Postagem em destaque

Taurus vence na Justiça mais uma ação que alegava problemas em seus armamentos

* LRCA Defense Consulting - 02/07/2020 Esta semana foi proferida sentença que julgou totalmente improcedente a ação civil pública proposta e...

junho 03, 2020

Ações de empresas de armamento e munição têm rali histórico de alta nos EUA




As ações dos fabricantes de armas e munições subiram novamente na terça-feira, com dados mostrando um aumento contínuo nas verificações de antecedentes de armas de fogo e relatórios de outra noite de violência nas ruas, ajudando a alimentar a demanda dos investidores.

O rali das ações ocorreu depois de mais uma noite de protestos após o assassinato de George Floyd pela polícia, violento em algumas áreas, com o presidente Donald Trump ameaçando mobilizar as forças armadas dos EUA para manter a paz.

No final de segunda-feira, a polícia federal disparou balas de gás lacrimogêneo e borracha para dispersar a multidão antes que um toque de recolher às 19h entrasse em vigor, enquanto Trump atravessava a rua para tirar uma foto na Igreja Episcopal de São João.

As ações da Sturm, Ruger & Co. Inc. (RGR) saltaram 4,4% para fechar no nível mais alto desde abril de 2016.

As ações dos fabricantes de armas e munições aumentaram 17,1% em meio a um rali de alta de três dias e subiram 51,3% este ano.

Ações da Smith & Wesson Brands Inc. (SWBI) subiram 10,1%, para o maior fechamento desde setembro de 2018. As ações do fabricante de armas de fogo subiram 42,2% nas últimas 4 sessões e aumentaram 61,5% no acumulado do ano.

Fabricante de munições e produtos para uso externo, a empresa VistaTO Inc. (VSTO) subiu 7,5%, para o maior nível desde janeiro de 2019. As ações subiram 53,6% em meio a uma série de ralis de 8 dias, a maior série desde a série de 8 dias terminada em 31 de maio de 2018. Ela subiu 53,2% no acumulado do ano, colocando-se no caminho para o primeiro ganho do ano civil desde a abertura do capital em janeiro de 2015.

O analista Eric Wold da B. Riley FBR reiterou sua classificação de compra na Vista e aumentou sua meta de preço das ações em 30%, para US $ 13, citando maior confiança nas tendências recentes da demanda

"Dada a combinação deste ano de eleições presidenciais com o ambiente de 'ficar em casa', criando mais novos proprietários de armas e promovendo a participação no exterior, esperamos uma força de demanda contínua nos próximos meses / trimestres", escreveu Wold em nota para clientes.

Analistas dizem que o ambiente regulatório está entre os maiores impulsionadores da demanda por armas, já que o medo de regulamentações mais rígidas muitas vezes aumentou as vendas e os preços das armas no passado. A demanda por armas de fogo e os preços das ações caíram acentuadamente durante a presidência de Trump, pois os temores de regulamentações mais rígidas haviam desaparecido.

Mas em meio às preocupações com o impacto de uma pandemia prolongada de COVID-19 e à medida que a eleição presidencial de 2020 se aproxima, a demanda por armas aumentou. As ações da Sturm, Ruger e Smith & Wesson estão atualmente buscando os melhores ganhos no ano civil desde 2015, enquanto o Dow Jones Industrial Average DJIA, + 1,49% caiu 9,8% este ano e o índice S&P 500 SPX, + 1,03% perdeu 4,6%.

Os dados mais recentes do Sistema Federal de Verificação de Antecedentes Penais (National Security Criminal Background Check System - NICS) do Federal Bureau of Investigation (FBI) mostraram que as checagens subiram para 3.091.455 em maio, acima dos 2.349.309 do ano anterior. Isso eleva o total de 5 meses até agora em 2020 para 15.250.460, em comparação com 11.547.389 em relação ao mesmo período do ano anterior.

As verificações mensais de antecedentes já ultrapassaram três milhões este ano, em maio, e as 3.740.688 registradas em março. Desde que o FBI começou a fornecer os dados em 1998, o único outro mês em que as checagens superaram os 3 milhões foi dezembro de 2015, quando chegou a 3.314.594. Foi nesse mês que ocorreu o tiroteio em massa em San Bernardino, Califórnia, que matou 14 pessoas e feriu 17 outras.
--x--

A situação no Brasil, por LRCA Defense Consulting
No Brasil, a única empresa do Setor de Armamento e Munição com ações em bolsa de valores é a Taurus Armas S.A. (TASA4).

A flexibilização na posse de armas e munições, possibilitada pelo atual governo brasileiro desde o início do ano passado, fez com a empresa aumentasse significativamente suas vendas para o mercado interno, com um acréscimo de 29,4% em relação a 2018, tendência que vem se mantendo e aumentando em 2020.

No entanto, cerca de 85% da produção brasileira é dirigida ao mercado externo, especialmente aos Estados Unidos, onde a companhia também acabou de inaugurar uma nova fábrica e duplicou a capacidade de produção.

Em 2019, a Taurus teve um aumento de 59,1% nas vendas ao exterior ante o exercício de 2018.

Em 2020, três fatores estão fazendo com que a venda de armas nos EUA apresentem quebras mensais de recordes: ano eleitoral, pandemia e distúrbios civis.

Como as armas Taurus são lá consideradas como "de entrada", por possuírem alta qualidade e preço mais acessível, a procura por elas se encontra igualmente aquecida, com alguns modelos, como as pistolas G2C e G3, enfrentando longas filas de espera.

Apesar disso, esse aquecimento de demanda ainda não se refletiu no valor de suas ações, tal como se refletiram nas da Sturm Ruger, Smith&Wesson e Vista Outdoor, como pode ser visto nos gráficos abaixo, em comparativo dos últimos seis meses (02/06; tasa4 com cotações em real):


NR: agradecimentos ao @E__Lima pelos gráficos e ao @XtianSL pelo insight.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.