Pesquisar este portal

novembro 11, 2020

Embraer: vice-presidente vê uma janela de oportunidades na Aviação Comercial

Mesmo com as graves consequência da pandemia para o setor aéreo, Rodrigo Silva e Souza, Vice-Presidente de Marketing da Embraer Aviação Comercial, descortina uma janela de oportunidades para os jatos comerciais da empresa.

 


*LRCA Defense Consulting - 11/11/2020 

A poeira ainda está baixando no cenário da aviação seis meses após o desaparecimento do tráfego de passageiros e a redução das companhias aéreas. Jatos de capacidade ultra-grande estão armazenados, alguns provavelmente nunca mais voarão. Redes e frequências são cortadas. A equipe se foi. As operadoras são uma fração de seu tamanho anterior.

Mesmo assim, há sinais de que o setor está caminhando em uma nova direção. Essas mudanças, como as vemos, influenciarão os tamanhos, o mix e o número de aeronaves nas frotas de companhias aéreas. Aqui estão os principais fatores que moldam o futuro.

Demanda reduzida
Fechamentos de fronteiras internacionais, uma relutância geral em viajar até que haja testes eficazes e imunização em massa, cobertura de seguro médico limitada para covid-19, restrições a reuniões de grupo (que destruíram os negócios da convenção), desemprego, incerteza econômica e quarentenas obrigatórias são todos contribuindo para a fraca demanda. Mesmo as chamadas “bolhas de viagens” entre os países de baixo risco ainda estão para surgir.

Cultura de Trabalho Remoto

A pandemia acelerou o surgimento da tecnologia de telecomunicações digitais. É provável que uma porcentagem dos funcionários da empresa nunca retorne aos seus escritórios comunitários e continue a trabalhar com mais eficiência em casa. Conectar-se em tempo real com colegas e clientes ao redor do mundo em uma tela, embora não seja o mesmo que reuniões cara a cara, tem implicações para a rede futura e o planejamento da frota.

O componente de viagens de negócios
Os viajantes a negócios, especialmente aqueles que pagam passagens altas, demorarão para retornar aos céus. As cabines premium em voos internacionais são especialmente afetadas. As diretrizes de viagens corporativas que impedem os funcionários de viajar, quarentenas de chegada, cancelamentos de conferências e fronteiras fechadas significam que as companhias aéreas perderam uma grande porcentagem da receita de voos que contribuiu para os resultados financeiros.

Substituir essa receita perdida do viajante a negócios por passagens predominantemente com desconto para lazer, dada a redução geral na demanda, será um desafio. A combinação de uma frota de aeronaves com muitos assentos, poucos passageiros e tarifas baixas não é um negócio viável.

Tudo isso sugere que é hora de as companhias aéreas repensarem seus modelos de negócios e dimensionar suas frotas novamente. Uma abordagem de tamanho único não funcionará quando o ambiente estiver em constante evolução e a combinação de passageiros de lazer / negócios for reiniciada.

Redimensionar - Rodada 2

Identificamos uma lacuna entre os jatos regionais e a capacidade de grandes jatos de fuselagem estreita quando lançamos nossa família de E-Jets em 2000. É por isso que cunhamos a frase " tap the gap" e introduzimos o termo right-sizing . Há 20 anos, boa parte dos voos com essas aeronaves maiores apresentava taxas de ocupação médias abaixo de 70% e não eram lucrativos. Os jatos regionais, por outro lado, não tinham alcance ou cabines para oferecer um padrão de produto consistente com o serviço de linha principal.

Nossos E-Jets se encaixam entre os dois tipos de aeronaves, com alcance e cabines compatíveis com estreitos maiores. As companhias aéreas poderiam finalmente ajustar o tamanho da aeronave à verdadeira demanda de passageiros, minimizar o excesso de capacidade, maximizar a lucratividade e implantar os E-Jets da Embraer em uma rede mais ampla.

Embora as taxas de ocupação médias fossem consistentemente altas antes da pandemia, as companhias aéreas vendiam tarifas com grandes descontos. Apesar do crescimento no número de passageiros, os lucros e as margens estavam, de fato, em declínio.

O ambiente de hoje tem paralelos com o de vinte anos atrás - excesso de capacidade, baixo desempenho financeiro, baixa receita por assento disponível e a necessidade de manter redes abrangentes com conectividade eficiente. Agora, no entanto, a necessidade de aeronaves do tamanho certo é mais urgente.

Conectividade de rede é fundamental
Os mercados domésticos estão de volta ao foco, uma vez que as restrições a viagens internacionais estarão em vigor por um tempo. As companhias aéreas poderiam manter suas aeronaves grandes, mas com menos passageiros, as frequências seriam menores e o tempo de conexão entre os voos poderia ser impraticavelmente longo.

Aeronaves de menor capacidade e do tamanho certo permitiriam mais frequências, manteriam slots valiosos em aeroportos congestionados, melhorariam a conectividade da rede, reduziriam os tempos de trânsito e atrairiam tarifas mais altas. Os voos ponto a ponto ligando cidades de médio porte podem se tornar mais populares, exigindo aeronaves do tamanho certo. Em outros casos, hub-and-spoke continua sendo o uso mais eficiente da capacidade, particularmente com variações na demanda diária, semanal e sazonal.

Medição de Custo Unitário

As companhias aéreas normalmente avaliam as aeronaves por seu CASK. Quanto mais baixo, melhor. Essa medida, no entanto, é relevante se houver demanda suficiente para preencher os assentos e viabilizar os voos. Hoje, a capacidade está cortada e a demanda fraca. As operadoras não estão mais lutando por participação no mercado.

A nova medida para garantir a sobrevivência é a receita por assento disponível. As companhias aéreas precisarão de aeronaves com baixos custos operacionais, altas taxas de ocupação e RASM máximo se quiserem financiar operações e aquisições de capital.

Nossa família de E-Jets atende aos novos critérios. Eles são projetados especificamente para que as companhias aéreas tenham o tamanho certo de jatos estreitos maiores a jatos de capacidade menor, sem perder sua competitividade de custo. Os E2s de nova geração são incrivelmente econômicos com o alcance e os padrões de cabine da linha principal que as companhias aéreas precisam implantar em suas redes.

Uma consideração adicional no cenário pós-pandêmico será a exigência de aeronaves mais ecológicas. A tendência estava ganhando força antes, mas agora há uma pressão renovada, especialmente dos governos, em direção a um transporte aéreo mais sustentável. O dimensionamento correto também é bom para o planeta. Um novo E2 pode substituir um antigo A320, por exemplo, e reduzir as emissões de CO2 em 33%.

Nossa indústria está ferida. Aeronaves do tamanho certo podem ajudar a recuperá-la. Pode levar algum tempo para uma recuperação completa, mas a Embraer sempre esteve lá para o jogo longo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque