Pesquisar este portal

segunda-feira, março 14, 2022

Índia emerge como o maior importador de armas em 2017-21


*Financial Express, por Amit Cowshish - 14/03/2022

O último relatório do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) sobre Tendências na Transferência Internacional de Armas, 2021, divulgado em março de 2022, revela que a Índia e a Arábia Saudita emergiram como os maiores importadores de armas entre 2017-21, cada um representando 11% de todas as vendas globais de armas. O relatório coloca a Índia no topo da lista. Egito, Austrália e China foram os três maiores importadores seguintes, com participações respectivas de 5,7%, 5,4% e 4,8%.

Make in India / Atmanirbhar Bharat - Feito na Índia / Índia Autossuficiente
Paradoxalmente, a Índia foi o único país entre os cinco primeiros cujas importações diminuíram durante o referido período. O declínio de 21% nas importações da Índia em 2017-21 em comparação com 2012-16 foi possivelmente devido à crescente ênfase no projeto e fabricação de equipamentos de defesa nacionais por empresas estatais e do setor privado.

A Rússia com 46% e a França com 27% mantiveram suas respectivas posições como os dois maiores exportadores para a Índia, embora as exportações do primeiro tenham caído 3% entre 2012-16 e 2017-21. As exportações da França, por outro lado, aumentaram 9%, de 18% para 27%, durante o mesmo período, evidentemente devido à compra de 36 aeronaves Dassault Rafale Medium Multi-Role para a Força Aérea Indiana por cerca de Rs 59.000 crores.

Israel, que foi o terceiro maior exportador para a Índia durante 2016-20, com uma participação de 13% nas importações de defesa da Índia, foi superado pelos EUA com uma participação percentual de 12% em 2017-21. Sem nenhuma grande aquisição atualmente em andamento, é incerto se os EUA conseguirão manter essa posição em 2018-22, muito menos melhorá-la.

É significativo que 85% das importações da Índia tenham vindo de apenas três países: Rússia (46%), França (27%) e EUA (12%). No entanto, sanções punitivas impostas à Rússia pelos EUA e seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), incluindo a França, por sua invasão da Ucrânia, criaram um dilema para a Índia e explicaram por que ela repetidamente se absteve de votar contra Moscou na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Dilema indiano
Com mais de 60% - segundo algumas estimativas, 80-85% - dos equipamentos operados por suas forças armadas sendo de origem russa, a Índia não pode suportar essas sanções sem sérias consequências operacionais. Ao mesmo tempo, também não pode ignorar a pressão incessante dos EUA e seus aliados para serem categóricos na condenação da invasão descarada da Ucrânia pela Rússia, que continua a causar devastação incalculável.

Enquanto isso, dos cinco maiores exportadores de armas em todo o mundo, EUA e França aumentaram sua participação em 2017-21, em comparação com 2012-16, mantendo sua posição como o primeiro e o terceiro maiores exportadores de armas do mundo. Isso é uma indicação da superioridade tecnológica dos equipamentos que esses dois países fabricam e a consequente influência que exercem sobre seus clientes como Índia e Arábia Saudita.

Segundo o relatório do SIPRI, a participação dos EUA no bazar mundial de armas passou de 32% para 39%, enquanto a da França aumentou de 6,4% para 11% no período mencionado. A Rússia, no entanto, manteve sua posição como o segundo maior exportador depois dos EUA, apesar de uma queda de 26% nas exportações, enquanto a China superou a Alemanha para a quarta posição.

Embora tenha mantido sua posição como o segundo maior exportador de armas, as exportações da Rússia caíram 26%, de 24% em 2012-16 para 19% em 2017-21. Considerando as sanções que agora enfrenta, isso pode cair ainda mais este ano. Muito vai depender de até que ponto a Índia, que respondeu por 28% das exportações de armas da Rússia, seguida pela China (21%) e Egito (13%), é capaz de suportar a pressão para reduzir as importações da Rússia.

Enquanto isso, o declínio de 31% na participação da China nas exportações globais de armas foi mais acentuado, caindo de 6,4% para 4,6% no mesmo período. Em comparação, o declínio da Alemanha foi mais suave; caiu de 5,4% para 4,5% ou um total de apenas 19%.

Índia melhora como exportadora, mas ainda está longe da meta

A Índia, que foi o 24º maior exportador em 2016-20, melhorou sua posição em um degrau para 23º em 2017-21, com uma participação de apenas 0,2% das exportações globais, longe de sua meta declarada de atingir US$ 5 bilhões (INR 35.000 crore) até 2025.

O principal desafio para a Índia nisso é fazer incursões em mercados que representam a maior parte das importações globais. Nada ilustra isso melhor do que a ascensão da China como exportador de armas, em grande parte devido às suas vendas para o Paquistão, que aumentaram de 38% em 2016-20 para 47% em 2017-21. Por outro lado, 72% das importações do Paquistão durante 2017-21 foram expressamente da China.

A Índia, por sua vez, não tem uma esfera de influência igual à da China ou de um cliente como o Paquistão com um 'desejo insaciável' por equipamento militar, indiferente à sua economia instável e à armadilha da dívida insidiosa.

*O autor é Ex-Conselheiro Financeiro (Aquisição) do Ministério da Defesa da Índia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque