Pesquisar este portal

segunda-feira, novembro 29, 2021

Fabricantes americanos correm para aliviar a escassez de munição desencadeada pela pandemia


*The Economist - 27/11/2021

As empresas Ust Two, Vista Outdoor e Olin Corp atendem à maior parte da demanda americana por munições, principalmente por meio de duas marcas estabelecidas há muito tempo: a Remington, parte da Vista, foi fundada em 1816, e a Winchester Ammunition, de propriedade da Olin Corp, começou em 1866. Por causa da crescente demanda por balas, ambas as empresas estão desfrutando do tipo de crescimento estonteante que apenas novos negócios geralmente desfrutam.

Três vezes por dia, filas de caminhonetes surgem do lado de fora da fábrica de munições da Remington, nos arredores de Little Rock, Arkansas, para levar embora os frutos dos turnos 24 horas por dia. É uma reversão brusca em relação ao verão passado, quando a Remington faliu pela segunda vez desde 2018. A produção foi reduzida a um gotejamento de balas feitas de qualquer matéria-prima que pudesse ser obtida dos fornecedores, que não tinham certeza de serem pagos.

Mesmo enquanto a Remington definhava - na época era propriedade de uma firma de private equity, Cerberus Capital, que parecia mais focada em transações financeiras complexas do que em expandir as vendas da empresa - o mercado de munições decolou. O maior fator foi a covid-19 e as restrições associadas, que encorajaram milhões de pessoas a sair para o ar livre para caçar e atirar. A verificação de antecedentes na compra de armas [NICS], uma medida comumente usada para rastrear o mercado, vinha aumentando anualmente, mas no ano passado subiu 40%, sem precedentes.

A Remington conseguiu aumentar os preços sete vezes e tem pedidos não atendidos no valor de bilhões de dólares. Varejistas de munição pesquisados ​​pela National Shooting Sports Foundation (NSSF), um grupo comercial, disseram que poderiam ter vendido três vezes mais munição durante o primeiro semestre de 2021 se ela estivesse disponível. Vista, a nova controladora da Remington, injetou capital de giro e aumentou o tamanho de sua força de trabalho. Os lucros operacionais da unidade neste ano devem ser semelhantes aos US$ 81 milhões que a Vista pagou pelo negócio. Quanto à munição Winchester, sua receita no terceiro trimestre quase dobrou de ano para ano, para US$ 400 milhões, e seu lucro operacional bruto quase quadruplicou.

As indústrias de munições e armas rezam para que os bons tempos durem. No passado, o aumento da demanda ocorria quando os proprietários de armas - a maioria brancos e homens - temiam novas restrições. Agora se trata de novos grupos demográficos. Uma pesquisa da NSSF mostra que a proporção de atiradores recreativos do sexo feminino aumentou de 19% para 25% entre 2006 e 2019. Atualmente, 28% dos proprietários de armas são hispânicos, 25% são negros e 19% são asiáticos. Clubes de armas estão surgindo para todos os nichos. The Pink Pistols, por exemplo, um grupo de tiro e social para minorias sexuais, tem 48 franquias em toda a América. Seu lema: “Escolha alguém do seu calibre”.

A oposição política às armas de fogo continua forte, fazendo com que as empresas mudem suas operações recentemente para locais que podem ser um pouco mais amigáveis. A divisão de armas de fogo licenciadas da Remington está se mudando de Nova York para a Geórgia, onde as leis sobre armas são mais permissivas, e a Smith & Wesson, outra marca lendária, disse recentemente que vai vender de Massachusetts ao Tennessee. Mas os clientes de armas e munições parecem estar surgindo em todos os lugares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque