Pesquisar este portal

sexta-feira, julho 31, 2020

Taurus apoia Festival Gaúcho Coração, circuito de lives beneficentes com artistas gaúchos

Projeto repassará recursos para hospitais e entidades sociais, além de contribuir com a classe artística nesse momento de pandemia de COVID-19



 *LRCA Defense Consulting - 31/07/2020

Em mais uma ação para colaborar nesse momento difícil de pandemia de COVID-19, a Taurus, uma das principais fabricantes de armas do mundo, está apoiando o Festival Gaúcho Coração.

O projeto promove uma ampla programação de lives com artistas conhecidos do Rio Grande do Sul, sendo que pelo menos 25 apresentações musicais online estão previstas até setembro. O objetivo é beneficiar centenas de artistas e milhares de trabalhadores do setor da música, muito prejudicado pela pandemia de coronavírus por estar sem shows presenciais há meses.

Além disso, os recursos e alimentos arrecadados com o patrocínio de empresas privadas e do público serão destinados para hospitais, como a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, e entidades filantrópicas.

Segundo o presidente da Taurus, esta é uma importante iniciativa cultural neste momento difícil de pandemia. "Somos uma empresa brasileira com operações há 80 anos no Rio Grande do Sul, onde crescemos junto com a população. Temos muito orgulho da riqueza cultural gaúcha, por isso consideramos importante ajudarmos e apoiarmos nesse momento. O apoio ao Festival Gaúcho Coração é uma contribuição da Taurus para os músicos, entidades sociais e para os hospitais da região, assim como para proporcionar um pouco de divertimento e distração às diversas famílias neste período", diz Salesio Nuhs, presidente da Taurus.

As lives acontecem sempre nos canais dos artistas no YouTube. Confira abaixo a programação dos próximos dias:

01/08, 20h - Ângelo Franco, Cristiano Quevedo, Erlon Péricles, Joca Martins e participação especial de Gujo Teixeira, nos canais do Youtube/Facebook @cristianoquevedooficial, @jocamartinsoficial, @erlonpericles, @angelofranco, @giovanigrizotti, @reporterfarroupilha

02/08, 11h30 - Tchê Guri - no canal do Youtube/Facebook @tchegurioficial


quinta-feira, julho 30, 2020

Embraer terá novo plano de demissão voluntária



*LRCA Defense Consulting - 30/07/2020

A Embraer anunciou hoje que está conversando com os sindicatos a respeito de mais um plano de demissão voluntária. Desta vez, além dos colaboradores em licença remunerada, também serão elegíveis aposentados por tempo de serviço ou quem tiver 55 anos de idade ou mais. O período de adesão vai até o dia 14 de agosto.

Por conta da crise gerada pela Covid-19 em todo o mundo e, em particular, na indústria aeronáutica, a Embraer vem tomando uma série de medidas para proteger a saúde das pessoas e manter a continuidade dos negócios. Para preservar os empregos já foram estabelecidas, desde o mês de março, medidas como implantação do trabalho remoto integral (home office), concessão de férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho (lay-off), redução da jornada de trabalho e um PDV para um grupo de colaboradores que estava em licença remunerada.

A proposta de pacote de incentivo para quem aderir ao PDV inclui plano de saúde para o colaborador e dependentes até janeiro de 2021, auxílio-alimentação de R$ 450 mensais pelo mesmo período, apoio para recolocação no mercado, verbas rescisórias comuns a desligamentos sem justa causa e mais uma indenização de 10% do salário-base nominal por ano de empresa.

A companhia vai continuar realizando todos os esforços necessários para minimizar o impacto da Covid-19 para as pessoas e garantir a adequação necessária da empresa diante da nova realidade do mercado de transporte aéreo global.

Prefeituras de Caxias do Sul (RS) e de Jundiaí (SP) adquirem armamento da Taurus

*LRCA Defense Consulting - 30/07/2020

As Guardas Municipais de Caxias do Sul (RS) e de Jundiaí (SP) receberam novos armamentos produzidos pela empresa Taurus Armas S.A., com sede em São Leopoldo (RS).

Na quarta-feira, 29/07, foi realizada a entrega de 20 Pistolas TS9 e duas Carabinas CTT 40 para a Guarda Municipal de Caxias do Sul.

A cerimônia foi realizada na sede da Corporação e contou com a presença do Secretário de Segurança Pública do município, Hernest Larrat Júnior, e de profissionais da Guarda. O investimento do município foi de R$ 100,9 mil.

Entrega para a Guarda Municipal de Caxias do Sul

Hoje (30), a Guarda Municipal de Jundiaí recebeu 18 carabinas CTT 40 compradas com verba do programa Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), da Caixa Econômica Federal, em um investimento de R$ 77,5 mil. No final de maio, a Guarda Municipal já havia recebido 14 carabinas calibre 12 e quatro carabinas CTT 40, no valor de R$ 85 mil.

Carabinas CTT 40 da Guarda Municipal de Jundiaí (Foto: @pedroamora)

quarta-feira, julho 29, 2020

Avibras, CBC e Embraer - Brasil e Indonésia procuram alavancar as relações comerciais na área da Defesa




O Ministro da Defesa da Indonésia, Tenente-General Prabowo Subianto, recebeu uma comitiva brasileira composta pelo Embaixador do Brasil na Indonésia, Adidos Militares e um integrante do corpo diplomático, no salão de audiências do ministério, Kemhan (sigla em bahasa indonésio).

Na ocasião, as ações estratégicas de cooperação entre o Brasil e a Indonésia foram exploradas com o intuito de alavancar, ainda mais, as relações comerciais na área da Defesa entre os 2 países.

Especificamente sobre as atividades entre as Forças Terrestres, os seguintes temas sobressaíram como assuntos passíveis de intercâmbio de militares: Artilharia de Campanha, Inteligência, Operações Especiais e Operações em Ambiente Operacional de Selva.

Nesse contexto, foi discutida a possibilidade de prospecção econômica entre a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) e a estatal indonésia PT PINDAD. Também foi motivo de comentários a ótima aceitação do Sistema ASTROS, Produto de Defesa fabricado pela Empresa AVIBRAS.

Para as demais forças singulares brasileiras, o Ministro demonstrou interesse nas especificações da aeronave KC-390, da EMBRAER, bem como na realização de intercâmbios doutrinários entre militares submarinistas.

terça-feira, julho 28, 2020

Justiça de São Paulo revoga pena e multa impostas à Taurus pela PMSP


*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

Em novo comunicado divulgado na noite de hoje (28), a Taurus Armas S.A. informou que a pena administrativa e a multa impostas pela Polícia Militar de São Paulo foram revogadas pela Justiça de São Paulo, que também condenou a Fazenda Estadual a arcar com os honorários de sucumbência e com as custas e despesas processuais.

Veja o Comunicado:

Veículos elétricos: WEG tem novo nicho na produção e conversão no Brasil



*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

A WEG S.A. está participando de duas grandes iniciativas, uma na produção de veículos elétricos e outra na conversão de motores tradicionais para o sistema elétrico.

Parceria com a Volkswagen
Em 2019, a Volkswagen Caminhões e Ônibus anunciou em Södertälje/Suécia, o plano para comercializar caminhões e ônibus elétricos no Brasil a partir de 2020. Os modelos serão desenvolvidos e fabricados no país.

O projeto inclui não apenas novos produtos, mas também componentes e o que acontece depois da compra, com instalação e operação de pontos de recarga em todo o Brasil e medidas para descarte das baterias após o fim de sua vida útil.

Chamado de e-Consórcio, o plano é baseado na parceria com diversas empresas. O conceito já é adotado na produção de caminhões e ônibus na fábrica de Resende (RJ), com fornecedores atuando diretamente na produção dos veículos. Para os elétricos, a novidade é que os parceiros da Volkswagen atuarão também no pós-venda.

Entre as parceiras da Volkswagen estão a Siemens, no fornecimento de carregadores elétricos, e a Moura, que vai auxiliar no manejo das baterias. Já a alemã Bosch e brasileira WEG serão responsáveis pelo conjunto elétrico. O e-Consórcio faz parte de um investimento de R$ 1,5 bilhão que a empresa está fazendo no Brasil.

Parceria com a FuelTech
A FuelTech, conhecida por preparar a injeção de veículos de alta performance anunciou a compra da também brasileira Energy Systems. O objetivo, segundo a companhia, é aumentar a participação nesse mercado, ainda pouco explorado por aqui.

O projeto também conta com a parceria da WEG, empresa brasileira que produz motores elétricos de vários tipos. Ela inclusive trabalha junto com a Volkswagen no desenvolvimento do primeiro caminhão elétrico do país, o e-Delivery.

Nesse formato de parceria, a Weg entraria com o fornecimento de motores e inversores, enquanto a FuelTech desenvolve os gerenciadores de bateria e centrais eletrônicas.

De acordo com a empresa, há cerca de 1.000 oficinas credenciadas em todo o país que podem ser qualificadas para realizar a conversão, que consiste na retirada do motor a combustão, na preparação da carroceria e na instalação de motor elétrico, baterias, gerenciamento e todo o cabeamento necessário.

"Com o movimento da eletrificação, existe no Brasil um nicho a ser explorado", afirma Manfred Peter Johann, diretor superintendente da WEG Automação. A parceria não mudará o principal negócio da catarinense, que trabalha sobretudo com veículos pesados. Isso porque ainda é um aceno a um negócio ainda incipiente. "Esse mercado de conversão de automóveis pode surgir com o tempo", diz.

Anderson Frederico Dick, diretor geral da FuelTech, conta que a eletrificação deve ganhar relevância nos próximos anos. "A gente está diante da maior revolução da indústria automobilística e a gente vê como isso está impactando o mundo", diz.

A FuelTech ficará responsável pela montagem do equipamento nas mil oficinas mecânicas especializadas da empresa espalhadas pelo mundo. A WEG fará a produção dos inversores de sistemas auxiliares e do Powertrain, motor elétrico já utilizado em uma colaboração com ônibus e caminhões da Volkswagen e em aviões de pequeno porte monomotor da Embraer.

Para o professor de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Marcelo Alves, a conversão tem maior potencial de crescimento no mercado de veículos de coleção, já que a substituição dos motores vale o custo-benefício para donos de modelos antigos que querem continuar circulando nas cidades.

"É um nicho de mercado que pode explodir, assim como foi a conversão de GNV (Gás Natural Veicular)", diz Fabio Delatore, professor de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI). Com poucas empresas no mercado, ele cita o sucesso da californiana EV West, que vende kits de conversão para modelos clássicos por preços de US$ 7 mil a US$ 16 mil, assim como peças avulsas dos mais variados valores e tipos. No Brasil, segundo ele, não há nenhuma solução do tipo até agora.

(Com informações do G1, Gaúcha ZH e Diário MS News)

Em recurso administrativo, Taurus é multada e tem suspenso o direito de vender pistolas à PMSP

*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

A Taurus Armas S.A., em Comunicado ao Mercado com data de hoje (28), divulgou que foi publicada, no Diário Oficial do Estado de São Paulo, decisão administrativa em grau de recurso que confirmou decisão da Polícia Militar do Estado de São Paulo de suspender o direito de contratação do fornecimento de pistolas pela administração pública estadual, além de ser gravada com uma multa no valor de R$ 12,7 milhões.

A companhia afirma que irá recorrer da decisão e enfatiza que "a suspensão do direito de contratar com a administração deve ser restrita à PMESP, não afetando contratações com outros órgãos e Estados".

Confira o Comunicado:

"A Taurus Armas S.A. (“Companhia” ou “Taurus”) listada no Nível 2 da B3 S.A. – BOLSA BRASIL BALCÃO (Símbolos: TASA3, TASA4) dando continuidade ao comunicado do dia 18 de maio de 2020, vem informar que foi publicado no último dia 24 de julho no Diário Oficial do Estado de São Paulo, decisão administrativa em grau de recurso que confirmou decisão no Processo Administrativo Sancionatório n.º 002/30/16 da Polícia Militar do Estado de São Paulo, descrito no item 4.3 – Processos Judiciais, Administrativos ou Arbitrais Não Sigilosos e Relevantes de seu Formulário de Referência, que suspendeu o direito da Companhia de contratar com a administração pública do Estado de São Paulo e aplicou multa contratual no valor de R$ 12.674.979,81.

Quanto a essa decisão cabe esclarecer que:
(i) o processo administrativo é relativo a sucessivos contratos de fornecimento de pistolas assinados com o Estado de São Paulo nos anos de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011. Não foram comercializadas pela atual gestão e se referem a modelos de armas que não são mais fabricados ou comercializados;

(ii) a Companhia cumpriu integralmente esses contratos administrativos, fornecendo as pistolas nas especificações contratadas e cumprindo todas as suas obrigações correlatas de garantia e assistência técnicas. Além disso, são as pistolas que estão em uso há mais de 10 anos, servindo os policiais militares de São Paulo e contribuindo para a redução da criminalidade no Estado aos menores patamares históricos. Soa muito estranho a aplicação dessas penalidades nesse momento, pois os policiais da PMESP continuam utilizando pistolas TAURUS normalmente;

(iii) não há evidências técnicas ou fundamentos jurídicos que permitam a penalização da Companhia que toma e tomará todas as medidas judiciais cabíveis para reversão da penalidade aplicada; e

(iv) a suspensão do direito de contratar com a administração deve ser restrita à PMESP, não afetando contratações com outros órgãos e Estados.

Informamos que desde 2015, quando ocorreu a mudança do controle acionário, a Taurus e seus administradores vem seguindo os mais rígidos e estritos padrões de controle e qualidade dos seus produtos e confia na justiça, que a exemplo de casos semelhantes, restabeleceu as verdades dos fatos."

segunda-feira, julho 27, 2020

Embraer estende intervalo de revisão dos jatos Phenom para 800 horas de voo



*LRCA Defense Consulting - 27/07/2020

A Embraer anunciou uma revisão dos Requisitos de Manutenção Programada para a família de jatos Phenom, prolongando os intervalos entre as paradas de 600 horas e /ou 12 meses e múltiplos para 800 horas ou 12 meses e múltiplos. A maioria das tarefas com intervalos duplos também foi otimizada para o período mais longo.

Isso representa uma melhoria de 33% no intervalo de manutenção, quase o dobro da média do setor. Para os clientes da série Phenom, essa melhoria significativa equivale a menos tempo de inatividade, menores custos de manutenção, uma longa vida econômica e mais tempo no ar.

A melhoria só foi possível graças ao desempenho da frota Phenom na última década. Mais de um ano de análise de engenharia confirmou que os clientes dessas aeronaves podem se beneficiar totalmente da alta disponibilidade da frota por sua conveniência e flexibilidade ainda maiores.

“Concebidos como um projeto ‘clean-sheet’ para serem os melhores de suas respectivas categorias, os aviões das séries Phenom 100 e 300 foram desenvolvidos para alta utilização. Agora, onze anos após a primeira entrega, com uma frota de mais de 900 jatos em operação, nossa equipe de engenharia e suporte ao cliente pode reafirmar, mais uma vez, que nossos produtos são ainda melhores que a especificação inicial”, afirma Johann C. Bordais, Presidente e CEO da Embraer Serviços & Suporte.

A frota do Phenom acumulou mais de 1,7 milhão de horas de voo e 1,4 milhão de ciclos desde a entrega do primeiro Phenom 100 em dezembro de 2008. Os operadores dos jatos executivos da Embraer são apoiados por uma organização global de serviços e suporte comprovada e sua premiada rede de mais de 70 centros de serviços própios e autorizados, complementados por um Contact Center 24/7 na sede, no Brasil.

Os Requisitos de Manutenção Programada para os jatos Phenom foram desenvolvidos para atender às necessidades específicas da aviação executiva e baseiam-se na metodologia MSG-3 (Maintenance Steering Group). A metodologia visa preservar e restaurar os níveis inerentes de segurança e confiabilidade da aeronave e construir uma base de conhecimento para melhoria do projeto e manutenção. Os principais benefícios dessa metodologia incluem maior disponibilidade da aeronave e redução geral de custos para manter a aeronave em condições operacionais ideais.

Presidente Bolsonaro anuncia novas portarias facilitando as atividades dos CACs



*LRCA Defense Consulting - 27/07/2020

Ao sair do Palácio do Planalto neste final de semana, o Presidente Bolsonaro falou que nesta semana terá novas portarias facilitando as atividades dos CACs - Colecionadores, Atiradores Esportivos e Caçadores.

Confira o vídeo:

EmbraerX inicia testes em simulador para novas aeronaves eVTOL



*AINonline - 23/07/2020 (Atualizada pela LRCA em 27/07, às 15h06, com vídeo)

A EmbraerX fez recentemente o primeiro voo em um simulador que está usando para desenvolver sua nova aeronave eVTOL planejada. A divisão de tecnologias avançadas do fabricante brasileiro de aeronaves regionais e de negócios também exibiu modelos em escala do novo design e realizou testes em túneis de vento, mas ainda não disse quando espera que o motor elétrico de quatro lugares entre em serviço.

De acordo com Andre Stein, chefe de estratégia e mobilidade aérea urbana da EmbraerX, os testes do simulador usam parâmetros reais de controle de voo e leis de controle para reunir as informações que prepararão o caminho para eventuais testes de voo de certificação de tipo. Os engenheiros estão testando os controles fly-by-wire de quinta geração da aeronave, que inicialmente apoiarão as operações pilotadas e, ao mesmo tempo, serão compatíveis com os planos posteriores para avançar para o voo autônomo.

A Embraer tem sido bastante sigilosa sobre seus planos para um eVTOL, apesar de a Uber a nomear como um dos oito parceiros que apoiam os planos do grupo de lançar serviços de táxi aéreo a partir de 2023. Stein disse à AIN que continua trabalhando com a Uber, enfatizando que a Embraer continua focada em apoiar o “ecossistema” mais amplo para mobilidade aérea urbana (UAM), incluindo gerenciamento de tráfego aéreo e infraestrutura terrestre. Ele acrescentou que o acordo do fabricante com a Uber não é exclusivo e que permanece aberto a possíveis parcerias com outras operadoras e provedores de infraestrutura.

O novo design mostra oito hélices instaladas em quatro vigas conectadas a duas asas estreitas e paralelas que se projetam da parte superior da fuselagem para fornecer elevação vertical. Na parte traseira da aeronave, há um par de ventiladores para voo de cruzeiro.

A Embraer acredita que sua vasta experiência na certificação de 26 novas aeronaves ao longo de duas décadas a coloca para oferecer o desempenho certo com segurança ao mercado. Stein apontou sua conquista com o mais recente avião comercial E2, que obteve certificação a tempo e com desempenho melhor do que o projetado, como evidência da profundidade da capacidade de engenharia aeroespacial que está tocando agora para acelerar a campanha de testes de voo.

"Uma das coisas de que falamos é como alavancar nosso know-how para desenvolver novas aeronaves e [vimos isso] quando fizemos o primeiro voo no E2 porque quebramos recordes na expansão do envelope de voo", disse ele. . "Muitas startups do [eVTOL] correm para fazer algo apenas para ter algo para mostrar aos investidores."

A equipe da EmbraerX está usando o simulador de voo na sede da empresa em São José dos Campos para avaliar as interfaces homem-máquina de seu novo projeto eVTOL, usando pilotos de teste experientes e pilotos relativamente inexperientes. Seu gerente de engenharia da eVTOL, Luiz Valentini, disse que a empresa trabalha com a premissa de que o mercado de UAM precisará contar com pilotos que não são de transporte aéreo, levando-a a considerar o uso de interfaces de controle muito amigáveis.

O trabalho do simulador também estabelece as bases para os recursos necessários para operações autônomas, como detectar e evitar sistemas. "Estamos tentando criar um veículo que possamos mostrar que terá flexibilidade para operar em diferentes espaços aéreos ao redor do mundo e nos dá a confiança de poder facilitar capacidades de voo autônomas antes de pilotar a aeronave", explicou Valentini.

Enquanto isso, a EmbraerX está acelerando o trabalho de gestão do tráfego aéreo urbano, iniciado em 2011, quando comprou uma participação em uma empresa especializada chamada Atech. Desde que publicou seu white paper FlightPlan2030 para definir os requisitos da UAM em junho de 2019, a empresa trabalhou em estreita colaboração com dois provedores de serviços de navegação aérea (ANSPs) não revelados, [a Atech] e a L3 Harris Technologies para desenvolver um conceito de operações.

"Nosso objetivo é torná-lo mais acessível e escalável, levando em consideração aeronaves híbridas, elétricas e elétricas", disse David Rottblatt, líder do projeto de gerenciamento de tráfego aéreo urbano da EmbraerX.

Até o primeiro trimestre de 2021, a EmbraerX pretende incorporar os resultados de seus estudos às ANSPs (localizadas nos hemisférios leste e oeste) em um documento de consulta. Ao mesmo tempo, procurará criar "apoio da comunidade" a partir de possíveis cidades adotantes iniciais da UAM e, em seguida, recorrer aos reguladores com o que chama de um caso orientado por dados sobre como as operações poderiam começar.

Com a infraestrutura certa, a EmbraerX vê potencial para os serviços UAM crescerem rapidamente à medida que as aeronaves eVTOL alteram o escopo do transporte aéreo nas cidades e arredores. "Somente em Londres, vemos o potencial de dois milhões de usuários com cerca de 1.500 aeronaves eVTOL, com base em que cada pessoa as usaria uma vez por mês", disse Stein em um webinar durante o evento FIA Connect, em 23 de julho.


domingo, julho 26, 2020

Vendas de armas de fogo cresceram 95% no 1º semestre nos EUA




Os varejistas de armas de fogo e munições estiveram ocupados, muito ocupados, durante os primeiros seis meses de 2020 - e não estão apenas vendendo para o que muitos pensavam ser o cliente tradicional, homens brancos mais velhos, pois a nova pesquisa NSSF ® mostra clientes de todos os contextos demográficos fazem parte desse aumento contínuo de vendas.

Os dados NICS ajustados da NSSF mostram que um recorde de 10,3 milhões de transações com armas de fogo foi processado por varejistas em todo o país no primeiro semestre do ano. Não importa o quão ocupados os membros do varejo da NSSF estejam lidando com esses milhões de transações, agradecemos que estejam sempre dispostos a reservar um tempo para que o NSSF saiba o que está vendo em primeira mão em suas lojas e em seus balcões.

Graças às informações dos varejistas no início deste ano, as agências de notícias em todo o mundo relataram que milhões de americanos se tornaram proprietários de armas pela primeira vez durante os primeiros quatro meses de 2020. No início de julho, contatamos os varejistas para saber mais sobre quem esses clientes em alta foram.

Primeiro, aproximadamente 90% dos varejistas relataram um aumento nas vendas de armas de fogo e munições durante o primeiro semestre de 2020 em relação ao primeiro semestre de 2019.

Qual é o tamanho desses aumentos? Os varejistas que responderam notaram que estavam vendo um aumento de 95% nas vendas de armas de fogo e um aumento de 139% nas vendas de munições no mesmo período de 2019.

É bem sabido dentro da indústria que os compradores de armas e munições há muito tempo têm diversas origens demográficas. Durante a primeira metade de 2020, os varejistas observaram que a composição geral de seus clientes consistia em 55,8% de homens brancos, 16,6% de mulheres brancas, 9,3% de homens negros, 5,4% de mulheres negras, 6,9% de homens hispânicos, 2,2% de mulheres hispânicas, 3,1% de homens asiáticos e 0,7% de mulheres asiáticas.

O maior aumento geral nas vendas de armas de fogo vem de homens e mulheres negros, que mostram um acréscimo de 58,2% nas compras durante os primeiros seis meses de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Resumindo, nunca houve um aumento sustentado nas vendas de armas de fogo como o que está acontecendo agora. Independentemente de quem eles sejam ou do motivo de sua compra, devemos continuar praticando e promovendo as regras de segurança de armas de fogo. Acrescente um  + ONE SM  e convide alguns entusiastas a virem conosco para o campo durante o Mês Nacional dos Esportes de Tiro ® e para as próximas estações de caça.


*Com a colaboração de Christian Lima

Pistolas Taurus TH9 passam a equipar a Guarda Municipal de Santa Cruz do Sul-RS


*LRCA Defense Consulting - 26/07/2020

A cidade de Santa Crus do Sul-RS é mais um município brasileiro a dotar sua Guarda Municipal com armamento produzido pela empresa gaúcha Taurus Armas S.A.

No dia 23 último, na sede da corporação, ocorreu a entrega de pistolas TH9 adquiridas pela municipalidade, em evento que contou com a presença do Secretário de Segurança do município, Clero Ghislani, e dos profissionais da Guarda Municipal, Coordenador Estor Iochims, Corregedor Cesaro Carlos Soares e Ouvidor Laoni Emmel.

A aquisição foi possível por meio de recursos obtidos junto ao Programa Cidades Mais Seguras, do Badesul Desenvolvimento S.A – Agência de Fomento/RS, visando qualificar e reestruturar a Guarda Municipal, permitindo uma maior integração entre as forças de segurança pública do município.



Todas as falácias do Fantástico na reportagem sobre armamento



*LRCA Defense Consulting, com texto de Felipe Fiamenghi - 26/07/2020

A reportagem sobre o armamento, apresentada no Fantástico, foi ao ar no domingo passado. Demorei quase uma semana para escrever este texto, porque fiz questão de buscar minuciosamente todos os dados e fatos.

Afinal, para refutar todo o sensacionalismo Global, unido a opiniões de "especialistas", devemos nos munir de toda a verdade possível.

A matéria começa de forma comovente, exibindo famílias que tiveram entes queridos mortos por armas de fogo. Um dos casos, porém, me chamou bastante atenção. Um homem passeava com a sua família quando bateu em um carro estacionado e evadiu do local. O dono do outro veículo, armado, iniciou uma perseguição e os abordou minutos depois. Antes do desfecho, porém, a esposa do primeiro motorista conseguiu ligar para a polícia e pedir socorro, que não chegou a tempo.

Mesmo que uma viatura conseguisse atingir 1476 Km/h, a velocidade de disparo de uma pistola 9mm, como a utilizada no crime, ainda não chegaria a tempo de evitar a tragédia. A única coisa que poderia salvar a família, então, seria um objeto que equalizasse suas forças com a do agressor. Ou seja, uma arma de fogo.

Não existe campanha mágica, que livrará todo o mundo das armas. Criminosos não se desarmam. No máximo, consegue-se desarmar o cidadão pacífico e ordeiro, que usa-a como ferramenta de proteção, e torna-o uma presa fácil.

O primeiro dado apresentado pelo "especialista" do IPEA deve ser verdadeiro em algum lugar no Fantástico Mundo da Biblioteca. No Planeta Terra não procede. Segundo ele: "Os números não mentem. A cada 1% de aumento no número de armas, aumentam 2% nos números de crimes violentos".

Realmente os números não mentem e nem confirmam as estatísticas por ele apresentadas. Em 2019, tivemos um aumento de 23,5% no número de armas registradas e uma queda de 20% no número de homicídios.

Números internacionais também mostram a falácia na narrativa do "especialista". Os EUA, com 400 milhões de armas registradas, 400 vezes mais do que o 1 milhão de armas brasileiras, tem uma média de 5 homicídios para cada 100 mil habitantes. Seis vezes menor do que a nossa.

A Suíça, proporcionalmente o país mais armado do mundo, tem uma taxa 0,3/100.000. Uma das menores do planeta.

Em Orlando, após uma massiva campanha para que as mulheres se armassem, em um ano, os crimes sexuais despencaram 88%.

Em se tratando de crimes sexuais, aliás, os dados da National Rifle Association sugerem que, quando a vítima está armada, apenas 3% deles se concretizam. O que pode ser comprovado, novamente, pelo exemplo da Suíça, onde os estupros são raríssimos, enquanto na vizinha Suécia, desarmamentista, as alarmantes estatísticas apontam que, ao longo da vida, 1 em cada 4 mulheres será estuprada. 25% da população feminina do país!

Dados manipulados também serviram para sustentar nosso absurdo e arbitrário Estatuto do Desarmamento, recusado, nas urnas, por 63% dos cidadãos. Apesar de ONGs, como a "Sou da Paz", defenderem que a lei salvou mais de 100 mil vidas, a realidade é que, desde então, os homicídios aumentaram mais de 20%.

E o aumento da violência, trazido pelo desarmamento de civis, não é uma exceção Brasileira. Pelo contrário.

Na Austrália, após a sanção de uma lei também severamente restritiva, os homicídios aumentaram 19%, os assaltos armados 69% e os estupros atingiram a média de 1 a cada 6 mulheres. Mais que o dobro da média global.

Outros dois "especialistas", apresentados na matéria, tiveram um importante papel em momentos históricos do aumento da criminalidade tupiniquim.

O primeiro, José Vicente da Silva Filho, foi Secretário Nacional de Segurança Pública do governo FHC, que dificultou o acesso às armas, em 1997, e viu o número de homicídios crescer 10% nos 3 anos seguintes.

O segundo, Raul Jungmann, foi Ministro da justiça do governo Temer, exatamente no período que registramos nosso recorde nacional de criminalidade violenta: 2017, quando 65.602 brasileiros foram assassinados.

Os únicos argumentos favoráveis, apresentados pelo deputado Capitão Augusto, Oficial da Polícia Militar e coordenador da Frente Parlamentar da Segurança Pública, ocuparam apenas alguns segundos dos quase vinte minutos da reportagem.

Com certeza, o testemunho do Capitão desmentiria também a argumentação de que a população armada dificulta o trabalho policial. Onde existe armamento civil, os cidadãos, em especial os CACs [Caçadores, Atiradores Esportivos e Colecionadores], tornam-se uma força auxiliar de segurança, treinada, armada e gratuita, que muitas vezes colabora com a polícia. Não faltam casos, ao redor do mundo, para comprovar essa afirmação.

Desarmamento não é sobre armas e muito menos sobre segurança. Desarmamento é sobre CONTROLE.

UM POVO ARMADO JAMAIS SERÁ ESCRAVIZADO!

"Quando todas as armas forem de propriedade do governo, este decidirá de quem são as outras propriedades." (FRANKLIN, Benjamin)


WEG fornece turbogerador para produção de energia renovável na Argentina



*LRCA Defense Consulting - 26/07/2020

Como parte do projeto RenovAR, de energia renovável do governo argentino, a empresa catarinense WEG S.A. forneceu uma turbina a vapor TGM modelo TM 5000 de 7MW, pressão 42 kgf/cm² e um redutor TGM modelo RTS 360 para o cliente Cia. Inversora Industrial S.A. - Ingenio Leales, do segmento de Açúcar & Etanol desse país. Os produtos fazem parte do portfólio da TGM, empresa do Grupo WEG.

O processo funciona através da queima do bagaço da cana de açúcar (resíduo da extração do suco da cana), e gera 95 toneladas de vapor por hora, que alimenta o turbogerador WEG e resulta na produção de uma energia elétrica limpa e renovável.

A energia de biomassa é renovável, garante o fornecimento de energia e também auxilia na diminuição do CO2 na atmosfera.

Os benefícios de um processo de energia renovável são a autossuficiência em energia elétrica para o próprio engenho, uma energia elétrica mais estável e de melhor qualidade, e a possibilidade da venda da energia excedente gerada para a Concessionária de Serviço Público, gerando assim mais uma fonte de renda para o engenho.

Essa solução solidifica a presença da WEG no mercado argentino e seu foco na sustentabilidade, fornecendo produtos cada vez mais eficientes e com menores impactos no meio ambiente.

sábado, julho 25, 2020

Taurus doa 5 mil testes rápidos para detecção de COVID-19 ao município de S. Leopoldo


*LRCA Defense Consulting - 25/07/2020

No dia 24, em mais uma ação de solidariedade no combate à pandemia, a empresa Taurus Armas S.A. realizou a doação de 5 mil testes rápidos para detecção de COVID-19 para a Secretaria da Saúde da cidade de São Leopoldo, RS. Estavam presentes o Secretário da Saúde do município, Ricardo Brasil Charão, e a Coordenadora de Atenção Básica, Tisiane Molder.

Em meados deste mês, a Taurus e a CBC doaram 250 mil protetores faciais ao Governo do Estado de São Paulo. Anteriormente, mais de 100 mil unidades já haviam sido doadas a hospitais e municípios do RS e de outros Estados, por meio de um esforço conjunto o Exército Brasileiro, UFRGS e empresas parceiras.

A Taurus também doou para o Hospital Centenário de São Leopoldo cinco conjuntos de respiradores para Unidade de Terapia Intensiva, sete monitores multifuncionais e 20 bombas de infusão, permitindo abrir 10 novos leitos de UTI para pacientes com COVID-19, dobrando a quantidade atual de leitos no hospital do município onde está localizada a fábrica.


Brigada Militar recebe 93 espingardas Boito PUMP calibre 12



*LRCA Defense Consulting - 25/07/2020

No dia 22 de julho, a Brigada Militar (PM/RS) recebeu 93 espingardas Boito PUMP calibre 12 produzidas pela empresa E.R. Amantino & Cia. Ltda., sendo 87 adquiridas por meio de recursos de emenda parlamentar, no valor de R$ 220,3 mil, e seis com recursos do Programa de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul (PISEG), que contribuiu com cerca de R$ 15,2 mil.

As novas armas foram destinadas a unidades policiais militares do Comando de Policiamento Metropolitano e dos diversos Comandos Regionais de Polícia Ostensiva do Rio Grande do Sul.

O modelo adquirido pela BM é específico para uso militar e policial e tem as seguintes características:
- Marca: Boito
- Modelo: PUMP
- Uso restrito
- Calibre: 12
- Capacidade: 7+1
- Comprimento do cano: 20"
- Comprimento Total: 1.070mm (1.020mm com a coronha recolhida).

Foto: Claudionor Machado e Éverton De David

sexta-feira, julho 24, 2020

Exército fornece o primeiro Certificado de Registro Digital para Pessoa Física



*LRCA Defense Consulting - 24/07/2020

Buscando oferecer aos seus usuários um serviço moderno, com maior praticidade e menos burocratização, o Exército Brasileiro, por meio da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC), deu um grande passo no último dia 30 de junho, lançando o Sistema de Gestão Corporativo (SisGCorp), que possibilita obter o Certificado de Registro de Pessoa Física (CRPF) totalmente pela Internet, ficando este disponibilizado no smartphone do usuário, assim como já acontece com a Carteira Nacional de Habilitação, Título de Eleitor e outros documentos.

Decorridos 23 dias desde o início do projeto piloto, que foi lançado na 1ª, 2ª, e 11ª Região Militar (RM), o primeiro usuário, vinculado à 2ª (RM), teve a oportunidade e a comodidade de emitir seu CRPF em formato digital por meio do SisGCorp. Ele deu entrada ao processo no dia 1º de julho deste ano e enviou toda a documentação por meio do novo Sistema sem precisar sair de casa. Após o processo ter sido submetido à análise e estando de acordo com a legislação em vigor, o usuário recebeu por email a confirmação que seu CRPF já estava disponível no portal SisGCorp. Assim poderá utilizá-lo no próprio celular, dispensando totalmente a utilização de papel.

Durante os últimos três anos, todos os envolvidos estiveram empenhados para que o projeto desta plataforma digital se tornasse realidade. Hoje, é disponibilizado ao usuário um sistema totalmente informatizado e alinhado as tecnologias mais recentes, por meio de uma interface amigável, tornando mais célere e segura as tarefas demandadas por aqueles que desejam utilizar e adquirir Produtos Controlados pelo Exército (PCE).

Funcionalidade do Sistema antes da implementação do SisGCorp

Para se obter o Certificado de Registro (CR), o interessado precisava agendar o atendimento, e se deslocar até a Seção de Fiscalização de Produtos Controlados (SFPC) de vinculação para entregar toda a documentação física. Após todo esse processo, ele aguardava o trâmite de análise. Sendo aprovado, tinha que esperar o documento chegar a sua residência via Correios, o que poderia demorar bastante tempo.

Após a modernização do Sistema

O SisGCorp tem permitido ao usuário lançar seus dados e anexar todos os documentos necessários diretamente na plataforma. Todo o Sistema está interligado com diversas bases de dados do governo federal por meio do Portal Gov.br. Após o preenchimento das informações, o próprio sistema gera uma Guia de Recolhimento da União (GRU), cuja confirmação de pagamento é feita de forma automática pelo Sistema. Ao final, é disponibilizado por email a informação que o processo foi concluído com sucesso, podendo o usuário acessar por meio do portal SisGCorp seu novo documento digital.

O Exército informou ainda que serviço de Concessão de Certificado de Registro para Pessoas Físicas será disponibilizado, na versão digital, para as 3ª, 4ª e 5ª Regiões Militares, a partir do dia 27 de julho de 2020. Inicialmente, haverá uma período de treinamento interno, seguido da abertura para os usuários externos (a cargo de cada SFPC Regional).

No 2T20, WEG tem resultados positivos em cenário desafiador



*LRCA Defense Consulting - 25/07/2020

A WEG S.A mostrou mais um trimestre de resultados positivos, com expansão de receita, EBITDA e ROIC. A carteira de equipamentos de ciclo longo, em conjunto com a agilidade nos ajustes operacionais e o impacto positivo da variação cambial, mais do que compensaram até o momento as dificuldades impostas pela pandemia de COVID-19, que causou impactos negativos importantes em parte dos negócios.

Os efeitos da pandemia foram sentidos principalmente na demanda por equipamentos de ciclo curto, nas áreas de Motores Comerciais e Appliance, Tintas e Vernizes e também Motores Industriais, cuja retração de volumes foi similar no mercado brasileiro e no mercado externo.

A paralisação das operações de clientes e a incerteza na demanda desses produtos foram fatores determinantes para a queda na entrada de pedidos ao final do trimestre passado e início do 2T20, resultando em uma menor receita reportada em parte destas áreas de negócios.

Vale destacar a melhora gradual ao longo do trimestre na dinâmica da entrada de pedidos para os negócios de ciclo curto, denotando, aparentemente, que os piores meses de entrada de pedidos para esses negócios foram abril e maio.

Por outro lado, a resiliência dos negócios de ciclo longo, onde a empresa construiu uma importante carteira de pedidos no Brasil e no exterior, mostrou-se relevante neste momento. Estes equipamentos, ligados a projetos de longo prazo, não costumam ser afetados por volatilidades de curto prazo, dado o extenso processo de planejamento e decisão envolvidos em projetos que consomem estes tipos de produtos.

Apesar da melhora gradual na dinâmica dos negócios verificada ao longo do trimestre, a WEG afirma que ainda não pode afirmar que a crise foi superada. Incertezas com relação à recuperação econômica dos países onde atua e uma possível segunda onda de contágio global podem impactar os negócios nos próximos meses.

Não obstante, a empresa declarou que continuará tomando todas as medidas necessárias para proteção, prevenção e mitigação, visando preservar a integridade dos seus colaboradores e minimizar, tanto quanto possível, impactos em sua operações, como tem feito deste o início da pandemia.

 
Destaques
A Receita Operacional Líquida (ROL) foi de R$ 4.063,9 milhões no 2T20, 23,7% superior ao 2T19 e 9,4% superior ao 1T20;

O EBITDA(1) atingiu R$ 732,2 milhões, 36,3% superior ao 2T19 e 18,3% superior ao 1T20, enquanto a margem EBITDA de 18,0% foi 1,7 ponto percentual maior do que no 2T19 e 1,3 ponto percentual maior do que o trimestre anterior;

O Retorno Sobre o Capital Investido (ROIC(2)) atingiu 21,6% no 2T20, crescimento de 3,2 pontos percentuais em relação ao 2T19 e crescimento de 0,9 ponto percentual em relação ao 1T20.



Paulo Polezi, Diretor de Finanças e Relações com Investidores da WEG,
comenta os principais destaques da Divulgação de Resultados do 2T20.

Embraer desenvolve soluções de transporte de carga para aeronaves comerciais



*LRCA Defense Consulting - 24/07/2020

Motivada pelo significativo declínio do número de passageiros de companhias aéreas e pela crescente demanda por capacidade de carga aérea, a Embraer desenvolveu soluções de transporte de carga para sua linha de aeronaves comerciais. Com menos voos comerciais, que transportam passageiros e mercadorias, há uma necessidade crítica por mais espaço de carga.

“Os engenheiros da Embraer aceitaram o desafio quando os clientes perguntaram se conseguiriam encontrar uma maneira das aeronaves comerciais transportarem carga na cabine de passageiros”, explicou Johann Bordais, Presidente e CEO da Embraer Serviços & Suporte. “Hoje, os clientes podem escolher entre um portfólio de soluções para transportar carga nas cabines de seus EMB 120, ERJ 145 e E-Jets.”

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) concedeu isenção para o transporte de carga adicional em aeronaves de passageiros da Embraer. A Embraer publicou Disposições Técnicas para as famílias de jatos comerciais ERJ 145 e de E-Jets, incluindo os E-Jets E2, que explicam como acomodar a carga na cabine. Um Boletim de Serviço também está disponível para o EMB 120.

Além de possibilitar o transporte de cargas menores nos compartimentos de bagagem acima dos assentos, itens maiores também podem ser transportados nos assentos, respeitadas as restrições. A capacidade de carga útil é significativa. Por exemplo, um jato E190 de 96 lugares totalmente carregado pode transportar três toneladas métricas (ou 6.720 libras) de carga na cabine, além da carga do bagageiro inferior. Já um E195 de 118 lugares, pode transportar até 3,75 toneladas métricas (ou 8.260 libras).

Os clientes podem optar por uma configuração de frete montada no piso caso a carga transportada não caiba nos assentos para passageiros. Essa solução permite a remoção de até 70% dos assentos, com as demais áreas acomodando itens no piso da cabine. A carga deve estar contida em uma rede de proteção previamente aprovada, que é fixada aos trilhos interno e externo dos assentos. Esta solução já foi desenvolvida para um jato E195 de primeira geração, para a Azul Cargo, no Brasil.

A capacidade de carga útil da cabine do ERJ145 é de até 800 quilos (ou 1.750 libras) e a do E190-E2 de até 2,36 toneladas (ou 5.194 libras). Para clientes que precisam de ainda mais capacidade, a Embraer pode oferecer um Boletim de Serviço para configurações completas de carga, como, por exemplo, no EMB 120. Essas configurações oferecem aos operadores a flexibilidade de transportar itens de carga maiores montados no piso na cabine.

quinta-feira, julho 23, 2020

WEG vê postergação de pedidos para fazendas fotovoltaicas




A conjuntura atual do mercado brasileiro de energia tende a desestimular a antecipação de fazendas solares. Os empreendedores tendem a ajustar o cronograma de investimentos ao atendimento aos contratos do ambiente regulado. Essa é a avaliação de André Salgueiro, gerente de Relações com Investidores da fabricante WEG. A empresa sentiu uma desaceleração também no mercado de geração solar distribuída devido à pandemia de coronavírus, contudo, esse negócio já dá sinais de retomada.

Mesmo com o advento do Covid-19, a multinacional brasileira apresentou um excelente resultado no segundo trimestre de 2020. A empresa registrou lucro líquido de R$ 514,4 milhões, aumento de 32,2% quando comparado ao segundo trimestre do ano passado.

O resultado positivo pode se explicado pelo estoque de pedidos para produtos de ciclo longo. O segmento de GTD (Geração, Transmissão e Distribuição de Energia) respondeu por 35,8% da receita no segundo trimestre de 2020, com destaque para entrega de equipamentos para o segmento de transmissão de energia.

“Apesar da melhora gradual na dinâmica dos negócios de ciclo curto verificada no final do trimestre, ainda não podemos afirmar que a crise foi superada. Incertezas com relação à recuperação econômica nos países onde atuamos e uma possível segunda onda de contágio global podem impactar nossos negócios nos próximos meses. Por outro lado, a nossa carteira de produtos de ciclo longo deve continuar trazendo estabilidade e resiliência para os nosso negócio ao longo do ano”, disse Paulo Polezi, diretor de Finanças e Relações com Investidores da WEG, em teleconferência com analistas de mercado nesta quinta-feira, 23 de julho.

Sobre a dinâmica do mercado de energia solar, a WEG disse que o negócio de geração distribuída está evoluindo bem; mas como todos os negócios de ciclo curto da companhia, foi impactado pela pandemia e está operando abaixo do nível pré-crise.

“De qualquer forma é um segmento que tem boas perspectiva de médio e longo prazo, e a gente acredita que através do nosso modelo de negócio, a marca da WEG que é bem conhecida nesse mercado, a gente terá oportunidades de continuar endereçando esse mercado e aproveitar a retomada que deve acontecer daqui para frente”, disse Salgueiro.

Já no negócio de fazenda solares a empresa espera uma desaceleração no número de pedidos no curto prazo, que deverá ser compensado pelas carteiras de energia eólica e linhas de transmissão. Segundo Salgueiro, praticamente todos os projetos solares licitados entre 2018 e 2019 não fecharam contrato para compra de equipamentos. A obrigação regulatória para o início de operação desses projetos ocorre entre 2023 e 2025. Uma fazenda solar pode ser construída em 1 ano.

“Tem bastante oportunidade no mercado, mas o fato é que por questões macro, câmbio, a questão do custo da energia estar mais barata por conta da crise, o pessoal não tem incentivo para antecipar esses projetos e vender no mercado livre. O pessoal está esperando um pouco mais e tende a fazer esses projetos mais próximo do prazo regulatório”, disse Salgueiro.

Competição com importados
A decisão do governo de zerar a tarifa de importação para componentes para energia solar foi vista como positiva e não deve impactar a competitividade dos equipamentos produzidos localmente pela WEG. “Do ponto de vista geral, a iniciativa é bastante positiva e tende a fomentar o negócio de energia solar com essa redução do imposto de importação dos equipamentos”, avaliou Salgueiro.

Covid-19 abre janela para Embraer, e clientes sondam antecipar entregas de jatos




Nem tudo envolvendo a covid-19 é ruim para a Embraer. A empresa, que corre contra o tempo para ajustar suas operações depois do fracasso do negócio com a Boeing, encontrou na pandemia uma janela de oportunidade.

A avaliação dos executivos da empresa, em linha com a análise de especialistas, é de que a pandemia reforçou no mercado o espaço para os aviões de menor porte, segmento em que a brasileira tem forte presença global.

De acordo com o Diretor de Engenharia de Vendas da divisão de jatos executivos da Embraer, Ricardo Carvalhal, os clientes estão até sondando a empresa para antecipar entregas.

— Nossos clientes continuam comprometidos. Alguns estão consultando a gente para receber seus aviões antes do prazo. Não tivemos cancelamentos no setor de jatos executivos, apenas algumas postergações — destacou Carvalhal.

Executivos da Embraer participaram de um painel sobre a empresa brasileira no Salão Aeronáutico de Farnborough, nesta terça-feira (21). Tradicional no setor no Reino Unido, o evento está sendo tocado de forma online por causa da covid-19.

Com a demanda por voos internacionais perto de 2% do que era antes da pandemia, fabricantes como Boeing e Airbus enfrentam uma grave crise. A Embraer, entretanto, conseguiu encontrar um espaço no mercado, segundo o chefe de marketing e estratégia da divisão comercial da empresa, Rodrigo Silva e Souza.

Na apresentação, Souza apontou que os jatos menores se mostraram mais resilientes nos Estados Unidos (EUA) durante a crise.

— Isso aconteceu também depois da crise financeira. Vemos que o segmento de aviões menores é mais usado e tem recuperação mais consistente — disse.

A recuperação do setor aéreo depois da pandemia começou a acontecer no transporte regional, sobretudo na Europa e China, com o declínio da curva de novos casos de coronavírus. Souza defendeu que a regionalização do transporte aéreo será uma tendência importante para os próximos anos.

— Um mercado doméstico mais conectado tende a emergir depois da crise. Vemos uma queda nos níveis de crescimento das empresas aéreas. Com a indústria se tornando menor, as empresas vão ter de procurar ganhar market share e se tornar mais eficientes — disse.

Souza trouxe números do E-Jets em algumas empresas durante a crise. A KLM, por exemplo, usava 80% dos seus E-Jets no fim de abril de 2020 contra 14% dos Boeing 737-NG. Em junho, o porcentual de uso do modelo da Embraer foi para 98% contra 29% do 737. Na Japan Airlines, o cenário é parecido, com uso dos E-Jets em 97% em abril e 71% dos 737-NG, indo para 100% e 81%, respectivamente, em junho.

— O impacto no E-Jet é muito menor. Esses números sugerem para nós que os aviões menores vão ser considerados chave para qualquer crise que chegar ao setor. Sabemos que estamos em um setor cíclico e em breve vamos ver outras crises. Esperamos que não tão graves — disse.

O otimismo, entretanto, não tira o sinal de alerta. A Embraer encerrou o segundo trimestre com a entrega de 17 jatos, sendo quatro comerciais e 13 executivos (9 leves e 4 grandes). A carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) ao final de junho somava US$ 15,4 bilhões. Na segunda-feira, a empresa atribuiu a menor entrega de aviões comerciais e jatos executivos no segundo trimestre à pandemia. Em igual período do ano passado, a empresa anunciou 51 jatos e backlog de US$ 16,9 bilhões.

Segundo dados da Agência Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), a crise ainda é grave. A demanda do setor (medida em receita por passageiros/km, ou RPK) caiu 91,3% em maio na comparação com igual período do ano passado. Em abril, entretanto, a queda havia sido ainda maior, de 94% na comparação anual.

Segregando apenas o mercado doméstico, a demanda recuou 79,2% em maio na comparação anual. Em abril, o declínio anual foi de 86,2%. O número reforça a sinalização de retomada do setor via mercado doméstico.

Com a demanda internacional no chão, as gigantes tiveram de se movimentar. Também no evento, o presidente da Airbus, Guillaume Faury, desenhou um cenário de dificuldade para a definição de investimentos. De um lado, segundo o executivo, há uma sinalização de necessidade de menores aportes por causa do grave impacto da covid-19 sobre a aviação comercial. Por outro lado, o segmento tem sido muito pressionado a poluir menos, algo que demanda robusto aporte em tecnologia para se atingir a meta de emissão zero de carbono até 2050.

Segundo o executivo, a Airbus não pode apenas esperar o cenário melhorar.

— Temos de tomar as decisões corretas. Para adaptar a companhia a esse novo cenário — destacou.

Ainda conforme Guillaume Faury, a empresa terá de absorver o impacto da pandemia no curto prazo para chegar novamente a um ponto de estabilidade. A missão, entretanto, não será fácil e Faury disse que o grupo pode até ter de retroceder uma década em termos de tamanho para atravessar a crise.

Em outro painel, o vice-presidente da Boeing, Mike Delaney, saiu em defesa do setor aéreo e pediu mais atenção por parte dos governos no mundo.

— Legisladores precisam entender que aviões não transmitem doenças — disse, citando ferramentas de segurança nas aeronaves que as tornam um meio de transporte seguro durante a pandemia. A fala vem na esteira de graves restrições ao tráfego aéreo em diversos países.

A programação do Salão Aeronáutico de Farnborough vai até quinta-feira (23). Uma das palestras no cronograma do evento é a do novo presidente da divisão comercial da Embraer, Arjan Meijer, que assumiu o cargo em junho. O mercado aguarda pistas sobre como será o futuro do setor comercial da aérea depois do fracasso do negócio entre a brasileira e a Boeing. O painel com o executivo está programado para esta quarta (22), às 12 horas, horário de Brasília.

Taurus Armas vence ação judicial contra youtuber que a difamou




*LRCA Defense Consulting - 23/07/2020

A empresa Taurus Armas S.A. divulgou hoje (23) um Comunicado sobre a decisão judicial que a beneficiou em uma lide contra "um conhecido youtuber", após este ter postado um vídeo "com inverdades e xingamentos" contra a empresa.

Confira o Comunicado:

São Leopoldo, 23 de Julho de 2020.

COMUNICADO

Em respeito aos nossos colaboradores, clientes e acionistas, por sermos uma empresa de capital aberto, no sentido de proteger a nossa empresa, decidimos há algum tempo buscar a justiça sempre que nossa empresa fosse atacada injustamente e com acusações sem comprovação. Apesar da lentidão, estamos aos poucos restabelecendo a verdade.

Esclarecemos que, em mais urna decisão favorável a Taurus, o juiz Mario Cunha Olinto Filho da 2a. Vara Cível do Foro Regional da Barra da Tijuca, do Rio de janeiro, nos autos do processo n.° 0134311-56.2019.8.19.0001, condenou um conhecido youtuber a pagar R$ 40.000,00 em indenização por danos morais por postar vídeo com inverdades e xingamentos contra a Taurus.

Cabe destacar que o Juiz considerou a conduta desse Youtuber como "reprovável", pois ainda segundo ele "ninguém pode atingir injustamente a honra alheia", o que reforça a atitude da Taurus de defender sua imagem e reputação contra ataques infundados e com cunho meramente difamatório e calunioso.

Por fim, foi determinado na sentença que o Réu retire o vídeo do Youtube, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1.000.00.

Reforçamos que continuamos sempre à disposição dos nossos clientes e estamos sempre prontos a atender de imediato qualquer necessidade de pós-vendas/assistência técnica nos canais de atendimento disponíveis no nosso site.

Atenciosamente,

Taurus Armas 5/A


quarta-feira, julho 22, 2020

Taurus desenvolve três novos fuzis mirando os mercados nacional e internacional

Fuzil ArmaLite AR-10 A4 em uso pelo BOPE


*LRCA Defense Consulting - 21/07/2020

O empresário indiano Abhyuday Jindal, diretor administrativo da Jindal Stainless Ltda e CEO da joint venture desta empresa com a Taurus Armas, em entrevista para o portal indiano Raksha Aniverda publicada no dia 17, citou um fuzil de assalto no calibre 7.62 mm como integrante do portfólio da Taurus, informação que era desconhecida até agora.

Ontem (21), esta Consultoria confirmou que estão em desenvolvimentos pela empresa gaúcha três novos fuzis: um na plataforma AR-10 com calibre 7.62x 51 mm NATO, um na plataforma AR-15 no calibre 7,62x39 e, por último, um fuzil (rifle) de ferrolho nas versões de ação curta e ação longa.

Segundo a fonte, as novas armas serão lançadas no mercado para consolidar a estratégia agressiva de desenvolvimento de novos produtos e mercados com o suporte de alta tecnologia, estratégia essa que a Taurus vem empregando a partir da sua nova gestão.

O fuzil ArmaLite AR-10
O fuzil ArmaLite AR-10 foi desenvolvido nos EUA na década de 1950 e sua concepção inicial é a origem dos modernos e consagrados AR-10, AR-15 e M16. Atualmente, esse modelo é produzido por diversas indústrias de armamentos, mas com outros nomes e em diversos calibres, já que a marca AR-10 pertence à atual empresa ArmaLite. A designação AR significa ArmaLite Rifle, com suas plataformas AR-10 e AR-15.

O AR 10 é um fuzil de última geração que se caracteriza por sua precisão e, por isso, é empregado por unidades especiais de várias forças policiais e militares do Brasil e do mundo.

No Brasil, o AR-10 está sendo utilizado pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) e pela Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil, além do Batalhão de Polícia de Choque, Batalhão de Ações com Cães e Grupamento Aeromóvel, todos do Rio de Janeiro, em substituição ao FN FAL e ParaFAL (ambos produzidos nacionalmente pela Imbel). Também é utilizado pelo Grupo de Radiopatrulha Aérea da Polícia Militar de Goiás, sendo empregado tanto nas aeronaves quanto nas viaturas terrestres, pelo Grupo Tático 3 da Policia Civil de Goiás e pelo BOPE-TO.

O fuzil Colt AR-15
Um fuzil na plataforma AR-15 é um fuzil semiautomático leve baseado no projeto Colt AR-15 que, por sua vez, era baseado no ArmaLite AR-10. Sua versão militar automática é o M16 e suas variantes (que incluem a Carabina M4), em uso, principalmente, pelas forças armadas americanas.

Depois que as patentes da Colt expiraram em 1977, um mercado expandido surgiu, com muitos fabricantes produzindo sua própria versão da plataforma AR-15 para venda comercial.

O AR-15 no calibre 5.56 x 45 mm NATO é o fuzil mais popular dos Estados Unidos, pois é considerada a ferramenta mais eficaz para defesa do lar e da propriedade. É utilizado também nos veículos policiais e pelas equipes da SWAT.

No Brasil, a Taurus Armas produz três versões do fuzil T4 nessa plataforma, que equipa as polícias de vários estados brasileiros e de outros países, como Omã e Senegal. Nas Filipinas, a Taurus já é praticamente a vencedora de uma grande licitação de 11,5 mil fuzis para a polícia nacional. Na Índia, por meio da joint venture com a Jindal Stainless, têm previsão de venda de até 500 mil fuzis em cinco anos.

Por que um fuzil AR-15 no calibre 7.62 x 39 mm?
O calibre 7.62 x 39 mm foi desenvolvido na antiga União Soviética para ser o padrão russo dos fuzis Kalashnikov AK-47. Atualmente, esse calibre é usado principalmente pelas forças armadas e por civis da Rússia, bem como por outros países da antiga URSS e por diversos países do mundo que ainda usam o AK-47 ou suas evoluções, incluindo a última, o modelo AK-203.

Ocorre que, em 2018, foi firmada uma joint venture entre o governo indiano, representado pelo conglomerado de empresas estatais indianas de armamentos (Ordnance Factory Board), e o governo russo, representado pela  empresa Kalashnikov Concern, para produzir na Índia um total de 750 mil fuzis AK-203 (anteriormente conhecido como AK-103M) no calibre 7.62 x 39 mm. O objetivo é tornar esta arma o fuzil padrão das forças armadas (FFAA) indianas nos próximos anos.

Finalizada burocraticamente em meados de 2019, essa JV está tendo dificuldades em sair do papel. Conforme o analista Rakesh Krishnan Simha, autor da matéria citada acima: "o acordo com a Kalashnikov atingiu um gargalo. O projeto de Rs 4.300 milhões foi parado por mais de um ano, com o parceiro russo e o OFB incapaz de apresentar um plano de preços razoável. Isso não é novidade em acordos envolvendo fabricantes russos. De fato, é um padrão que remonta ao contrato de porta-aviões Gorshkov de 2001, em que o custo rapidamente subiu de US $ 700 milhões para US $ 3,2 bilhões. Não esqueça que este é um casamento envolvendo a Rússia, que possui um sistema de cadeia de suprimentos atroz, e um monopólio do setor público indiano não conhecido por sua ética no trabalho. Se a [parte da] manhã mostrar o dia [todo], levará muito tempo até que a fábrica de Korwa produza um único Kalashnikov".

Embora a fonte desta Consultoria tenha declarado que o desenvolvimento de um fuzil nesse calibre vise aumentar o portfólio da empresa, sem declinar se há ou não clientes em vista, chamam a atenção os fatos de não ser utilizado pela OTAN e de a Índia planejar adotá-lo como calibre primordial para os futuros fuzis de assalto de suas forças armadas.

Em um cenário hipotético, do ponto de vista logístico seria bastante interessante a Taurus poder oferecer ao mercado militar, paramilitar e policial indiano um fuzil no mesmo calibre usado pelas forças armadas desse país, ainda mais com possibilidade de exportação para os demais países que também o adotam.

Fuzil Taurus T4, baseado na plataforma AR-15

O fuzil (rifle) de ferrolho
Armas com ação de ferrolho são muito populares nas atividades civis de caça e tiro ao alvo, bem como para o uso por atiradores militares de elite (sniper), pois oferecem um excelente equilíbrio entre força, robustez, confiabilidade e precisão. Via de regra, são mais leves e têm um custo menor do que as armas de fogo semiautomáticas. Outra vantagem é poderem ser desmontadas e remontadas muito mais rápido, devido ao menor número de peças móveis.

A ação de ferrolho é um tipo de ação da arma de fogo em que a abertura e o fechamento da culatra são realizados com ação sobre uma pequena alavanca, normalmente localizada no lado direito da arma. À medida que a alavanca é operada, o parafuso é desbloqueado, a culatra é aberta, a cápsula deflagrada é retirada e ejetada, o percursor fica armado, um novo cartucho (se disponível) é colocado dentro da culatra e o sistema é  fechado.

Dentro do vasto mix de calibres possíveis de serem empregados no fuzil de ferrolho, a fonte desta Consultoria afirmou que ainda não estão definidos quais serão utilizados e priorizados, podendo ser: 6,5 CREED, .308 WIN, 6mm CREED, 7mm-08 REM, .243 WIN, .22-250 REM, .30-06SPG, .270WIN, .25-06 REM, 7mm REM MAG, .300 WIN MAG e .338 LAPUA MAG. Assim, não há como determinar ainda qual seria o emprego principal do armamento, se civil ou militar.

Fuzil inglês de ferrolho L115A3.

Novos nichos e maior presença global
Independentemente de haver objetivos específicos ainda não divulgados, as novas armas irão aumentar e enriquecer o portfólio da Taurus Armas, possibilitando conquistar novos e importantes nichos de mercado e contribuir para uma maior projeção global da empresa.

Lucro líquido da Weg cresce 17% no segundo trimestre, para R$ 514,4 milhões


Sem crise: números da Weg foram melhores que os de 2019, apesar da Covid-19 (Imagem: LinkedIn/Weg)

*MoneyTimes, por Márcio Juliboni - 22/07/2020

A Weg (WEGE3) apresentou um desempenho bastante positivo, considerando-se o contexto da pandemia de coronavírus e a forte queda da atividade econômica. O lucro líquido do segundo trimestre somou R$ 514,4 milhões. A cifra é 32% maior que a do mesmo período do ano passado, e 17% superior à do primeiro trimestre.

A receita líquida também avançou. Os R$ 4,063 bilhões registrados de abril a junho foram 9,4% e 23,7% maiores que as receitas do primeiro trimestre de 2020 e do segundo trimestre de 2019, respectivamente.

O ebitda de R$ 732,2 milhões foi 36% maior que o de um ano atrás. Já a margem de ebitda avançou 1,7 ponto percentual na mesma comparação, para 18%.

Veja o release dos resultados na matéria do Money Times.

Setor de armas e munição se solidariza aos CACs em repúdio à matéria divulgada pela Rede Globo





A Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições (Aniam), em nome da indústria e do comércio de armas de fogo e munição, prestou sua solidariedade às notas de repúdio, publicadas nesta semana, em razão de matéria exibida no último domingo pelo programa “Fantástico”, da Rede Globo de Televisão, que abordou as recentes alterações realizadas na legislação do segmento.

Veja a íntegra clicando na imagem abaixo:

terça-feira, julho 21, 2020

Webinar – Os Esforços da Indústria de Defesa, Face aos Desafios Trazidos Pela Covid-19



O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), Dr. Roberto Gallo, participará do primeiro evento da série LAAD Defence Webinars, juntamente com o Gen Div Luis Antônio Duizit Brito, Diretor do Departamento de Promoção Comercial do Ministério da Defesa (DEPCOM/MD). O Moderador será Francisco Ferro, Chefe da Revista Tecnologia & Defesa.

Em pauta, a importante discussão sobre como a indústria deve lidar com o novo cenário criado pela pandemia.

A LAAD Defence & Security preparou uma série de webinars com conteúdo digital gratuito que apresenta discussões, tendências e planos para o setor de Defesa no Brasil.

Webinar #1 – Os Esforços da Indústria de Defesa, Face aos Desafios Trazidos Pela Covid-19

24/07 | sexta-feira | 14h


Inscrições em: bit.ly/defw1

Postagem em destaque