Pesquisar este portal

terça-feira, agosto 23, 2022

Produção de fuzis Kalashnikov AK-203 indo-russos na Índia é adiada

Ministro da Defesa apresenta o conceito de Futuro Soldado de Infantaria como Sistema (F-INSAS) portando um fuzil de assalto AK-203

*Financial Express, por Huma Siddiqui - 17/08/2022

Espera-se que a produção indígena do muito aguardado fuzil de assalto AK-203 sob a joint venture entre a Índia e a Rússia seja adiada ainda mais devido a questões não resolvidas entre os dois lados.

Fontes confirmaram ao Financial Express Online que “há um atraso na fabricação nativa do AK-203, pois há problemas relacionados à transferência de tecnologia (ToT) da Rússia que devem ser resolvidos primeiro”.

“Em segundo lugar, devido à guerra em curso entre a Rússia e a Ucrânia, houve um atraso no processo de consolidação da cadeia de suprimentos. Também há falta de clareza na cadeia de suprimentos”, disse a fonte citada acima. Acrescentando: “Aliás, não há clareza sobre quem fará o cano do fuzil de assalto”.

F-INSAS revelado pelo ministro da Defesa
Na terça-feira (16), o ministro da Defesa Rajnath Singh, havia revelado o conceito de Futuro Soldado de Infantaria como Sistema (F-INSAS). O F-INSAS entregue mostrava um fuzil de assalto AK-203, que a Índia havia recebido da prateleira de Moscou. O soldado estava usando um capacete feito pela MKU de Kanpur e a jaqueta à prova de balas é de outra empresa SMPP Pvt. Ltda.

Quantos fuzis são necessários?
O exército indiano está esperando por cerca de 6,71 lakh [670.000] fuzis AK-203 7,62 × 39 mm para serem fabricados nesta instalação com sede em Korwa, UP. Os dois países em 2019 assinaram um Acordo Intergovernamental (IGA) sob o qual foi formada a Joint Venture Indo-Russian Rifles Private Limited (IRRPL). Inicialmente, incluirá componentes russos. Lá também em lotes de 20.000-40.000, a porcentagem de conteúdo indígena seria aumentada gradualmente de 5% para 100% com um plano de produzir todos os AK-203 após o primeiro 1,2L com 100% de indigenização.

Atualização do AK-47 existente
O Financial Express Online no início deste ano informou que a empresa SSS Defense, com sede em Bengaluru, ganhou um contrato para a atualização de rifles AK 47 para as Forças Especiais do Exército Indiano. A empresa concluiu a entrega de seus kits de atualização proprietários. Curiosamente, pela primeira vez uma empresa do setor privado, SSS Defense, substituiu um fornecedor israelense estabelecido – FAB Defence.

Devido à guerra Rússia-Ucrânia em curso, a empresa, segundo fontes, deverá receber um contrato maior para atualizar mais fuzis Kalashnikov em serviço. As Forças Especiais do Exército Indiano estão atualmente usando uma mistura de armas de assalto na linha de frente, incluindo TAR-21s, M4A1s, entre outros fuzis.

Como foi relatado anteriormente, fontes disseram que “há uma escassez aguda de matéria-prima, componentes e produtos finais, e isso está causando atrasos na indigenização de várias plataformas no exército indiano”.

Necessidades de carabinas
O rifle INSAS, que tem sido o pilar das forças armadas, foi atormentado por atualizações limitadas, ineficiências e preocupações com a qualidade de fabricação.

O Exército Indiano sofre com o fuzil INSAS, uma produção indígena, desde o início de sua posse em 1994. Um problema que o Exército Indiano enfrenta é a falta de uma carabina [CQB] padronizada. O equipamento não foi capaz de mudar com a evolução do Exército. Este passou de uma força de infantaria tradicional para uma organização multifacetada, cada vez mais enfrentando agressores urbanos em batalhas de curta distância. Além disso, o Exército revisou sua filosofia que anteriormente exigia que o rifle pudesse incapacitar o alvo, passando a adotar uma postura mais rígida e buscando, por filosofia, um fuzil de assalto capaz de cumprir ordens de “atirar para matar”. Além disso, a infantaria existente sofre perdas quando rifles de longo alcance e alto recuo são usados ​​em espaços apertados.

AK-203 para o exército indiano
O AK-47, independentemente do operador, foi entregue em vários ambientes, de desertos a alto mar e montanhas. No entanto, a evolução é interminável. E a Kalashnikov lançou seu próximo fuzil principal, o AK-203. Está programado para ser um padrão mundial nos próximos anos.

O Exército Indiano receberá um AK-203 de alcance de 300m, embora existam variantes com um alcance mais excelente. Mesmo em um alcance tão longo, a precisão do AK-203 é uma das melhores. Ele supera a concorrência na quantidade de trilhos Picatinny que permitem uma variedade de complementos, como miras. Este sistema de montagem padrão confere maior modularidade aos operadores. Ele carrega a confiabilidade respeitável que tem sido a marca registrada dos fuzis Kalashnikov como o AK-47 e o AK-74. Ele pode funcionar em temperaturas tão baixas quanto -50 graus Celsius em testes de temperatura. Isso o torna perfeito para a guerra montanhosa em que o Exército indiano se envolve com o Paquistão e a China.

No ambiente oposto, o fuzil também suporta tempestades de poeira e outras problemas de areia em ambientes desérticos. Os testes foram feitos para emular uma tempestade de areia, que não poderia impedir a confiabilidade e precisão do rifle. Esta é uma arma útil até mesmo para o longo terreno desértico que compartilhamos com o Paquistão.

Os testes do fuzil incluíram uma emulação de chuva tropical onde o rifle foi carregado e depois exposto à longa chuva que transformou a areia em lodo. Isso significa que não apenas as operações mais úmidas e tropicais serão beneficiadas, mas com a capacidade combinada de resistir à areia e ao lodo, será viável para as forças costeiras usar isso também.

Além de extrema confiabilidade, ele usará a carabina de 7,62 × 39 mm com uma coronha dobrável que permitirá batalhas de curta distância. Este rifle será capaz de se adaptar a várias tarefas que o Exército Indiano vem realizando, sendo este o primeiro destinatário do AK-203 fora da Rússia. Atualmente, está sob uso limitado pelas Forças Especiais Russas.

Inicialmente, incluirá componentes russos. Lá também em lotes de 20.000-40.000, a porcentagem de conteúdo indígena seria aumentada gradualmente de 5% para 100% com um plano para produzir todos os AK-203 após o primeiro [lote de] 1,2L [120.000] com 100% de indigenização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque