Postagem em destaque

Taurus vence na Justiça mais uma ação que alegava problemas em seus armamentos

* LRCA Defense Consulting - 02/07/2020 Esta semana foi proferida sentença que julgou totalmente improcedente a ação civil pública proposta e...

abril 02, 2020

No Brasil, compra de armas dispara durante o governo Bolsonaro

(The New York Times)

O presidente Jair Bolsonaro galvanizou a cultura das armas no Brasil.

 
O símbolo característico de sua campanha foi uma mão que simula a forma de uma pistola. Uma de suas primeiras manobras no cargo foi relaxar as regras de posse de armas. Seus três filhos mais velhos, que também são políticos, têm sido defensores ferozes da expansão da posse de armas por meio de projetos de lei e publicações nas redes sociais.

Com suas ações, Bolsonaro e seus filhos fizeram mais do que apenas facilitar a compra legal de armas para brasileiros. Eles alimentaram um debate político e cultural em torno de armas que era novo no Brasil, mas de muitas maneiras se assemelha ao dos Estados Unidos, onde os críticos dessas políticas acreditam que o fato de haver mais armas significa que haverá mais mortes, enquanto os defensores afirmam que armas são necessárias para a autodefesa.

"Com as leis de desarmamento, que renuncia o acesso a armas de fogo, cidadão decente que só quer para proteger ou criminal, que, por definição, não seguem as leis? Bolsonaro questionou no Twitter. "Você não pode continuar violando o direito de legitimar a autodefesa!"

No Brasil, um país de mais de 209 milhões de pessoas com uma das maiores taxas de homicídios do mundo, o direito de possuir armas não é uma garantia constitucional, como ocorre nos Estados Unidos. Durante muito tempo, o movimento pelo direito de possuir armas está do lado dos perdedores nos debates políticos.

Aproximadamente dois em cada três brasileiros são contra a posse de armas, e mesmo um segmento maior da população se opõe a fornecer uma permissão para comprar armas, de acordo com um estudo de 2019 do Datafolha, um dos principais grupos de pesquisa no Brasil.

No entanto, com o governo Bolsonaro, isso pode estar mudando a atitude em relação às armas. Desde que Bolsonaro relaxou as regras de posse de armas nas primeiras semanas de seu mandato, o número de pedidos de permissão aumentou dramaticamente .

"A longo prazo, isso pode ser desastroso", disse Natália Pollachi, coordenadora de projetos do Instituto Sou da Paz, uma organização de políticas públicas que apóia leis rígidas de propriedade de armas.

Odimir Moraes practica tiro al blanco en São Paulo, el 15 de marzo de 2020. (Victor Moriyama/The New York Times)
Durante o primeiro ano de Bolsonaro, o governo emitiu mais de 200.000 licenças para os proprietários de armas. Em 2019, a polícia federal, a instituição encarregada de emitir licenças de autodefesa, aprovou 54.300 licenças, um aumento de 98% em relação ao ano anterior. Em 2019, os militares, que concedem licenças de caçadores e colecionadores, emitiram mais de 147.800 novas licenças, um aumento de 68% .

O Instituto Sou da Paz obteve esses números por meio do acesso à lei da informação e os compartilhou com o The New York Times. O fluxo de novas armas para os lares brasileiros tornaria a violência doméstica mais mortal, os confrontos comuns se tornariam fatais e um mercado negro que já é próspero é promovido, alertou Pollachi .

Atualmente, o Congresso está avaliando um punhado de projetos de lei que relaxariam ainda mais os regulamentos. E os defensores mais destacados do movimento pelo direito de possuir armas são os três filhos mais velhos do presidente.

Em resposta a um aumento dramático da violência relacionada às drogas que ocorreu na década de 1990, em 2003, o Congresso Brasileiro aprovou uma lei de desarmamento de longo alcance que visava tornar a posse de armas excepcional através de um processo caro, burocrático e demorado para solicitar uma licença.

A lei determinava que qualquer pessoa interessada em solicitar uma permissão para possuir uma arma de autodefesa deveria convencer a polícia federal de que havia uma "necessidade razoável" de possuir uma arma, um critério vago que dava ao governo total poder de negar. Colecionadores e caçadores tiveram que solicitar uma permissão junto ao exército.

Os candidatos também tiveram que fazer pagamentos altos, demonstrar que não possuíam antecedentes criminais, fazer um teste psicológico e treinar pontaria. Depois de emitidas, as licenças autorizavam os civis a manter suas armas em casa, mas não a carregá-las para fora delas.

A lei também pagou aos proprietários de armas - com ou sem licença - para entregá-las ao estado, e quase 650.000 pessoas o fizeram no primeiro ano, segundo o governo federal.

Milton de Oliveira en su tienda de São Paulo, el 15 de marzo de 2020. (Victor Moriyama/The New York Times)
Dois anos após a aprovação da lei, uma medida de maior alcance votada em um referendo foi rejeitada, o que teria efetivamente banido todas as vendas de armas a civis.

No entanto, mesmo com os rígidos regulamentos para a posse de armas de fogo, houve uma grande circulação de armas ilícitas.

Há muito tempo, cartéis poderosos de tráfico de drogas desobedecem às regulamentações de armas através do contrabando, principalmente através da fronteira porosa com o Paraguai. Membros de gangues carregam pistolas e rifles de alta potência à vista em vários distritos do Rio de Janeiro, São Paulo e outras cidades onde as organizações criminosas geralmente têm uma influência maior sobre os cidadãos do que o estado.

No ano passado, a polícia do Rio de Janeiro apreendeu mais de 8.400 armas de fogo, incluindo 505 rifles, um número recorde.

Quando Jair Bolsonaro lançou sua campanha presidencial, o Brasil tinha mais de 63.800 homicídios, um recorde, e liderava o número de mortes por armas de fogo no mundo.

O decreto executivo de Bolsonaro, assinado duas semanas depois que ele se tornou presidente, relaxou o processo de obtenção de uma licença, facilitando o cumprimento dos requisitos para a posse de uma arma. Por exemplo, atualmente e de acordo com o decreto, o simples fato de morar em uma área rural ou em uma área urbana com uma alta taxa de criminalidade é suficiente como justificativa para solicitar a posse de uma arma.

O decreto estendeu a validade das licenças de cinco para dez anos e aumentou a quantidade de munição que pode ser comprada em uma única compra, bem como a quantidade de armas que um indivíduo pode possuir. Também permitiu a venda de armas de maior calibre.

Entre as armas que estão agora à venda está o T4 - um rifle semi-automático de estilo militar produzido pelo fabricante brasileiro de armas Taurus - uma arma que antes estava disponível apenas para as forças armadas.

Quando assinou o decreto, Bolsonaro disse que a capacidade de ter armas traria "paz às casas" dos brasileiros.

No Brasil, ainda existe um longo processo para obter permissão para comprar uma arma - incluindo uma avaliação de saúde mental e uma verificação de antecedentes criminais - que pode levar meses. No entanto, os campos de tiro e as lojas de armas começaram a se recuperar em seus negócios, mesmo antes de as novas regras entrarem em vigor.

c.2020 The New York Times Company

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.