Pesquisar este portal

julho 21, 2020

A violência está impulsionando as vendas de armas, e não o contrário

Pistolas à venda em Bridgeton, Mo., em 13 de novembro de 2014. (Jim Young / Reuters)


*The Washington Post/Cartas para o editor/ Por Frederick Bruce Blum - 20/07/2020

Pelo menos a reportagem de 16 de julho “O aumento do crime violento segue o aumento das vendas de armas”, sobre um relatório sobre a compra de armas, observou: “Os autores alertam que um estudo dessa natureza não pode provar a causalidade, particularmente em um momento de grande agitação social em um país que lida com uma crise de saúde pública sem precedentes, bem como com um movimento nacional de protesto”.

Não é que a “farra de compra de armas esteja associada a um aumento significativo na violência por armas nos Estados Unidos”; é o aumento significativo da violência e da agitação civil que está impulsionando a "farra da compra de armas".

Não há evidências de que cidadãos cumpridores da lei estejam saindo e cometendo violência com suas armas defensivas recém-adquiridas. Não há evidências que demonstrem qualquer viés racial evidente na pressa de comprar armas de fogo. Com distúrbios civis de qualquer tipo em que os cidadãos se sintam ameaçados, farão o que acharem necessário para defender suas famílias, casas e empresas - e isso atravessa todas as linhas raciais, étnicas e políticas.

A manchete do artigo deveria ter lido “O aumento nas vendas de armas segue o aumento da violência e da ilegalidade”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador.

Postagem em destaque