Postagem em destaque

Taurus vence na Justiça mais uma ação que alegava problemas em seus armamentos

* LRCA Defense Consulting - 02/07/2020 Esta semana foi proferida sentença que julgou totalmente improcedente a ação civil pública proposta e...

janeiro 23, 2020

Enquanto Bolsonaro chega para o Dia da República, veja como Índia e Brasil podem cimentar laços estratégicos



*The Wire - 23/01/2020, por Herik Herejk Ribeiro

Em 26 de janeiro, Jair Bolsonaro será o terceiro presidente brasileiro a participar das comemorações do Dia da República da Índia em 2020. Após o anúncio oficial de sua visita a Nova Délhi, as expectativas voltam a aumentar para novos acordos de cooperação. Ainda não se sabe se Bolsonaro e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi cumprirão essas expectativas.

Apesar da assinatura da parceria estratégica Brasil-Índia em 2006, a distância geográfica e a escassez de interações sociais têm sido grandes restrições que dificultam o estreitamento das relações bilaterais. Enquanto o Brasil e a Índia convergem em suas agendas diplomáticas como potências emergentes do sul - expressas na formação dos grupos IBAS, BRICS e G20 -, é imperativo perceber o potencial de seus laços bilaterais, que podem se tornar genuinamente estratégicos na próxima década. Ambos os países têm interesses complementares e conhecimento técnico que poderiam ser mais explorados nos campos de energia renovável (por exemplo, etanol), nuclear, defesa e tecnologias espaciais.

Atualmente, existem dois sinais importantes que podem levar a uma nova era no relacionamento: primeiro, o Brasil está percebendo gradualmente a necessidade de reorientar suas políticas externas para a Ásia; e a Índia está ainda mais ansiosa por melhorar as relações com a América Latina e o Caribe (ALC), a última fronteira global por sua presença estratégica.

Segundo, as tendências atuais da polarização EUA-China e a incerteza geopolítica estão reduzindo o espaço de manobra das potências emergentes, mas o relacionamento indo-brasileiro tem pouca ou nenhuma restrição externa. Pelo contrário, Bolsonaro e Modi compartilharam ideologias políticas conservadoras que poderiam facilitar ainda mais a cooperação estratégica.

A convergência estratégica indo-brasileira

Brasil e Índia são pioneiros na cooperação Sul-Sul, convergindo em suas agendas diplomáticas de alto nível - do BRICS a instituições multilaterais como o Conselho de Segurança da ONU e a OMC. A sinergia diplomática promoveu um ambiente positivo para o aprimoramento mútuo do alcance estratégico indo-brasileiro. Por exemplo, o Brasil foi fundamental para ingressar nos países do Mercosul para assinar um acordo comercial com a Índia, o primeiro do gênero para o bloco sul-americano.

Juntos, Brasil e Índia expandiram a cooperação Sul-Sul na África, independentemente ou através da conexão sul-africana no IBAS e BRICS. Os países também têm interesses comuns na governança marítima do nexo Atlântico Sul-Oceano Índico , destacados pelos exercícios navais bianuais da IBSAMAR.

Apesar da relevância mútua do Brasil e da Índia entre si, a maioria das iniciativas foi conduzida por múltiplas geometrias, enquanto o relacionamento bilateral foi principalmente orientado por interesses comerciais. Geralmente, os analistas indianos veem a América Latina e o Caribe (ALC) como um ponto relativamente cego no cálculo de Nova Délhi, especialmente quando comparados às iniciativas da China na região.

A abordagem indiana da região da ALC está pronta para mudanças. Desde seu primeiro mandato, Narendra Modi alcançou os países da região, explorando a última fronteira da pegada estratégica global da Índia. Além de ser o maior parceiro comercial da Índia na ALC, o Brasil também é o mercado regional mais forte, com recursos naturais consideráveis ​​e forte expertise em setores estratégicos, como extração de petróleo, energia nuclear e renovável, aeroespacial e indústrias de defesa. Recentemente, as preocupações indianas em energia e segurança alimentar direcionaram suas políticas para o Brasil, especialmente no caso de biocombustíveis como o etanol .

No lado brasileiro, há sinais crescentes de que o país precisa olhar para o leste . Bolsonaro tem se esforçado para formular políticas externas além do alinhamento ideológico com os EUA. Devido a preocupações diplomáticas e econômicas, Bolsonaro reorientou seus esforços para melhorar as relações com a Ásia. Em outubro de 2019, o presidente brasileiro embarcou em sua primeira turnê asiática - visitando o Japão, a China e os países do Golfo - e, pouco depois, sediou a 11ª cúpula do BRICS em Brasília. Para melhorar a cooperação intra-BRICS, Bolsonaro também confirmou os planos de introdução de entradas sem visto para turistas e empresários chineses e indianos que visitam o Brasil.

A recente evolução da geopolítica global também é propícia a um relacionamento mais próximo entre o Brasil e a Índia. Em um mundo em crescente polarização entre os EUA em relação à China e à Rússia, a parceria indo-brasileira tem um espaço relativamente confortável para navegar sem levantar muitas sobrancelhas de ambos os lados.

Atualmente, as ideologias conservadoras de Bolsonaro e Modi estão aproximando os dois países, com o apoio tácito do governo Donald Trump. No entanto, as consequências de suas políticas podem ser duradouras para as aspirações dos países democráticos emergentes no âmbito da cooperação sul-sul.

Parceria estratégica Brasil-Índia: um caminho a seguir

Após sua reunião bilateral nas linhas laterais da 11ª cúpula do BRICS, Bolsonaro e Modi convergiram para estabelecer uma estrutura sólida de cooperação. Durante a visita de Bolsonaro a Nova Délhi, no final deste mês, o Brasil e a Índia devem assinar novos acordos por meio de um 'Plano de Ação'.

Em entrevista recente , o embaixador brasileiro na Índia, André Aranha Corrêa do Lago, propôs o caminho a seguir para a cooperação bilateral. Enquanto as áreas tradicionais - energia renovável, agricultura e saúde - devem se expandir, Lago expressou o interesse emergente do Brasil em cooperar em setores estratégicos, principalmente defesa e espaço. Os dois países também estão trabalhando para assinar um acordo sobre cooperação e facilitação de investimentos.

O Brasil e a Índia devem aproveitar esse momento para ampliar a cooperação em áreas relevantes, com complementaridade e potencial para transformar o relacionamento, como nuclear, defesa e tecnologias espaciais. Em 2016, pela primeira vez, o Brasil apoiou publicamente a candidatura da Índia para ingressar no Grupo de Fornecedores Nucleares, abrindo espaço para cooperação nuclear.

O Brasil possui a terceira e a sexta maiores reservas de tório e urânio no mundo, respectivamente, mas desenvolveu principalmente suas pesquisas sobre urânio, enquanto a Índia possui uma pesquisa mais extensa sobre aplicações de tório. No que diz respeito à tecnologia espacial, o Brasil ganha com a cooperação técnica indiana. A Índia está rapidamente se tornando um centro global na fabricação e lançamento de satélites; O Brasil e outros países da ALC, por sua vez, confiaram fortemente na experiência chinesa e em veículos lançadores de satélite.

Setor de Defesa

No setor de defesa, o Brasil e a Índia possuem ecossistemas ricos e complexos, com crescente participação de grandes empresas privadas, como Embraer e Tata. Após a visita de Bolsonaro, o Brasil deverá aumentar seu portfólio internacional de vendas e investimentos na Índia por meio da plataforma Make in India. Além disso, o Brasil e a Índia mantêm relações estratégicas tecnológicas e de defesa com a França, Israel e os EUA, abrindo várias oportunidades para melhorar conjuntamente a fabricação, a pesquisa e o desenvolvimento da defesa indo-brasileira.

A questão relevante é como transformar as mentalidades brasileira e indiana, quebrando barreiras geográficas e psicológicas. É necessário conectar-se além das burocracias e setores empresariais de alto nível, expandindo iniciativas nas esferas acadêmica e social para aumentar a conscientização do público. As interações em todos os níveis aumentariam os incentivos internos à cooperação e reduziriam a lacuna de conhecimento mútuo. Enquanto isso, uma coordenação estratégica mais estreita depende da ambição da liderança em dar o salto.

*Erik Herejk Ribeiro é pesquisador associado do Centro Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais (Nerint) e doutor em Estudos Estratégicos Internacionais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.