Pesquise o conteúdo deste blog

sábado, 30 de novembro de 2019

"O plano de Bolsonaro para reativar a indústria militar e exportar US$ 6 bi em armamentos por ano




*Gazeta do Povo - 28/11/2019

Oitavo maior exportador mundial de produtos de defesa nos anos 1980, o Brasil renegou a indústria militar nas últimas décadas e caiu para 60ª posição, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde). Mas o governo Jair Bolsonaro quer retomar essa vocação bélica e recolocar o país entre os 10 maiores exportadores de armas e produtos militares, num mercado que movimenta cerca de US$ 1,5 trilhão.

Para isso, algumas iniciativas já foram tomadas. A expectativa é que a indústria militar brasileira esteja entre os 10 maiores exportadores globais já dentro de alguns anos.

Veja a íntegra da matéria, incluindo a entrevista de Marcos Degaut, secretário de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa, neste link.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Taurus: joint venture na Índia poderá ser firmada mais cedo do que o previsto


*LRCA Consulting - 28/11/2019

Em longa  e proveitosa audiência realizada no dia 27 de novembro na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados, o presidente e CEO global da Taurus Armas, Salesio Nuhs, esclareceu os parlamentares sobre diversas questões relativas à empresa.

Entre as novidades trazidas, Salesio declarou que a joint venture na Índia com o Jindal Group, visando montar uma grande fábrica de armas nesse país, foi iniciativa do poderoso grupo indiano, que aqui veio propô-la. Declarou também que as tratativas se encontram adiantadas, podendo ser concluídas em "três ou quatro meses". Portanto, antes do prazo de seis meses recentemente divulgado.

Outros assuntos comentados:
1. A tecnologia da Taurus é própria.
2. É qualificada pelo governo como uma Empresa Estratégica de Defesa - EED.
3. É a maior fabricante de revólveres do mundo.
4. É a 4ª marca mais vendida nos EUA e nenhum outro produto brasileiro tem essa qualificação.
5. A empresa tem 46 patentes e 34 prêmios internacionais de qualidade e inovação.
6. Os problemas anteriores a 2017 foram todos resolvidos por meio de uma reengenharia completa.
7. A empresa se encontra em um processo de turnaround.
8. Ainda é asfixiada por questões regulatórias e tributárias que favorecem as importações e fazem com que nenhuma outra fábrica de armas queira vir para o Brasil, pois é mais conveniente e barato exportar para cá. Os impostos representam cerca de 70% do preço final do produto e, no ritmo atual, qualquer alteração ou novo produto demorará 14,6 anos para ser aprovado.
9. Que as empresas que exportam para o Brasil não geram empregos e nem divisas para o País. A Taurus gera milhões de dólares, 2.500 empregos diretos e 20.000 indiretos.
10. O estado americano da Georgia bancou 42 milhões de dólares de incentivo para gerar 300 empregos na nova fábrica que dobrará a produção nos EUA em 2020.
11. Além dos EUA, a empresa exporta grande quantidade pistolas para as Filipinas, cujo protocolo é o mais exigente do mundo.
12. A companhia investiu 125 milhões de dólares para reestruturação nos últimos anos.
13. Todo o atual processo de fabricação é integrado, robusto e tem foco absoluto na qualidade.
14. 90% dos vídeos sobre problemas em armas eram fakes e todos são sobre armas anteriores a 2017. A empresa não foi condenada em nenhum caso, mas como a justiça é demorada, os processos se arrastam.
15. Há uma grande campanha para quebrar a Taurus, patrocinada pela concorrência, pois isso criaria um novo mercado de mais de um milhão de armas nos EUA.
16. A Taurus só pretende ter isonomia tributária e regulatória com as empresas que exportam para o Brasil, não temendo a concorrência, com a qual compete com sucesso em mais de 100 países, principalmente nos EUA.
17. Embora fosse mais fácil e econômico fechar a fábrica brasileira, mudar-se para os EUA e de lá exportar para cá, a Taurus tem orgulho de ser uma empresa nacional e aqui ficará.

Saiba mais:
- Possibilidades da Taurus na Índia podem ir muito além da licitação de fuzis

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

SENASP suspende a megalicitação de 160.000 pistolas que iria a pregão amanhã



*LRCA Consulting - 27/11/2019 - 17h35

A Secretaria Nacional de Segurança Pública suspendeu hoje a megalicitação de 160.000 pistolas no calibre 9mm que iria a pregão amanhã (Pregão Nº 6/2019 | UASG 200331).

O motivo seria o órgão necessitar de mais tempo para analisar o grande número de pedidos de impugnação que recebeu.

Até este momento, a SENASP não informou sobre os próximos passos do processo licitatório.

Impugnação de Edital de Licitação
Conforme o portal Licitacao.net, a impugnação de um edital de licitação só ocorre quando o Princípio da Igualdade é contrariado por meio de exigências de marca, domicilio do licitante e demais exigências que só visam afastar a competitividade do certame de Licitação. O edital que não cumprir com a Legislação pertinente a sua modalidade, estará viciado e apto a receber um pedido de impugnação com o único propósito de ser corrigido.

O ato de impugnar um Edital de Licitação deverá ser motivado por escrito e direcionado ao Presidente da Comissão de Licitação ou, no caso de Pregão, ao Pregoeiro.

Saiba mais:

Possibilidades da Taurus na Índia podem ir muito além da licitação de fuzis



*LRCA Consulting - 27/11/2019

Um segredo muito bem guardado
Após nove meses de expectativas e de um segredo muito bem guardado, a Taurus Armas, em Fato Relevante divulgado ao mercado no dia 25, revelou o parceiro com quem está negociando uma joint venture na Índia, objetivando a fabricação e a comercialização de armas em território indiano, de acordo com o programa denominado "Make in India", que visa desenvolver a indústria local, gerando empregos, divisas e tecnologia para esse país.

Tal parceiro é nada menos do que um dos maiores grupos industriais indianos, o Jindal Group, maior fabricante de aço da Índia e um dos dez maiores do mundo, detentor de um faturamento superior a US$ 24 bilhões e com 200 mil funcionários no mundo, sendo 45 mil deles somente na divisão de aço.

No mesmo Fato Relevante, a Taurus informou que foi assinado um adendo ao Memorando de Entendimentos (MoU) firmado em fevereiro e prorrogado em agosto, dilatando seu prazo de validade por mais seis meses, a fim de permitir as finalizações do estudo de viabilidade e da constituição de uma joint venture na Índia.

Possibilidades para a Taurus podem ir muito além da licitação dos fuzis CQB
No Memorando de Entendimentos, assinado em fevereiro e prorrogado por duas vezes, foi estabelecido que durante sua vigência, a empresa local participará das licitações com os produtos Taurus para as Forças Armadas e Policiais da Índia, o que continua plenamente em vigor.

Em consequência, agora que a parceria foi tornada pública, o Jindal Group, além da licitação para aquisição dos 360.000 fuzis CQB, está apto a participar de todo e qualquer processo licitatório realizado pelo governo indiano, oferecendo as pistolas, revólveres, carabinas, fuzis e submetralhadoras que a empresa gaúcha fabrica.

É relevante notar que as negociações que resultaram na parceria entre a Taurus Armas e o Jindal Group já se estendem por mais de nove meses. Nesse período, executivos do grupo indiano vieram à sede da companhia, em São Leopoldo-RS, para conhecer e analisar minuciosamente a fabricante gaúcha. Por outro lado, executivos da Taurus foram à Índia conhecer o Jindal Group.

Assim, na visão de uma análise prospectiva, a aproximação entre as duas empresas pode gerar mais frutos do que somente a participação na licitação dos fuzis CQB e, independente do resultado deste processo, evoluir para uma joint venture que resulte no estabelecimento de uma grande fábrica de armas na Índia, aproveitando a recente abertura do mercado de defesa desse país a iniciativas abrigadas no programa "Make in India".

Seja participando de licitações governamentais por meio do Jindal Group, seja por meio da montagem de uma grande fábrica na Índia em joint venture com esse grupo, o fato importante a ser considerado é que a empresa gaúcha conquistou um poderoso ponta de lança que poderá abrir o imenso mercado indiano aos produtos da Taurus.

Méritos para o presidente Salesio Nuhs e para sua competente equipe de executivos, responsáveis por esta conquista e também pelo impressionante turnaround que vem sendo imprimido à empresa desde 2017.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Parceiro da Taurus Armas é o maior fabricante de aço da Índia e um dos dez maiores do mundo

http://www.jindal.com/

*LRCA Consulting - 25/11/2019

Em Fato Relevante divulgado hoje ao mercado, a Taurus Armas publicou que "foi assinado um adendo ao Memorando de Entendimentos (MoU) prorrogando seu prazo de validade por mais seis (06) meses, a fim de permitir as finalizações do estudo de viabilidade e da constituição de uma joint venture na Índia".

Segundo a Taurus, "Esta extensão representa um importante avanço nas negociações já que ambas empresas concordaram com a divulgação das partes envolvidas neste acordo".

A empresa também revelou uma informação que era secreta até hoje: "a parceira indiana da companhia é a Jindal Group, maior fabricante de aço da índia e uma das dez maiores do mundo, com faturamento superior a US$ 24 bilhões, EBITDA (sigla em inglês para receita antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) de U$ 5 bilhões e com 200 mil funcionários no mundo, sendo 45 mil profissionais somente na divisão de aço. A Jindal Group atua em diversos segmentos, tais como: energia, aço, minério, óleo, gás e infraestrutura. Fundada em 1952, é considerado um dos maiores grupos industriais indiano".

Por fim, a Taurus afirma que "A continuidade nas negociações para celebração desse Acordo é mais um passo importante na estratégia global da Taurus no processo de reestruturação baseado em rentabilidade sustentável, qualidade e melhora dos indicadores financeiros e operacionais, além do forte investimento no desenvolvimento de novos produtos e tecnologias".

Fuzis CQB e pistolas são os objetivos maiores

1. Fuzis CQB
O governo da Índia está realizando uma grande e milionária licitação internacional para adquirir cerca de 360 mil fuzis CQB (close-quarter-battle) para equipar suas forças policiais e militares. Estas armas nada mais são do que fuzis de assalto menores e com um cano mais curto, comparativamente mais leves e fáceis de manusear do que o fuzil de assalto, sendo adequados para operações policiais ou militares que requeiram combates à curta distância.

O fuzil Taurus T4, em suas três versões, é a grande aposta da empresa para essa licitação.

Adotado, desde o segundo semestre de 2017, como arma padrão pela Polícia Real de Omã, que importou 10 mil unidades, o Fuzil T4 produzido pela Taurus Armas S.A. em São Leopoldo-RS é um dos atuais carros-chefes da empresa para os mercados policial e militar do Brasil e do exterior.

No Brasil, o T4 é utilizado com sucesso pelas polícias militares e civis de diversos Estados. Recentemente, venceu uma licitação internacional para equipar a Polícia Civil do Estado de São Paulo.

É baseado na consagrada plataforma M4/M16, amplamente empregada pelas forças militares em todo o mundo e, principalmente, pelos países membros da OTAN, por ser considerada uma arma extremamente confiável, leve, de fácil emprego e manutenção.

Além disso, tem alta performance, confiabilidade, segurança e é fabricado com materiais de última geração, sendo adaptado para permitir o uso de uma vasta gama de acessórios.

2. Pistolas
A pistola padrão das forças armadas, paramilitares e policiais indianas é a Pistol Auto 9mm 1A, uma antiga e obsoleta pistola semiautomática de ação simples, cópia licenciada da pistola Inglis 9mm (Browning Hi-Power), fabricada sob licença na Índia pela empresa estatal Rifle Factory Ishapore desde 1981. A Hi-Power foi descontinuada em 2017 pela Browning Arms, mas permanece em produção sob licença e ainda é utilizada como pistola padrão pelas forças armadas e policiais de diversos países.

Em virtude dessa obsolescência, a joint venture entre a Taurus Armas S.A. e o Jindal Group pode ter como objetivo também fabricar a nova pistola padrão militar, paramilitar e policial. Para estas áreas, a Taurus disponibiliza pistolas de última geração, como a TH9, TS9 e PT57SC.

A Taurus Striker TS9, no calibre 9mm, foi adotada pela Polícia Nacional da Filipinas - uma das mais exigentes do mundo - como resultado de uma licitação internacional no final de 2018. A aquisição de um grande lote inicial de 10 mil pistolas Striker TS9 foi realizada após as armas passarem por um dos mais rigorosos processos de avaliação, incluindo teste de resistência de 20.000 disparos, onde as amostras foram aprovadas sem nenhum incidente, atendendo plenamente os requisitos da Norma NATO AC-225.

Legislação nova e cultura estatal antiga tornam mais demorada a decisão
A fabricação de armas e munições na Índia é regulada por um sistema de licenciamento estabelecido pela Lei de Indústrias (Desenvolvimento e Regulamentação) de 1951 e pela Lei de Armas de 1959 / Regras de Armas de 2016, sob domínio completo do Governo. Até 2001, a fabricação de armas de pequeno porte para as forças armadas, paramilitares e policiais estava restrita à produção de empresas pertencentes ao Departamento de Defesa. Em 2001, o governo permitiu a participação de 100% do setor privado indiano na fabricação de armas, sujeita a licenciamento, mas foi só a partir de 2015, através do Arms Act Amendment Bill, que o setor privado começou efetivamente a poder participar da indústria de defesa indiana.

Um mercado que impressiona pelo tamanho
O segundo país mais populoso do mundo (1,37 bilhão de pessoas) é considerado também uma das maiores potências militares do planeta, atrás apenas dos EUA, Rússia e China. Com mais de 1,3 milhão de homens e mulheres a serviço da nação, a Índia possui a quarta maior força militar do mundo em termos de efetivo, segundo levantamento da Global Firepower. Seu orçamento de defesa para 2018 foi de 45 bilhões de dólares, embora haja fontes que situem os gastos militares do país nesse ano entre 62 e 65,5 bilhões de dólares.

Na área de Segurança Pública, a Índia possui 1,4 milhão de policiais e cerca de 7 milhões de agentes de segurança particulares, sendo um dos países do mundo em que o efetivo de agentes de segurança pertencentes às empresas particulares do setor supera em muito o efetivo policial. Seja como for, o número de agentes e policiais armados impressiona.

Um joint venture bilionária
Caso vença a licitação internacional, o objetivo final da joint venture com o poderoso Jindal Group, dentro do conceito “Make in India”, é montar uma grande fábrica nesse país e passar a fornecer fuzis e pistolas para abastecer o seu imenso mercado militar, paramilitar, policial e de segurança privada.

Com foco no mercado local e também no internacional, a joint venture poderá estabelecer uma nova e poderosa empresa de armamentos, o que irá representar uma era auspiciosa para a empresa gaúcha que, desde 2017, realiza uma completa reengenharia em seus processos e, num verdadeiro turnaround, oferece agora somente produtos de alta qualidade e com inovações tecnológicas, voltando a ser lucrativa e a ter excelentes perspectivas.

domingo, 24 de novembro de 2019

Taurus e CBC criam portal integrado de comércio e anunciam semana de descontos



*LRCA Consulting - 24/11/2019 (atualizada em 25/11)

No dia 22 de novembro, em uma iniciativa conjunta, a Taurus Armas e a CBC anunciaram a criação do portal www.armasmunicoes.com.br, novo marketplace para comercializar os produtos de ambas as empresas para o consumidor autorizado legalmente a adquirir diretamente dos fabricantes.

No novo portal está detalhado, de forma preemptiva, o portfólio completo de armas e munições, bem como as diversas especificações e preços.

As antigas senhas dos cadastros individuais, tanto na Taurus como na CBC, não são mais válidas. Para poder acessar o antigo cadastro, o cliente deverá clicar em "Login", digitar seu CPF e clicar em "Esqueceu a senha?", pois assim receberá por e-mail as instruções para reativar o cadastro, que agora está mais abrangente, facilitando a experiência de compra e a interação com as empresas. No entanto, é possível também fazer um novo cadastro, sem prejuízo do relacionamento anterior.

No novo portal é recomendável incluir os dados do acervo pessoal de armas e, também, documentos digitalizados de CRAFs e autorizações do Exército, reunindo tudo em uma única plataforma, mais segura e mais prática.

Dentro do espírito do momento atual, as duas empresas estão promovendo uma semana chamada de "Black Week", a ocorrer de 25/11 a 01/12, quando as armas e munições poderão ser adquiridas com descontos especiais por militares, policiais, CACs e outras pessoas físicas integrantes de categorias que estejam autorizadas a adquirir esses produtos diretamente dos fabricantes.

Como exemplo da "Black Week", uma pistola G2C 9mm que custava R$ 2.935,00 no dia 24, hoje (25) está sendo comercializada por R$ 2.641,61. Para ver este desconto, basta ir seguindo os passos e preenchendo os campos necessários; o desconto aparecerá no final, antes de ser concretizada a compra e realizado o pagamento.

As companhias esclarecem que o acesso ao portal com a finalidade de aquisição de armas de fogo e munições é restrito somente às pessoas físicas autorizadas a fazê-lo sob amparo da legislação atual.

'Queremos ser protagonistas da indústria 4.0 no Brasil', diz presidente da WEG



Ab Noticia News - Estadão Conteúdo - 24/11/2019

Uma das poucas empresas brasileiras do setor industrial voltadas à exportação - no ano passado, 57% da receita de quase R$ 12 bilhões da empresa vieram de fora do País -, a catarinense Weg investe pesadamente em pesquisa em desenvolvimento (foram mais de R$ 300 milhões em 2018). Segundo o presidente da companhia, Harry Schmelzer Jr., que está no cargo desde 2008, a companhia transformou seu negócio nos últimos três anos. Esse movimento agora vai culminar em uma novidade importante: sua primeira oferta exclusivamente de software.

Depois de comprar duas companhias de tecnologia - uma voltada a softwares de gestão industrial e outras de internet das coisas -, a Weg se prepara para aplicar gestão de dados e inteligência artificial à medição da performance de motores e também à administração de indústrias. "Vamos vender só software. A empresa poderá pagar por mês ou por ano, como serviço. E os módulos de manutenção da Weg poderão ser acoplados a outros sistemas do mesmo tipo", diz Schmelzer Jr.

Leia a reportagem completa aqui.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Pistolas da Taurus Armas são destaques nos Estados Unidos

https://www.ammoland.com/2019/11/taurus-tx22-named-guns-ammo-handgun-of-the-year/#axzz65wqkOgNA


*LRCA Consulting - 22/11/2019

Após ter conquistado mais de 30 prêmios internacionais em reconhecimento pelo seu elevado padrão de qualidade e inovação, como o "American Hunter Handgun of the Year 2019", considerado uma das premiações mais importantes da indústria de armas dos Estados Unidos, a Taurus Armas volta a ver seus produtos em destaque no mercado americano.

Em edição online de 16 de novembro, a revista "The National Interest" publicou que a pistola Taurus TX-22 foi escolhida como uma da quatro melhores armas dos Estados Unidos em 2019. As quatro armas serão destaque na National Shooting Sports Federation’s annual Shooting, Hunting, Outdoor Trade Show - SHOT Show, evento número um da indústria de armas de fogo na América. Realizada todo mês de janeiro em Las Vegas, Nevada, a SHOT é um local onde a indústria de armas exibe suas novidades e projetos mais inovadores.  

Em 19 de novembro, a Taurus TX-22 foi escolhida pela conceitua revista Guns&Ammo como "Guns & Ammo 2019 Handgun of the Year". Já a edição de dezembro dessa revista traz na capa a Taurus G3, escolhida pela publicação como "Full Size Best Buy".

Nas Filipinas, a Taurus TS9 Striker é anunciada na mídia como "Tested by Philippine National Police with zero malfunctions". A publicação ainda cita que a arma foi submetida a diversos testes durante 20 mil disparos. A TS9 é uma arma especialmente desenvolvida para os mercados policial e militar.

https://www.gunsandammo.com/content/current-issue/172617Reengenharia: produção de armas com foco no tripé Inovação, Tecnologia e Qualidade
A robusta reengenharia promovida na filosofia empresarial e nos processos tecnológicos, operacionais e administrativos, implementada desde 2016 pelos novos controladores, sob a orientação da Galeazzi & Associados (a partir do final de 2017), transformaram radicalmente a “velha” Taurus.

A empresa atuou de forma decisiva na redução de custos e desperdícios, realizando análises dos giros de estoques de matérias primas e maior frequência de inspeção para redução de perdas, bem como constantes auditorias e identificação de oportunidades com fornecedores e outros parceiros.

O moderno mix de armas, especialmente as desenvolvidas a partir de 2017, tem foco no tripé Inovação, Tecnologia e Qualidade. Neste último quesito, a empresa estabeleceu padrões superiores às normas técnicas exigidas pelo mercado internacional.

Em termos operacionais, as diversas mudanças focaram em oferecer produtos de qualidade, com tecnologia incorporada, competitivos no mercado mundial e que proporcionem maior rentabilidade para a operação.

Foram adotados e desenvolvidos processos operacionais eficientes e robustos, proporcionando estabilidade na produção. Hoje, não há interferência de colaboradores no ajuste de peças na montagem das armas, de modo que o processo de produção garante a máxima qualidade.

Em 2018, a companhia desenvolveu mais de 74 novos produtos e promoveu mais de 100 demonstrações em feiras e eventos.

Enfim, o turnaround (volta por cima) implementado na empresa fez com que os problemas que aconteciam até 2016 já pertençam ao passado, pois hoje o padrão de qualidade da Taurus Armas é reconhecido em níveis internacionais, especialmente nos Estados Unidos, o maior e mais exigente mercado de armas leves do mundo.





quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Mirando o mercado internacional, Taurus participa de feiras de defesa e segurança na França e na Tailândia


*LRCA Consulting - 21/11/2019

Defense & Security 2019
Uma das metas da nova administração da Taurus, dentro do turnaroud que imprime na empresa desde 2017, é a busca incessante pela abertura de novos mercados internacionais para seus produtos, aumentando assim o mix de países para os quais exporta e procurando depender menos do mercado americano, hoje responsável por mais de 80% de suas exportações.

Desde então, a empresa vem fazendo um grande esforço para participar de feiras internacionais nas áreas de defesa e segurança, já tendo obtido excelentes resultados.

Em novembro de 2017, a Taurus esteve presente na feira Defense & Security 2017, que ocorreu em Bangkok, na Tailândia. Nessa feira, uma das maiores do segmento de defesa da Ásia, compareceram delegações de países como Singapura, Tailândia, Laos, Indonésia, Índia, Bangladesh e Filipinas.

Em outubro de 2018, novamente em Bangkok, a Taurus participou da Polsec Government Security, primeira edição desse evento voltada às forças policiais.

Em consequência,  como resultado de uma licitação internacional, a Polícia Nacional da Filipinas - uma das mais exigentes do mundo - realizou uma exitosa aquisição de um grande lote inicial de 10 mil pistolas Striker TS9.

Em 2019, a Taurus prossegue em seu esforço de captar novos clientes internacionais, participando de feiras e exposições no Brasil e no mundo.

MILIPOL 2019
Nesta semana, a empresa está presente em duas grandes feiras internacionais.

Na França, juntamente com a CBC, participa da MILIPOL 2019, dedicada à segurança interna e proteção! O evento ocorre entre 19 a 22 de Novembro, no Centro de Exposições Paris-Nord Villepinte em Paris.

Na Tailândia, a companhia gaúcha está presente na Defense & Security 2019, dedicada à gestão de desastres, segurança cibernética, antiterrorismo e produção de defesa. A feira acontece entre 18 a 21 de Novembro, no Centro de Exibição Impact em Bangkok.

Nos dois eventos, a Taurus apresenta os mais recentes lançamentos da marca, que incluem os fuzis T4 calibre 5.56, a pistola G3, recém lançada nos Estados Unidos, e a pistola Striker modelo TS9 em calibre 9 mm, especialmente desenvolvida para o emprego policial e militar.

Aos 80 Anos, Taurus encerra os 9 primeiros meses de 2019 com excelentes resultados / Defesanet

http://www.defesanet.com.br/bid/noticia/34882/TAURUS---Completa-80-Anos--/



Defesanet - 18/11/2019

A divulgação dos resultados do terceiro trimestre de 2019 da Taurus coincide com uma data muito especial: o aniversário de 80 anos da companhia, fundada em novembro de 1939. A capacidade de se transformar, se adaptar e se modernizar é essencial para uma empresa alcançar tal longevidade.

A Taurus chega a seus 80 anos renovada, com o planejamento estratégico definido pela nova administração seguindo seu curso e mostrando resultados efetivos. As medidas adotadas, tanto na gestão quanto nos processos operacionais, se traduzem em resultados sólidos, confirmados pelo aumento das vendas e melhora dos indicadores operacionais e financeiros.

Os resultados dos nove primeiros meses de 2019 mostram evolução positiva em relação ao registrado no mesmo período de 2018, ano que já havia apresentado desempenho superior ao exercício anterior. Em nove meses, de janeiro a setembro desse ano, com receita líquida acumulada de R$ 727,4 milhões, alta de 16,7%, e Ebitda recorde de R$ 114,8 milhões, 18,2% superior ao mesmo período do ano anterior, a Taurus realizou 86% da receita e praticamente igualou (99%) o Ebitda ajustado dos 12 meses do exercício anterior.

A margem bruta se manteve acima dos 35%, sendo o maior número entre as companhias de armas com capital aberto e que já divulgaram os resultados do 3T19. A empresa acumulou lucro líquido de R$ 21,3 milhões nos nove primeiros meses de 2019, revertendo o resultado líquido negativo do mesmo período do ano anterior de R$ 44,6 milhões -- o que mostra que o objetivo de melhorar os indicadores operacionais e financeiros vem, portanto, sendo alcançado.

No mercado nacional, a Taurus apresentou um aumento do volume de vendas acima de 15% e receita de armas acima de 16%. A produção de armas também cresceu mais de 12% em relação aos 9 primeiros meses de 2018.

A companhia também reduziu o seu endividamento. Em 30 de setembro de 2019, a Taurus registrava, considerando a posição de caixa e aplicações financeiras na data, dívida líquida de R$ 868,1 milhões. Comparado à posição no encerramento do exercício de 2018, houve redução de R$ 11,2 milhões no período. Sendo que a dívida de curto prazo é de R$ 256,1 milhões, mas R$ 127,7 milhões (quase 50%), apesar de estar no curto prazo, podem ser renovadas automaticamente, pois se trata de saques cambiais e desconto de recebíveis. Além disso, a companhia tem um hedge natural com 82,2% da dívida e 83% da receita em dólar.

Já nos EUA, a receita de armas apresentou um aumento acima dos 21% nos primeiros nove meses de 2019 em comparação ao mesmo período de 2018, devido aos maiores volumes e a apreciação do dólar médio em relação ao real de quase 8%.

O NICS (índice de intenções de compra de armas no mercado norte-americano) nos primeiros nove meses de 2019 ficou praticamente estável, com aumento de 0,2%, enquanto o volume de vendas nos EUA aumentou acima dos 17%, o que demonstra o ganho de market share que a Taurus vem consolidando nesse mercado altamente competitivo.

A empresa segue com a reestruturação operacional da unidade nos EUA, à exemplo do que foi feito na operação brasileira. Com apoio da consultoria da Galeazzi & Associados, está adotando novos processos administrativos e operacionais na subsidiária norte-americana. Em dezembro, acontecerá o evento de inauguração da fábrica na Georgia, com 23.000 m² de área construída, onde a nova infraestrutura proporcionará maior eficiência industrial e, portanto, redução de custo operacional.

A primeira linha de produção nas novas instalações teve início em agosto deste ano e até dezembro 100% da operação nos EUA já estará na nova fábrica. Essa mudança na estrutura física, acompanhada da reestruturação administrativa e operacional em curso, dará oportunidades para a empresa ampliar sua posição nos EUA, maior mercado consumidor mundial de armas, no qual a Taurus é hoje a quarta marca mais vendida.

Outro importante destaque no ano, e parte do planejamento estratégico da Taurus em vigor, é a renovação do portfólio, apresentando lançamentos de produtos resistentes, confiáveis, inovadores e seguros, que atendam as demandas do consumidor. O fato de 62% da receita da companhia nos nove primeiros meses de 2019 ser proveniente da venda de novos produtos indica o acerto dessa estratégia. Isso também se confirma com os reconhecimentos que os produtos vêm recebendo.

A pistola TX22, mais um projeto desenvolvido e lançado 100% pela atual administração da companhia, foi reconhecida em 5 de novembro como a melhor arma do ano por um dos mais importantes prêmios do setor, o “American Handgun of the Year 2019”, organizado pela reconhecida revista norte-americana especializada Guns&Ammo.

Outro destaque do período é a pistola Taurus G3 9mm, uma evolução do modelo G2, item mais vendido do portfólio da companhia, que incorpora um inovador sistema modular de disparo. Lançada em 30 de agosto no mercado norte-americano, as inovações incorporadas na G3 vão ao encontro das demandas do consumidor, com novidades em termos de ergonomia de empunhadura e gatilho, capacidade de tiros, entre outros. Logo após seu lançamento, a pistola já foi apontada em artigo de capa da mesma revista Guns & Ammo, como a melhor compra do ano em sua categoria.

O CEO e presidente da Taurus, Salesio Nuhs, comemora os resultados. “Chegamos ao final do terceiro trimestre de 2019 com várias conquistas. O último trimestre será festivo na Taurus, com o aniversário de 80 anos, a inauguração da nova fábrica nos EUA e o recebimento da premiação de Melhor Arma do Ano de 2019. Seguimos confiantes que estamos no caminho acertado e que novas conquistas se seguirão”, afirma.

Confira a matéria no portal Defesanet.




quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Exército normatiza aquisição de armas e munições por CACs, militares, policiais e comércio


*LRCA Consulting - 20/11/2019


Através das Portarias nº 136 e 137, de 08 de novembro, emitidas pelo Comando Logístico do Exército e publicadas no DOU de 12 de novembro, o Exército Brasileiro normatizou a aquisição de armas e munições por CACs, militares, policiais, bombeiros e comércio, em conformidade com os Decretos 9.845 e 9847, de junho deste ano.

Uma terceira portaria disporá sobre as normas relativos à aquisição por importação e a exportação de armas de fogo, acessórios e munições.

Consulte aqui as novas normas:
- Portaria nº 136: CACs, policiais, bombeiros, órgãos públicos e comércio

Cooperação brasileira pode abrir caminho para mísseis de cruzeiro sauditas



Poder Aéreo - 19/11/2019

A King Abdulaziz City for Science and Technology, da Arábia Saudita (KACST), anunciou em 19 de novembro que uma equipe saudita-brasileira desenvolveu e construiu com sucesso um motor turbojato chamado TKF-500 para aplicações militares e civis.

Não foram divulgados mais detalhes, mas o envolvimento brasileiro quase certamente veio do fabricante de turbojatos Polaris, que já produz vários desses motores.

Seu TJ1000 está sendo usado para o míssil de cruzeiro lançado da superfície (MTC-300) que está atualmente sendo desenvolvido pela Avibras para o Exército Brasileiro.

O míssil de cruzeiro com alcance de 300 km será lançado a partir de lançadores montados nos lança-foguetes ASTROS II do Exército Brasileiro, um sistema que também está em serviço com as Forças Terrestres Reais da Arábia Saudita (RSLF).

Polaris TJ1000


NR: Empresa nacional, criada por engenheiros formados pelo ITA, a Polaris anunciou, em 2013, o desenvolvimento do primeiro turbojato produzido no Brasil. De aplicação militar, foi projetado para atender a demanda de mísseis modernos, que atingem distâncias acima de 150 km.

Exército Brasileiro padroniza o emprego do Rádio TPP-1400 da Imbel

https://www.forte.jor.br/2019/11/20/exercito-brasileiro-padroniza-o-emprego-do-radio-tpp-1400/


FORTE - Forças Terrestres - 20/11/2019

A Portaria nº 313-EME, de 2 de dezembro de 2015, publicada no Boletim do Exército nº 50, de 11 de dezembro de 2015 aprovou a padronização do Rádio Transceptor Portátil Pessoal TPP-1400 produzido pela Indústria de Material Bélico do Brasil, em decorrência do Parecer da Comissão Especial encarregada dos estudos para a padronização de materiais de uso da Força Terrestre.

O TPP-1400 foi desenvolvido para atender às necessidades de pequenos grupos em operações militares, policiais, de segurança pública ou privada, ideal para as comunicações de curta distância, mesmo nos mais desafiadores ambientes urbanos. Além de possibilitar comunicação digital entre os membros da equipe, todas as transmissões são criptografadas, garantindo a segurança das informações e integridade dos usuários. Pode ser alimentado tanto pelas baterias Li-Ion inteligentes recarregáveis CB-2352i quanto por pilhas alcalinas convencionais.

Veja a íntegra aqui.

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Agência Enfoque analisa os nove primeiros meses da Taurus Armas


Destaques para o lucro bruto, lucro líquido, receita líquida e Ebidta nos 9M19


O portal financeiro Acionista.com.br publicou ontem (18) uma análise dos nove primeiros meses da empresa Taurus Armas. Com origem na Agência Enfoque, os dados lançam uma luz mais aprofundada e bastante positiva sobre o desempenho da empresa nesse período.


Receita líquida consolidada: 16,7% superior ao registrado no 9M18
Nos 9M19, a Taurus Armas apresentou crescimento da receita líquida consolidada quando comparada a igual período do ano anterior, com aumento da receita da venda de armas tanto no mercado interno quanto no mercado externo. A receita de R$ 242,3 milhões no 3T19, 26,0% superior ao 3T18, levou o acumulado nos nove primeiros meses de 2019 a somar R$ 727,4 milhões, montante 16,7% superior ao registrado no 9M18. Contribuiu para o desempenho o ganho cambial ao contabilizar em moeda nacional as vendas realizadas no exterior.

Lucro bruto: melhor resultado bruto da história da Taurus para esse período
Com aumento da receita nos três primeiros trimestres do ano em relação a iguais períodos de 2018, ao mesmo tempo em que se manteve o firme gerenciamento sobre os custos e se obteve os resultados das medidas realizadas no âmbito do processo de reestruturação realizado na Companhia, o lucro bruto totalizou R$ 256,3 milhões nos 9M19, superando em 8,5% o desempenho registrado no mesmo período do ano anterior. Assim como ocorreu no acumulado de janeiro a julho de 2019, o desempenho dos nove meses também é o melhor resultado bruto da história da Taurus para esse período, sendo gerado quase que exclusivamente pela operação armas.

Margem bruta: em linha com a expectativa da administração
A margem bruta nos nove primeiros meses do ano foi de 35,2%, desempenho que, ainda que 2,7 p.p. inferior ao registrando nos 9M18, está alinhado com a expectativa da administração de que a rentabilidade se estabilize em faixa próxima aos 35%. A redução da margem é explicada pela realização de promoções no mercado norte-americano, realizadas pela Taurus em decorrência da sazonalidade típica do período de férias nos EUA, acompanhando as promoções realizadas também por outras marcas de destaque no mercado.

Despesas com vendas: evolução de 17,6%
As despesas com vendas somaram R$ 87,5 milhões nos 9M19, com evolução foi de 17,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Parte desse aumento está relacionado às despesas variáveis que acompanham o aumento das vendas, além de maiores esforços de marketing, com ações no sentido de reforçar o reconhecimento da marca no Brasil e no exterior e outras despesas extraordinárias registradas no 3T19.

Despesas gerais e administrativas: estáveis
As despesas gerais e administrativas se mantiveram praticamente estáveis na comparação do acumulado entre janeiro e setembro de 2019 e 2018, apresentando redução de 0,2% no período. O desempenho é explicado pela redução de R$ 6,1 milhões ou 16,3% nesse grupo de despesas no 3T19, quando comparado ao 3T18.

Ebidta: recorde para a Taurus tomando por base o período de janeiro a setembro
Considerando os 9M19, o Ebidta (sigla em inglês para receita antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 114,8 milhões, com margem de 15,8%. O desempenho é superior ao registrado nos 9M18 em 18,0% em termos de valor e em 0,2 p.p. em termos de margem e, assim como ocorreu na avaliação do primeiro semestre de 2019, é recorde para a Taurus tomando por base o período de janeiro a setembro. Evidencia o avanço do desempenho da Companhia o fato que, nesses primeiros nove meses de 2019, o Ebitda já representa 99,0% daquele acumulado nos doze meses de 2018 (Ebitda ajustado de R$ 116,0 milhões). O crescimento das vendas, levando ao aumento da receita, e a maior diluição das despesas operacionais contribuíram positivamente para essa evolução positiva no período.

Lucro líquido: revertido o resultado negativo de R$ 44,6 milhões dos 9M18
Como resultado do aumento da receita, redução das despesas operacionais e das despesas financeiras, a Taurus registrou lucro líquido de R$ 21,3 milhões no acumulado de janeiro a setembro de 2019, revertendo o resultado negativo de R$ 44,6 milhões dos 9M18. Também contribuiu para o lucro líquido obtido nos 9M19, o resultado positivo de R$ 1,0 milhão gerado pela operação de capacetes que está à venda e, portanto, é classificada como ‘operação descontinuada.

O resultado do 3T19 reduziu o lucro líquido acumulado em 2019 pela Companhia em R$ 26,4 milhões, sendo esse resultado negativo do trimestre explicado pelos seguintes fatores: (i) aumento das despesas financeiras líquidas em decorrência da variação positiva da moeda norte-americana em relação ao Real de 8,2% no trimestre, uma vez que a maior parcela da dívida é cotada em dólares; (ii) menor lucratividade da operação norte-americana em função das condições do mercado local e promoções realizadas; e (iii) aumento das despesas operacionais, com o registro de despesas extraordinárias.

Dívida: redução de R$ 11,2 milhões no período
Em 30/09/2019 a Companhia registrava dívida bruta de R$ 895,5 milhões o que, considerando a posição de caixa e aplicações financeiras na data, representava dívida líquida de R$ 868,1 milhões. Comparado à posição da dívida líquida no encerramento do exercício de 2018, houve redução de R$ 11,2 milhões no período.

*Título secundário e subtítulos: LRCA Consulting

Parceria com a CBC poderá favorecer a Taurus Armas em licitação na Índia - análise prospectiva


*LRCA Consulting - 17/11/2019

Em 2018, o exército indiano realizou uma grande licitação internacional para adquirir um moderno fuzil de precisão destinado a seus atiradores de elite (snipers). No entanto, essa licitação foi adiada em virtude de nenhuma das 20 empresas concorrentes oferecer a respectiva munição.

No bojo de uma análise prospectiva, embora os termos da licitação indiana para o estabelecimento de uma fábrica de armas nesse país (especialmente fuzis 5.56mm e pistolas 9mm) dentro do programa "Make in India" não sejam de domínio público, a estreita parceria entre a Taurus Armas e sua controladora CBC – Companhia Brasileira de Cartuchos poderá se constituir em um fator de peso se uma exigência semelhante estiver presente no certame, pois a CBC poderia fornecer toda a munição necessária nesses e em outros calibres, seja através de exportação, seja montando também um fábrica na Índia.

A parceria CBC & Taurus
Em fevereiro de 2015, após a aprovação do CADE, a CBC – Companhia Brasileira de Cartuchos – passou a exercer seus direitos como controladora da Forjas Taurus (hoje Taurus Armas), resultado de um movimento que teve início em 2014 com a compra de ações da companhia e, posteriormente, com um processo de aumento de capital.

Com este fato, a Taurus começou a contar com o suporte de uma poderosa e experiente parceira, além de ter acesso direto e privilegiado à imensa rede de países e organizações que são clientes dessa empresa global. A gama abrangente de produtos da CBC é exportada para mais de 130 países, atendendo às necessidades dos mercados militar, policial e comercial.

A empresa é hoje uma das maiores fornecedoras de munição para a OTAN e forças aliadas em todo o mundo, tendo sua sede e três unidades de produção no Brasil (onde são feitos os produtos Magtech), duas fábricas na Europa - MEN na Alemanha e Sellier & Bellot na República Tcheca - e uma subsidiária em Minnesota - Magtech USA, que atua como distribuidor mestre para o mercado dos EUA. 

A CBC é considerada uma das maiores corporações de munição do mundo, com uma experiência combinada de mais de 300 anos na fabricação de calibres pequenos e médios. Juntas, as operações da companhia empregam mais de 3.500 trabalhadores qualificados e produzem mais de 1,7 bilhão de cartuchos de munição a cada ano.

No ano de 2016, foi realizada uma cisão parcial da CBC e a transferência das ações de emissão da Taurus para a TaurusPar Participações S.A. (nova denominação da CBC Participações S.A.), que é a atual controladora com 52,67% do capital social da Taurus Armas S.A.

Saiba mais sobre a licitação do governo da Índia:
- Taurus Armas: avançam as tratativas para uma joint venture bilionária na Índia
- Taurus: joint venture na Índia poderá representar um negócio bilionário

domingo, 17 de novembro de 2019

Por um futuro ainda melhor para o setor de defesa nacional



*LRCA Consulting - 17/11/2019

Em entrevista à revista Tecnologia & Defesa, o presidente e CEO da Taurus Armas S.A. comenta sobre a Base Industrial de Defesa do Brasil e as precauções que o governo deve ter para fazer com que continue gerando empregos, divisas e soberania para o País.

"A Base Industrial de Defesa do Brasil (BID) gera 60 mil empregos diretos, 240 mil empregos indiretos e é responsável por 3,7% do PIB nacional.

O futuro, no entanto, é incerto. Independente do segmento de mercado em que atuamos, as perspectivas econômicas são sem dúvida complexas. Junto a isso, as mudanças relacionadas à legislação do segmento e novas regras para o comércio de produtos do setor podem ser medidas de política pública adotadas com boas intenções, mas podem gerar efeitos indesejados, com impacto negativo que supera os benefícios pretendidos.

Decisões em políticas públicas que favoreçam importações generalizadas, sem a correspondente contrapartida de aquisições de produtos brasileiros por outros países ou que em encomendas tecnológicas não garantam transferência de tecnologias podem se constituir em ameaça para a sobrevivência  da BID, com consequências negativas para a economia e para garantia da soberania.

Não se trata de protecionismo ou monopólio. Nossas indústrias de defesa são, em geral, altamente competitivas apesar das condições muitas vezes adversas que quem produz enfrenta no Brasil.

As indústrias estrangeiras são bem vindas para produzir, gerar empregos e concorrerem pé de igualdade com as que já estão aqui estabelecidas, de forma a proporcionar maior competitividade tanto econômica quanto de qualidade.

No entanto, abrir o mercado com regras desiguais, com falta de isonomia fiscal e regulatória, é condenar o Brasil à desindustrialização e ao colonialismo tecnológico.

Permitir esses desequilíbrios significa prejudicar a indústria nacional e favorecer as indústrias estrangeiras. É política industrial de defesa ao avesso.

Certamente, essa não é a pretensão do Governo Federal. Resta a expectativa de que as autoridades saberão compreender a importância para os interesses nacionais.

Em todo o mundo, nossos produtos tomam a vida das pessoas mais segura. É por isso que buscamos a excelência e investimos nisso recursos, talentos, inteligência e coração. Frente aos desafios que se apresentam, que nossa maior motivação seja a renovação diária, para que possamos trabalhar e esperar sempre por um futuro cada vez melhor".

Base Industrial de Defesa (BID) como Alternativa para o Desenvolvimento de Municípios e Regiões fora dos Grandes Centros Urbanos




Ciclos econômicos têm início, meio e fim. São conhecidas as histórias de cidades e regiões antes prósperas que se tornaram decadentes pela superação tecnológica alinhada à acomodação e a inércia. Felizmente, são presentes os exemplos de cidades que se reinventaram e impulsionaram não apenas o próprio desenvolvimento.

Um dos maiores desafios para municípios e para os agentes econômicos é encontrar novas vocações que permitam a atração de empresas e possam incentivar o desenvolvimento, criar oportunidades de negócio, gerar empregos bem remunerados, formar e reter talentos.

É nesse contexto que se insere o mercado de Defesa & Segurança que no mundo movimenta por ano mais de 1,8 trilhão de dólares e no Brasil mais de 200 bilhões de reais gerando no país mais de 60 mil empregos diretos e 240 mil indiretos. O salário médio de R$ 4.100,00, nas empresas atuantes nesse mercado, o que contrasta com a média nacional de R$ 1.943,00.

Esses mercados demandam, literalmente, do alfinete ao foguete. Vão muito além do armamento, passando por calçados, vestuários, alimentos e tudo aquilo que é consumido pelas Forças Armadas e de Segurança Pública.

Devemos pensar no efetivo militar (pessoas) e nas suas necessidades como um todo. Isso é o que se chama Economia de Defesa e movimenta mais de 6% do PIB nacional.

O efetivo das Forças Armadas no Brasil já supera os 330 mil militares que comem, vestem, trabalham, estudam, treinam, entre outras atividades que demandam aquisições e suporte.

Nos quartéis encontraremos veículos que consomem combustíveis e lubrificantes e que demandam manutenção. As próprias estruturas físicas das organizações militares precisam ser construídas e mantidas. Tudo isso é negócio!

E percebam que nem abordei o desenvolvimento dos Projetos Estratégicos das áreas da defesa, segurança e aeroespacial e a renovação da frota das Forças Armadas e de Segurança que tem orçamento bilionário. Abordei apenas aquilo que de pronto já pode ser oferecido.

Embora exista o reconhecimento do potencial desse mercado é incipiente o conhecimento de como acessá-los, principalmente, fora dos grandes centros urbanos e eixos já estabelecidos.

Se de um lado há a busca de alternativas econômicas por parte de municípios e regiões, de outro lado existe a necessidade de desenvolvimento da Base Industrial de Defesa (BID) nacional como política de Estado, a melhoria do ambiente de negócio para a Iniciativa Privada e a absorção da mão de obra formada o que interessa às Instituições de Ensino Técnico e Superior. No meio do caminho todas essas necessidades se encontram.

Segundo fala recente do Secretário de Produtos de Defesa, Dr. Marcos Degaut, da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD), do Ministério da Defesa, das mais de mil empresas cadastradas como Empresa de Defesa no Brasil, só 1,7% trabalham com armas e munições.

Existem nos municípios fora dos grandes centros urbanos vocações e competências instaladas que são convergentes. Alguns deles já poderiam fazer negócios com as Forças Armadas e de Segurança. Mas falta a eles conhecimento sobre o que é e como funciona a BID.

Tenho trabalhado esse tema em muitos municípios e o tenho defendido junto à federações e associações industriais e empresariais. Também tenho dito que nós de "dentro da bolha " da BID temos que falar mais para fora dela. Sempre achei curioso e sintomático o fato de encontrar as mesmas pessoas, empresas e autoridades em feiras, eventos e congressos.

Mas devo reconhecer que essa ampliação tem acontecido, sobretudo, por causa dos eventos que agora acontecem em diferentes regiões como é o caso do Amazon Security & Defense Exhibition - ASDX em Belém no Estado do Pará e o SMART DEFESA que acontecerá no Centro-Oeste de Minas Gerais e percorrerá outras regiões e Estados.

Eis o nosso desafio e também está aí a oportunidade.

sábado, 16 de novembro de 2019

Pistola Taurus TX-22 é escolhida como uma das quatro melhores armas nos Estados Unidos


https://nationalinterest.org/blog/buzz/these-are-best-4-guns-2019-who-made-list-glock-sig-96536


*LRCA Consulting - 16/11/2019

A revista "The National Interest", em edição online de hoje (16), publica que a pistola Taurus TX-22 foi escolhida como uma da quatro melhores armas dos Estados Unidos em 2019.

As quatro armas serão destaque na National Shooting Sports Federation’s annual Shooting, Hunting, Outdoor Trade Show - SHOT Show, evento número um da indústria de armas de fogo na América.

Realizada todo mês de janeiro em Las Vegas, Nevada, a SHOT é um local onde a indústria de armas exibe suas novidades e projetos mais inovadores.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Flagramos o protótipo da nova submetralhadora compacta da Taurus Armas!

http://tecnodefesa.com.br/flagramos-o-prototipo-da-nova-submetralhadora-compacta-da-taurus-armas/?fbclid=IwAR0FIt2LmOZs4xWcrfmDe0h6WM2sgpZGQzCjb-87WXZ6csUSgktLZnvddz8


Tecnodefesa - 14/11/2019

A Taurus está trabalhando em uma nova submetralhadora aparentemente em calibre 9 mm, de design completamente novo, e versões do seu fuzil T-4 no calibre .300 Blackout (BLK) com acabamento em Cerakote*, apresentando novas coronhas ergonômicas e placas do guarda mão táticas com trilhos picattiny integrados, em duas diferentes configurações de canos.

Flagradas nas ações de 80 anos da empresa (quando era proibido inclusive fotografar os protótipos) as novas armas chamaram bastante a atenção, especialmente a submetralhadora, compacta e com pistol grip estilo T-4 mais uma coronha bifilar retrátil em material plástico reforçado.

A parte superior da nova submetralhadora é bem reta, com trilhos picattiny incorporando massa e alça de mira compatível.

O cano do protótipo fotografado é pequeno, evidenciando a compacidade do projeto.

Travas/seletor de tiro, o retém de carregador e a alavanca de manejo estão do lado direito da nova submetralhadora.

Não se sabe a capacidade dos carregadores já que não obtivemos fotos do protótipo municiado.

A julgar pelo tamanho e disposição da janela de ejeção, a nova sub foi construída no calibre 9 mm ou em .40, mas isso é uma especulação, já que não obtivemos qualquer informação da Taurus, que preferiu não se pronunciar sobre as fotos.

http://tecnodefesa.com.br/flagramos-o-prototipo-da-nova-submetralhadora-compacta-da-taurus-armas/?fbclid=IwAR0FIt2LmOZs4xWcrfmDe0h6WM2sgpZGQzCjb-87WXZ6csUSgktLZnvddz8

*Cerakote é um revestimento de polímero + cerâmica. Pode ser aplicado em metais, em plásticos, polímeros e madeiras. A formulação exclusiva usada para o revestimento cerâmico aprimora várias propriedades de desempenho físico, incluindo resistência à abrasão/desgaste, resistência à corrosão, resistência química, resistência ao impacto e dureza. Os revestimentos cerâmicos utilizam tecnologia de ponta para superar qualquer revestimento competitivo em ambientes exigentes e aplicações do mundo real.

Veja mais fotos dos protótipos na matéria original em Tecnodefesa.

Taurus Armas: avançam as tratativas para uma joint venture bilionária na Índia



*LRCA Consulting - 14/11/2019

Em entrevista publicada hoje pelo Valor Investe, o presidente e CEO da Taurus Armas S.A. declarou estar com viagem marcada para a próxima semana para estudar uma possível joint venture na Índia para a construção de uma fábrica da Taurus.

"Está bastante avançada essa negociação. Não está concluída, mas a via está muito pavimentada, faltam detalhes. São culturas diferentes, legislação diferente, mas estamos caminhando. É um dos maiores consumidores de todos os produtos no mundo, pelo tamanho de sua população", diz Salesio.

Saiba mais sobre o assunto:

Resultados da Taurus nos nove primeiros meses do ano são positivos
Em balanço trimestral divulgado ontem, em que pese um lucro líquido negativo de R$ 26,4 milhões no último trimestre, outros indicadores trimestrais e os resultados consolidados do ano são positivos para a empresa.

A receita operacional líquida teve alta de 26% no trimestre, passando de R$ 192,3 milhões para R$ 242,3 milhões. Na análise do acumulado do ano, a alta foi de 16,7%, chegando em R$ 727,4 milhões.

A produção de armas nas fábricas brasileira e americana subiu 16,4%, para 334 mil unidades, especialmente com avanço na produção no Brasil, que respondeu por 77% do total.

As vendas cresceram 35% para 345 mil unidades. O principal crescimento foi na exportação, que passaram de 8 mil unidades para 22 mil unidades.

No Brasil, as vendas cresceram 32% para 33 mil unidades e, nos Estados Unidos, passaram de 286 mil unidades para 291 mil unidades.

O Ebitda cresceu 18,2%, passando de R$ 97,1 milhões para R$ 114,8 milhões. A margem foi de 15,8%.

A companhia conseguiu reverter o prejuízo de R$ 44,6 milhões nos primeiros nove meses do ano passado e reportou lucro de R$ 21,3 milhões em 2019.

“Os resultados dos nove meses de 2019 mostram evolução positiva em relação ao registrado no mesmo período de 2018, ano que tinha apresentado desempenho superior ao exercício anterior”, ressaltou Salesio Nuhs, CEO da Taurus. “O objetivo de melhorar os indicadores operacionais e financeiros vem sendo alcançado”.

Perspectivas para o último trimestre do ano
Ao comentar sobre as perspectivas para o próximo trimestre, Salesio comentou que a Taurus tem um horizonte promissor para a reta final do ano, pois será nesse período que serão contabilizadas as vendas e colhidos os frutos da combinação entre a "Semana do Brasil", período de descontos promovido pelo governo federal, e a flexibilização da posse de armas assinada por Jair Bolsonaro. Segundo a empresa, foram recebidos mais de 20 mil pedidos de armas na Semana do Brasil (de 6 a 15 de setembro), em que os produtos tiveram 20% de desconto.

"As vendas vêm aumentando no Brasil com o novo governo. Toda essa exposição na mídia aumenta a procura e os consumidores voltaram a confiar nos produtos Taurus", afirma o executivo.

Em dezembro, a Taurus deve inaugurar sua fábrica nos EUA, no estado da Geórgia, que deve dobrar sua capacidade produtiva no país e chegar a 800 mil armas por ano.

Presidente Bolsonaro visitará a Índia em janeiro de 2020 - setores espacial e de defesa estão na pauta
Conforme anunciou o jornal India Blooms, em edição online de 13/11, o primeiro-ministro indiano Modi convidou o Presidente do Brasil para ser o único chefe de estado estrangeiro no Dia da República de 2020 (26 Jan). O Presidente do Brasil expressou sua prontidão e informou que uma grande delegação de empresários o acompanhará à Índia. Eles também discutiram outras áreas de cooperação, incluindo os setores espacial e de defesa.

 *Com informações de Valor Investe, India Blooms e Taurus Armas.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Exército assina o contrato do VBMT-LR com a Iveco



Tecnodefesa - 06/11/2019

No dia de hoje, 06 de outubro de 2019, as 11:00 hs, após uma longa gestação, o Exército Brasileiro (EB), assinou o contrato com a empresa IVECO Veículos de Defesa, no Salão de Honra do Estado-Maior do Exército (EME), em Brasília-DF, relativo à aquisição ao primeiro lote do programa VBMT-LR, composto por 32 viaturas, que deverão ser entregues em duas etapas, nos anos de 2020 e 2021.

As viaturas desse contrato serão produzidas na planta da IVECO na Itália, mas depois irão para a planta de Sete Lagoas-MG para receber a pintura padrão EB e integração dos sistemas de armas e comando e controle, e as negociações para a aquisição dos dois lotes restantes ainda estão em curso, mas espera-se que o contrato seja assinado em breve. Todo o gerenciamento desses contratos foi, e continuará sendo, efetuado pela Diretoria de Fabricação (DF), do EB, no Rio de Janeiro.

O EB ainda não escolheu o nome do LMV-BR, mas sabe-se que provavelmente será uma homenagem a uma tribo indígena brasileira.

Veja a íntegra aqui.

Megalicitação de pistolas: Taurus e outras empresas poderão entrar com recurso





LRCA Consulting - 13/11/2019

A Taurus Armas informou hoje que entrará com recurso na Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) contra os termos do edital que, na prática, inviabiliza sua participação no certame.

Matéria publicada na coluna "Painel" da Folha de São Paulo, no dia 10 de novembro, dá conta que o mercado de armas reagiu na última semana, depois que a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) lançou, na terça (05), um edital para a compra de quase 160 mil armas. Segundo fabricantes, o prazo oferecido, para o próximo dia 20, é curto demais para empresas entrantes se adequarem, o que pode restringir a competição. A maior queixa é o tempo exigido para a entrega de um relatório sobre a verificação de padrões internacionais de qualidade técnica das pistolas.

O documento, conhecido como AC225, tem custo de execução em torno € 450 mil e leva ao menos 45 dias para a realização do teste, além de outros 15 dias para cumprir outras etapas como tradução juramentada e registro no cartorário, segundo Antonio Vilas Boas, da fabricante croata HS Produkt no Brasil.

Marcelo Costa, representante da suíço-alemã Sig Sauer no Brasil, diz que vai enviar um pedido de reconsideração à Senasp. “É um prazo muito curto para providenciar toda a documentação de um edital tão grande, que vai levar o vencedor a ter enorme controle sobre o fornecimento de armas no país.”

Ainda conforme a Folha, a arma da Taurus está fora da nova licitação da Senasp por possuir uma trava de segurança adicional. “É de fundamental importância que as licitações realizadas no Brasil não tenham exigências descabidas para excluir a indústria nacional, o que neste caso não está existindo”, diz a empresa.

Contatado hoje por esta consultoria, Salesio Nuhs, Presidente e CEO da Taurus Armas S.A., afirmou que "Entraremos com recurso e vamos participar da licitação".

Observação: ao contrário do que publicou a Folha, o edital foi lançado no dia 04 de novembro e a abertura das propostas está prevista para o próximo dia 18.

Taurus Armas - os dois lados da moeda no balanço do 3º trimestre




Compilação: LRCA Consulting - 13/11/2019

A Taurus Armas (TASA3 e TASA4) reverteu o lucro líquido de R$ 48 milhões no terceiro trimestre de 2018 e apresentou prejuízo de R$ 26,4 milhões entre julho e setembro deste ano. O resultado líquido negativo é explicado pelo aumento das despesas financeiras líquidas devido à desvalorização de 8,2% da moeda brasileira em relação ao dólar, à menor lucratividade da operação americana e ao aumento das despesas operacionais.

Por outro lado, há vários indicadores positivos.

O resultado operacional cresceu 10%, para R$ 18,6 milhões.

A receita operacional líquida teve alta de 26% no trimestre, passando de R$ 192,3 milhões para R$ 242,3 milhões. Na análise do acumulado do ano, a alta foi de 16,7%, chegando em R$ 727,4 milhões.

A produção de armas nas fábricas brasileira e americana subiu 16,4%, para 334 mil unidades, especialmente com avanço na produção no Brasil, que respondeu por 77% do total.

As vendas cresceram 35% para 345 mil unidades. O principal crescimento foi na exportação, que passaram de 8 mil unidades para 22 mil unidades.

No Brasil, as vendas cresceram 32% para 33 mil unidades e, nos Estados Unidos, passaram de 286 mil unidades para 291 mil unidades.

O Ebitda, que mede a geração de caixa da empresa, caiu 18,2% e atingiu R$ 19,9 milhões entre julho e setembro. A margem Ebitda caiu 5 pontos percentuais e fechou em 8,2%.

Já entre janeiro e setembro, o Ebitda cresceu 18,2%, passando de R$ 97,1 milhões para R$ 114,8 milhões. A margem foi de 15,8%.

A companhia conseguiu reverter o prejuízo de R$ 44,6 milhões nos primeiros nove meses do ano passado e reportou lucro de R$ 21,3 milhões em 2019.

“Os resultados dos nove meses de 2019 mostram evolução positiva em relação ao registrado no mesmo período de 2018, ano que tinha apresentado desempenho superior ao exercício anterior”, ressaltou Salesio Nuhs, CEO da Taurus. “O objetivo de melhorar os indicadores operacionais e financeiros vem sendo alcançado”.

*Com informações de Valor Invest, Money Times e Taurus Armas

BTG Pactual adquire 5,24% das ações preferenciais da Taurus Armas S.A.


*LRCA Consulting - 13/11/2019


O BTG Pactual anunciou, em carta endereçada à empresa no dia 11, que adquiriu 2.626.998 ações PN (TASA4) da Taurus Armas S.A., representando 5,24% do total de ações preferenciais da companhia. A operação foi realizada no dia 07 de novembro e o objetivo é "a mera realização de operações financeiras", sem pretender "alterar a composição do controle, da estrutura administrativa ou atingir qualquer participação acionária em particular".

O BTG Pactual esclareceu ainda que a aquisição foi realizada pelos fundos geridos pela administradora de recursos.


terça-feira, 12 de novembro de 2019

Eleven Financial destaca o excepcional turnaround vivenciado pela Taurus Armas


*LRCA Consulting - 12/11/2019

Em minucioso e detalhado relatório produzido pela Eleven Financial e divulgado no dia 04 de novembro, os analistas Flávia Ozawa, Odilon Costa e Carlos Daltozo avaliam que a Taurus passa por uma profunda mudança operacional e financeira nos últimos anos, iniciado com a entrada da Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) como controlador, em 2015.

Desde então, a companhia conseguiu melhorar seu processo produtivo. A automatização do processo produtivo na unidade de São Leopoldo (RS), resultou maior uniformidade dos produtos e controle sobre a qualidade.

A mudança da localização da fábrica nos Estados Unidos, de Miami para Bainbridge, Geórgia, é vista pelos analista da Eleven como um catalisador para os papéis da Taurus.

A ênfase do relatório está no excepcional turnaround (volta por cima) experimentado pela empresa a partir de 2017.

Confira aqui o Relatório da Eleven Financial.

(Com informações de MoneyInvest)

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Análise: Ministério da Justiça faz megalicitação para compra de 160 mil pistolas



*Compilação e análise: LRCA Consulting - 04/11/2019

O Ministério da Justiça anunciou hoje a abertura de uma megalicitação visando adquirir 160 mil pistolas no calibre 9 milímetros. As armas serão distribuídas para as forças de segurança nos estados, além de alguns órgãos federais. A compra pode beirar a quantia de 500 milhões de reais.

A síntese da licitação da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) foi publicada no Diário Oficial da União e no portal Comprasnet desta data, onde também pode ser baixado o edital completo. As propostas poderiam a ser entregues a partir hoje e a abertura será no dia 18 de novembro.

O edital prevê cinco lotes de armas, um para cada região do país, sendo que cada arma terá de vir acompanhada de maleta e quatro carregadores, de acordo com a seguinte distribuição:
- Região Norte: 21.192;
- Região Nordeste: 37.525;
- Região Centro-Oeste 33.676;
- Região Sudeste 31.000;
- Região Sul 34.558.

Edital prevê uma espécie de isonomia competitiva entre empresas nacionais e estrangeiras
A maior licitação brasileira para a compra de pistolas procura corrigir a falta de isonomia competitiva das indústrias nacionais quanto à questão tributária que incide sobre estas e que não grava os produtos importados.

Para ilustrar o problema, esta consultoria toma o exemplo da Taurus Armas S.A., que é a empresa mais afetada pelas discrepâncias tributárias.

Sendo uma companhia global, a maior fabricante de armamento leve da América Latina e uma das maiores do mundo exporta 85% de sua produção para mais de 100 países e, assim, está absolutamente preparada para enfrentar a concorrência no Brasil e no exterior, pois compete com as maiores empresas de armas nos mercados de exportação e, por este motivo, não tem razão alguma para temer qualquer tipo de concorrência no Brasil, desde que haja isonomia tributária.

Uma simulação permite entender melhor a questão tributária. Quando um cidadão compra uma arma, 70% do valor final são impostos e 30% é o valor do produto. Numa arma que custa R$ 4200,00 no Rio de Janeiro, os impostos federais e estaduais (IPI, PIS/CONFINS e ICMS) totalizam R$ 2.940,00. Subtraindo-se do restante o frete de R$ 265,00 que a empresa paga, o valor que esta recebe é de apenas R$ 995,00, por um produto que custou R$ 4200,00 ao consumidor.

Quando a arma é importada, não sofre a maior parte dessa carga tributária, criando uma concorrência desleal e predatória com os fabricantes locais.

Hoje, as leis beneficiam unilateralmente as exportações de armas para o Brasil e este tende a ser o sistema preferencial para as empresas estrangeiras, já que não há vantagem nenhuma para virem se instalar aqui, pois seriam tão penalizadas como a Taurus o é. Além disso, as empresas que exportam para cá não geram empregos e divisas para o País.

Frente a esse fato, o edital prevê, em seu item 7.11, que "As propostas de preço apresentadas por licitantes estrangeiros ou seus respectivos representantes, somente para fins de julgamento, deverão ser acrescidas dos gravames consequentes dos mesmos tributos que oneram exclusivamente os licitantes estabelecidos no Brasil quanto à operação final de venda, conforme § 4° do artigo 42 da Lei n° 8.666, de 1993". 

O item 7.12 esclarece que "Serão considerados gravames, para efeito de comparação das propostas, conforme previsto no art. 42, § 4° da Lei 8.666/93, no que se aplicar, os percentuais correspondentes ao Imposto de Importação (I.I.), ao Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), PIS e COFINS".

Logística pós-venda: um diferencial de peso para a Taurus
A megalicitação também se preocupa com a logística pós-venda, haja vista que não adianta adquirir um produto barato se a empresa vendedora não puder oferecer suporte, manutenção e assistência técnica em todas as regiões onde as armas estarão em serviço.

Assim, o item 9.9 prevê que "A licitante deverá emitir declaração informando que disponibilizará infraestrutura de suporte e assistência técnica em âmbito nacional no momento de avaliação da proposta, sob pena de desclassificação".

Um fato sobejamente conhecido neste mercado é a falta de mentalidade de manutenção de grande parte dos consumidores normais brasileiros e, até mesmo, de algumas entidades de segurança pública, fazendo com que as armas apresentem problemas diversos por falta de manutenção preventiva periódica e/ou após o uso diário em serviço. Segundo um documento do Comando Logístico do Exército, de 2016, “Em algumas instituições de segurança existe deficiência de política/gestão de manutenção preditiva, preventiva ou corretiva” das armas.

Isso fez com que a Taurus passasse a investir pesadamente na qualificação dos armeiros das entidades de segurança pública e privada, bem como na de sua equipe de representantes capilarizada por todo o país, difundindo maciçamente a mentalidade de manutenção.

Além disso, a empresa oferece ao consumidor uma ampla e ágil rede de distribuidores, pontos de venda e assistência técnica treinada em todo o território nacional, além de uma equipe de instrutores credenciados e peças de reposição rapidamente acessíveis.

Conclusões
Os termos do edital, ao estabelecerem uma forma de isonomia competitiva entre os possíveis concorrentes nacionais e estrangeiros, com base legal na proteção cautelar prevista na Lei 8.666/93, tornam o certame mais justo, haja vista o preço unitário vir a refletir um valor real, ganhando a empresa que oferecer o menor possível.

Por outro lado, ao ser estabelecido a obrigatoriedade de as propostas oferecerem "infraestrutura de suporte e assistência técnica em âmbito nacional" - requisito absolutamente indispensável para o melhor zelo com o bem público - esta consultoria entende que a Taurus Armas, caso concorra, já entrará no certame com uma vantagem dificilmente igualada ou superada por qualquer possível concorrente internacional.