Pesquisar este portal

fevereiro 10, 2021

Sobre o Zum Zaravalho (saudação escolar ou "brado de guerra" dos Colégios Militares)

 


*Leonardo RC Araujo, antigo aluno e historiador do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA)

Um dos maiores mistérios no Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB) é a origem do "Zum Zaravalho", saudação escolar ou "brado de guerra" dos Colégios Militares. Iniciado no CMRJ em época imprecisa, foi estendido a todos os demais Colégios na década de 90, sem que ninguém ainda tenha descoberto seu real significado.

A partir de 2004, com o surgimento das mídias sociais e, em particular do Orkut, passou a haver uma grande interação entre alunos e antigos alunos dos CM em todo o Brasil, com temas variados. Um deles, foi a origem do Zum Zaravalho.

Entre 2006 e 2008, foi criada uma estória a respeito que, rapidamente, foi difundida pelo Orkut e por e-mail. A estória de Henrique Zaravalho, um pretenso soldado gaúcho que, durante a Guerra do Paraguai, teria morto milhares de índios paraguaios de maneira bárbara.

Em síntese, para não cansar quem está lendo, recuperei a estória original ainda de uma postagem no Orkut em 2008, que está na foto abaixos. Ela não deixa dúvidas sobre a brincadeira que foi feita por alguém com muita criatividade.

Início da brincadeira em 2008, ainda no Orkut

Por volta de 2015, um antigo aluno do CMRJ teria feito uma “bela” ilustração sobre o caso do "Soldado Henrique Zaravalho", que está sendo repassada e tomada como verdade, confundindo muitos alunos e antigos alunos que desconhecem a origem da estória.

Assim, é preciso deixar clara a sua origem: trata-se de um verdadeiro hoax (pulha, enganação, boato) de Internet! Não tem nada de real!

Ilustração fake sobre a origem do Zum Zaravalho

O Cel Francisco José Mineiro Junior, antigo professor no CMCG e historiador, nos escreveu apresentando uma versão para a origem do mistério:
"Recebi um documento da DEPA no final do ano passado que explicava a seguinte origem para o grito de guerra:
'O grito de guerra foi criado a partir da proposta de um certo Tenente Japyr, que em 1928 era professor de Educação Física do CMRJ, e treinava as equipes desportivas. Por ocasião do treinamento da equipe de futebol para o campeonato colegial daquele ano, pediu aos alunos para criarem um grito de guerra. E saiu o “Zum Zaravalho”, sem métrica, sem rima e totalmente sem significado. São sílabas soltas, um símbolo criado apenas para animar a torcida. Com o tempo, o CMRJ adotou oficialmente o grito de guerra, que se espalhou pelo sistema. Hoje está firmemente incrustado nas tradições dos Colégios Militares'.
Acho bastante crível esta versão, e já vi referências ao grito em textos de ex-alunos da década de 1940.
Espero ter contribuído.
Zum zaravalho
"

Apesar dessa versão, restam ainda sérias controvérsias, não só quanto ao significado, mas principalmente sobre a época de início do brado no CMRJ. Por exemplo, quando o General e historiador Nélson Werneck Sodré lá estudou (1924-1930), não havia esse brado. Comentando sobre o tema, relatou que a manifestação existente era o "zum", feito de boca fechada quando era proibido falar.
Portanto, por esse testemunho histórico, a tese sobre o Ten Japyr ter iniciado o brado em 1928 é posta em dúvida, a não ser que tenha ficado adormecido por alguns anos e, que alguém, posterior ao tempo do Gen Nélson Werneck Sodré, tenha o recuperado e disseminado no CMRJ nos anos seguintes.

A única coisa "concreta" que se sabe sobre o "Zum Zaravalho" é que um dos feitiços de Harry Potter tem esse nome, servindo para "levantar o moral e eliminar medo e cansaço".

Enfim, o mistério continua, mas o que não pode ser aceito e propagado como verdade é a versão fantasiosa que está circulando desde 2008, pois, além de ter nascido como uma brincadeira, foi reforçada em 2015 por outra de cunho depreciativo e ofensivo aos Colégios Militares, já que exaltaria um matador sanguinário.

Zum Zaravalho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque