Pesquisar este portal

dezembro 01, 2021

Taurus reduziu seu capital social, mas o que isso significa?


*LRCA Defense Consulting - 01/12/2021

A Taurus Armas S.A. comunicou ao mercado nesta terça-feira (30), que aprovou, em assembleia geral extraordinária, a redução do capital social da companhia no valor total de R$ 370.964.873,08, sem que tenha havido cancelamento de ações.

Segundo a empresa, essa redução se destina à “absorção parcial do saldo de prejuízos acumulados registrados nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2020”.

Com isso, o capital social da companhia foi reduzido de R$ 673.092.079,61 para R$ 302.127.206,53, representado por 117.110.796 de ações, sendo 46.445.314 ações ordinárias (TASA3) e 70.665.482 ações preferenciais (TASA4).

Mas o que isso significa?
Concretizada a aprovação, a empresa agora poderá apreciar parte do resultado positivo dos três primeiros trimestres deste ano, somando-a à redução. Com isso, acontecerá uma "soma de resultado zero", ou seja, uma operação meramente contábil (em que não há desembolso financeiro) que resultará na eliminação do registro de prejuízos anteriores acumulados no balanço da companhia.

Superado esse obstáculo, a Taurus poderá concretizar aquilo que o CFO da empresa chamou de "cereja do bolo do turnaround", ou seja, a remuneração de seus acionistas por meio do pagamento de dividendos já a partir deste ano, já que esta é a firme intenção manifestada pelo CEO Global Salesio Nuhs e pelo CFO/DRI Sérgio Sgrillo em diversas lives e entrevistas havidas desde 2020. Evidentemente, por uma questão contábil, esse fato só deverá ser registrado nas próximas ITR (Informações Trimestrais), que serão relativas ao 4T21 e ao ano de 2021.

Ainda sobre a questão dos dividendos, recentemente, durante uma live relativa aos resultados do 3T21, o CEO da companhia afirmou que a intenção é pagar a seus acionistas dividendos tão agressivos quanto tem sido seus resultados. A propósito, é importante lembrar que a Taurus tem, em seus estatutos, a obrigação de pagar um dividendo mínimo de 35% sobre o lucro líquido anual a seus acionistas (10% acima do mínimo previsto em lei). 

Uma outra informação também veiculada via live foi a de que, após a zeragem dos prejuízos acumulados, ainda sobrará um saldo positivo de R$ 13 milhões, que será somado ao lucro ajustado do 4T21 para que, então, possa ser calculado o valor dos dividendos de 2021 a serem pagos aos acionistas. 

No programa BM&C News, em uma das edições deste ano, o estrategista e gestor de clube de investimentos Fábio Bacha, quando comentava sobre a Taurus Armas, mostrou-se bastante entusiasmado com a empresa e afirmou que ela poderá ser uma "máquina de distribuir dividendos em 2022".

Certamente, não é sem motivo que o megainvestidor Luiz Barsi Filho, conhecido por sua devoção aos dividendos como estratégia de investimento em ações, tem a maior posição nas ações preferenciais da empresa e a segunda maior nas ordinárias.

Mais consequências positivas
Agora, a Taurus - uma multinacional fundamentalmente exportadora, com uma unidade nos EUA e outra na Índia (2022) - está com seu endividamento equacionado e reduzido a níveis normais, tem Patrimônio Líquido Positivo, é uma das empresas que mais geram caixa no País, seu balanço está limpo de prejuízos anteriores e suas perspectivas de crescimento são simplesmente de dar inveja a qualquer outra. Portanto, além do pagamento de dividendos, a partir de agora todas as opções abaixo são factíveis, isoladas ou conjugadas:

  • possibilidade de investimento em suas ações por grandes fundos e gestoras de capital nacionais e internacionais, até então impedidos de fazê-lo;
  • acesso a financiamentos nacionais e internacionais em condições vantajosas (vide o realizado com o BTG recentemente);
  • eventuais aquisições (M&A) e/ou novas joint ventures estratégicas;
  • recompra estratégica de ações para mantê-las em tesouraria, valorizando-as;
  • listagem de seus títulos em uma bolsa de valores norte-americana, seja por meio de ADR, seja por IPO da unidade americana (Taurus USA), ou seja ainda pela migração de suas ações para uma bolsa de valores dos EUA. 
Por fim, é sempre relevante lembrar que o objetivo da Taurus, manifesto de forma constante por seus executivos, é o de se tornar a maior e mais rentável fabricante de armas leves do mundo, gerando valor para seus acionistas, além de orgulho e divisas para o Brasil.

Um comentário:

Seu comentário será submetido ao Administrador. Não serão publicados comentários ofensivos ou que visem desabonar a imagem das empresas (críticas destrutivas).

Postagem em destaque