Pesquisar este portal

quinta-feira, março 24, 2022

EUA: compradores mais diversificados mudam a cultura de armas de fogo

A cliente Andrea Schry (à direita) e a funcionária da Dukes Sport Shop, Missy Morosky, preenchem os formulários legais necessários para a Sra. Schry comprar uma arma, em 25 de março de 2020, em New Castle, Pensilvânia. “A posse de armas não é mais um planeta estranho para as mulheres”, diz Carrie Lightfoot, fundadora da The Well Armed Woman, que vende mercadorias sob medida para donas de armas. (Keith Srakocic/AP/Arquivo)


*The Christian Science Monitor, por Noah Robertson , redator da equipe - 14/03/2022

Janay Harris, que trabalha em uma empresa de cartão de crédito em Dover, Delaware, gosta da vida noturna em cidades próximas como Washington e Filadélfia. Mas a partir de dois anos, as noites nessas cidades deixaram de ser seguras.

Seu noticiário local continuava relatando crimes violentos – um roubo de carro aqui, um assalto à mão armada ali. A Sra. Harris viu fotos das vítimas e achou que elas pareciam pessoas comuns. Eles pareciam, ela pensou, um pouco como ela.

A Sra. Harris decidiu que não seria ela, mas não porque ela iria parar de sair. “Não quero ficar presa em casa depois de uma certa hora ou evitar certos lugares porque tenho medo”, diz ela.

Então, há um ano e meio, a Sra. Harris comprou uma arma e começou a visitar o campo de tiro. Por enquanto, quase nunca sai de casa, diz ela, mas desde que o comprou se sentiu mais confiante e segura – mesmo quando não está com ela.

Autodefesa como sua própria responsabilidade
A Sra. Harris é um dos milhões de americanos que optaram por armas de fogo para sua própria segurança nos últimos dois anos. Dada a pandemia, o aumento das taxas de homicídio, a agitação social e a violência política, eles sentem cada vez mais que os riscos estão em toda parte, e o declínio da confiança nas instituições significa que as pessoas têm menos probabilidade de confiar no governo para proteção. Muitos agora veem a autodefesa como sua própria responsabilidade.

Essa mudança de pensamento alimentou um aumento de compradores de armas pela primeira vez e um grupo mais diversificado de proprietários de armas de fogo. Isso, por sua vez, levou a novas expectativas da cultura de armas, incluindo um desejo de comunidade.

“Você definitivamente vê no contexto da posse de armas entre pessoas de cor que há muito mais dinâmica comunitária”, diz Jennifer Carlson, socióloga da Universidade do Arizona e especialista em política de armas.

Buscando autodefesa: uma mudança na cultura das armas
As vendas de armas americanas seguem regularmente um ciclo de alta e baixa, e um boom pandêmico era previsível. As pessoas comprando não eram. Um estudo de dezembro de 2021 descobriu que cerca de metade dos novos proprietários de armas eram mulheres e metade era uma minoria racial. Isso é um grande desvio da demografia predominante dos proprietários de armas de fogo, que ainda é  esmagadoramente mais velha, branca, conservadora e masculina.

Kevin Dixie está em um campo de tiro em Ballwin, Missouri, 9 de fevereiro de 2020. Philip Smith, que fundou a Associação Nacional de Armas Afro-Americanas, diz estar feliz "Os negros agora estão assumindo a autopropriedade de seu próprio destino, sua própria vida ." (Jeff Roberson/AP/Arquivo)

À medida que o apoio a leis de armas mais rígidas atinge seu ponto mais baixo em cinco anos, os ativistas da Segunda Emenda saudaram a diversidade adicional como uma expansão de sua causa. Mas as armas significam coisas diferentes para pessoas diferentes, diz o Dr. Carlson. As pessoas associam a “cultura das armas” à política e ao individualismo de pequenos governos, diz ela, mas alguns desses novos proprietários estão se aproximando das armas de fogo na tentativa de encontrar, em vez de rejeitar, um senso de comunidade.

De acordo com dados de 2017 do Pew Research Center, 36% dos americanos brancos possuem uma arma de fogo, mas apenas 24% e 15% dos americanos negros e hispânicos possuem. A diferença é ainda maior entre homens e mulheres, de 39% a 22%. Entre todos os americanos, aqueles que se inclinam para os republicanos são duas vezes mais propensos a ter uma arma do que aqueles que se inclinam para os democratas.

Os últimos anos alteraram um pouco esses números, mas o proprietário médio de armas ainda é como “os personagens de 'Duck Dynasty' – mais velhos, brancos, homens, politicamente conservadores, sulistas, rurais”, diz David Yamane, professor da Universidade Wake Forest e fundadora do blog “Gun Culture 2.0”.

Houve uma mudança de décadas, no entanto, na razão que as pessoas dão para comprar armas. Não estão mais caçando, agora é autodefesa.

“O que é interessante sobre a autodefesa, porém, é que ela pode conter ansiedades sociais muito diferentes – diferentes experiências de precariedade, perigo, ameaça”, diz Dr. Carlson.

As mulheres, por exemplo, podem comprar uma arma porque não sentem que a polícia pode aparecer a tempo de protegê-las, diz ela. Os americanos negros, por outro lado, podem comprar uma arma porque não sentem que a polícia os protegerá.

“Quando você tem esse tipo de sentimento de que está sozinho, … bem, então você vai comprar uma arma”, diz o Dr. Carlson.

O desejo de assumir o controle de sua própria segurança levou Carrie Lightfoot a comprar uma arma de fogo pela primeira vez há mais de 10 anos. Ela veio de uma família que não possuía armas em Nova York e nunca considerou possuir uma. Então ela saiu de um relacionamento abusivo e seu ex-parceiro começou a perseguir ela e seus quatro filhos. Ela estava assustada.

Mas enquanto fazia compras, a Sra. Lightfoot notou um problema: tudo foi feito para homens. Acessórios e coldres não cabiam no corpo das mulheres. A propaganda era machismo. Ela não conseguiu encontrar grupos femininos de tiro.

Então ela começou um.

The Well Armed Woman, seu grupo para donas de armas, desde então cresceu para 300 capítulos e cerca de 20.000 membros. Eles vendem mercadorias em seu site, desde shorts de compressão com coldre embutido até joias com tema de bala. A Sra. Lightfoot, ex-membro do conselho da National Rifle Association, viu a influência do grupo.

“A posse de armas não é mais um planeta estranho para as mulheres”, diz ela.

Basta perguntar à Sra. Harris, de Dover, que provavelmente não teria pensado em comprar uma se seu melhor amigo, dono de uma arma, não a tivesse levado ao campo de tiro há dois anos e ido com ela quando ela comprou sua primeira arma.

“Era algo para [nós] nos unirmos”, diz a Sra. Harris.

O instrutor de armas de fogo Wayne Thomas mostra a Valerie Rupert a posição correta da mão em uma arma de fogo na loja Recoil Firearms em Taylor, Michigan, 21 de agosto de 2021. Um estudo de dezembro de 2021 descobriu que cerca de metade dos novos proprietários de armas eram mulheres e metade eram uma minoria racial. (Carlos Osório/AP/Arquivo)

Encontrar a comunidade através da posse de armas
A ênfase na comunidade é típica de um grupo que Harris planeja ingressar neste mês: a National African American Gun Association  (NAAGA). Seu fundador, Philip Smith, iniciou a organização em 2015 para combater o estigma que muitos negros americanos sentem em relação às armas de fogo.

“Se você tem uma arma, deve ser um cara mau”, diz ele sobre estereótipos comuns. “Você deve ser um gangbanger. Você deve ser um capuz, deve ser um bandido. Você não pode ser um cara legal com uma arma.”

Desde a pandemia, o número de membros da NAAGA cresceu, diz o Sr. Smith. Em um período de quatro dias, o grupo adicionou quase 3.000 novos membros, e o corpo total de membros agora é de cerca de 45.000. Cerca de dois terços são homens e um terço são mulheres. Cada novo membro aprende sobre a história dos afro-americanos e das armas de fogo – desde Frederick Douglass e Harriet Tubman. Então eles aprendem sobre segurança de armas.

“Acho que é uma das melhores coisas que saiu de tudo isso – que os negros agora estão assumindo a autopropriedade de seu próprio destino, sua própria vida e dizendo, você sabe, a Segunda Emenda também é minha.” diz o Sr. Smith.

Assumir a propriedade da Segunda Emenda tem seus riscos. Matthew Miller, professor de ciências da saúde da Northeastern University e principal autor do estudo de 2021 que documenta proprietários de armas mais diversos, observa que uma arma de fogo em casa aumenta o risco de lesão ou automutilação de cada habitante. Milhões de novos proprietários de armas expõem milhões de adultos e crianças a esse perigo.

Muitos novos proprietários de armas estão cientes desses riscos; alguns nem gostam de armas. PB Gomez, estudante da Faculdade de Direito da Universidade da Califórnia, Berkeley, fundou a Latino Rifle Association há dois anos em resposta ao tiroteio em massa que teve como alvo hispânicos americanos em El Paso, Texas. As armas têm seus limites, no entanto. Eles não vão consertar o racismo, diz ele, e em um confronto, disparar uma arma é quase sempre uma má opção.

“Muitos de nossos membros antes das ansiedades e percepções sobre a sociedade americana não teriam considerado armas”, diz Gomez. “Eles chegaram a isso quase como 'isso é uma necessidade'”.

Ainda assim, ele e outros membros do grupo sentiram que os latinos precisavam de um espaço para discutir autodefesa, um que não suportasse bandeiras confederadas em lojas de armas ou AR-15 com mensagens “Construa o muro” – ambas as coisas Sr. Gomez tem visto. Seu grupo, diz ele, atrai principalmente pessoas que se inclinam para a esquerda e pregam a responsabilidade social – pessoas como Jackie Garcia.

A Sra. Garcia, eletricista de San Antonio, Texas, começou a pesquisar a posse de armas por volta das eleições de 2020. Naquela época, ela morava em uma cidade pequena, fortemente conservadora e branca ao norte de Dallas e via racismo em relação a pessoas latinas como ela. Em um posto de gasolina um dia, ela diz que um homem se inclinou para ela e fez sinal para um homem latino que estava pagando sua bebida. “É por isso que votei em Trump, e é por isso que ele vai ganhar em 2020”, ele disse a ela. “Ele vai se livrar de todas essas pessoas.”

O ódio contra um total estranho não fazia sentido para ela. Mas foi assustador. “Quem pode dizer que esse ódio não seria voltado para mim?” ela pensou. Se alguma vez fosse, ela queria estar preparada.

Então, a Sra. Garcia começou a ter aulas de tiro e se inscreveu em um curso de piloto sobre armas curtas. Eventualmente, ela comprou um Smith & Wesson Shield 9 e obteve uma licença de porte oculto meses depois. Quase toda vez que ela sai de casa, sua arma vai com ela.

Ela se sentiu mais segura, mas também em conflito. Ela não conseguia conciliar possuir algo que associava tanto a homens mais velhos, brancos e conservadores. Encontrar a Latino Rifle Association e se tornar um moderador em seu fórum de discussão online ajudou. Lá, a Sra. Garcia sentiu que se encaixava.

“É revigorante ver pessoas mais jovens, pessoas de todos os tipos de origens”, diz ela. “Não é apenas um determinado grupo demográfico que se encaixa na cultura das armas.”

Isso não significa que todos precisam ouvir que ela faz parte disso. Apenas sua esposa e seus pais sabem que ela é uma dona de uma arma. É algo que ela faz, diz Garcia, não como parte de sua identidade. Ela espera continuar assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque