Pesquisar este portal

novembro 28, 2019

Taurus: joint venture na Índia poderá ser firmada mais cedo do que o previsto


*LRCA Consulting - 28/11/2019

Em longa  e proveitosa audiência realizada no dia 27 de novembro na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados, o presidente e CEO global da Taurus Armas, Salesio Nuhs, esclareceu os parlamentares sobre diversas questões relativas à empresa.

Entre as novidades trazidas, Salesio declarou que a joint venture na Índia com o Jindal Group, visando montar uma grande fábrica de armas nesse país, foi iniciativa do poderoso grupo indiano, que aqui veio propô-la. Declarou também que as tratativas se encontram adiantadas, podendo ser concluídas em "três ou quatro meses". Portanto, antes do prazo de seis meses recentemente divulgado.

Outros assuntos comentados:
1. A tecnologia da Taurus é própria.
2. É qualificada pelo governo como uma Empresa Estratégica de Defesa - EED.
3. É a maior fabricante de revólveres do mundo.
4. É a 4ª marca mais vendida nos EUA e nenhum outro produto brasileiro tem essa qualificação.
5. A empresa tem 46 patentes e 34 prêmios internacionais de qualidade e inovação.
6. Os problemas anteriores a 2017 foram todos resolvidos por meio de uma reengenharia completa.
7. A empresa se encontra em um processo de turnaround.
8. Ainda é asfixiada por questões regulatórias e tributárias que favorecem as importações e fazem com que nenhuma outra fábrica de armas queira vir para o Brasil, pois é mais conveniente e barato exportar para cá. Os impostos representam cerca de 70% do preço final do produto e, no ritmo atual, qualquer alteração ou novo produto demorará 14,6 anos para ser aprovado.
9. Que as empresas que exportam para o Brasil não geram empregos e nem divisas para o País. A Taurus gera milhões de dólares, 2.500 empregos diretos e 20.000 indiretos.
10. O estado americano da Georgia bancou 42 milhões de dólares de incentivo para gerar 300 empregos na nova fábrica que dobrará a produção nos EUA em 2020.
11. Além dos EUA, a empresa exporta grande quantidade pistolas para as Filipinas, cujo protocolo é o mais exigente do mundo.
12. A companhia investiu 125 milhões de dólares para reestruturação nos últimos anos.
13. Todo o atual processo de fabricação é integrado, robusto e tem foco absoluto na qualidade.
14. 90% dos vídeos sobre problemas em armas eram fakes e todos são sobre armas anteriores a 2017. A empresa não foi condenada em nenhum caso, mas como a justiça é demorada, os processos se arrastam.
15. Há uma grande campanha para quebrar a Taurus, patrocinada pela concorrência, pois isso criaria um novo mercado de mais de um milhão de armas nos EUA.
16. A Taurus só pretende ter isonomia tributária e regulatória com as empresas que exportam para o Brasil, não temendo a concorrência, com a qual compete com sucesso em mais de 100 países, principalmente nos EUA.
17. Embora fosse mais fácil e econômico fechar a fábrica brasileira, mudar-se para os EUA e de lá exportar para cá, a Taurus tem orgulho de ser uma empresa nacional e aqui ficará.

Saiba mais:
- Possibilidades da Taurus na Índia podem ir muito além da licitação de fuzis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque