Pesquisar este portal

domingo, dezembro 19, 2021

Com grafeno, Taurus GX4 disputará o milionário mercado de Law Enforcement nos EUA


*LRCA Defense Consulting - 19/12/2021

Recentemente, esta Consultoria publicou uma inédita matéria intitulada "Em mais um passo audacioso, Taurus entrará no mercado de armas longas dos EUA", dando conta das intenções estratégicas da Taurus com relação ao mercado americano de armas longas, ainda muito pouco explorado por ela. 

No entanto, de acordo com as declarações dos seus principais dirigentes durante a última reunião na APIMEC, o planejamento da empresa para os Estados Unidos está mirando ainda mais longe, tendo como alvo o mercado de pistolas para agências de aplicação da lei (Law Enforcement), como polícias, tribunais e correcionais, em todos os níveis. 

É importante acrescentar que, tendo sucesso inicial nesse mercado, as portas do mercado militar (Marinha, Fuzileiros Navais, Exército e Força Aérea), bem como as das agências federais de inteligência e de repressão ao crime (CIA, FBI, DEA, etc.) também tenderão a se abrir para a Taurus.

Sem dúvida, disputar esses segmentos no país que tem o maior mercado mundial para armamento leve é um passo gigantesco, mas a Taurus está se armando devidamente para isso, pois sabe que irá bater de frente com as gigantes mundiais do setor, como Ruger, Smith & Wesson, Springfield Armory, SIG Sauer, Glock, CZ e Beretta, entre outras.

Possuindo fábrica no país há mais de 40 anos, a Taurus é a quarta marca de armas mais vendida e a primeira mais importada nos EUA, para onde direciona cerca de 80% da produção da unidade brasileira. É conhecida e reconhecida como uma empresa sólida que entrega produtos de alta qualidade, sendo considerada como uma legítima empresa americana.

Mas seus trunfos vão muito além desses fatos... 

GX4: a micropistola mais precisa que a Shoot On já testou
Em recente avaliação feita por Rob Reaser - autor e co-autor de vários livros sobre armas e também editor-chefe da Shoot On, principal fonte de notícias especializadas dos Estados Unidos - o conceituado especialista declarou que a GX4 é a micropistola mais precisa que a Shoot On já testou, e que a GX4 TORO mantém o alto desempenho de sua versão standard. 

O departamento de engenharia da Taurus não tem dúvidas em afirmar que a GX4 tem o melhor projeto de engenharia da história da empresa e que, realmente, a arma provou ser a microcompacta de 9mm mais precisa do mercado.

Em janeiro de 2022, a Taurus lançará a pistola microcompacta GX4 T.O.R.O. Graf, uma nova versão do modelo de sucesso lançado em meados deste ano. Essa pistola estará pronta para óptica e será a primeira arma no mundo com o revolucionário grafeno na composição de seus componentes injetados e no tratamento superficial das peças metálicas.

GX4 será uma plataforma de pistolas
A GX4, diferentemente das congêneres que a antecederam (Família G: G2c, G3 e G3c), é uma plataforma de pistolas. Desenvolvida com protocolo militar pelo CITE - Centro Integrado de Tecnologia e Engenharia BR/EUA da Taurus, a arma foi concebida com a estratégia de ser completamente modular.

Isso significa que todo o seu mecanismo interno vai ser sempre o mesmo, mas será possível fazê-la crescer e atender às várias necessidades dos mercados civil, policial e militar.

Assim, ela poderá crescer no tamanho do cano, do ferrolho, da empunhadura e na capacidade de tiros. É uma microcompacta que poderá se transformar numa compacta ou numa full size (tamanho de serviço). Poderá ser uma micro com cano de compacta, uma micro com empunhadura de uma compacta, além de diversas outras variações possíveis.

A nova plataforma GX4 possibilitará aos clientes dispor de um mesmo "miolo" para uma família completa de armas, proporcionando uma enorme flexibilidade, facilidade logística (em suprimentos e manutenção) e grande economia de custos, tanto para os clientes como para a empresa, haja vista que esta poderá "enxugar" e racionalizar suas linhas de montagem.

Apenas como um exemplo de utilização, uma força policial poderá utilizar uma GX4 full size para uso em serviço e uma microcompacta como arma de backup, entre outras possibilidades, ambas com o mesmo mecanismo interno. 
 
Uma outra opção que está em desenvolvimento é a versão de competição, fechando assim o ciclo de utilizações da arma: uso pessoal, forças militares, forças de segurança e tiro esportivo.

Para tanto, a Taurus continua ultrapassando os seus limites em inovação e tecnologia, já tendo anunciado que, a partir de meados de 2022, a montagem das pistolas da plataforma GX4 será completamente robotizada, em mais um passo da empresa em direção à Indústria 4.0.

Grafeno, concepção tecnológica e custo são os diferenciais de peso
Como já foi escrito em matéria anterior, o uso do grafeno proporciona um melhor desempenho contra oxidação, evitando a corrosão e aumentando a vida útil da arma. Além disso, potencializa as propriedades mecânicas, proporcionando maior dissipação de calor e resistência ao impacto, além de reduzir o peso da arma. Conforme informou a empresa, o tratamento com grafeno tem um diminuto impacto no custo e agrega um alto valor ao produto.

Tais características, aliadas à também revolucionária concepção tecnológica da Plataforma GX4 e ao seu protocolo militar de fabricação, irão unir forças com o imbatível custo de produção da Taurus e serão os grandes diferenciais da arma para disputar as cobiçadas licitações americanas e outras licitações internacionais que forem do interesse da empresa, como as da Índia e de outros países.

Por fim, a futura entrada da Taurus no mercado de Law Enforcement americano tenderá a se transformar em um novo e importante cartão de visitas para a empresa, facilitando novos negócios para a GX4 e, também, para todo o seu portfólio de armas curtas e longas. 

Fazendo uso de uma expressão bastante apropriada, a Taurus demonstra "não estar economizando munição" para atingir seu objetivo de se tornar a maior e melhor fabricante mundial de armamento leve.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque