante para ocultação profunda.

O guarda-mato é espaçoso e você não estará lutando para colocar o dedo no gatilho ajustado à mão. Quanto à sensação inicial do gatilho, a curvatura é sólida, e a primeira dobra do meu dedo indicador direito caiu como uma luva.

No que diz respeito às primeiras impressões, poucos me impressionaram como este revólver.

Vai Bum!
A operação do revólver é fácil. A primeira coisa que minha esposa perguntou quando foi filmar foi: “Onde eu puxo o martelo?” Não há martelo para puxar com a ação dupla, é claro, e isso é bom porque em um engajamento de curto alcance para o qual esta arma deve ser usada, a operação de ação única simplesmente não está no menu.

A seção traseira da empunhadura (backstrap) é excelente contra a área de inchaço da palma da mão. A primeira vez que apertei o gatilho, fiquei satisfeito com seu peso moderado. A aquisição de visão também é sólida e, quando o gatilho quebrou, o recuo foi mínimo. Eu esperava mais salto com base no peso da arma e no comprimento do cano, mas não consegui. Eu testei o revólver com algumas cargas +P mais quentes da Underwood Ammunition apenas para sorrir. Essas cargas produziram um pouco mais de recuo, mas nada esmagador - minha filha de 14 anos disparou várias vezes com as duas cargas.


Precisão
No início do artigo, observei que sempre preferi revólveres em vez de semiautomáticas alimentadas por carregador. O Taurus Executive Grade levou esta declaração para casa para mim. De 15 a 20 pés, este revólver compacto produziu uma precisão notável e, como não bate em você e é divertido de atirar, é o tipo de revólver com o qual você deseja praticar com frequência. Depois de 20 pés, meus grupos começaram a se espalhar, o que é esperado de uma arma leve com um cano de 3 polegadas.

Durável
Ao longo de um período de testes de duas semanas, fiz muitas rodadas no Taurus Executive Grade 856 e, no verdadeiro estilo de revólver, a arma nunca perdeu o ritmo. A operação era sempre perfeita - minha munição alimentava as câmaras chanfradas do cilindro com facilidade, o cilindro saía do revólver sob comando e a ejeção era suave. O extrator empurrou com eficiência o latão gasto para acelerar o tempo de recarga.

Após 250 tiros, usei meu kit de limpeza de revólver Real Avid Gun Boss Pro para dar uma boa limpeza no revólver. O acabamento liso em aço inoxidável tornou isso uma brisa.


Transporte diário

Eu pratiquei minha técnica de desenho e mira durante todo o teste. Eu não posso dizer o suficiente sobre o martelo escondido. Não há chance de travamento ao sacar porque o martelo sem espora e a mira traseira ranhurada significam que não há nada para desligar. Isso dá confiança ao atirador e aumenta o apelo de porte diário da arma. Eu amo o jeito que ele monta no meu quadril. Além disso, o Executive não é volumoso ou desconfortável ao andar em um coldre IWB.

Minha esposa atirou com o Executive várias vezes e adorou. Ela também é fã de revólveres e apreciou como a arma se encaixa em sua bolsa e que não havia martelo para engatilhar ou ferrolho para manipular. Como muitos atiradores que procuram uma arma de mão comum, ela quer poder apontar e atirar sem fazer ou se preocupar com nada além de puxar o gatilho.

Por US $ 689, o Executive Grade 856 da Taurus não vai quebrar o banco, e um Pelican Vault Hard Case está incluído na compra. Este estojo fácil de viajar não tem marca e a espuma recortada fornece suporte e proteção firmes para armazenamento e transporte.

Se você está no mercado procurando um revólver de ação dupla, fácil de operar, que seja preciso, durável e absolutamente divertido de atirar, o Taurus Executive Grade 856 é uma escolha excepcional.


Taurus Executive Grade 856
Calibre: 38 Especial +P
Capacidade: 6 rodadas
Ação: somente ação dupla
Sistema de disparo: martelo
Visão frontal: serrilhada, removível
Mira Traseira: Fixa
Aderência: xadrez de nogueira de Altamont
Comprimento do cano: 3 pol.
Comprimento total: 7,50 pol.
Altura total: 4,80 pol.
Largura total: 1,41 pol.
Peso: 25 onças.
Estrutura, Barril, Cilindro: aço inoxidável
Acabamento: aço inoxidável acetinado polido à mão
MSRP: $ 689
=============================================

Taurus lança a pistola G3 Tactical 9mm


*On Target Magazine, por Angela Battles - 28/05/2022

A Taurus, fabricante de pistolas premium para defesa, caça e tiro esportivo, anuncia sua primeira variante personalizada de fábrica da pistola defensiva G3 9mm. A nova G3 Tactical vem pronta para o trabalho com recursos de design que aceitam as principais atualizações de pós-venda instaladas pelo usuário.

A Taurus G3 Tactical é uma pistola de polímero de tamanho normal que se diferencia visualmente da Taurus G3 padrão com seu receptor em Magpul FDE e ferrolho complementado com um acabamento Patriot Brown Cerakote mais resistente a elementos corrosivos. 


Disponível em configurações de carregador de 17 ou 10 tiros, a Taurus G3 Tactical oferece o mesmo desempenho ergonômico e operação confiável que tornou a pistola Taurus G3 uma líder na categoria de pistolas de defesa pessoal.

Entendendo que a confiança no equipamento equivale a um desempenho confiante no campo, os engenheiros da Taurus equiparam a G3 Tactical para permitir que o profissional de defesa pessoal moderno construa sua arma de fogo “do seu jeito”. A corrediça de liga de aço de precisão apresenta a inovadora opção Taurus Optic Ready (TORO), com placas de montagem óptica intercambiáveis ​​para permitir a fácil instalação das ópticas red dot mais comuns no mercado. Os padrões de montagem compatíveis incluem Docter, Venom, FastFire (placa 1), Trijicon RMR, Holosun 407c/507c (placa 2), C-More STS2 (placa 3) e Leupold Deltapoint Pro (placa 4).

Com o crescente uso de supressores e compensadores de pós-venda, a Taurus G3 Tactical também vem com um cano revestido de DLC 1/2 × 28 com rosca de fábrica. O coeficiente de atrito reduzido do Diamond-Like Coating garante uma operação suave e maior durabilidade. A instalação de um dispositivo de boca personalizado ou supressor é simples, e um protetor de rosca está incluído para uso quando o cano é executado “nu”.

Para acomodar o uso de um supressor ou ótico, a Taurus G3 Tactical vem com miras abertas para visadas mais altas. Eles oferecem uma visão clara quando usadas ​​em combinação com a maioria dos supressores e dispositivos de boca do mercado de reposição e fornecem a solução de observação de backup muito necessária para uso com uma óptica de ponto vermelho.

Recursos adicionais da Taurus G3 Tactical incluem um trilho MIL-STD-1913 Picatinny para montar uma lanterna tática ou laser e um indicador de câmara carregada para verificação visual se um cartucho estiver carregado na câmara. A pistola também vem com capacidade de re-ataque. No caso de uma condição de falha de disparo, o atirador pode puxar o gatilho novamente para reativar o primer. A segurança manual é eliminada para garantir uma implantação sem problemas e um engajamento rápido em uma situação de defesa estressante.

O gatilho G-Series auxilia no controle e no posicionamento mais preciso do disparo. Este é um sistema de gatilho de dois estágios conhecido por sua absorção de luz para “a parede”, seguido por uma quebra nítida. O gatilho é aprimorado ainda mais por uma reinicialização curta para um reengajamento mais rápido do alvo.

Um estojo macio personalizado também está incluído na G3 Tactical para armazenamento e proteção durante o transporte.

O preço sugerido para os modelos Taurus G3 Tactical de 17 e 10 rodadas é de US $ 582,98.

Especificações Táticas da Taurus G3 Tactical
- Calibre: 9mm Luger;
- Capacidade: 17 ou 10 rodadas;
- Carregadores: 2×17 ou 2×10;
- Sistema de tiro: atacante;
- Tipo de ação: SA com re-ataque;
- Visão frontal: fixo;
- Visão traseira: drift ajustável;
- Segurança: bloco do atacante, segurança do gatilho, indicador visual da câmara carregada;
- Tamanho do quadro: tamanho completo;
- Material do punho: polímero;
- Material da corrediça: liga de aço;
- Acabamento do slide: Cerakote Patriot Brown
- Comprimento do cano: 5 pol.;
- Comprimento total: 76 pol.;
- Largura total: 20 pol.;
- Altura total: 38 pol.;
- Incluído: estojo macio personalizado, protetor de boca com rosca;
- MSRP: $ 582,98 .

Embraer antecipa meta ESG com compra de energia elétrica 100% renovável

Pela primeira vez na história, empresa fecha negociação para compra de energia elétrica de fonte renovável para diminuir suas emissões de carbono.
Meta de 100% de energia renovável no Brasil foi antecipada de 2025 para 2024.


*LRCA Defense Consulting - 30/05/2022

A Embraer anunciou hoje (30) que fechou contrato de compra de energia elétrica que assegura que 100% da eletricidade adquirida pela companhia no Brasil seja de fontes renováveis a partir de 2024. Com esta ação, a Embraer antecipa em um ano o compromisso público anunciado pela empresa, previsto inicialmente para 2025.

Com a aquisição do Certificado de Energia Renovável (CER) para 2024, a Embraer vai zerar as emissões de carbono “Escopo 2” no Brasil, passando a comprar toda a eletricidade utilizada de fontes solar e eólica, além de contribuir para o crescimento do mercado de energia renovável. Em 2021, a Embraer consumiu cerca de 170.000 MWh globalmente, a maior parte deste consumo (67%) no Brasil.

“Esta ação representa um novo marco para a empresa e reforça o compromisso da Embraer com as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) na transição para um modelo de negócio de baixo carbono”, afirmou Carlos Alberto Griner, Vice-Presidente de Pessoas, ESG e Comunicação da Embraer. “ESG é um dos pilares do nosso plano estratégico e temos um programa amplo com diversas frentes e estamos buscando todas as oportunidades para acelerar a redução das nossas emissões de carbono”.  

Em agosto do ano passado, a Embraer anunciou metas ESG como parte de seu compromisso com um futuro sustentável. As metas incluem operações neutras em carbono até 2040, 100% de utilização de energia renovável até 2025 no Brasil, que acaba de ser antecipada para 2024, e nas operações globais até 2030, além de maior adoção de combustível sustentável de aviação (SAF) e desenvolvimento de tecnologias e produtos de baixa ou zero emissão de carbono, como propulsão elétrica, híbrida, SAF e hidrogênio.  

Embraer, ITA e FAPESP anunciam investimento em Centro de Pesquisa em Engenharia para acelerar a Mobilidade Aérea do Futuro


*LRCA Defense Consulting - 30/05/2022

A Embraer, o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) anunciaram ontem a aprovação de um investimento compartilhado de R$ 48 milhões ao longo dos próximos cinco anos em um Centro de Pesquisa em Engenharia (CPE) para a mobilidade aérea do futuro.

A pesquisa inédita no Brasil reunirá representantes da comunidade científica e profissionais da indústria aeronáutica em atividades fundamentadas em três pilares: aviação de baixo carbono, sistemas autônomos e manufatura avançada. A iniciativa cria um ambiente favorável para a disseminação do conhecimento, formação de recursos humanos altamente qualificados e a produção de publicações científicas de alto impacto.

“Estamos muito entusiasmados com a aprovação do Centro de Pesquisa em Engenharia voltado à mobilidade aérea do futuro, em parceria com o ITA e a FAPESP”, disse Luís Carlos Affonso, Vice-Presidente de Engenharia, Desenvolvimento Tecnológico e Estratégia Corporativa da Embraer. “Tenho certeza que este CPE será um excelente exemplo de cooperação entre empresa, governo e academia com o propósito de contribuir para a definição da aviação zero carbono do futuro, gerando valor para a sociedade como um todo.”

“A parceria da FAPESP com a Embraer e o ITA certamente será profícua e oferecerá respostas para um dos grandes desafios a serem enfrentados pela pesquisa nos próximos anos: a transição para uma economia de baixo carbono associada à manufatura avançada”, diz o presidente da FAPESP, Marco Antonio Zago.

“O ITA foi formado no modelo da hélice tripla, na interseção de academia, governo e indústria”, conta o reitor do ITA, professor Anderson Correia. “Essa iniciativa é mais um ícone desse modelo, que irá ampliar a formação de recursos humanos em áreas estratégicas, para Embraer, a FAB e o a cadeia produtiva do setor. Também vai promover uma integração internacional para atender os desafios da mobilidade aérea futura.”

Nos últimos meses, as instituições descreveram juntas o escopo das pesquisas e as principais atividades para concretização da parceria que propõe soluções tecnológicas inovadoras que potencializarão a competitividade do ecossistema de inovação global.

Parceria como a do CPE orienta e viabiliza as condições de transferência de tecnologia entre os atores industriais, públicos e do terceiro setor, fortalecendo vínculos e inovações por meio de modelos de parceria e gestão da propriedade intelectual, geração de novos negócios, incubação e estímulo à atividade empreendedora para aplicação dos resultados da pesquisa. 

WEG: nova linha de motores W51 HD combina eficiência e sustentabilidade


*LRCA Defense Consulting - 30/05/2022

Os motores W51 High Density (HD) são compactos, customizáveis e apropriados para os mais diversos tipos de aplicação, entregando melhor performance e maior durabilidade. Disponível em baixa e média tensão nas carcaças IEC 315 a 450 ou NEMA 5000 a 7000, os motores W51 HD apresentam um conceito moderno, alinhado às expectativas do mercado por produtos de alta eficiência e uso racional de recursos naturais devido ao seu tamanho e peso reduzidos.

W51 HD traz mais tecnologia
Para entregar maior potência em menor tamanho e peso, os motores contam com um sistema de resfriamento com design exclusivo e maior área de troca térmica, patenteado pela WEG. Destacam-se ainda os mancais com sistema otimizado de arrefecimento, garantindo maior confiabilidade, que se traduz em baixa necessidade de manutenção e maior vida útil. Além disso, o inovador sistema acústico, também patenteado, resulta nos mais baixos níveis de ruído do mercado.

Desenvolvida com as mais avançadas ferramentas de engenharia, o projeto desta linha representa o estado da arte em termos de tecnologia.

Desenvolvido para o máximo desempenho
Superior em todos os sentidos, a linha W51 HD, apresenta rendimento acima dos padrões de mercado.

Para completar, é intercambiável com outros motores e flexível na instalação, altamente customizável de acordo com as necessidades de cada aplicação e com vasta gama de acessórios disponíveis.

Sob medida para a máxima performance.

domingo, maio 29, 2022

Mulher armada reage e mata homem que estava atirando contra multidão na Virgínia Ocidental

Uma mulher norte-americana matou a tiros um homem que abriu fogo contra uma multidão de pessoas com um rifle semiautomático em Charleston, West Virginia.

Fuzis estilo AR-15 à venda na Virgínia - Getty Images

 *BBC News - 28/05/2022

Dennis Butler, um homem de 37 anos com um extenso histórico criminal, foi morto depois de atacar um grupo de cerca de 40 pessoas que participavam de uma festa de aniversário.

O porta-voz da polícia Tony Hazelett disse que a reação rápida da mulher salvou vidas e pode ter evitado um tiroteio em massa.

Isso ocorre em meio a um debate nacional sobre armas após um tiroteio em uma escola no Texas.

Butler havia dirigido pela área no início da noite de quarta-feira quando foi avisado para diminuir a velocidade porque as crianças estavam brincando.

Ele voltou armado com um fuzil do tipo AR-15 e abriu fogo de seu veículo na festa de formatura do lado de fora do complexo de apartamentos da cidade.

Hazelett disse em entrevista coletiva que a mulher que atirou de volta não tinha nenhum histórico de aplicação da lei. Ela não foi identificada.

"Ela é apenas um membro da comunidade que estava carregando sua arma legalmente", disse ele. "E em vez de fugir da ameaça, ela se envolveu com a ameaça e salvou várias vidas."

A mulher permaneceu no local após o tiroteio e está cooperando com os investigadores.

As acusações não serão feitas contra ela, acrescentou a polícia.

Butler foi encontrado morto no local por vários tiros, disse a polícia.

Hazelett disse que ainda não está claro como Butler obteve a arma, pois ele não tinha permissão legal para portar como criminoso condenado.

O tiroteio ocorre depois que um atirador adolescente matou 21 pessoas em uma escola primária do Texas com um rifle semiautomático AR-15 que havia sido comprado legalmente.

O ataque, o pior tiroteio em uma escola nos Estados Unidos em uma década, reacendeu o debate sobre a posse privada de armas, que está consagrado na Constituição dos EUA.

Prefeito de Ribeirão Pires condecora a CBC pela parceria contra a Covid


*LRCA Defense Consulting - 29/05/2022

No dia 11 de maio, o Prefeito de Ribeirão Pires (SP), Clovis Volpi, esteve na Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) para condecorar a empresa com a Ordem ao Mérito Cívico pela solidariedade ao município no período de pandemia de Covid-19. 

Em março de 2021, a companhia doou ao então Hospital de Campanha diversos insumos hospitalares, como ventiladores pulmonares, cilindros de oxigênio, sondas aspirais, cufômetros, máscaras, entre vários outros equipamentos.

A doação foi fundamental para tratar dos pacientes internados. Naquele momento, o hospital estava com 100% de lotação e uma fila de espera por vagas no sistema Cross de 10 pacientes. 

“A ajuda da CBC foi fundamental para nos ajudar a lutar contra a Covid e evitar que os pacientes morressem por falta de insumos”, destacou o Prefeito.

A homenagem foi entregue diretamente ao presidente da CBC, Fabio Mazzaro, que recebeu o Prefeito na sede da empresa. 

A condecoração está prevista na Lei Municipal nº 6.731/22, que criou a Ordem ao Mérito Cívico e a destinou a pessoas ou organizações que tenham prestado notáveis serviços à municipalidade.

Taurus Armas vai receber a Comenda Porto do Sol, mais alta honraria da Câmara de Vereadores de Porto Alegre

Foto: Elson Sempé Pedroso/CMPA

*Câmara de Vereadores de Porto Alegre - 25/05/2022

Os vereadores aprovaram, na tarde de quarta-feira (25/5), projeto de resolução que concede a Comenda Porto do Sol [mais alta honraria da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, concedida a pessoas físicas ou jurídicas com destacada atuação pública em áreas do conhecimento humano] à companhia Taurus Armas S.A. A proposta foi apresentada pela vereadora Comandante Nádia (DEM). 

A Taurus é a maior fabricante de armas de fogo do Brasil, a terceira produtora de armas leves do mundo e exporta para cerca de 100 países nos cinco continentes. 

A autora da proposição lembra que, embora, hoje, tenha a sua sede em São Leopoldo, a empresa possui uma relação histórica com Porto Alegre. Com efeito, ela foi fundada, em 1939, na capital gaúcha, por cinco filhos de imigrantes alemães e um de italianos e chegou a ter uma segunda fábrica na avenida do Forte, 511, na vila Ipiranga. Em 1981, inaugurou a Taurus Internacional Manufacturing, em Miami, nos Estados Unidos.  Em 2019, a subsidiária foi transferida para o Estado da Georgia, também nos Estados Unidos e dobrou sua produção de armas. 

Hoje, as fábricas brasileiras e estadunidenses, juntas produzem também 5 milhões de carregadores por ano. A previsão é que este número suba para 7,4 milhões, só em São Leopoldo, no ano que vem.  

A empresa já ganhou seis prêmios Golden Bullseye Awards, um dos mais importantes do mundo. Seus produtos foram escolhidos como os melhores do ano também pelo Editor’s Choice, Manufacturer of the Year, Best of the Best e Handgun of the Year. 

Vereadora Comandante Nádia. Foto: Elson Sempé Pedroso/CMPA


sábado, maio 28, 2022

Grupo EDGE, dos Emirados Árabes Unidos, recebe delegação brasileira de alto nível


*Emirates News Agency WAM - 26/05/2022

O Grupo EDGE recebeu na quarta-feira uma delegação diplomática, militar e comercial de alto nível do Brasil em sua sede em Abu Dhabi. O encontro ressalta a importância que ambos os países atribuem a seus fortes laços comerciais e culturais e sua colaboração contínua nas áreas de defesa, comércio e tecnologia.

A delegação brasileira, chefiada pelo Almirante Flavio Rocha, Secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Dr. Marcos Degaut, Secretário de Produtos de Defesa do MOD, Eduardo Bolsonaro, Deputado Federal, Fernando Luis Lemos Igreja, Embaixador do Brasil nos Emirados Árabes Unidos e outros dignitários, foram recebidos por membros da equipe de liderança da EDGE, incluindo Faisal Al Bannai, Presidente do Conselho de Administração, Mansour Al Mulla, CEO e Diretor Administrativo, Hamad Al Marar, Presidente do Cluster – Missiles & Weapons (M&W), Omar Al Zaabi, Vice-Presidente Sênior – Cluster de Trading & Mission Support, e outros membros seniores da liderança EDGE, incluindo os CEOs das entidades EDGE HALCON, ADASI, AL TARIQ, CARACAL, LAHAB, NIMR e AL JASOOR.

Os CEOs de várias grandes empresas brasileiras também fizeram parte da delegação, incluindo os da Embraer, Embraer Radar, AKAER, Taurus, Lace, Condor, Avionics, CBC, Mac JEE, CSD, Kryptus, SIATT, Atech e MK Bomb AEQ.

Falando na reunião conjunta do comitê de cooperação, Al Bannai disse: "Estamos muito satisfeitos em receber hoje uma visita brasileira de alto escalão e comercialmente importante à EDGE. Ela não apenas reforça a importância e o carinho com que nossos países se vêem como parceiros, mas também ressalta a necessidade de continuar explorando novas oportunidades para colaboração futura de benefício mútuo e para a busca de maior segurança global.

"O Brasil é um mercado estratégico importante para a EDGE, com indústrias nativas avançadas e altamente desenvolvidas. Há um enorme potencial para trabalharmos juntos em mais compartilhamento de conhecimento, intercâmbio de inteligência, cooperação em P&D e co-desenvolvimento de sistemas de defesa e tecnologia avançada, como demonstrado recentemente pela parceria da Embraer com a entidade EDGE HALCON para o desenvolvimento de sistemas de armas para a aeronave A-29 Super Tucano da Embraer. Nosso objetivo é criar um ambiente mais fértil para o florescimento de mais relacionamentos com as principais empresas brasileiras e expandir o alcance e uso dos produtos, serviços e soluções da EDGE no Brasil e no mundo."

Os delegados presentes se comprometeram a continuar trabalhando em estreita colaboração e alcançar objetivos mutuamente acordados para todas as partes nos domínios militar e de tecnologia avançada.

quinta-feira, maio 26, 2022

Um dos maiores moinhos de alta intensidade (HIG) do hemisfério sul é alimentado por um Eletrocentro da Zest WEG


*LRCA Defense Consulting - 26/05/2022

Um Eletrocentro especialmente projetado e fabricado na no parque fabril da Zest WEG na África do Sul está alimentando um dos maiores novos moinhos de alta intensidade (HIG) do hemisfério sul, que foi recentemente instalado em uma mina de platina na província de North West.

O tamanho e os parâmetros operacionais da planta impõem rígidas especificações aos equipamentos que compõem o Eletrocentro. Construído na fábrica da África do Sul e incorporando uma gama de produtos da Zest WEG, o design do Eletrocentro também oferece proteção contra incêndio e padrões de segurança de classe mundial.

O principal benefício do conceito de Eletrocentro pré-fabricado é a economia de tempo para o cliente e o alto nível de qualidade que pode ser garantido por meio de sua construção e testes em condições ideais de fábrica. O processo também é simplificado, pois todo o projeto cabe a um único fornecedor, que assume total responsabilidade pela entrega no prazo e dentro do orçamento.

Esta sala elétrica inclui o inversor de frequência do moinho de alta intensidade e todos os seus circuitos auxiliares e acionamentos associados. Transformadores e motores WEG também fazem parte deste projeto. Com sua ampla experiência, a Zest WEG gera projetos totalmente detalhados para seus Eletrocentros, usando software de desenho assistido por computador (CAD) 3D.

Para esta aplicação, o Eletrocentro é composto por um cubículo de média tensão (MT) e de baixa tensão (BT). A sala de MT abriga um inversor de frequência MVW01, com um transformador de 12 pulsos preenchido com óleo fabricado localmente nas instalações de fabricação de transformadores em Wadeville.

O MVW01 utiliza Transistores Bipolares de Porta Isolada (IGBTs) de alta tensão, que reduzem a quantidade de eletrônica de potência necessária. Isso também reduz o tempo médio de reparo, para que as operações possam ser restauradas rapidamente no caso de uma falha importante do sistema.

O inversor MVW01 alimenta um motor de indução gaiola de esquilo de 3,75 MW, 3,3 kV e 8 polos da WEG. Este motor foi especialmente projetado para ser montado verticalmente para atender aos requisitos de operação e manutenção do moinho de alta intensidade (HIG).

Tanto o motor quanto o inversor foram projetados para atender aos exigentes requisitos de torque que excedem periodicamente 170% por mais de três minutos, dando ao cliente a flexibilidade necessária. A célula de BT contém o centro de controle do motor (CCM) que alimenta todos os circuitos auxiliares do moinho.

É importante destacar que foi instalado o novo painel WEG IEC 61641 com ensaio de tipo e de arco, que possui a melhor classificação para proteção individual. No caso de um arco interno, o CCM é equipado com um duto de explosão que transfere com segurança qualquer explosão para fora do prédio.

Outro aspecto dos recursos de segurança é um sistema abrangente de detecção e supressão de incêndio que atende aos padrões exatos do cliente. As duas células estão equipadas com seus próprios sistemas de supressão de inundações totalmente automatizados, que podem inundar o espaço com gás que apaga incêndios elétricos, mas não é perigoso para os seres humanos.

O sistema pode detectar fumaça em um estágio muito inicial e também pode verificar a existência de gatilhos falsos. Mais de dois detectores de fumaça devem reagir, ativando um alto sinal de emergência audível para evacuação ou cancelamento, antes que ocorra uma inundação.

A célula de BT também abriga os inversores de baixa tensão CFW11 da WEG, que alimentam motores WEG de eficiência premium. Os pequenos circuitos de energia e iluminação da sala elétrica são alimentados por um dos transformadores compatíveis com SANS780 fabricados localmente pela Zest WEG.

quarta-feira, maio 25, 2022

Taurus: margens da Linha Revólver duplicam e se igualam às das demais armas


*LRCA Defense Consulting - 25/05/2022

Entre outros resultados muito positivos, o primeiro trimestre de 2022 consolidou a participação da Taurus Armas no mercado mundial. Além de continuar firme nos Estados Unidos, onde manteve seu nível de vendas e performou melhor que a concorrência, a empresa teve um aumento de 80% na quantidade de armas vendidas para o resto do mundo (desconsiderando-se o Brasil e os EUA).

Nos EUA, a nova fábrica seguiu, no decorrer desses últimos 12 meses, o seu processo de ramp up com sucesso maior que o previsto. Com capacidade instalada original estimada em 800 mil unidades/ano, a unidade produziu 216 mil armas no 1T22, volume 23,5% superior ao apurado no 1T21, totalizando 909 mil unidades produzidas nos últimos 12 meses. O complexo industrial tem ainda de cerca de 60% de sua área disponível, com espaço para ampliação da capacidade a partir de novos investimentos. 

A produção de armas da unidade brasileira no 1T22 foi de 358 mil unidades, o que representa aumento de 13,0% em relação ao registrado no mesmo período do ano anterior. A produção média diária no 1T22 foi de 9,0 mil armas/dia, considerando as unidades industriais do Brasil e dos EUA, volume 15,4% superior ao registro no mesmo período do ano de 2021.

Em termos de vendas totais, foram 517 mil unidades de armas vendidas pela Taurus no 1T22, volume 3,8% superior ao registrado no 1T21. O fato é importante, pois neste último período, o mercado americano ainda estava sob o efeito da alta demanda "fora da curva".

Taurus performa melhor que a concorrência
Além de ter o menor custo de produção do mundo e um dos mais eficientes sistemas de vendas e de distribuição, isso se deve ao fato de, inquestionavelmente, a Taurus estar apresentando uma performance superior às suas principais concorrentes, tanto em vendas - já que passou a se constituir na maior vendedora de armas leves do mundo em 2021, como em suas margens, haja vista que sua margem EBITDA é igual ou até superior à margem bruta de muitas delas.

Margens da linha de revólver estão fazendo a diferença
A multinacional gaúcha está hoje focada em manter o forte desempenho operacional que tem apresentado em seus balanços nos últimos anos. Assim, para se adequar ao perfil de mercado atual, a empresa está ampliando a produção de revólveres, arma que se constitui em um produto clássico no qual é líder de produção no mundo. Diferente do segmento de pistolas, cuja demanda aumentou muito nos últimos dois anos e agora começa a se estabilizar, o revólver conta com um mercado mais estável, especialmente nos Estados Unidos.

Por ter antevisto esse movimento ainda quando o mercado americano de armas estava superaquecido, a Taurus investiu forte em novas máquinas e no treinamento/formação de recursos humanos envolvidos com o projeto chamado internamente de "Excelência Revólver", automatizando operações, racionalizando processos, diminuindo custos e otimizando seu sistema de vendas. 

Tal estratégia se mostrou um grande sucesso e já está fazendo diferença nos resultados da empresa, haja vista que as margens da Linha Revólver, que eram cerca da metade das demais armas, agora estão iguais. Com isso, a companhia ganha em lucratividade.

Em 2022, além dinamizar ainda mais o esforço de vendas, especialmente nos EUA, o foco da empresa é realizar o lançamento de produtos que tragam ainda melhores margens, visando atingir ou reforçar nichos específicos de mercado, contando também com tecnologias de ponta, como a inserção de grafeno e, inclusive, com o chamado "revólver mais barato do mundo".

Novos centros de usinagem horizontais Heller H 2000, para produzir armações

Centro de torneamento Index C100, para produzir tambores

O  elevado "novo normal" no mercado americano
Nos EUA, a intenção de compras de armas medida pelo número NICS ajustado de abril foi a 3º maior da história para o mês, o que mostra que a demanda por armas de fogo é constante e sustentada, embora abaixo dos totais de pico de 2020 e 2021, anos totalmente atípicos. 

O número de abril, de 1.359.908 (ajustado), continuou a sequência de mais de 1 milhão de verificações de antecedentes para a venda de uma arma de fogo ao longo de 33 meses, demonstrando que a indústria continua trabalhando para atender à forte demanda dos consumidores americanos.

Com essa longa sequência de meses nesse patamar, analistas americanos do setor acreditam que o elevado número de 1,3 milhão (ajustado) tenha passado a se constituir no "novo normal" para o mercado de armas de fogo dos EUA.

No 1T22, mesmo com o NICS variando em -23,8%, as vendas da Taurus nesse país se mantiveram praticamente no mesmo nível do 1T21. Como 2021 foi um período atípico, caracterizado por uma demanda "fora da curva", a performance do empresa no 1T22 evidencia e caracteriza uma maior presença da marca brasileira/americana no maior mercado consumidor de armas leves, contrariando as oscilações verificadas no NICS.

Outro fator relevante a considerar foi que, em 2021, 8,5 milhões de americanos adquiriram sua primeira arma e a tendência é que estes mostrem comportamento semelhante aos demais consumidores locais, ou seja, que continuem comprando mais armas depois da primeira. Além disso, as intenções de compra de 2022 já são 26% maiores do que os dois anos pré-pandemia.

Iniciativa da Família Energia, da Embraer, engaja organizações de tecnologia disruptiva para voo sustentável


*LRCA Defense Consulting - 25/05/2022

A Embraer concluiu seu primeiro "Start-Up Day" com o objetivo de encorajar start-ups e com as mais inovadoras tecnologias a aderirem à iniciativa de voo sustentável da Família Energia. O intuito da Embraer é selecionar organizações para colaborar com a Família Energia, desenvolver tecnologias com o maior potencial para enfrentar os desafios da crise climática, considerando que as startups têm um papel significativo na resolução de determinados obstáculos.

No primeiro encontro, 16 organizações de todo o mundo apresentaram suas tecnologias à equipe da Família Energia, cada uma com foco em uma das quatro áreas críticas: powertrain elétrico e híbrido, células de combustível, armazenamento de hidrogênio, e tecnologia de baterias. Nos próximos meses, a equipe da Família Energia explorará essas oportunidades e pretende fazer a primeira seleção no terceiro trimestre de 2022.

Carlos Ilario, Chefe de Inovação em Emissões Zero da Embraer, disse: "Para enfrentar o desafio climático é essencial encorajar todos os caminhos de inovação, não apenas confiar nos players tradicionais. A Embraer tem uma afinidade natural com inovadores ágeis, e acreditamos que o crescimento do ecossistema de pequenas start-ups com experiência em tecnologia tem uma enorme contribuição a fazer – quando oferecida a oportunidade.  Não subestimamos a escala do desafio. Algumas das tecnologias necessárias para a aviação ainda não foram descobertas, portanto, é essencial aproveitar todo o talento disponível no mundo para encontrar respostas que funcionem, sejam acessíveis e práticas no mundo real".

"É gratificante ter atraído tantas organizações interessantes ao redor do mundo, incluindo França, Alemanha, Holanda, Coreia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos para nossa iniciativa da Família Energia", disse Arjan Meijer, Presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial.  "A qualidade das interações e as capacidades potenciais das tecnologias apresentadas produziram uma série de momentos interessantes que realmente entusiasmaram nossos engenheiros".

A Embraer está planejando mais eventos “Start-Up Days”, incluindo outras áreas de interesse, tais como projetos de design sustentável da cabine, conectividade, manuseio em solo, geração de energia limpa e muito mais. As organizações interessadas nas próximas rodadas podem se inscrever no site da Embraer, na seção dedicada à Família Energia.

ABIMDE pede urgência em votação de PLP que garante isonomia tributária entre empresas nacionais e internacionais

Legislação atual favorece as indústrias estrangeiras em detrimento a um setor que gera cerca de 2,9 milhões de empregos diretos e indiretos no Brasil; ABIMDE promove mobilização em prol da votação da proposta na Câmara 

A partir da esq, Rogério Beltrão, Diretor da ABIMDE, Marcos Borges de Castro, Gerente Executivo de Assuntos Legislativos da CNI, General Aderico Mattioli, Presidente Executivo da ABIMDE, e Suzana Squeff Peixoto Silveira, da Unidade de Acompanhamento Legislativo da CNI.

*ABIMDE - 25/05/2022

A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) intensificou as ações para articulação de esforços em prol da votação do PLP (Projeto de Lei Complementar) 244/20, em regime de urgência, na Câmara dos Deputados. A proposta estabelece isonomia tributária para produtos e serviços adquiridos pelas Forças de Defesa e Segurança Pública.

Apesar da importância para a economia nacional e para a BIDS (Base Industrial de Defesa e Segurança), a proposta está parada no Congresso e não há previsão de data para ser votada. O PLP 244/20 é de autoria do deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança.

A isonomia garantiria às empresas nacionais o mesmo tratamento tributário concedido às empresas estrangeiras que vendem material de defesa e segurança pública para o Brasil, que hoje são isentas de diversos impostos e levam vantagens nas concorrências realizadas pelas Forças Armadas e órgãos de segurança pública, como as polícias estaduais.

Visando o restabelecimento do princípio constitucional da isonomia, a ABIMDE tem conversado com lideranças empresariais para articular um esforço conjunto com o objetivo de sensibilizar os parlamentares sobre a necessidade de tramitação em Regime de Urgência do PLP 244/20.

Atingir este objetivo está entre as prioridades do General Aderico Mattioli, que assumiu o cargo de Presidente Executivo da ABIMDE no último dia 10 de maio e na mesma semana já se reuniu com representantes da CNI (Confederação Nacional da Indústria) para discutir o assunto. Participaram do encontro Marcos Borges, Suzana Squeff Peixoto Silveira e Fabiano Lima Pereira, da Gerência de Assuntos Legislativos da CNI, e Rogério Beltrão, Diretor da ABIMDE.

Para o General Mattioli, os parlamentares e a sociedade precisam entender que o que se pleiteia não é ‘isenção tributária’, mas condições de igualdade entre as empresas nacionais e estrangeiras nas concorrências públicas de produtos de defesa e segurança pública. Ele ressalta que as indústrias do setor empregam cerca de 2,9 milhões de pessoas direta e indiretamente, e representam mais de 4,5% do PIB (Produto Interno Bruto).

“Além de inconstitucional, este desequilíbrio concorrencial é uma barreira a novos investimentos e à geração de empregos. Esta situação causa um forte impacto negativo em um setor extremamente estratégico para o país, o que é um grande risco à soberania nacional”, disse o General Mattioli.
Para Suzana Silveira, a questão realmente precisa ser debatida. "Nosso entendimento é que existe essa diferença na tributação entre as compras internas e as importações, e o setor é estratégico para o País."
A legislação brasileira em vigor dá vantagens às empresas internacionais de Defesa e Segurança, pois elas se beneficiam da imunidade tributária que torna seus produtos mais competitivos.

“A enorme carga tributária que incide sobre os produtos nacionais de defesa e segurança pública, não incide nos importados. Essa situação cria a falsa percepção de que os produtos nacionais seriam caros e ruins, porque esses tributos estão embutidos no preço de venda, mas, na verdade, a nossa Indústria de Defesa e Segurança é bastante competitiva, apresentando sucessivos recordes de exportações, sendo reconhecida internacionalmente por seus produtos de extrema qualidade e preços justos”, disse Rogério Beltrão.

“O PLP 244/2020 tem por objetivo garantir a isonomia concorrencial pela simples alteração na redação de dispositivos infraconstitucionais vigentes”, finaliza o diretor.

Legenda da foto:  A partir da esq, Rogério Beltrão, Diretor da ABIMDE, Marcos Borges de Castro, Gerente Executivo de Assuntos Legislativos da CNI, General Aderico Mattioli, Presidente Executivo da ABIMDE, e Suzana Squeff Peixoto Silveira, da Unidade de Acompanhamento Legislativo da CNI.
Crédito da foto: Divulgação/ABIMDE


 

terça-feira, maio 24, 2022

Taurus está entre as Campeãs da Inovação em pesquisa realizada pelo Grupo Amanhã


*LRCA Defense Consulting - 24/05/2022

A Taurus, principal fabricante de armas curtas do mundo, está entre as 50 empresas mais inovadoras dos três estados da região Sul do Brasil, de acordo com pesquisa realizada pelo Grupo Amanhã em parceria com o IXL-CENTER (Centro de Inovação, Excelência e Liderança), de Boston (EUA) – entidade referência mundial na investigação das melhores práticas de gestão na área.

Após conquistar uma ótima colocação em 2020, a companhia subiu 4 posições e ocupa agora a 11ª posição no ranking. A participação de empresas e instituições na pesquisa este ano cresceu 32%, o que aumenta ainda mais o valor do desempenho da Taurus.

O resultado é decorrente do forte investimento da empresa em Inovação e P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), liderados pelo CITE – Centro Integrado de Tecnologia e Engenharia Brasil Estados Unidos da Taurus que hoje conta com 250 engenheiros nas áreas de produtos, processos e qualidade. O CITE tem proporcionado mais agilidade no desenvolvimento de produtos com inovação e qualidade, sempre com foco nos desejos dos consumidores, a baixo custo e em linha com as mais avançadas soluções tecnológicas do mundo. Um exemplo é a utilização do grafeno em componentes e na proteção superficial de metais, proporcionando maior resistência e durabilidade.

Em 2021, a Taurus investiu também na renovação do parque fabril com a aquisição de equipamentos que contam com tecnologia de última geração. Em termos de infraestrutura, um condomínio industrial foi entregue em dezembro, onde cinco fornecedores parceiros irão desenvolver suas operações e contribuirão para que a planta de São Leopoldo se torne um grande hub mundial de fabricação de peças/componentes estratégicos para suas unidades de manufatura no Brasil, Estados Unidos e na Índia.

O total de investimentos da Taurus em 2021 foi de R$ 175 milhões.  Para 2022, o planejamento considera investimentos da ordem de R$ 250 milhões, seguindo com a modernização e ampliação da estrutura industrial, de modo a dar sustentação ao crescimento da companhia, aumentando ainda mais sua competitividade.

“O Campeãs da Inovação é um importante reconhecimento do trabalho realizado na Taurus, no qual focamos muito em inovação e tecnologia, aspectos chave que permitem criar diferenciais e ampliar a competitividade dos nossos produtos, assim como consideramos em nossas operações os conceitos de preservação e sustentabilidade, fundamentais nos dias atuais em uma agenda positiva”, afirma o CEO Global da Taurus, Salesio Nuhs.


A pesquisa Campeãs da Inovação está em sua 18ª edição. O ranking adota o Innovation Management Index, ferramenta de metodologia aplicada pelo IXL da Global Innovation Management Institute (Gimi) – organização global sem fins lucrativos criada por executivos, acadêmicos e consultores especializados em inovação que auxilia pessoas, empresas e regiões a desenvolver competências em gestão da inovação de nível mundial através de padrões, métricas, protocolos de teste e certificações globais.

A edição das Campeãs da Inovação 2022 celebra também os 35 anos do Grupo Amanhã e, além do ranking das empresas mais inovadoras do Sul, trará um conteúdo exclusivo sobre o conceito “GREENOVATE – Inovação com suporte ESG”, aprofundando como e por que os conceitos de inovação e sustentabilidade/ESG (sigla em inglês para “ambiental, social e governança corporativa”) são absolutamente complementares.

A importância da abordagem ESG como suporte para qualquer tipo de empresa ou instituição que almejam boa reputação, competitividade e mercados globais é inegável. Isso se aplica para empresas de capital aberto, como é o caso da Taurus, líderes e fornecedores de cadeias produtivas, além de Instituições privadas e públicas. Por outro lado, o ambiente de transformação gerado pelas tecnologias digitais, inteligência artificial, entre outras, impõe atitudes criativas, no sentido de inovar em produtos, serviços e processos.

De acordo o CEO Global da Taurus, Salesio Nuhs, a pauta ESG está dentre as prioridades da agenda da Taurus. No ano passado, foram iniciadas conversas com diversas consultorias sobre o tema e escolhida como parceira a EY, com a qual a empresa se identificou levando em conta sua metodologia e credibilidade. No momento, a companhia está na fase das entrevistas com a alta direção, gerentes e colaboradores envolvidos diretamente nos processos, bem como, a análise de empresas que têm relação com a Taurus. O projeto ESG vem agregar novas ideias e compartilhar as ações que essa direção já vem adotando ao longo de sua administração.

A cerimônia de premiação da Campeãs da Inovação 2022 aconteceu nesta segunda-feira (23) e foi transmitida pelo canal do Grupo Amanhã no Youtube.

 

Com mais de 53kg de tampinhas arrecadadas, WEG fortalece o projeto Tampinhas do Bem


*LRCA Defense Consulting - 24/05/2022

Em prol do projeto Tampinhas do Bem que arrecada tampinhas de plástico para reverter em recursos ao projeto Fralda Solidária, a empresa WEG uniu forças entre os colaboradores da unidade de Jaraguá do Sul e arrecadou cerca de 53kg de tampinhas plásticas em menos de 30 dias de campanha interna. Todo dinheiro arrecadado através das tampinhas é doado para a confecção de fraldas geriátricas realizado pelos voluntários do projeto Fralda Solidária da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais Sul.

Um quilo é equivalente à 500 tampinhas, ou seja, os 53kg recolhidos pela WEG representam 26.500 tampinhas nos primeiros 20 dias de aplicação. Com o resultado adquirido, a Seção de Desenvolvimento Social comemora o êxito de conseguir engajar os voluntários da WEG para ajudar na arrecadação, reforçando a participação e fomento a sustentabilidade.

O Hospital São José, para onde as fraldas são destinadas, atende cerca de 120 idosos por dia e isso exige um número alto de itens de cuidados diários indispensáveis, e em muitos casos a necessidade de fraldas. Com as tampinhas arrecadadas pela WEG, foram confeccionadas 78 fraldas geriátricas, quantidade suficiente para atender um idoso por 20 dias.

De todo resido sólido produzido por ano no Brasil, 17% são de plástico. Em 2020, o descarte inadequado de plástico somou 13,3 milhões de toneladas, segundo dados coletados pela Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública).

Para a WEG, o sucesso do projeto implica tanto no cuidado com o meio ambiente, como na importância de ajudar idosos e famílias em situação de vulnerabilidade. A separação das tampinhas também conta muito na arrecadação de recursos, por exemplo quando são separadas por cor equivalem R$ 0,80 a mais por quilo vendido. Desta forma, voluntários WEG também se mobilizam para ajudar na separação no local em que o projeto acontece, na Igreja Adventista do Sétimo Dia em Jaraguá do Sul.

A campanha continua ao longo do ano e uma simples ação ajuda o próximo. As tampinhas devem ser de plástico rígido, de diferentes tamanhos ou cores, como: refrigerante, água, leite, remédio, creme dental, água sanitária, amaciante, shampoo, etc.

A comunidade também é convidada a ajudar na campanha, os pontos disponíveis são as portarias da WEG em Jaraguá do Sul, na ARWEG, Recreativa da empresa e no Museu WEG.

Postagem em destaque