Pesquisar este portal

dezembro 17, 2020

Taurus informa ter 10 meses de pedidos à frente e anuncia lançamentos

 

*LRCA Defense Consulting - 17/12/2020

Em live realizada ontem pelo canal de Samuel Cout no YouTube, o Presidente e CEO Global da Taurus Armas, Salesio Nuhs, revelou informações importantes sobre a situação atual da empresa.

Uma das mais relevantes é devida ao excepcional aquecimento da procura por armas no Brasil e, principalmente, nos Estados Unidos. Segundo Salesio, mesmo produzindo a pleno na unidade brasileira (5.800 armas/dia) e em ramp-up de produção na nova fábrica da Georgia (EUA), a Taurus tem pedidos à frente de 1,2 milhão de armas no mercado americano e 200 mil no nacional, representando 10 meses de pedidos à frente (backorders). Isso significa que a empresa poderá inciar o ano com quase toda sua produção de 2021 já destinada para os pedidos existentes, especialmente no tocante a pistolas e revólveres.

Com relação aos novos lançamentos da empresa o CEO adiantou importantes informações.

GX4
A microcompacta pistola GX4, chamada de "cereja do bolo" da Linha G, ocupará um novo e importante nicho de mercado que representa 40% do segmento de pistolas. Em calibre 9mm, será lançada simultaneamente no Brasil e nos EUA em abril de 2021. Seu tamanho será similar ao da conhecida Hellcat (Springfield Armory - foto abaixo), mas com maior capacidade.

Em termos de comparação, uma Hellcat custa hoje, no Brasil, cerca de R$ 13.600,00, enquanto a GX4 deverá ser comercializada por menos da metade desse valor. 

Imagem ilustrativa: pistola microcompacta Hellcat (Springfield Armory)

AR-10 e rifle de ferrolho
- O AR-10 no calibre 7,62 x 51mm tem lançamento previsto para 2021. Será batizado como T10 e terá dois tamanhos de cano: 16 e 20 polegadas. Considerado como "arma de guerra", terá protocolo de fabricação militar e se destinará às forças policiais e militares.

Imagem ilustrativa: Fuzil ArmaLite AR-10 A4 em uso pelo BOPE-RJ

- O rifle de ferrolho que está em desenvolvimento terá três calibres em canos rosqueados intercambiáveis: 308, .243 e 6,5, destinando-se, entre possíveis usos, à caça de javalis e outros animais de médio e grande portes. A coronha será intercambiável com o rifle Remington.

Protótipo incial do novo rifle de ferrolho
 

Outros lançamentos
- As pistolas G3, a G3c e a 1911 em calibre 9mm, já lançadas nos EUA, só aguardam o RETEX do Exército e têm previsão de lançamento no primeiro trimestre de 2021.

- A pistola compacta TS9c deverá ser lançada no primeiro semestre de 2021. Virá com capacidade para 13 cartuchos e tem protocolo militar de fabricação.

- A Carabina Tática CTT no calibre 9mm será lançada no primeiro trimestre de 2021.

- O "revólver mais barato do mundo" está quase pronto. 

- A submetralhadora que substituirá a SMT 9mm terá protocolo militar irá para a Marambaia no início do ano que vem. Será a mais compacta e mais leve (2,5Kg) submetralhadora na categoria, destinando-se ao mercado policial e militar. A ser lançada no segundo semestre de 2021.

Protótipo da nova e revolucionária submetralhadora
 

- Edição limitada de um rifle .22 comemorativa aos 100 anos da medalha de ouro no Tiro Esportivo Olímpico será lançada ainda neste ano.

- A pistola TH no calibre 10mm (.357 Magnum para pistolas) sendo desenvolvida.

- Em desenvolvimento também o Fuzil AR-15 no calibre 7,62 x 39mm, calibre em uso na Índia, nos países do antigo Pacto de Varsóvia e em diversos outros que utilizam o AK-47 ou suas versões mais modernas.

- Em 2021, está previsto o ressurgimento da carabina Rio Grande no calibre 30x30, revólveres Rossi, de ação percutida e de ação simples.

Em fase final também está o Revólver no calibre .223. Será o primeiro revólver do mundo com esse poderoso calibre. A fabricação será feita no Brasil e o lançamento está previsto para o segundo semestre de 2021.

Protótipo do revólver no calibre .223

Carregadores
Comentando sobre a nova fábrica de carregadores marca Taurus, Salesio afirmou que o padrão de qualidade exigido será superior ao da famosa marca Mec-Gar.

Aumento de preços
O CEO explicou que o valor das armas é indexado ao IGP-M que, neste ano, subiu cerca de 24%. Por isso, a Taurus aplicou um reajuste na metade do ano e outro agora, valendo este último para novas compras a partir do início de 2021.

Filipinas
A licitação de 12.412 fuzis foi vencida pela empresa com seu T4 e só aguarda a expedição do empenho do governo e a assinatura do contrato. Será mais um grande passo em direção ao mercado asiático, pois as Filipinas são conhecidas por terem um dos mais exigentes protocolos do mundo em termos de qualidade.

Exportação para países vizinhos
São quase que inviáveis, devido a uma norma do governo Fernando Henrique taxar em 150% a exportação de armas e munições para tais países. Por este motivo, a CBC está ultimando uma fábrica no Paraguai.

Sugestão para reduzir o custo de armas importadas e estimular a vinda de novas empresas
Salésio afirmou que se o governo quiser realmente abrir o país para os produtos importados e estimular a vinda de outras empresas para o Brasil, basta eliminar o Imposto sobre Produtos Industrializados para todo o setor, pois assim também estaria tratando igualitariamente a indústria nacional, deixando a livre concorrência estabelecer os preços.

Mesmo nas atuais condições, o CEO afirmou que nenhum fabricante internacional que exporta para o Brasil consegue concorrer em preços com a Taurus. Disse também que qualquer empresa pode vir fabricar no País, mas nenhuma vem devido à pesada carga tributária (70% de impostos) e à necessidade de uma demoradíssima homologação.

Sugestões para reduzir o prazo de homologação de uma arma pelo EB
Em três anos, a Taurus lançou 198 novos produtos, além de centenas de SKUs (alteração em produto já existente). Desses, somente uma pequena quantidade  foi homologada, prejudicando a inovação e a oportunidade da empresa perante a concorrência importada, que não precisa ter RITEX para trazer armas para o Brasil.

Assim, para que o Brasil não fique três ou quatro anos defasado do mercado internacional, ou pior, tenha que se valer de produtos importados, Salesio oferece três soluções simples para agilizar o processo de homologação:

1. Não homologar armas civis, como fazem os demais países, ficando o fabricante como responsável total pelo produto.

2. Homologação por família de produtos. No caso de armas, por plataformas de armas. Assim, o Fuzil T4, por exemplo, seria uma plataforma ou uma família. Caso não haja alteração em itens que afetem a segurança da arma, não seria necessária uma nova homologação.

3. Aceitar homologação em laboratório estrangeiros, como o Brasil já faz atualmente com a imensa gama de armas que importa dos vários países do mundo.


Um comentário:

  1. Fernando Henrique FEZ MERDA, MUITA MERDA, com essa taxação.... Veja se outras empresas se sentem minimamente "tocadas" em não vender aos nossos vizinhos. Fez simplesmente entregar o mercado aos concorrentes. Lamento ver projetos da Taurus indo para fábricas fora daqui, mas do ponto de vista de empresa, não tem alternativa.

    ResponderExcluir

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque