Pesquisar este portal

agosto 12, 2020

Com foco em qualidade e preço acessível, Taurus já detém 15% do mercado americano e é líder em revólveres, diz CEO da Taurus USA

 "Vemos uma oportunidade de aumentar nossa participação de mercado para mais de 50% no segmento Revólver, e 25-30% no geral. Isso indica um crescimento significativo para a empresa nos próximos anos."

 

*LRCA Defense Consulting - 12/08/2020

A LRCA Defense Consulting traz abaixo uma entrevista exclusiva com Bret Vorhees, CEO da unidade americana da Taurus Armas (Taurus USA) desde 16 de janeiro de 2020.

O executivo americano foi a grande contratação de Salesio Nuhs, Presidente e CEO Global da Taurus Armas S.A., para implementar a reestruturação que começou na unidade brasileira da empresa em 2017 e se estendeu à americana posteriormente.

1. Apesar de ser um jovem executivo, você tem muita experiência na indústria de armas de pequeno porte. Qual foi a sua trajetória até se tornar o CEO da Taurus USA?

R: Comecei nesta indústria quando tinha 19 anos, como estagiário de contabilidade em um fabricante de acessórios para armas de fogo. Durante esse tempo, aprendi muitas lições valiosas sobre todos os aspectos da nossa indústria, no entanto, mais importante, aprendi que realmente gostei da área de Desenvolvimento de Produtos do nosso negócio e me tornei muito apaixonado pela venda de produtos em que realmente acreditava. 
 
Meu primeiro papel de gestão de vendas veio quase 4 anos depois, quando fui trabalhar para Leupold  e Stevens. Mesmo que isso fosse mais um papel de vendas de nível básico, minha liderança me empurrou  diretamente para a gestão de contas, que era uma curva de aprendizado íngreme, mas vital e estabeleceu as bases para o meu sucesso no início. Com apenas 24 anos, nunca senti que um desafio era muito grande para mim, e estava gerenciando uma parte significativa das vendas da empresa. 
 
Uma nova oportunidade para mim veio quando a Walther Arms me contratou como gerente de vendas, que também veio com a oportunidade emocionante de desenvolver novos produtos com sua equipe de engenharia na Alemanha. Passei mais de 6 anos na Walther e me tornou vice-presidente em vendas, marketing e desenvolvimento de produtos. 
 
Em cada passo ao longo da minha carreira eu assumi um desafio maior, mas  eu tive o apoio da empresa que finalmente me levou a ser bem sucedido, e esse ainda é o caso aqui na Taurus USA. Estou assumindo um papel incrivelmente emocionante que tem alguns desafios únicos, mas trabalho diretamente com Salesio Nuhs no Brasil e sei que tenho todo o apoio dele.

2. O mercado americano tem muitos fabricantes de armas pequenas. O que a Taurus vem fazendo para se destacar entre seus concorrentes?

R: Na Taurus, oferecemos um preço muito atrativo para nossos produtos, mas temos um foco intenso  em constantemente ir melhorando como empresa em termos de qualidade do produto, suporte para nossos consumidores e sempre se esforçando para inovar. Podemos produzir nossos produtos com um custo menor do que muitos concorrentes, mas não "cortamos os cantos" quando se trata de controle de qualidade. Na verdade, continuamos a aumentar os esforços, e se você olhar para os últimos dois ou três anos, é evidente que a empresa tem estado no caminho certo.

3. Em 2015, quando a CBC assumiu o controle da Taurus, a Forbes informou que as pessoas pararam de fazer fila para reclamar e começaram a fazer fila para comprar produtos Taurus. Como está a demanda pelos produtos da Taurus hoje?

R: A demanda de hoje está em alta. É claro que, neste momento, nos EUA, a demanda global por armas de fogo também está aumentando, mas mesmo antes dessa onda, a Taurus estava ganhando participação de mercado. À medida que continuamos a introduzir novos produtos inovadores, mantendo altos níveis de controle de qualidade, nossos consumidores estão se tornando defensores da marca, o que aumenta a demanda em um nível de base.

4. Em termos de participação no mercado de armas pequenas, qual é a porcentagem da Taurus no mercado americano e qual é o seu objetivo para o futuro?

R: O mercado americano é muito competitivo. É importante olhar para os segmentos de mercado e para o mercado em sua totalidade. Neste momento, a Taurus detém cerca de 15% do mercado no geral. Se olharmos especificamente para o segmento de revólveres, a Taurus e a Heritage são as líderes de mercado e atualmente detêm mais de 40% das vendas de unidades, enquanto o segmento de pistolas semiautomáticas tem mais concorrentes no geral e a Taurus tem uma participação de mercado menor. Vemos uma oportunidade de aumentar nossa participação de mercado para mais de 50% no segmento Revólver, e 25-30% no geral. Isso indica um crescimento significativo para a empresa nos próximos anos.


5. Hoje, a Taurus atua na categoria "armas de entrada". Um preço mais baixo significa menor qualidade ou menos inovação tecnológica? Existe um projeto para o desenvolvimento de produtos que também competirão em categorias superiores?

R: Estamos provando ao mercado que, no nosso caso, preços mais baixos não significam níveis mais baixos de controle de qualidade. Nosso alto nível de qualidade é incorporado em nossos produtos durante a fase de engenharia do design e em todos os processos de fabricação para garantir que tenhamos uma qualidade de produto consistente que atenda aos novos padrões da empresa. Também utilizamos  tecnologia de fabricação de ponta que permite uma produção muito alta a um custo menor por unidade. Essas são todas iniciativas que foram iniciadas quando a CBC adquiriu originalmente a  empresa e agora estão se tornando óbvias para o mercado. A Taurus sempre apoiará nosso mercado oferecendo produtos que todos os consumidores podem pagar, pois acreditamos que todos devem ter acesso aos nossos produtos. Além disso, continuaremos nos esforçando para inovar e produzir um produto de maior qualidade, e à medida que continuarmos a evoluir, você verá a Taurus competindo em categorias de preços mais altos.

6. Em relação à produção atual, foi recentemente relatado que a nova fábrica na Geórgia ainda não estava operando em plena capacidade. Hoje, qual é a produção diária dessa fábrica? Espera-se que ela atinja a capacidade total de produção, considerando a demanda recorde que está ocorrendo?


R: Atualmente, estamos produzindo cerca de 2.000 armas de fogo por dia na fábrica da Geórgia. Estamos trabalhando constantemente com novos fornecedores, além de investir em nossos próprios recursos humanos para aumentar a produção para atender à demanda atual. Prevemos operar em plena capacidade até o final do ano, independentemente de quaisquer desafios que a pandemia nos tenha apresentado.

7. A Taurus USA está envolvida no projeto do revólver mais barato do mundo? Se assim for, houve algum progresso no projeto?

R: Na Taurus, sempre abraçamos um desafio para melhorar. Abordamos muito bem nossas preocupações de controle de qualidade com essa atitude. Por outro lado, podemos sempre nos esforçar para melhorar nossos custos de fabricação, introduzindo o avanço da tecnologia em nossos processos. A cultura da empresa mudou, por isso mantemos nossos padrões de qualidade na vanguarda; por isso, quando dizemos que estamos pressionando para projetar o revólver mais barato do mercado, estamos apenas nos referindo aos custos de fabricação, e não em termos de qualidade. Então, sim, estamos envolvidos com esse projeto junto com nossos parceiros no Brasil, e em breve poderemos oferecer com orgulho um valor inacreditável ao mercado.

"A Taurus está em uma posição privilegiada para se tornar líder de mercado na fabricação de armas de pequeno porte devido ao nosso compromisso com a qualidade e inovação, e se esforçando para oferecer o melhor valor possível aos nossos consumidores. Nossos produtos simplesmente não podem ser vencidos.

8. Antes da comercialização das armas, sabe-se que existem procedimentos para alcançar a "certificação impecável". Nesse sentido, qual é o critério de teste de qualidade adotado pela empresa para que os produtos sejam considerados aprovados para venda?

R: Como trabalhamos para trazer novos produtos ao mercado, temos que começar nas especificações originais para definir quais critérios de qualidade queremos que o produto atenda, para que os engenheiros possam construir um produto robusto e confiável. O projeto passará por várias validações de qualidade ao longo de seu desenvolvimento, incluindo testes de resistência até e superior a 20.000 rodadas, testes de confiabilidade em várias condições adversas, bem como muitos tipos diferentes de munição, e testes de segurança, como testes de queda. Essas validações de qualidade ocorrem em vários marcos, incluindo a produção final para garantir que esses padrões de qualidade sejam mantidos à medida que aumentamos a produção e entregamos produtos ao mercado. É um processo muito minucioso que é um investimento pesado no design do produto, mas é vital, pois a empresa estabeleceu uma reputação por produtos de alta qualidade.

9. Houve uma notável mudança de opinião por parte dos clientes em relação à qualidade dos produtos Taurus. Esse fato pode ser visto através dos excelentes feedbacks em canais do YouTube especializados em armas de pequeno porte e em revistas especializadas no setor. Como a Taurus trabalha para informar os consumidores sobre os novos padrões de qualidade?

R: Na maioria das vezes, nossos produtos falam por si mesmos em relação à qualidade e ao valor geral que oferecemos. Temos muita confiança de que todos os nossos produtos atuais impressionarão o consumidor, e a reputação que desenvolvemos durará muito tempo. À medida que trabalhamos para remarcar a empresa, você começará a ver mais foco neste ponto em nossos materiais de marketing para dar ao consumidor uma visão interna da empresa.

10. A eleição presidencial, a pandemia e a agitação civil estão impulsionando a demanda recorde por armas pequenas nos Estados Unidos. Existem planos para expandir a capacidade de produção da Taurus para atender a essa demanda excepcional?

R: Entre as fábricas no Brasil e aqui na Geórgia, a empresa está produzindo mais armas de fogo por dia do que nunca. Podemos crescer aqui em nossa nova fábrica em Bainbridge, e a demanda do mercado certamente apoia essa iniciativa. O que também é importante notar, é que a empresa continue nessa trajetória quando o mercado desacelera; temos que continuar investindo em nós mesmos e ser flexíveis para que possamos reagir e capitalizar as mudanças de mercado ao longo do caminho. 

11. A situação de pandemia causou dificuldades para a operação ou a logística da fábrica?

R: A pandemia afetou nossos funcionários até certo ponto, bem como nossa cadeia de suprimentos, o que causou alguns atrasos de curto prazo em certos produtos. O principal efeito sobre nossos funcionários veio de uma abundância de cautela para sua segurança e bem-estar, e é claro que implementamos mais precauções de segurança em nossas fábricas para que possamos continuar as operações mantendo nossos funcionários a salvo do vírus. Sentimos que temos sido bem sucedidos mantendo o vírus fora de nossos prédios e sendo capazes de manter operações contínuas.

12. Como CEO da Taurus USA, como você vê as perspectivas da empresa para o futuro?

R: Como assumi esse papel como o novo CEO da Taurus USA, sabia que era um momento emocionante para a empresa.  A Taurus está no caminho certo com o design do produto e a qualidade geral há alguns anos, e estou animado em adicionar minha experiência para impulsionar mais inovação em nossos produtos nos próximos anos.

13. Que mensagem você deixaria aos consumidores brasileiros e americanos sobre a qualidade e a tecnologia dos produtos Taurus?

R: Nossa principal mensagem para nossos consumidores em todo o mundo é que a Taurus está em uma posição privilegiada para se tornar líder de mercado na fabricação de armas de pequeno porte devido ao nosso compromisso com a qualidade e inovação, e se esforçando para oferecer o melhor valor possível aos nossos consumidores. Nossos produtos simplesmente não podem ser vencidos.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque