Pesquisar este portal

agosto 05, 2020

No 2T20, prejuízo da Embraer supera 1 bilhão de reais, mas liquidez permanece sólida



*LRCA Defense Consulting - 05/08/2020

A Embraer divulgou hoje o balanço relativo ao segundo trimestre de 2020, registrando um prejuízo líquido ajustado de R$ 1,071 bilhão no segundo trimestre do ano, ante um prejuízo de R$ 57,6 milhões em igual período de 2019.

Já a receita líquida atingiu R$ 2,864 bilhões, um recuo de 47% no comparativo anual. Nesse período, o Ebitda ficou negativo em R$ 1,822 bilhão, ante Ebitda positivo de R$ 101,1 milhões entre abril e junho de 2019.

Apesar do prejuízo bilionário, a liquidez da Companhia permanece sólida e fechou o 2T20 com um caixa de R$ 10,9 bilhões, sendo que grande parte da dívida possui vencimento a partir de 2022.

Os principais destaques do balanço são:

• No 2T20, a Embraer entregou quatro aeronaves comerciais e 13 executivas (nove jatos leves e quatro grandes) e sua carteira de pedidos firmes (backlog) alcançou US$ 15,4 bilhões;

• Excluindo-se os itens especiais, o EBIT1 e EBITDA² ajustados foram de R$ (753,6) milhões e R$ (624,4) milhões, respectivamente, levando a margens de -26,3% e -21,8%, respectivamente, tendo sido impactados negativamente pelo fraco resultado da Aviação Comercial;

• Os resultados do 2T20 incluem itens especiais, sem impacto no caixa, que representam um total negativo de R$ 1.068,6 milhões, assim dividido: 1) R$ (83,7) milhões de provisão adicional para perdas de crédito esperadas durante a pandemia; 2) R$ (473,6) milhões de impairment na Aviação Comercial; 3) R$ (542,6) milhões referente ao reconhecimento de depreciação e amortização de períodos anteriores na Aviação Comercial e; 4) R$ 31,3 milhões em variações positivas no valor da participação da Embraer na Republic Airways Holdings;

• No 2T20, a Embraer apresentou Prejuízo líquido ajustado (excluindo-se impostos diferidos e itens especiais) de R$ 1.071,0 milhões e Prejuízo por ação ajustado de R$ 1,45;

• No 2T20, a Embraer reportou um Uso livre de caixa ajustado de R$ 2.533,3 milhões, que continuou a ser afetado pelas necessidades de capital de giro na Aviação Comercial porém, com uma melhoria em comparação com o Uso livre de caixa ajustado de R$ 2.898,8 milhões reportado no 1T20, principalmente devido a diversas iniciativas de redução de investimentos, controle do capital de giro e diminuição dos custos fixos;

• A liquidez da Companhia permanece sólida e fechou o 2T20 com um caixa de R$ 10,9 bilhões, sendo que grande parte da dívida possui vencimento a partir de 2022. A Companhia também finalizou os termos dos contratos de capital de giro e financiamento à exportação com agências de crédito à exportação no Brasil e nos Estados Unidos e bancos privados e públicos, adicionando um total de até US$ 700 milhões à sua liquidez total. Os desembolsos dessas novas linhas de financiamento devem ser concluídos no 3T20, reforçando a posição de caixa da Embraer a partir do segundo semestre de 2020, até 2021;

• Devido à incerteza relacionada à pandemia da COVID-19, as estimativas financeiras e de entregas da Empresa para 2020 permanecem suspensas neste momento.


Baixe aqui o release completo do balanço trimestral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque