Postagem em destaque

Taurus vence na Justiça mais uma ação que alegava problemas em seus armamentos

* LRCA Defense Consulting - 02/07/2020 Esta semana foi proferida sentença que julgou totalmente improcedente a ação civil pública proposta e...

maio 11, 2020

Forças armadas indianas devem evitar importações, ir para 'Make In India', diz Ministro da Defesa do país



*The Times of India - 10/10/2020

As forças armadas indianas precisam se livrar de sua dependência esmagadora de sistemas caríssimos de armas estrangeiras e, em vez disso, colocar todo o seu peso para garantir que 'Make in India' não permaneça um mero slogan, disse o ministro da defesa General Bipin Rawat ao TOI em uma entrevista exclusiva no sábado. “Não somos forças expedicionárias que precisam estar presentes em todo o mundo. Temos que guardar e lutar apenas ao longo de nossas fronteiras e, é claro, dominar a região do Oceano Índico. Portanto, não devemos aceitar grandes quantidades de importações deturpando nossos requisitos operacionais”, afirmou Rawat.

“O Covid-19 afetou todo mundo. Precisamos ser realistas, começar a nos ajustar e ter uma grande releitura de nossas prioridades operacionais e do que realmente precisamos. A importação de armas, juntamente com o fornecimento de peças de reposição e manutenção, tornaram-se cada vez mais proibitivos em termos de custos”, afirmou o primeiro comandante das três forças armadas do país.

Suas observações francas significam que as forças armadas de mais de 15 lakh [1,5 milhão] têm que passar por uma grande reorientação para se afastar das armas estrangeiras que têm sido sua opção preferida por muito tempo. As observações também são significativas no contexto do congelamento temporário de novos acordos importantes para armas estrangeiras e da possibilidade de redução do orçamento da defesa devido ao enorme impacto da pandemia de Covid-19 nas finanças do país.

Atualmente, a Índia permanece na posição estrategicamente vulnerável de ser o segundo maior comprador de armas estrangeiras depois da Arábia Saudita no mundo, representando 9,2% do total das importações mundiais de armas durante o período de 2015-2019.

Nos últimos anos, a Índia assinou várias aquisições caras para equipamentos de defesa, como as de 36 caças franceses Rafale (Rs 59.000 crore) e cinco esquadrões russos de mísseis ar-ar S-400 Triumf (Rs 40.000 crore), bem como o governo procurou promover opções domésticas.

Rawat disse que não havia outra opção a não ser construir uma base industrial de defesa robusta, mesmo se os sistemas de armas nacionais fossem inicialmente produzidos com "especificações técnicas reduzidas" ou GSQRs (requisitos gerais de pessoal), além dos requisitados pelas forças armadas.

"Deveríamos impulsionar o 'Make in India', mantendo em mão a nossa indústria doméstica, mesmo que ela entregue armas com apenas 70% dos GSQRs no início. Dada a oportunidade, eles eventualmente fornecerão tecnologia de ponta", disse ele.

As forças armadas freqüentemente pressionam pelas importações porque criam "GSQRs irrealistas" para sistemas de armas que o DRDO, as fábricas de munições e a indústria doméstica simplesmente não conseguem entregar a tempo. "Devemos definir GSQRs de acordo com nossos próprios requisitos operacionais, e não olhar para o que os EUA ou outros países avançados têm", disse o general Rawat.

Se as forças armadas precisarem de alguns sistemas de armas de alta tecnologia que não possam ser fabricados de maneira autônoma, o foco deve estar em vincular parceiros estrangeiros a projetos "Make in India" com transferência concreta de tecnologia. "A Índia começou pequena com o Maruti-800, mas agora se tornou um importante centro de fabricação de automóveis", disse ele.

O exército, por exemplo, agora está importando um número limitado de fuzis de assalto avançados e metralhadoras leves dos EUA e Israel para suas tropas da linha de frente, mas a maior parte de seus requisitos será atendida por meio de projetos "Make in India".

As forças armadas, ao buscar uma integração genuína e reduzir a flacidez e a mão-de-obra não operacionais para reduzir as despesas crescentes da receita e a conta de pensão, também precisam gerenciar melhor os recursos financeiros disponíveis. “Você nunca terá os recursos que deseja. É necessária a utilização ideal do orçamento disponível”, afirmou Rawat.

Também é preciso haver uma priorização adequada dos requisitos operacionais. A Marinha, por exemplo, precisa decidir se deve pressionar por um terceiro porta-aviões nesta fase. “Qualquer coisa na superfície pode ser captada por satélites e derrubada por mísseis. Acho que a Marinha precisa de mais submarinos do que porta-aviões, que exigem suas próprias armadas individuais para proteção”, afirmou.

O impulso renovado do 'Make in India', aliás, vem depois da TOI, em dezembro passado, que nenhum dos principais projetos nacionais na área de defesa - submarinos furtivos de nova geração, caça-minas, veículos de combate de infantaria, aviões de transporte, aviões de combate e dois tipos de helicópteros utilitários leves para as forças armadas - decolaram nos últimos seis anos. Esses sete projetos há muito pendentes, no valor de mais de Rs 3,5 lakh crores, ou estão paralisados ou ainda perambulam por diferentes estágios, sem que os contratos finais para o lançamento da produção sejam impressos até agora.

Saiba mais:

-Taurus Armas e Jindal Group firmam joint venture para produzir armas na Índia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.