Pesquisar este portal

abril 26, 2020

O coronavírus, o fim do globalismo e a ascensão da China


*Conexão Política - 26/06/2020

Há alguns anos, vários estudos feitos por sociólogos nos EUA começaram a mostrar que a última geração de adolescentes tinha valores muito mais conservadores do que seus pais e avós.

Rapidamente, começaram a surgir teorias sobre por que o grupo da Geração Z, muitas vezes chamado de “Centenials“, é mais conservador do que qualquer outra geração desde a Segunda Guerra Mundial.

Muitos focaram no fato de que a juventude é por natureza rebelde, indo contra a ordem estabelecida. Em 1968, isso significava que os estudantes protestavam contra a guerra do Vietnã e os valores familiares conservadores. Para os centenials, o estabelecimento é dominado por representantes da chamada “cultura politicamente correta”.

A maioria das definições da Geração Z as tem como pessoas nascidas entre 1996/1997 e 2010/2012. Segundo os sociólogos que estudam as características políticas das gerações, a maioria de nós tem o mesmo perfil ideológico ao longo da vida e alcançamos nossa posição ideológica baseada nos eventos mais importantes de nossos anos de formação, que são mais ou menos entre os 10 e os 18 anos de idade.

Os sociólogos apontam a crise financeira de 2007-2008 como o principal evento que impactou a percepção da política em crianças nascidas na virada do milênio.

Eles eram jovens, mas sabiam como um coletivo que algo importante havia acontecido e que isso estava tendo consequências negativas para suas famílias e nação.

Os pais perderam o emprego, as famílias foram despejadas e o sentimento de insegurança se espalhou na sociedade. Os centenials expostos à insegurança desde tenra idade os tornaram mais avessos ao risco do que as gerações anteriores.

Estudos em todo o mundo mostram que os jovens da Geração Z experimentam muito menos álcool e drogas do que as gerações anteriores. Eles também são muito mais propensos a usar sempre o cinto de segurança quando estiverem no carro. No entanto, o principal efeito de seus tipos de personalidade avessos ao risco é que eles querem ter um “dinheiro no colchão”, o que significa que desejam ter uma reserva em sua conta bancária e não apenas viver de salário em salário, mês após mês.

Coronavírus e a geração alfa


Da maneira como a crise financeira de 2007/2008 definiu os anos de formação da Geração Z, a Crise do Coronavírus definirá a psique dos mais jovens centenials (nascidos entre 2005 e 2012) e a geração nascida após 2010/2012, denominada Geração Alfa.

A maneira como essas crianças enxergam a Crise do Coronavírus será moldada pelos principais tópicos do debate público realizado por adultos sobre a questão da pandemia.

Muitos desses tópicos não são benéficos para os adeptos do globalismo.

Por exemplo, a pandemia mostrou que a maioria, se não todas as organizações internacionais e transnacionais, não são capazes de proteger os interesses das pessoas, sejam corporações multinacionais, ONGs, União Europeia ou Nações Unidas, e especialmente, a Organização Mundial da Saúde. A ação rápida e determinada dos Estados mostra que eles ainda são os atores políticos mais fortes no cenário das relações internacionais e como a entidade política mais próxima da vida de pessoas comuns.

Em segundo lugar, a pandemia mostra que Estados unitários e centralizados, como a Polônia, são capazes de agir de maneira mais rápida e coerente em tempos de crise do que Estados descentralizados e federalizados, como o Brasil e os EUA.

Nesses países, a decisão sobre quais ações precisam ser tomadas foi deixada aos governadores, não ao presidente ou primeiro-ministro, levando ao caos e indecisão.

Era especialmente visível nos EUA, onde a responsabilidade de fornecer aos hospitais ventiladores recaía sobre os governadores que tinham que competir entre si, e o governo federal, pelo produto no mercado.

Em terceiro lugar, a incapacidade dos EUA, e praticamente de todos os Estados ocidentais, de iniciar rapidamente a produção em massa de ventiladores, mas também de produtos mais simples, como máscaras faciais, aventais, óculos de proteção, luvas plásticas e desinfetantes, provou os riscos das cadeias de suprimentos globais e da desindustrialização do mercado ocidental, desde que os EUA retomaram as relações diplomáticas com a China em 1979.

Essa desindustrialização criou uma situação absurda em que os países ocidentais ficaram com medo de se manifestar contra o encobrimento chinês da gravidade do vírus e de que esses países não recebessem nenhum equipamento de proteção individual da China, inquestionavelmente o maior produtor mundial desses bens.

A “guerra pelas máscaras”, na qual os Estados-membros da UE confiscaram máscaras que estavam sendo transportadas através de seu país para outro Estado da UE que havia adquirido as máscaras, mostrou que a solidariedade da UE era uma ilusão e que um certo nível de autarquia é necessário para a segurança nacional.

Em quarto, a questão da ascensão da China receberá mais destaque. Mais e mais pessoas estão percebendo que a crise econômica do coronavírus provavelmente atingirá muito mais o Ocidente do que a China; acelerando o processo de ascensão da China à supremacia mundial, de algo que era esperado para se tornar realidade no final deste século para algo que será possível dentro de 30 a 40 anos, se não for interrompido por um esforço conjunto do Ocidente (as duas Américas, Europa e Austrália).

E finalmente, em quinto lugar, a Crise do Coronavírus mudará a maneira como a imigração em massa e o livre fluxo de pessoas são vistos pelo público.

Como a crise migratória europeia de 2015, o líder da oposição polonesa (hoje, ele é o líder da Polônia), Jaroslaw Kaczynski, alertou que os imigrantes que vêm para a Europa podem portar doenças e parasitas perigosos para os europeus.

Exemplos da Suécia mostram que Kaczynski está certo. Lá, doenças praticamente extintas, como a tuberculose, retornaram após uma grande onda de imigrantes somalis com a doença. A ideia de permitir que a imigração ilegal e descontrolada continue para a Europa, com migrantes saindo da Líbia para a Itália ou da Turquia para a Grécia se tornará praticamente impossível de defender após o coronavírus.

Decisão que terá que ser tomada

As conclusões que precisam ser tiradas dos pontos que fiz acima são simples.

Os políticos que elegemos terão que abandonar seu foco em organizações internacionais, corporações globalistas e ONGs no estilo Soros. É hora de centralizar e fortalecer os Estados em um nível muito mais alto do que hoje. A imigração em massa internacional também terá que cessar.

E ainda mais importante, as ações tomadas pelo Ocidente contra a Crise do Coronavírus precisam se concentrar em algo que é mais imprescindível do que qualquer outra coisa: o que fazer para não cair no poder e influência da China em suas políticas internacionais.

A primeira coisa que precisa acontecer é abrir novamente nossas economias. Isso precisa ser feito de maneira inteligente. Inicialmente, os trabalhadores podem ter que usar máscaras faciais N95 e outras medidas semelhantes podem ser tomadas, mas nossas economias precisam começar a trabalhar novamente.

A intervenção do Estado, mesmo que seja financiada por empréstimos tomados pelo Estado, para salvar cidadãos e suas empresas da ruína financeira, terá que se tornar a norma.

Quando voltarmos aos trilhos, o Ocidente precisará de uma catarse cultural para reavaliar o que é importante. Nossos jovens não podem mais ser criados para acreditar que tudo o que é importante na vida são celebridades, esportes, séries de TV, músicas e festas.

É hora de um novo foco na educação, reformar nossas universidades, criar tecnologias inovadoras, banir estudantes chineses das universidades ocidentais e parar de compartilhar as tecnologias ocidentais com a China. Também é hora de iniciar uma atualização em larga escala da capacidade militar do Ocidente, em particular, as marinhas e as forças aéreas.

Mais importante, apesar de respeitar a soberania nacional um do outro, o mundo ocidental terá que enfrentar o desafio colocado pela China como uma equipe unida. Por muito tempo, a UE e os EUA têm estado muito ocupados competindo entre si, enquanto a América do Sul é muitas vezes esquecida, ignorada ou sequer considerada uma parte do mundo ocidental.

Se o mundo não for dominado pela China após a Crise do Coronavírus, os 750 milhões de europeus terão seus recursos reunidos com os 580 milhões de norte-americanos, 430 milhões de sul-americanos e 30 milhões de australianos e neozelandeses para enfrentar o desafio de Pequim.

Se esse grupo de 1,8 bilhão de pessoas não entender o perigo em que estamos e a necessidade de uma ação unida após a Crise do Coronavírus, os adolescentes e as crianças da Geração Z e da Geração Alpha continuarão a poder falar em seus idiomas nacionais, mas seus netos só falarão em Mandarim.

Adam Starski | @BasedPoland

Tradução: Thaís Garcia | @thaisgarciacp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque