Pesquisar este portal

terça-feira, setembro 28, 2021

Parque Tecnológico é o ‘coração’ do ‘Vale do Silício Brasileiro’


*O Vale, por Xandu Alves - 25/09/2021

O Parque Tecnológico São José dos Campos vai mudar. Deixa de ser apenas um parque para se tornar um distrito de inovação.

E não qualquer distrito, como explica o secretário de Inovação e Desenvolvimento Econômico de São José dos Campos, Alberto Alves Marques Filho, o 'Mano': “O parque se consolida como o primeiro distrito de inovação brasileiro funcionando”.

O conceito é de unir o trabalho pela inovação com a comunidade, aproximando as pessoas do núcleo de operações do Pqtec. Integração é a palavra que melhor explica o novo momento do parque.

“Nosso diferencial é a possibilidade de áreas ao entorno e estamos convergindo para ser um distrito de inovação. Esse é o novo viés e tendência global”, disse Marcelo Nunes, diretor geral do Parque Tecnológico São José dos Campos.

“Os parques tornam-se locais físicos não apenas com empresas e empresários, mas com famílias, a comunidade usufruindo do entorno do parque. As pessoas vivendo e respirando o que é o parque. Esse é um grande diferencial nosso.”

Dois projetos vão nessa linha. A cidade tecnológica da Exto Incorporação oferece um novo loteamento ao lado do núcleo do Pqtec, visando se tornar o novo eixo de negócios da cidade.

São 309 mil m² de loteamento, com 116 lotes e 30 mil m² de área de preservação permanente. O local poderá abrigar comércio, serviços e indústrias de pouco impacto.

“A cidade já está entregue e vendeu vários lotes para a atração de empresas de base tecnológica. Haverá alguns serviços também. Tudo foi construído conversando com o parque, complementando o que precisa”, disse Mano.

O segundo projeto é um condomínio residencial na lateral do Pqtec, que poderá ter até 8.000 apartamentos em infraestrutura planejada, no conceito de cidade inteligente.

“Isso é um distrito de inovação consolidado, temos investimentos privados atraindo data center”, disse o secretário de Inovação, destacando que a segunda etapa do projeto de mobilidade da prefeitura, a Linha Verde, vai desembocar dentro do Pqtec. “É muito legal o momento do parque”.

Futuro
Nunes explica que o Pqtec passa do conceito global de modelo de inovação chamado de ‘hélice tríplice’ para o de ‘quádrupla hélice’, no qual entram academia, empresas e governo, mais a sociedade.

“Nós assumimos essa posição. A partir do momento em que o parque conduz o projeto das galerias do empreendedor, que são projetos socioeconômicos na periferia de São Joé, além dos bairros que estão ao entorno envolvendo o empreendedorismo no ambiente familiar, passamos a girar a hélice social.”

Para o diretor do Pqtec, a palavra do momento é apropriação. Além da comunidade, ele espera que os municípios e as respectivas prefeituras do Vale também se apropriem do espaço, usufruindo dos benefícios que a unidade oferece.

“A gente não precisa que os prefeitos tenham cada um seu parque tecnológico. Precisamos de apropriação do Pqtec como foco de desenvolvimento regional”, disse Nunes. “A partir do momento que se consegue consumir o que o Pqtec tem, fortalecemos a região. Minha meta é que a região se aproprie do Pqtec”.

Polo de inovação da indústria 4.0, núcleo de fomento de startups, abrigo de empresas de todo o tamanho e player de cidades inteligentes, o Pqtec agora quer jogar no exterior.

Colocamos como meta a internacionalização do Pqtec, queremos ser reconhecidos lá fora e fazer um bom papel. Somos muitos reconhecidos nacionalmente e somos o principal núcleo de inovação do país, sem dúvida.

 “O Parque Tecnológico está crescendo alucinadamente”, afirmou o secretário de Inovação de São José. “Colocamos como meta a internacionalização do Pqtec. Queremos ser reconhecidos lá fora e fazer um bom papel. Somos muitos reconhecidos nacionalmente e somos o principal núcleo de inovação do país, sem dúvida”.

Fábrica de unicórnios
O Parque Tecnológico São José dos Campos é o coração do ecossistema de inovação do Vale do Paraíba e se consolida como principal celeiro de ideias, criatividade e de imaginação para o futuro.

E os unicórnios não abriram este texto à toa. É assim que são chamadas as startups que, em pouco tempo, recebem uma avaliação de US$ 1 bilhão para o seu valor de mercado.

"Os primeiros unicórnios já estão surgindo no Vale e acredito que, nos próximos anos, muitos outros irão surgir. Para que isso continue acontecendo, é necessário que haja investimento conjunto e integração para fortalecimento de toda a região", disse Alessandro Valério, coordenador de inovação e empreendedorismo do Parque Tecnológico.

Pós-doutorando em economia pela Universidade Federal Fluminense, Valério tem oito anos de experiência na liderança de ambientes de inovação. Na avaliação dele, o Vale tem um alto potencial de se tornar o 'Vale do Silício Brasileiro' não só por estar entre as duas maiores capitais do país -- Rio de Janeiro e São Paulo.

Mas por ser berço de grandes companhias que "acabam atraindo novas empresas para grandes oportunidades de negócios".

"Também existem grandes polos de desenvolvimento acadêmico e tecnológico, como o ITA. Com esta interação do ecossistema é possível gerar muita inovação."

Nexus
Inovação é o que não falta no Parque Tecnológico São José dos Campos, principal unidade de apoio a empresas da região que fará 15 anos em dezembro.

Em seu complexo de 188 mil m², na região leste de São José, a inovação corre feito criança pelos corredores de um parque de diversões.

As paredes coloridas e cheias de desenhos e mensagens do Nexus revelam a lúdica experiência com a criação. Funciona ali o hub de inovação do Pqtec, ambiente para conexão de startups, pequenas, médias e grandes empresas, investidores e instituições de ensino.

Abrigando cerca de 150 empresas e startups, o Nexus conta com programas de aceleração e incubação que acompanham startups desde a fase de ideação até a escala, além de programas que estimulam a inovação aberta e conexão entre o ecossistema.

"O Nexus entende que o conceito adotado é capaz de atrair empreendedores para os seus programas, pois em seu ambiente estes encontram uma ampla rede de networking e diversas atividades que são oferecidas ao longo do ano que ajudam na formação de um empreendedor de sucesso e na consolidação de seu negócio. Isto vem a favorecer toda a região do Vale do Paraíba", disse Valério.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque