Pesquisar este portal

agosto 08, 2020

WEG lança tinta à prova de Coronavírus

 Composta por agentes antivirais nova tinta vai ajudar no combate à pandemia

 

 *LRCA Defense Consulting - 08/08/2020

Para ajudar no enfrentamento da pandemia causada pela Covid-19 a WEG acaba de desenvolver uma tinta antiviral que inativa 99,99% do Coronavírus quando em contato com a superfície em poucos minutos.

A tinta poliuretana W-THANE APA 501 Protection foi testada com o Coronavírus cepa MHV-3, Gênero Betacoronavírus (mesmo gênero e família dos SARS-CoV1, SARS-CoV-2/Covid19, MERS), seguindo todas as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e metodologias da International Standard ISO - BS ISO 21702:2019, o que atesta sua segurança e eficácia.

Resultado de um amplo estudo de pesquisa e desenvolvimento realizado pela Unidade de Tintas e Vernizes da WEG, o produto é composto por agentes antivirais que atuam na superfície, inativando o vírus.

A linha profissional é recomendada para a proteção de hospitais, móveis e equipamentos hospitalares, laboratórios, consultórios e equipamentos médicos e odontológicos, eletrodomésticos, supermercados, e indústrias nos mais diversos segmentos, incluindo o de implementos rodoviários (metros, trens, ônibus, caminhões, etc).

“Não estamos poupando esforços para o desenvolvimento de tecnologias para o combate da Covid-19. Disponibilizamos uma equipe de pesquisadores altamente capacitada para este projeto e conseguimos em tempo recorde o resultado esperado”, enfatiza Reinaldo Richter, Diretor Superintendente da WEG Tintas.

Disponível nas mais diversas cores, a linha W-THANE APA 501 Protection já está à venda no Brasil e disponível para exportação.

agosto 07, 2020

Taurus comunica que demanda pelo Fuzil T4 superou todas as expectativas e que haverá atraso nas entregas

 

 *LRCA Defense Consulting - 07/08/2020

Em Comunicado divulgado hoje (07) por meio da página da Taurus Armas no Facebook, o Presidente e CEO Global da empresa, Salesio Nuhs, informou que:
- "A demanda pelo Fuzil T4 tem superado todas as expectativas que foram previstas, tanto nas vendas para clientes do mercado nacional, como para órgãos de segurança pública brasileiros e para grandes contratos militares internacionais. Isso demonstra o sucesso que este produto está alcançando em todos os mercados, e a confiança que os clientes têm na marca Taurus". 

Chamou a atenção desta editoria a frase "para grandes contratos militares internacionais", haja vista que o último contrato desse tipo que a empresa divulgou foi a venda de 1.000 fuzis T4 para o Senegal em 18 de maio último.

O Comunicado prossegue informando que "mesmo priorizando os nossos clientes brasileiros, infelizmente, o prazo para emissão da Nota Fiscal dos Fuzis T4 nesse momento, será de até 90 dias após o recebimento da autorização de aquisição".

O Presidente da Taurus também afirmou que a empresa está produzindo 5 mil armas por dia em sua unidade brasileira e que os demais produtos do portfólio seguem com faturamento imediato.

Veja abaixo a íntegra do Comunicado.  



Taurus Armas fornece pistolas TH9 para força policial argentina

*LRCA Defense Consulting - 07/08/2020

No dia 04 deste mês, foi realizada cerimônia de entrega de 500 pistolas Taurus TH9 para a Polícia da província de Chubut, na Argentina.

O evento ocorreu na sede da policia local e contou com a presença do Governador Mariano Arcioni,  do Ministro de Segurança da Província, Frederico Massoni, e do Chefe de Polícia, Miguel Gomez.

As pistolas serão utilizadas por duas divisões da corporação, as Divisiones de Seguridad Rural de toda a província e a División de Investigaciones de Puerto Madryn. 

 


agosto 06, 2020

WEG será responsável pela modernização da Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira



A WEG foi a empresa contratada pela CTG Brasil, uma das líderes em geração de energia limpa no Brasil, para o fornecimento de 21 transformadores de 205 MVA – 440kV que serão instalados na Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira, localizada no Rio Paraná, entre os municípios de Ilha Solteira (SP) e Selvíria (MS).

O fornecimento faz parte do projeto de modernização da Usina que vem sendo conduzido pela CTG Brasil desde 2017. Inicialmente, a troca dos equipamentos estava prevista para ocorrer de forma escalonada ao longo dos dez anos de projeto — até 2027 — , mas pôde ser antecipada graças à parceria com a WEG, que atuou com agilidade na entrega dos equipamentos.

— Realizando ensaios preventivos, percebemos que antecipar a modernização dos transformadores seria importante para aumentar a disponibilidade de geração em Ilha Solteira, além de reforçar a segurança na usina — afirmou Evandro Vasconcelos, vice-presidente de Geração e Comercialização da CTG Brasil. Para o executivo, — poder contar com um parceiro de alta qualidade como a WEG foi crucial nessa tomada de decisão—.
Os novos transformadores têm expectativa de vida útil de pelo menos 35 anos, com alta eficiência energética, potência 20,6% maior do que o modelo anterior e sistema digital de monitoramento. “Estes transformadores irão não só substituir os equipamentos antigos, mas também evitar interrupções na geração de energia e garantir a operação da usina durante a concessão, minimizando riscos operacionais e de desligamento ou parada de máquinas”, explica Carlos Diether Prinz, Diretor Superintendente da WEG T&D.

A parceria entre a WEG e CTG Brasil beneficia diversas operações da geradora de energia limpa. Além do fornecimento de transformadores de potência para Ilha Solteira, a WEG forneceu, recentemente, equipamentos para melhorias nas usinas Salto Grande, Rosana, Taquaruçu e Garibaldi, todas administradas pela CTG Brasil. Ainda há mais uma entrega da parceria prevista para julho, com destino à Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Retiro.

Modernização a todo vapor — A CTG Brasil segue em frente com seu cronograma de modernização das hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira, que envolvem também outros equipamentos, como as turbinas e geradores das usinas. De acordo com Vasconcelos, — esse processo é fundamental para contribuirmos com o desenvolvimento do País a partir da qualidade e segurança na geração de energia elétrica de forma 100% limpa e renovável, atividade essencial para o funcionamento do Brasil. Também é importante ressaltar que, neste período de pandemia, todo o trabalho vem sendo realizado em conformidade com as recomendações das autoridades de saúde, em respeito à vida dos nossos colaboradores, parceiros e de toda a sociedade—.

Juntas, Ilha Solteira e Jupiá somam 5 GW de capacidade instalada de energia limpa, o suficiente para atender a demanda de mais de 2 milhões de brasileiros. O projeto de modernização das usinas deve ser concluído até 2027, com investimento total de R$ 3 bilhões, representando o maior projeto de modernização de hidrelétricas da história do Brasil.

agosto 05, 2020

Fortalecimento da Defesa é essencial para a política externa do País




O Secretário de Produtos de Defesa (SEPROD) do Ministério da Defesa, Marcos Degaut, proferiu palestra na quinta-feira (30), para os alunos do III Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa. Ao abordar o tema: “A Base Industrial de Defesa segundo a Estratégia Nacional de Defesa: perspectivas para o setor produtivo”, o Secretário destacou que é fundamental fortalecer o debate sobre a Defesa, a Segurança e a Base Industrial de Defesa (BID), como elementos que considera essenciais para uma grande estratégia nacional, e fatores indissociáveis para a elaboração de uma política externa em qualquer país que almeje ser “global player”.

Degaut ressaltou que é necessário estabelecer uma nova agenda para o setor de Defesa, adequando-a aos novos tempos. “Infelizmente, ainda pesa sobre o setor o estigma da desconfiança, provocada por percepções preconceituosas e anacrônicas, além do desconhecimento sobre o tema Defesa”. A consequência foi, ao longo dos anos, a exclusão do tema do eixo político nacional.

Para fortalecer o setor no País, o secretário destaca que é necessária a construção de uma agenda estratégica de Defesa, baseada em quatro eixos. Um deles é o fortalecimento da cultura estratégica, fundamental para o país entender a sua relação com o resto do mundo. “Essa cultura é focada em grandes estratégias de Estado que uma Nação precisa conjugar para alcançar seus interesses a longo prazo”, explica.

Outro eixo destacado pelo Secretário Degaut é o fortalecimento da Base Científica Tecnológica e Industrial de Defesa. “Se nós queremos ter capacidade de inovação e ter uma base mobilizável longínqua, precisamos fazer investimentos em pesquisa e desenvolvimento agora. Semear hoje o que nós vamos colher no futuro. São fundamentais a preservação e o aperfeiçoamento de indústrias de interesse estratégico que possam sustentar os projetos estratégicos das Forças Armadas”, afirmou. Em sua visão, não se pode conceber soberania e autonomia sem produtos de Defesa fortes e uma indústria de Defesa autossustentável, com capacidade de desenvolvimento tecnológico, que possa funcionar também como grande vetor de exportações.

O Secretário ainda reforçou que o Ministério da Defesa tem buscado derrubar barreiras e inovar em soluções que ampliem e fortaleçam a BID brasileira, com destaque para ações focadas em novas formas de financiamentos e garantias para o setor; aperfeiçoamento da Tríplice Hélice (que congrega ações envolvendo Academia, Estado e Iniciativa Privada) e isonomia normativa e tributária, que permita uma concorrência em igualdade de condições entre a indústria nacional e os fabricantes internacionais.

O terceiro vetor diz respeito à maior convergência entre o setor de Defesa e a Diplomacia. “Essa articulação é necessária para eliminarmos ruído e harmonizarmos percepções. Mas o mais importante é que essa convergência fortalecerá a cultura estratégica”. Além disso, o Secretário aponta avanços como: racionalização de procedimentos administrativos, eficiência na promoção comercial, efetividade na prevenção, combate e repressão a ilícitos transfronteiriços e aumento do capital político do País no cenário internacional, como consequência dessa convergência.

O quarto eixo refere-se ao necessário reaparelhamento das Forças Armadas, com o benefício adicional de sua utilização também em projetos de melhoria da infraestrutura nacional. “Estamos tendo um envolvimento maior em projetos sociais. Essas ações são importantes porque acabam fortalecendo a cultura estratégica nacional”, explicou.

Após a palestra, os participantes fizeram perguntas e tiraram dúvidas com o Secretário de Produtos de Defesa. A videoconferência foi acompanhada pelo Comandante da ESG, Almirante de Esquadra Wladmilson Borges de Aguiar, e pelo Subcomandante da Escola, Major Brigadeiro do Ar Leonidas de Araújo Medeiros Júnior.

O III Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa conta com oito semanas de programação 100% on line, que aborda aspectos de Defesa, Infraestrutura, Desenvolvimento e perspectivas para o cenário pós-pandemia. O evento é realizado pela Escola Superior de Guerra (ESG) e pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC). Além de integrantes das duas entidades, o Ciclo também conta com a participação das Federações das Indústrias dos Estados da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Tocantins e Minas Gerais.

Presidente da Taurus confirma que joint venture na Índia está avançando bem


*LRCA Defense Consulting - 05/08/2020

Em matéria publicada no Estadão de 03 de agosto, foi divulgada uma declaração de Salesio Nuhs, Presidente e CEO Global da Taurus Armas S.A., confirmada posteriormente por esta editoria, onde o executivo respondeu sobre o andamento da joint venture firmada com o Jindal Group na Índia:

- A parceria com o grupo indiano está avançando de acordo o cronograma estabelecido, ainda que a pandemia de covid-19 tenha atrapalhado, por exemplo, viagens e deslocamentos. Estamos trabalhando em toda parte documental e layout da planta. O local onde a fábrica vai ser instalada já está com sua construção pronta, parte de alvenaria, e agora nosso parceiro vai iniciar a aquisição das máquinas para a produção.

Saiba mais:

Perguntas e respostas sobre posse de arma em propriedades rurais



Depois de tratar em uma das edições do quadro Direito Agrário sobre novas regras de posse de arma para produtor rural, o advogado, professor de pós-graduação de direito agrário e ambiental, consultor jurídico e sócio-diretor da P&M Consultoria Jurídica, Pedro Puttini Mendes, recebeu dúvidas a respeito do tema, que foram elucidadas no programa desta terça, 04.

Veja abaixo as respostas e, no final da matéria, o vídeo completo:

Telespectador 1: “Eu sou neto de produtor e resido na fazenda. Posso alegar isto como necessidade para tirar o meu porte de arma? Quero tirar o porte e não a posse.”

Pedro Puttini Mendes: “É importante comentar aqui que a Lei Federal 13.870, de 2019, concedeu aos produtores o direito de posse, não porte. Posse rural ou a posse residencial da arma de fogo em todo o perímetro do imóvel rural, como nós já comentamos daquela edição do quadro, não só mais dentro da residência, mas ampliando o conceito de residência do imóvel rural para todo o perímetro, toda a extensão, o chamado domicílio, de forma que entre as cercas então o produtor pode utilizar a arma para fins de defesa.”

+ Leia na íntegra a Lei nº 13.870, de 17 de setembro de 2019

T2: “Como não sou proprietário, o efetivo dono da propriedade pode fazer um atestado para mim?”

PPM: “Em regra, o critério de admissibilidade para posse rural é ser produtor rural e isto pode ser comprovado por meio de cartão de produtor, por meio de contrato de arrendamento, parceria a titularidade do imóvel, ao passo que a aquisição de uma arma frente a legislação só é possível com alguns requisitos com a idade mínimo de 25 anos, bons antecedentes criminais e demais requisitos para a aquisição e que, se preenchidos estes requisitos, não é necessária a declaração do proprietário. Caso contrário, você pode adquirir então a arma da fogo como um cidadão comum e que, diante da autorização do proprietário que vai utilizar esta área como residência, acaba utilizando do armamento neste local.”

T3: “Sou de São Paulo e a fazenda fica no Mato Grosso do Sul. Posso tirar o porte em São Paulo ou tem que ter no estado da propriedade rural?”

São duas situações. No caso de aquisição de arma por meio da Polícia Federal, a delegacia responsável é aquela da região da fazenda, lembrando que a arma deve ficar dentro do perímetro da fazenda. E no caso de aquisição de arma pelo Exército, mais informações têm que ser buscadas por um despachante bélico na região militar onde a fazenda é submetida. É importante lembrar que o porte, não a posse, na legislação atual é uma exceção em situações, como por exemplo, os atiradores profissionais, os colecionadores, devendo o requerente comprovar a capacidade e os demais requisitos que o autorizem a transitar com este armamento na qualidade de atirador profissional, clube de tiro, enfim.

Ao fim das respostas, Puttini reconheceu ainda a ajuda de Diego Garcia, do Clube de Tiro Grupo Águia de São Gotardo-MG.

WEG fornece alternadores de emergência para o maior hospital da Sérvia


*LRCA Defense Consulting - 05/08/2020

A WEG forneceu oito alternadores de 1.700 kVA para fornecer energia de emergência às instalações recém-ampliadas do Centro Clínico da Sérvia. Em um momento em que os hospitais de todo o mundo são um ponto de ruptura na luta contra o COVID-19, este projeto destaca a importância de sistemas de energia de backup eficazes para cobrir falhas inesperadas de energia da rede elétrica.

O Centro Clínico da Sérvia, localizado na capital do país, Belgrado, possui 3.150 leitos hospitalares, considerado o número mais alto da Europa, e por volta de um milhão de pacientes são tratados lá todos os anos. Em agosto de 2018, o presidente da Sérvia, Aleksander Vučić, anunciou um investimento do governo de 110 milhões de euros em uma complexa reconstrução de instalações no centro, a ser implementada entre 2018 e 2022.

Essa nova construção adicionará 28.000 metros quadrados de novos edifícios, incluindo novas salas de operações, consultórios e mil ou mais unidades adicionais de leitos. Além dos novos sistemas de ar condicionado e instalações mecânicas, um grande desafio, como em qualquer construção hospitalar, é ter um sistema de fornecimento de energia eficaz.

Condições climáticas adversas, picos de demanda ou qualquer tipo de mau funcionamento técnico na rede elétrica principal, podem interromper o fornecimento de energia e afetar adversamente as muitas atividades sensíveis que ocorrem no centro médico. Os hospitais, portanto, precisam de um sistema elétrico de backup, geralmente na forma de geradores a diesel para garantir energia contínua.

O processo de licitação para fabricar esses sistemas para o Centro Clínico da Sérvia foi intenso. Todos os principais fabricantes de geradores do mundo foram envolvidos e esforçaram-se para atender aos critérios rigorosos e desafiadores da especificação. Garantia estendida e experiência em aplicações similares foram especificadas, juntamente com preços competitivos.

No final, o maior fabricante de grupos geradores da Sérvia, a Tehnolink venceu o contrato para fornecer os geradores. A empresa projeta, fabrica, monta e presta serviços de manutenção a grupos geradores a gás e diesel. Também coube à Tehnolink adquirir os melhores componentes para o projeto, incluindo alternadores, motores Diesel e radiadores, para fornecer ao hospital sérvio um sistema de fornecimento de energia confiável e eficaz.

A Tehnolink considerou uma variedade de fabricantes para fornecer os alternadores, pois essa seria uma parte crítica do grupo gerador que converte a energia mecânica em energia elétrica.

Para vencer o projeto com a Tehnolink, a WEG precisou apresentar um case por suas capacidades técnicas. Os alternadores WEG se destacaram da concorrência devido à sua sólida construção em ferro fundido, especificamente a linha AG10, preferível às alternativas de aço calandrado. A carcaça de ferro fundido permite melhor densidade de potência, vibrações reduzidas e melhor eficiência de refrigeração.

A WEG também ofereceu sua própria tecnologia com o alternador, com sistema de excitação interna (I-PMG) que possui as mesmas características de um gerador de ímã permanente externo (PMG), sem aumentar o comprimento e o preço da máquina. A tecnologia I-PMG da WEG é uma bobina auxiliar inserida no estator principal que elimina a necessidade de ter uma PMG externa, onde permite ter uma carcaça menor quando comparada aos alternadores dos concorrentes, além de ter um custo menor. Uma das características do I-PMG é a capacidade de curto-circuito, onde mantém uma corrente mínima de curto circuito de 300% em relação a corrente nominal do alternador por 10s.

Os alternadores WEG são projetados e fabricados internamente e possuem a tecnologia de ímãs permanentes (PMI) inseridos no estator da excitatriz, como standard. Para outros fabricantes, isso é oferecido como um item opcional e, às vezes, nem é apresentado como uma opção em alternadores menores que 1.000 kVA. O PMI elimina problemas de perda de excitação em instalações com grandes cargas e permite potência instantânea na partida das cargas. Não há necessidade de flashing nos enrolamentos em caso de perda de magnetismo residual. O processo de escorvamento (excitação inicial), é garantido pelos ímãs permanentes que estão inseridos nos polos do estator da excitatriz principal, este é um fator importante para a confiabilidade do sistema, principalmente em aplicações de emergência (em instalações críticas, como hospitais, isso é essencial) no qual o grupo gerador permanece grandes períodos em repouso e necessita estar apto ao funcionamento a qualquer momento.

Os prazos eram apertados para o projeto e o prazo de aceitação da fábrica era no final de março de 2020. O Factory Acceptance Test (FAT) é um processo que avalia o equipamento durante e após o processo de montagem, verificando se é construído e operado de acordo com as especificações do projeto. A WEG atendeu aos prazos de entrega exigidos, com uma rápida mobilização da cadeia produtiva de fabricação. Os alternadores foram fabricados na fábrica de Jaraguá do Sul em tempo recorde. Os alternadores foram entregues dois meses antes do prazo do FAT na Tehnolink. Para ganhar tempo, a WEG juntamente com a Tehnolink optou por enviar os alternadores para o porto de Gênova, Itália, e não para a Inglaterra (onde está localizada a WUK, que realizou a venda), economizando quase um mês no tempo de transporte.

Os alternadores WEG fornecerão 1.500 kVA em regime contínuo e 1.700 kVA, 400 V, 50 Hz em regime standby. Eles serão acoplados a motores diesel fabricados pela Baudouin Engines e radiadores fabricados pela FDL.

"Não tínhamos dúvidas sobre qual parceiro escolheríamos para este projeto", disse Bozidar Markovic, da Tehnolink. “A WEG possui excelente suporte técnico e uma política comercial muito flexível e bem equilibrada. O projeto começou em novembro de 2019 e em janeiro de 2020, todos os produtos foram montados e entregues. Os geradores estão prontos e foram entregues e instalados no hospital em abril de 2020, com inauguração prevista para agosto de 2021".

No 2T20, prejuízo da Embraer supera 1 bilhão de reais, mas liquidez permanece sólida



*LRCA Defense Consulting - 05/08/2020

A Embraer divulgou hoje o balanço relativo ao segundo trimestre de 2020, registrando um prejuízo líquido ajustado de R$ 1,071 bilhão no segundo trimestre do ano, ante um prejuízo de R$ 57,6 milhões em igual período de 2019.

Já a receita líquida atingiu R$ 2,864 bilhões, um recuo de 47% no comparativo anual. Nesse período, o Ebitda ficou negativo em R$ 1,822 bilhão, ante Ebitda positivo de R$ 101,1 milhões entre abril e junho de 2019.

Apesar do prejuízo bilionário, a liquidez da Companhia permanece sólida e fechou o 2T20 com um caixa de R$ 10,9 bilhões, sendo que grande parte da dívida possui vencimento a partir de 2022.

Os principais destaques do balanço são:

• No 2T20, a Embraer entregou quatro aeronaves comerciais e 13 executivas (nove jatos leves e quatro grandes) e sua carteira de pedidos firmes (backlog) alcançou US$ 15,4 bilhões;

• Excluindo-se os itens especiais, o EBIT1 e EBITDA² ajustados foram de R$ (753,6) milhões e R$ (624,4) milhões, respectivamente, levando a margens de -26,3% e -21,8%, respectivamente, tendo sido impactados negativamente pelo fraco resultado da Aviação Comercial;

• Os resultados do 2T20 incluem itens especiais, sem impacto no caixa, que representam um total negativo de R$ 1.068,6 milhões, assim dividido: 1) R$ (83,7) milhões de provisão adicional para perdas de crédito esperadas durante a pandemia; 2) R$ (473,6) milhões de impairment na Aviação Comercial; 3) R$ (542,6) milhões referente ao reconhecimento de depreciação e amortização de períodos anteriores na Aviação Comercial e; 4) R$ 31,3 milhões em variações positivas no valor da participação da Embraer na Republic Airways Holdings;

• No 2T20, a Embraer apresentou Prejuízo líquido ajustado (excluindo-se impostos diferidos e itens especiais) de R$ 1.071,0 milhões e Prejuízo por ação ajustado de R$ 1,45;

• No 2T20, a Embraer reportou um Uso livre de caixa ajustado de R$ 2.533,3 milhões, que continuou a ser afetado pelas necessidades de capital de giro na Aviação Comercial porém, com uma melhoria em comparação com o Uso livre de caixa ajustado de R$ 2.898,8 milhões reportado no 1T20, principalmente devido a diversas iniciativas de redução de investimentos, controle do capital de giro e diminuição dos custos fixos;

• A liquidez da Companhia permanece sólida e fechou o 2T20 com um caixa de R$ 10,9 bilhões, sendo que grande parte da dívida possui vencimento a partir de 2022. A Companhia também finalizou os termos dos contratos de capital de giro e financiamento à exportação com agências de crédito à exportação no Brasil e nos Estados Unidos e bancos privados e públicos, adicionando um total de até US$ 700 milhões à sua liquidez total. Os desembolsos dessas novas linhas de financiamento devem ser concluídos no 3T20, reforçando a posição de caixa da Embraer a partir do segundo semestre de 2020, até 2021;

• Devido à incerteza relacionada à pandemia da COVID-19, as estimativas financeiras e de entregas da Empresa para 2020 permanecem suspensas neste momento.


Baixe aqui o release completo do balanço trimestral

agosto 04, 2020

WEG fecha contrato de R$ 30 mi com a Canadian e Nebras Power



A fabricante WEG assinou um contrato de R$ 30 milhões com a Canadian Solar e Nebras Power para o fornecimento de Eletrocentros Solares de 7 MW e 8 MW. O acordo, comunicado à imprensa na última segunda-feira, 3 de agosto, prevê a entrega dos equipamentos para o final de 2020

O diretor Superintendente de Automação da multinacional catarinense, Manfred Peter Johann, comentou que os inversores envolvidos na negociação são totalmente desenvolvidos e fabricado no Brasil e que contrato abre novas oportunidades de parcerias no segmento solar, inclusive em projetos fora do país.

No Brasil, a Nebras Power possui participação majoritária em quatro projetos solares bifaciais que ainda entrarão em operação comercial. Já a Canadian vendeu energia em praticamente todos os leilões realizados por aqui, o que equivale a um total aproximado de 1 GWp em projetos na fonte.

Brigada Militar de Passo Fundo recebe armamento Taurus

Foto: Vinicius Coimbra | Diário

*LRCA Defense Consulting - 04/08/2020

A Força Tática do 1º Esquadrão do 3º Regimento de Polícia Montada, unidade da Brigada Militar (BM) sediada em Passo Fundo (RS), recebeu hoje (04) seis fuzis T4 calibre 5.56 e seis espingardas calibre 12 produzidos pela empresa Taurus Armas S.A., juntamente com três armas de eletrochoque e seis rádios HT.

O valor do investimento chega a R$ 180 mil e teve origem na lei de incentivo à segurança pública do Programa de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública (Piseg), por meio da qual empresários podem destinar parte do que devem em ICMS para o combate à violência.

De acordo com o comandante do 3º RPMon, Tenente-Coronel Volnei Ceolin, a BM procurou empresários de Passo Fundo para que fosse possível o investimento ainda no ano passado. Com o montante arrecadado, a instituição escolheu o que deveria ser comprado.

A cerimônia de entrega do armamento ocorreu na Associação Beneficente Antônio Mendes Filho da Brigada Militar (Abamf), em Passo Fundo, e contou com a participação de representantes das empresas participantes (Oniz Distribuidora, BSBios, Farmácias São João e Basso Pancote), imprensa e policiais.

Phenom 300MED: solução de transporte aeromédico da Embraer para o jato leve mais vendido do mercado




*LRCA Defense Consulting - 04/08/2020

A Embraer anunciou hoje o Phenom 300MED, solução de transporte aeromédico (MEDEVAC) exclusiva para aeronaves da série Phenom 300, disponível também para modificações de jatos em operação, por meio de uma parceria com a umlaut e a Aerolite. A Embraer e a umlaut estão desenvolvendo e certificando em conjunto um novo certificado suplementar de tipo (CTS) utilizando equipamentos aeromédicos da Aerolite.
 
O Phenom 300MED, que já está disponível para configurações, representa bem o moderno e versátil portfólio de produtos da Embraer, bem como a intenção da empresa de oferecer a melhor experiência em aviação executiva, agora incluindo o segmento de transporte aeromédico. Projetada como uma solução ideal tanto para aplicações civis quanto governamentais, será instalada de forma exclusiva pelos premiados Centros de Serviços próprios da Embraer, garantindo a mais alta qualidade, confiabilidade e experiência de serviço diretamente do fabricante.
 
Juntas, Embraer e umlaut estão desenvolvendo um amplo número de configurações para o Phenom 300MED, que contará com uma ou duas macas, além da capacidade de transportar uma incubadora e equipamentos médicos adicionais, bem como acabamentos de nível hospitalar. Sendo uma solução criada especificamente para transporte aeromédico, em colaboração com as principais empresas do setor, o Phenom 300MED foi projetado para ser rápido e facilmente configurado para atender às diversas necessidades dos profissionais de saúde e dos pacientes.


 
“A plataforma Phenom 300, o jato leve mais bem-sucedido do mundo, com tecnologia, conforto e desempenho incomparáveis, está posicionada de maneira única para as operações de transporte aeromédico”, disse Michael Amalfitano, Presidente & CEO da Embraer Aviação Executiva. “Dada a atual crise da saúde, temos orgulho de trabalhar com dois parceiros especialistas em soluções de transporte aeromédico mundialmente reconhecidos. Estamos prontos para imediatamente começar a receber pedidos para esta solução única de ambulâncias aéreas.”
 
O Phenom 300MED se beneficia da herança da plataforma Phenom 300, que conta com a melhor pressurização de cabine da categoria, baixos custos operacionais, alta flexibilidade, aviônica de última geração, além de alta velocidade e alcance incomparáveis. Com altitude máxima de 6.600 pés, passageiros e tripulação desfrutam de mais oxigênio na cabine. Esse recurso equivale a uma experiência de voo mais saudável, essencial para a equipe médica e o atendimento ao paciente.
 
“A umlaut é conhecida por gerar soluções completas de serviço, entre indústrias e de ponta a ponta. Agora combinamos as fortes competências da Embraer e da umlaut em engenharia de aeronaves, reforma de interiores e expertise de certificação para trazer uma solução sem precedentes ao mercado. Juntamente com o equipamento aeromédico de última geração da Aerolite, forneceremos uma solução que transcenderá o mercado atual. Projetada a partir de zero, essa novidade oferecerá um interior de nível hospitalar com flexibilidade para configuração e reconfiguração que simplesmente não está disponível atualmente”, disse Tobias Geißinger, Diretor da umlaut.
 
Outra grande diferença do Phenom 300MED é a integração do equipamento médico da Aerolite. A empresa é líder global no que diz respeito a projeto, engenharia, produção e instalação de interiores de transporte aeromédico. Com mais de 500 interiores do tipo entregues, a empresa oferece a combinação ideal de equipamentos para a missão.
 
Ronald Hengartner, CEO da Aerolite, disse: “Estamos honrados que a Embraer e a umlaut tenham escolhido os inovadores equipamentos aeromédicos da Aerolite para o novo Phenom 300MED. Desde o fornecimento das mais modernas soluções de interior EMS até o suporte e o treinamento específicos do cliente, a Aerolite está posicionada de maneira exclusiva para ajudar a fornecer a solução mais avançada de transporte aeromédico.”
 
Os produtos da Embraer, incluindo a série Phenom 300, são reconhecidos pela grande confiabilidade e utilização. Mais de 550 aeronaves da série Phenom 300 foram entregues desde que entraram no mercado, em dezembro de 2009, acumulando mais de um milhão de horas de voo. De acordo com a previsão da publicação VREF, a série Phenom 300 deverá manter um dos mais altos valores residuais dentre as aeronaves executivas com até 15 anos.


agosto 03, 2020

Semestre tem recordes de vendas de armas nos EUA e no Brasil. Taurus poderá ser beneficiada

*LRCA Defense Consulting - 03/08/2020

Pelo terceiro mês neste ano, o FBI registrou checagens de vendas de armas em número recorde, indicação segura de que as preocupações com a eleição presidencial de 2020, com a pandemia e com os protestos raciais estão levando as compras de armas a um nível histórico nos Estados Unidos.

Logo após as 3.931.607 verificações de antecedentes em junho, a maior já registrada em 14 anos no Sistema Nacional de Verificação de Antecedentes Criminais Instantâneos (NICs), o FBI divulgou nesta segunda-feira (03) que as verificações de julho totalizavam 3.639.224. O número é o terceiro maior valor mensal de todos os tempos, atrás dos 3,9 milhões de checagens em junho e dos 3,7 milhões em março.

As verificações feitas pelo NICS são consideradas o melhor indicador para estimar o número de vendas de armas no país durante um determinado período de tempo, porque quase todas as vendas realizadas por revendedores licenciados, como lojas de armas, exigem a realização de uma verificação.

Mês a mês, os números de julho representam um aumento de 79% em relação a julho de 2019. No geral, o FBI realizou 22.819.271 verificações de antecedentes este ano, quase 44% superior ao primeiro semestre do ano passado, quando as verificações até julho totalizaram 15.890.359. O número do primeiro semestre corresponde a cerca de 80% de todo o ano de 2019.

As verificações de antecedentes do FBI indicam que 2020 já viu pelo menos 10 milhões de armas vendidas - muitas para compradores e minorias que as adquiriram pela primeira vez.

Embora uma única verificação de antecedentes possa representar a venda de várias armas, esses números não são um retrato perfeito das vendas, pois não incluem dados de 20 estados que processam algumas ou todas as suas verificações de antecedentes por conta própria, e não pelo FBI.


"Estou vendo coisas que nunca vimos antes"
O grupo da indústria Small Arms Analytics & Forecasting disse que as vendas atingiram 2 milhões em julho, um aumento de 134% em relação a julho de 2019. Julho é o quinto mês consecutivo a estabelecer um recorde de vendas de armas.

"Estou vendo coisas que nunca vimos antes", disse Larry Hyatt, proprietário do Hyatt Guns em Charlotte, Carolina do Norte. "É baseado no medo."

O número de verificações da NICS ajuda a explicar a falta de armas e munição nas lojas e o registro de pedidos em atraso de fabricantes de armas e fornecedores de munição.

No enorme site online de armas de fogo Brownells, por exemplo, as vendas de armas aumentaram 90%, lideradas por armas pequenas (revóveres e pistolas). As vendas de munição aumentaram 30% e o tráfego da Web no Brownells.com aumentou 60% -70%.

O porta-voz de Brownells, Ryan Repp, disse à Secrets: "A incerteza está definitivamente impulsionando as vendas de armas de fogo, munição e acessórios relacionados ao momento. Com as conversas sobre a retirada da polícia, uma pandemia nacional que está pressionando os serviços de emergência é a 'tempestade perfeita' da incerteza, e estamos vendo pessoas de todo o espectro político se voltando para a posse de armas de fogo pela primeira vez".

"Na Brownells, vimos um aumento de 90% nas vendas de armas de fogo, um aumento de 30% nas vendas de munições e o tráfego da Web continua superando o normal "em cerca de 60%. No momento, o mercado de armas de fogo é realmente limitado apenas pela oferta, à medida que os fabricantes da indústria trabalham para recuperar o atraso".

Uma visita da Secrets na semana passada a três lojas de armas na Virgínia encontrou duas com apenas um punhado de armas à venda e uma terceira em que munições foram varridas das prateleiras no minuto em que foram estocadas.

Chris Killoy, diretor executivo da Sturm, Ruger & Company, disse que o atual aumento nas vendas é diferente de tudo que ele já viu. A onda de compras não mostra sinais de desaceleração e a forte demanda "se sustentará" no outono, previu Killoy.

"Tendo estado neste setor há 30 anos, vi o aumento em 1994 antes da proibição de armas de assalto", disse Killoy a investidores na quinta-feira. "Esse é provavelmente o nível de demanda mais forte que eu já vi. Uma das diferenças mais significativas é como isso afetou todos os níveis do canal e o impacto no inventário em todos os níveis".

Mês Nacional dos Esportes de Tiro pode levar a novas vendas
Os milhões de proprietários de armas de fogo, principalmente os que as adquiriram pela primeira vez nos EUA, poderão participar do National Shooting Sports Month em agosto, uma tradição americana que comemora o direito constitucional de manter e portar armas, consagrado na Declaração de Direitos e de liberdades individuais pela Segunda Emenda à Constituição americana.

O evento é tão importante nos EUA que mereceu uma mensagem nacional do Presidente Trump.

Como é um ótimo momento para buscar treinamento e aprender sobre as dezenas de esportes de tiro ao alvo e caça, a previsão é de que o fato estimule novas compras de armas neste mês.

Resultados excepcionais da Sturm, Ruger & Company e da Smith & Wesson Brands Inc.
A Sturm, Ruger & Company anunciou em sua teleconferência trimestral  na quinta-feira (30 Jun) que as vendas líquidas passaram de US $ 210.367.000 nos primeiros seis meses de 2019 para US $ 253.903.000 durante o mesmo período em 2020. Isso equivale a um lucro por ação diluído de US $ 1,06 em 2020, comparado a US $ .36 em 2019 - um aumento de três vezes. 

A Smith & Wesson Brands Inc. registrou um aumento de lucro semelhante em junho. As vendas líquidas da empresa saltaram 32,9%, de US $ 175,7 milhões no quarto trimestre de 2019 para US $ 233,6 milhões em 2020.

Taurus poderá se beneficiar com os recordes de vendas de armas nos EUA e no Brasil
Em 2019, a Taurus produziu cerca de 1,2 milhão de armas de fogo, sendo 889 mil em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, e 310 mil na unidade americana, o que corresponde a mais de 5 mil unidades diariamente. Do 1,3 milhão de armas da empresa vendidas no ano passado, 1,1 milhão (quase 85%) foi para os Estados Unidos.

No primeiro trimestre, a companhia aproveitou o início do aquecimento do mercado de armas pessoais nos EUA e incrementou suas vendas em 11% em relação ao trimestre anterior, atingindo a marca de 310.100 unidades vendidas. Este incremento aconteceu apesar de a unidade fabril americana ainda estar se adaptando às novas instalações na Geórgia naquele período, problema que já foi equacionado no trimestre posterior.

Como o Brasil, por meio quase que exclusivamente da Taurus Armas, tornou-se o segundo maior exportador de armas pequenas (pistolas e revólveres) para os EUA, é bastante provável que essa empresa se beneficie da explosão de vendas que está sendo registrada nesse país e apresente números significativos no balanço do segundo trimestre, no que se refere às vendas para esse mercado.

No entanto, não só nos EUA as vendas de armas estão crescendo.  Nos três primeiros meses de 2020, as vendas em volume da Taurus no mercado brasileiro mais que dobraram (cresceram 111% sobre o mesmo trimestre do ano passado), enquanto a receita saltou 52%.

Somando-se os dados do SINARM com os do SIGMA, o total de registros de novas armas no primeiro semestre totalizou 132.485 unidades e representou um aumento final de 80% em relação ao havido em todo o ano de 2019. O aumento semestral de 200% superou todos os demais da série existente desde 2009, constituindo-se em um recorde histórico.

Em consequência, as vendas domésticas da empresa tendem, também, a apresentar um volume significativo no segundo trimestre, similares ou superiores aos números do primeiro.

Estimativa de resultados positivos
Como a pequena variação cambial do segundo trimestre não atuará de forma perversa sobre os resultados da empresa, como aconteceu no primeiro, o forte acréscimo esperado no volume de vendas para os EUA tenderá a fazer esta variação impactar de forma positiva, haja vista que cerca de 85% de suas vendas são direcionadas ao mercado americano, ou seja, faturadas em dólar. Com isso, salvo a ocorrência de um fator negativo inesperado, é razoável estimar que a empresa apresente resultados positivos no balanço desse trimestre.

Principais fontes:
- Presidential Message on National Shooting Sports Month 2020 | The White House https://bit.ly/31eul3E
- July Breaks Gun Sales Record as Gun Company's Earnings Triple https://bit.ly/33nKXbV
- Sales of guns used for self-defense up across the country, experts explain why https://bit.ly/31eHABp
- Gun Sales Are Surging, But Background Checks Aren’t Keeping Up | FiveThirtyEight https://53eig.ht/2XmH43a
- Gun sales exploding, July FBI checks jump 79% https://washex.am/2DufQQT
- Gun sales surge an estimated 135% in July amid coronavirus, rioting fears - Washington Times https://bit.ly/31d3ZyZ
- Millions of New Gun Owners Will Enjoy National Shooting Sports Month in August https://prn.to/3a0edqs
- LRCA Defense Consulting - arquivos

*Colaborou: Christian Lima

agosto 02, 2020

Há 100 anos, o Tiro conquistava as primeiras medalhas olímpicas do Brasil

A primeira participação brasileira numa olimpíada terminou com o saldo de três medalhas conquistadas na modalidade tiro esportivo.



A primeira participação do Brasil em Jogos Olímpicos de Verão foi marcada por diversas aventuras. Naquela época, cruzar o Oceano Atlântico e chegar a um país no Velho Continente era um desafio para poucos. Cinco edições olímpicas já haviam sido disputadas quando o País enviou sua primeira delegação com 21 atletas para competir nos Jogos de Antuérpia, na Bélgica, em 1920, para as provas de natação, polo aquático, remo, saltos ornamentais e tiro esportivo.

Longa jornada
Formada pelos tenentes Guilherme Paraense e Demerval Peixoto, e, também, por Dário Barbosa, Fernando Soledade, Mário Machado, Sebastião Wolf e Afrânio da Costa, a equipe de tiro esportivo iniciou a viagem para Antuérpia a bordo do navio Curvelo. Depois de quase um mês mal acomodados e tendo que treinar em alto-mar, os atiradores, com receio de não chegar a tempo para as provas, decidiram parar em Portugal e, de lá, seguir de trem para a Bélgica.

Essa longa jornada foi descrita em detalhes pelo historiador e coronel Eduardo Ferreira, no livro “A História do Tiro Esportivo Brasileiro”. A obra surgiu quando o autor teve acesso ao álbum com fotos, recortes de jornais e relatórios escritos pelo desportista Afrânio da Costa.

“A delegação brasileira foi para a Europa no dia 1o de julho de 1920, sob a chefia de Roberto Trompowsky, a bordo do navio Curvelo, pertencente ao Lloyd Brasileiro. Deixava atrás de si as maledicências dos descrentes e dos invejosos, que se referiam às aspirações da equipe da seguinte forma: ‘Não vão arranjar nem pro bife’”, relatou Afrânio da Costa, conforme consta no livro.

Saga brasileira
A saga da equipe brasileira de tiro não terminou ali. Depois de seguir viagem num vagão de trem aberto, de passar por problemas com as armas e ainda ter parte da munição furtada, foi preciso fazer uma caminhada de 18km até a cidade de Baverloo, local das disputas. Sensibilizados com a situação, membros da equipe de tiro americana cederam parte de seu material para os brasileiros pudessem competir.

Em 2 de agosto de 1920, Afrânio da Costa sagrou-se o primeiro esportista a ganhar uma medalha olímpica para o Brasil, ao conquistar prata na prova individual dos 50m de pistola livre. Nesse mesmo dia, Sebastião Wolf, Dário Barbosa, Guilherme Paraense e Afrânio garantiram o bronze na prova por equipes, superando os Estados Unidos, justamente o país que lhes emprestou armas e munição.

No dia seguinte, 3 de agosto, foi conquistado o primeiro ouro olímpico brasileiro: Guilherme Paraense levou o País ao lugar mais alto do pódio, marcando 274 pontos de 300 possíveis, dois pontos à frente do norte-americano Raymond Bracken. Paraense venceu a prova de pistola rápida de 25m.

Guilherme Paraense
Guilherme Paraense nasceu em 25 de junho de 1884, em Belém, no Pará, mas foi ainda criança para o Rio de Janeiro, onde frequentou a Escola Militar de Realengo. Foi ali que descobriu e desenvolveu seu pendor para a modalidade esportiva. No final da década de 1910, sagrou-se campeão brasileiro e sul-americano na modalidade tiro com revólver.

Em 1914, no Rio de Janeiro, juntamente com um grupo de atiradores, fundou o Revólver Clube, contribuindo para o crescimento desse esporte no País. Paraense continuou a carreira esportiva como atleta do Fluminense e seguiu, também, a carreira militar, até deixar o Exército em 1941 como tenente-coronel reformado. Faleceu no Rio de Janeiro, em 1968, aos 83 anos de idade.

Reconhecimento
A primeira participação brasileira numa olimpíada terminou com o saldo de três medalhas conquistadas na modalidade tiro esportivo. O desfecho dessa aventura não foi nada parecido com o início da empreitada. A notícia da façanha da equipe chegou ao Brasil por meio de um telegrama. Com a fama, vieram recompensas aos medalhistas olímpicos, como relatou Afrânio da Costa no livro:

“O retorno da equipe não foi mais no Curvelo, porém num navio decente, cheio de gente importante, com todas as passagens pagas pelo Governo Federal. Era um justo reconhecimento pelo memorável feito! Inúmeras autoridades políticas e desportivas e uma multidão curiosa aguardavam ansiosamente o desembarque da delegação no cais do porto do Rio de Janeiro para conhecer e abraçar o campeão e o vice-campeão olímpico.”


agosto 01, 2020

Webinar: "Os esforços da indústria de defesa, face aos desafios trazidos pela Covid-19"



*LRCA Defense Consulting - 01/08/2020

Realizado no dia 24 de julho, o webinar "Os esforços da indústria de defesa, face aos desafios trazidos pela Covid-19", proporcionado pela LAAD Defense and Security 2021, trouxe importantes informações sobre a participação da indústria de defesa nas ações de combate à pandemia e, também, sobre os esforços que estão sendo realizados pelo governo (MRE, Ministério da Defesa, SEPROD) e pela Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança - ABIMDE para viabilizar o setor no Brasil, especialmente pelo fomento às exportações.

O evento contou com a participação do General de Divisão Luis Antônio Duizit Brito, Diretor do Departamento de Promoção Comercial do Ministério da Defesa (DEPCOM/MD), de Roberto Alves Gallo Filho, Presidente da ABIMDE, e de Leonardo Nogueira, Vice-presidente da ABIMDE, sendo moderada por Vivian Lima, Diretora Comercial da Clarion Events Brasil.

O próximo webinar acontecerá no dia 05 de agosto, às 14 horas, e discutirá o interessante tema "As aquisições e projetos das forças de segurança nos próximos anos".


WEG e Petrobras fecham grande contrato para equipamentos de duas plataformas no pré-sal


*CPG Click Petróleo e Gás - 31/07/2020

A WEG faturou um grande contrato com a Petrobras, que resultará em uma receita de aproximada de R$ 160 milhões, informou a multinacional brasileira ontem (30). O escopo do projeto destina-se ao fornecimento de equipamentos para as plataformas do tipo FPSO de Búzios V e Mero 2, no pré-sal.

Segundo a WEG, o projeto prevê centenas de inversores, motores de baixa tensão, 60 motores de média tensão e 8 turbogeradores. Este último detém as seguintes especificações:

4 equipamento de 36 MW 3600 rpm
4 equipamento de 33 MW 1800 rpm

Sobre as plataformas FPSO Búzios V e Mero 2
Búzios V – Segundo a Petrobras, o FPSO contratado junto a Modec entrará em operação em 2022, com o nome de batismo Almirante Barroso. A unidade terá capacidade de processar 150 mil barris de petróleo diariamente.

Mero 2 – Esta plataforma será construída pela SBM e será chamada de FPSO Sepetiba
, processando 12 milhões de metros cúbicos de gás e 180 mil barris de óleo por dia também.

julho 31, 2020

Taurus apoia Festival Gaúcho Coração, circuito de lives beneficentes com artistas gaúchos

Projeto repassará recursos para hospitais e entidades sociais, além de contribuir com a classe artística nesse momento de pandemia de COVID-19



 *LRCA Defense Consulting - 31/07/2020

Em mais uma ação para colaborar nesse momento difícil de pandemia de COVID-19, a Taurus, uma das principais fabricantes de armas do mundo, está apoiando o Festival Gaúcho Coração.

O projeto promove uma ampla programação de lives com artistas conhecidos do Rio Grande do Sul, sendo que pelo menos 25 apresentações musicais online estão previstas até setembro. O objetivo é beneficiar centenas de artistas e milhares de trabalhadores do setor da música, muito prejudicado pela pandemia de coronavírus por estar sem shows presenciais há meses.

Além disso, os recursos e alimentos arrecadados com o patrocínio de empresas privadas e do público serão destinados para hospitais, como a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, e entidades filantrópicas.

Segundo o presidente da Taurus, esta é uma importante iniciativa cultural neste momento difícil de pandemia. "Somos uma empresa brasileira com operações há 80 anos no Rio Grande do Sul, onde crescemos junto com a população. Temos muito orgulho da riqueza cultural gaúcha, por isso consideramos importante ajudarmos e apoiarmos nesse momento. O apoio ao Festival Gaúcho Coração é uma contribuição da Taurus para os músicos, entidades sociais e para os hospitais da região, assim como para proporcionar um pouco de divertimento e distração às diversas famílias neste período", diz Salesio Nuhs, presidente da Taurus.

As lives acontecem sempre nos canais dos artistas no YouTube. Confira abaixo a programação dos próximos dias:

01/08, 20h - Ângelo Franco, Cristiano Quevedo, Erlon Péricles, Joca Martins e participação especial de Gujo Teixeira, nos canais do Youtube/Facebook @cristianoquevedooficial, @jocamartinsoficial, @erlonpericles, @angelofranco, @giovanigrizotti, @reporterfarroupilha

02/08, 11h30 - Tchê Guri - no canal do Youtube/Facebook @tchegurioficial


julho 30, 2020

Embraer terá novo plano de demissão voluntária



*LRCA Defense Consulting - 30/07/2020

A Embraer anunciou hoje que está conversando com os sindicatos a respeito de mais um plano de demissão voluntária. Desta vez, além dos colaboradores em licença remunerada, também serão elegíveis aposentados por tempo de serviço ou quem tiver 55 anos de idade ou mais. O período de adesão vai até o dia 14 de agosto.

Por conta da crise gerada pela Covid-19 em todo o mundo e, em particular, na indústria aeronáutica, a Embraer vem tomando uma série de medidas para proteger a saúde das pessoas e manter a continuidade dos negócios. Para preservar os empregos já foram estabelecidas, desde o mês de março, medidas como implantação do trabalho remoto integral (home office), concessão de férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho (lay-off), redução da jornada de trabalho e um PDV para um grupo de colaboradores que estava em licença remunerada.

A proposta de pacote de incentivo para quem aderir ao PDV inclui plano de saúde para o colaborador e dependentes até janeiro de 2021, auxílio-alimentação de R$ 450 mensais pelo mesmo período, apoio para recolocação no mercado, verbas rescisórias comuns a desligamentos sem justa causa e mais uma indenização de 10% do salário-base nominal por ano de empresa.

A companhia vai continuar realizando todos os esforços necessários para minimizar o impacto da Covid-19 para as pessoas e garantir a adequação necessária da empresa diante da nova realidade do mercado de transporte aéreo global.

Prefeituras de Caxias do Sul (RS) e de Jundiaí (SP) adquirem armamento da Taurus

*LRCA Defense Consulting - 30/07/2020

As Guardas Municipais de Caxias do Sul (RS) e de Jundiaí (SP) receberam novos armamentos produzidos pela empresa Taurus Armas S.A., com sede em São Leopoldo (RS).

Na quarta-feira, 29/07, foi realizada a entrega de 20 Pistolas TS9 e duas Carabinas CTT 40 para a Guarda Municipal de Caxias do Sul.

A cerimônia foi realizada na sede da Corporação e contou com a presença do Secretário de Segurança Pública do município, Hernest Larrat Júnior, e de profissionais da Guarda. O investimento do município foi de R$ 100,9 mil.

Entrega para a Guarda Municipal de Caxias do Sul

Hoje (30), a Guarda Municipal de Jundiaí recebeu 18 carabinas CTT 40 compradas com verba do programa Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa), da Caixa Econômica Federal, em um investimento de R$ 77,5 mil. No final de maio, a Guarda Municipal já havia recebido 14 carabinas calibre 12 e quatro carabinas CTT 40, no valor de R$ 85 mil.

Carabinas CTT 40 da Guarda Municipal de Jundiaí (Foto: @pedroamora)

julho 29, 2020

Avibras, CBC e Embraer - Brasil e Indonésia procuram alavancar as relações comerciais na área da Defesa




O Ministro da Defesa da Indonésia, Tenente-General Prabowo Subianto, recebeu uma comitiva brasileira composta pelo Embaixador do Brasil na Indonésia, Adidos Militares e um integrante do corpo diplomático, no salão de audiências do ministério, Kemhan (sigla em bahasa indonésio).

Na ocasião, as ações estratégicas de cooperação entre o Brasil e a Indonésia foram exploradas com o intuito de alavancar, ainda mais, as relações comerciais na área da Defesa entre os 2 países.

Especificamente sobre as atividades entre as Forças Terrestres, os seguintes temas sobressaíram como assuntos passíveis de intercâmbio de militares: Artilharia de Campanha, Inteligência, Operações Especiais e Operações em Ambiente Operacional de Selva.

Nesse contexto, foi discutida a possibilidade de prospecção econômica entre a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) e a estatal indonésia PT PINDAD. Também foi motivo de comentários a ótima aceitação do Sistema ASTROS, Produto de Defesa fabricado pela Empresa AVIBRAS.

Para as demais forças singulares brasileiras, o Ministro demonstrou interesse nas especificações da aeronave KC-390, da EMBRAER, bem como na realização de intercâmbios doutrinários entre militares submarinistas.

julho 28, 2020

Justiça de São Paulo revoga pena e multa impostas à Taurus pela PMSP


*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

Em novo comunicado divulgado na noite de hoje (28), a Taurus Armas S.A. informou que a pena administrativa e a multa impostas pela Polícia Militar de São Paulo foram revogadas pela Justiça de São Paulo, que também condenou a Fazenda Estadual a arcar com os honorários de sucumbência e com as custas e despesas processuais.

Veja o Comunicado:

Veículos elétricos: WEG tem novo nicho na produção e conversão no Brasil



*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

A WEG S.A. está participando de duas grandes iniciativas, uma na produção de veículos elétricos e outra na conversão de motores tradicionais para o sistema elétrico.

Parceria com a Volkswagen
Em 2019, a Volkswagen Caminhões e Ônibus anunciou em Södertälje/Suécia, o plano para comercializar caminhões e ônibus elétricos no Brasil a partir de 2020. Os modelos serão desenvolvidos e fabricados no país.

O projeto inclui não apenas novos produtos, mas também componentes e o que acontece depois da compra, com instalação e operação de pontos de recarga em todo o Brasil e medidas para descarte das baterias após o fim de sua vida útil.

Chamado de e-Consórcio, o plano é baseado na parceria com diversas empresas. O conceito já é adotado na produção de caminhões e ônibus na fábrica de Resende (RJ), com fornecedores atuando diretamente na produção dos veículos. Para os elétricos, a novidade é que os parceiros da Volkswagen atuarão também no pós-venda.

Entre as parceiras da Volkswagen estão a Siemens, no fornecimento de carregadores elétricos, e a Moura, que vai auxiliar no manejo das baterias. Já a alemã Bosch e brasileira WEG serão responsáveis pelo conjunto elétrico. O e-Consórcio faz parte de um investimento de R$ 1,5 bilhão que a empresa está fazendo no Brasil.

Parceria com a FuelTech
A FuelTech, conhecida por preparar a injeção de veículos de alta performance anunciou a compra da também brasileira Energy Systems. O objetivo, segundo a companhia, é aumentar a participação nesse mercado, ainda pouco explorado por aqui.

O projeto também conta com a parceria da WEG, empresa brasileira que produz motores elétricos de vários tipos. Ela inclusive trabalha junto com a Volkswagen no desenvolvimento do primeiro caminhão elétrico do país, o e-Delivery.

Nesse formato de parceria, a Weg entraria com o fornecimento de motores e inversores, enquanto a FuelTech desenvolve os gerenciadores de bateria e centrais eletrônicas.

De acordo com a empresa, há cerca de 1.000 oficinas credenciadas em todo o país que podem ser qualificadas para realizar a conversão, que consiste na retirada do motor a combustão, na preparação da carroceria e na instalação de motor elétrico, baterias, gerenciamento e todo o cabeamento necessário.

"Com o movimento da eletrificação, existe no Brasil um nicho a ser explorado", afirma Manfred Peter Johann, diretor superintendente da WEG Automação. A parceria não mudará o principal negócio da catarinense, que trabalha sobretudo com veículos pesados. Isso porque ainda é um aceno a um negócio ainda incipiente. "Esse mercado de conversão de automóveis pode surgir com o tempo", diz.

Anderson Frederico Dick, diretor geral da FuelTech, conta que a eletrificação deve ganhar relevância nos próximos anos. "A gente está diante da maior revolução da indústria automobilística e a gente vê como isso está impactando o mundo", diz.

A FuelTech ficará responsável pela montagem do equipamento nas mil oficinas mecânicas especializadas da empresa espalhadas pelo mundo. A WEG fará a produção dos inversores de sistemas auxiliares e do Powertrain, motor elétrico já utilizado em uma colaboração com ônibus e caminhões da Volkswagen e em aviões de pequeno porte monomotor da Embraer.

Para o professor de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Marcelo Alves, a conversão tem maior potencial de crescimento no mercado de veículos de coleção, já que a substituição dos motores vale o custo-benefício para donos de modelos antigos que querem continuar circulando nas cidades.

"É um nicho de mercado que pode explodir, assim como foi a conversão de GNV (Gás Natural Veicular)", diz Fabio Delatore, professor de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI). Com poucas empresas no mercado, ele cita o sucesso da californiana EV West, que vende kits de conversão para modelos clássicos por preços de US$ 7 mil a US$ 16 mil, assim como peças avulsas dos mais variados valores e tipos. No Brasil, segundo ele, não há nenhuma solução do tipo até agora.

(Com informações do G1, Gaúcha ZH e Diário MS News)

Em recurso administrativo, Taurus é multada e tem suspenso o direito de vender pistolas à PMSP

*LRCA Defense Consulting - 28/07/2020

A Taurus Armas S.A., em Comunicado ao Mercado com data de hoje (28), divulgou que foi publicada, no Diário Oficial do Estado de São Paulo, decisão administrativa em grau de recurso que confirmou decisão da Polícia Militar do Estado de São Paulo de suspender o direito de contratação do fornecimento de pistolas pela administração pública estadual, além de ser gravada com uma multa no valor de R$ 12,7 milhões.

A companhia afirma que irá recorrer da decisão e enfatiza que "a suspensão do direito de contratar com a administração deve ser restrita à PMESP, não afetando contratações com outros órgãos e Estados".

Confira o Comunicado:

"A Taurus Armas S.A. (“Companhia” ou “Taurus”) listada no Nível 2 da B3 S.A. – BOLSA BRASIL BALCÃO (Símbolos: TASA3, TASA4) dando continuidade ao comunicado do dia 18 de maio de 2020, vem informar que foi publicado no último dia 24 de julho no Diário Oficial do Estado de São Paulo, decisão administrativa em grau de recurso que confirmou decisão no Processo Administrativo Sancionatório n.º 002/30/16 da Polícia Militar do Estado de São Paulo, descrito no item 4.3 – Processos Judiciais, Administrativos ou Arbitrais Não Sigilosos e Relevantes de seu Formulário de Referência, que suspendeu o direito da Companhia de contratar com a administração pública do Estado de São Paulo e aplicou multa contratual no valor de R$ 12.674.979,81.

Quanto a essa decisão cabe esclarecer que:
(i) o processo administrativo é relativo a sucessivos contratos de fornecimento de pistolas assinados com o Estado de São Paulo nos anos de 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011. Não foram comercializadas pela atual gestão e se referem a modelos de armas que não são mais fabricados ou comercializados;

(ii) a Companhia cumpriu integralmente esses contratos administrativos, fornecendo as pistolas nas especificações contratadas e cumprindo todas as suas obrigações correlatas de garantia e assistência técnicas. Além disso, são as pistolas que estão em uso há mais de 10 anos, servindo os policiais militares de São Paulo e contribuindo para a redução da criminalidade no Estado aos menores patamares históricos. Soa muito estranho a aplicação dessas penalidades nesse momento, pois os policiais da PMESP continuam utilizando pistolas TAURUS normalmente;

(iii) não há evidências técnicas ou fundamentos jurídicos que permitam a penalização da Companhia que toma e tomará todas as medidas judiciais cabíveis para reversão da penalidade aplicada; e

(iv) a suspensão do direito de contratar com a administração deve ser restrita à PMESP, não afetando contratações com outros órgãos e Estados.

Informamos que desde 2015, quando ocorreu a mudança do controle acionário, a Taurus e seus administradores vem seguindo os mais rígidos e estritos padrões de controle e qualidade dos seus produtos e confia na justiça, que a exemplo de casos semelhantes, restabeleceu as verdades dos fatos."

julho 27, 2020

Embraer estende intervalo de revisão dos jatos Phenom para 800 horas de voo



*LRCA Defense Consulting - 27/07/2020

A Embraer anunciou uma revisão dos Requisitos de Manutenção Programada para a família de jatos Phenom, prolongando os intervalos entre as paradas de 600 horas e /ou 12 meses e múltiplos para 800 horas ou 12 meses e múltiplos. A maioria das tarefas com intervalos duplos também foi otimizada para o período mais longo.

Isso representa uma melhoria de 33% no intervalo de manutenção, quase o dobro da média do setor. Para os clientes da série Phenom, essa melhoria significativa equivale a menos tempo de inatividade, menores custos de manutenção, uma longa vida econômica e mais tempo no ar.

A melhoria só foi possível graças ao desempenho da frota Phenom na última década. Mais de um ano de análise de engenharia confirmou que os clientes dessas aeronaves podem se beneficiar totalmente da alta disponibilidade da frota por sua conveniência e flexibilidade ainda maiores.

“Concebidos como um projeto ‘clean-sheet’ para serem os melhores de suas respectivas categorias, os aviões das séries Phenom 100 e 300 foram desenvolvidos para alta utilização. Agora, onze anos após a primeira entrega, com uma frota de mais de 900 jatos em operação, nossa equipe de engenharia e suporte ao cliente pode reafirmar, mais uma vez, que nossos produtos são ainda melhores que a especificação inicial”, afirma Johann C. Bordais, Presidente e CEO da Embraer Serviços & Suporte.

A frota do Phenom acumulou mais de 1,7 milhão de horas de voo e 1,4 milhão de ciclos desde a entrega do primeiro Phenom 100 em dezembro de 2008. Os operadores dos jatos executivos da Embraer são apoiados por uma organização global de serviços e suporte comprovada e sua premiada rede de mais de 70 centros de serviços própios e autorizados, complementados por um Contact Center 24/7 na sede, no Brasil.

Os Requisitos de Manutenção Programada para os jatos Phenom foram desenvolvidos para atender às necessidades específicas da aviação executiva e baseiam-se na metodologia MSG-3 (Maintenance Steering Group). A metodologia visa preservar e restaurar os níveis inerentes de segurança e confiabilidade da aeronave e construir uma base de conhecimento para melhoria do projeto e manutenção. Os principais benefícios dessa metodologia incluem maior disponibilidade da aeronave e redução geral de custos para manter a aeronave em condições operacionais ideais.

Presidente Bolsonaro anuncia novas portarias facilitando as atividades dos CACs



*LRCA Defense Consulting - 27/07/2020

Ao sair do Palácio do Planalto neste final de semana, o Presidente Bolsonaro falou que nesta semana terá novas portarias facilitando as atividades dos CACs - Colecionadores, Atiradores Esportivos e Caçadores.

Confira o vídeo:

EmbraerX inicia testes em simulador para novas aeronaves eVTOL



*AINonline - 23/07/2020 (Atualizada pela LRCA em 27/07, às 15h06, com vídeo)

A EmbraerX fez recentemente o primeiro voo em um simulador que está usando para desenvolver sua nova aeronave eVTOL planejada. A divisão de tecnologias avançadas do fabricante brasileiro de aeronaves regionais e de negócios também exibiu modelos em escala do novo design e realizou testes em túneis de vento, mas ainda não disse quando espera que o motor elétrico de quatro lugares entre em serviço.

De acordo com Andre Stein, chefe de estratégia e mobilidade aérea urbana da EmbraerX, os testes do simulador usam parâmetros reais de controle de voo e leis de controle para reunir as informações que prepararão o caminho para eventuais testes de voo de certificação de tipo. Os engenheiros estão testando os controles fly-by-wire de quinta geração da aeronave, que inicialmente apoiarão as operações pilotadas e, ao mesmo tempo, serão compatíveis com os planos posteriores para avançar para o voo autônomo.

A Embraer tem sido bastante sigilosa sobre seus planos para um eVTOL, apesar de a Uber a nomear como um dos oito parceiros que apoiam os planos do grupo de lançar serviços de táxi aéreo a partir de 2023. Stein disse à AIN que continua trabalhando com a Uber, enfatizando que a Embraer continua focada em apoiar o “ecossistema” mais amplo para mobilidade aérea urbana (UAM), incluindo gerenciamento de tráfego aéreo e infraestrutura terrestre. Ele acrescentou que o acordo do fabricante com a Uber não é exclusivo e que permanece aberto a possíveis parcerias com outras operadoras e provedores de infraestrutura.

O novo design mostra oito hélices instaladas em quatro vigas conectadas a duas asas estreitas e paralelas que se projetam da parte superior da fuselagem para fornecer elevação vertical. Na parte traseira da aeronave, há um par de ventiladores para voo de cruzeiro.

A Embraer acredita que sua vasta experiência na certificação de 26 novas aeronaves ao longo de duas décadas a coloca para oferecer o desempenho certo com segurança ao mercado. Stein apontou sua conquista com o mais recente avião comercial E2, que obteve certificação a tempo e com desempenho melhor do que o projetado, como evidência da profundidade da capacidade de engenharia aeroespacial que está tocando agora para acelerar a campanha de testes de voo.

"Uma das coisas de que falamos é como alavancar nosso know-how para desenvolver novas aeronaves e [vimos isso] quando fizemos o primeiro voo no E2 porque quebramos recordes na expansão do envelope de voo", disse ele. . "Muitas startups do [eVTOL] correm para fazer algo apenas para ter algo para mostrar aos investidores."

A equipe da EmbraerX está usando o simulador de voo na sede da empresa em São José dos Campos para avaliar as interfaces homem-máquina de seu novo projeto eVTOL, usando pilotos de teste experientes e pilotos relativamente inexperientes. Seu gerente de engenharia da eVTOL, Luiz Valentini, disse que a empresa trabalha com a premissa de que o mercado de UAM precisará contar com pilotos que não são de transporte aéreo, levando-a a considerar o uso de interfaces de controle muito amigáveis.

O trabalho do simulador também estabelece as bases para os recursos necessários para operações autônomas, como detectar e evitar sistemas. "Estamos tentando criar um veículo que possamos mostrar que terá flexibilidade para operar em diferentes espaços aéreos ao redor do mundo e nos dá a confiança de poder facilitar capacidades de voo autônomas antes de pilotar a aeronave", explicou Valentini.

Enquanto isso, a EmbraerX está acelerando o trabalho de gestão do tráfego aéreo urbano, iniciado em 2011, quando comprou uma participação em uma empresa especializada chamada Atech. Desde que publicou seu white paper FlightPlan2030 para definir os requisitos da UAM em junho de 2019, a empresa trabalhou em estreita colaboração com dois provedores de serviços de navegação aérea (ANSPs) não revelados, [a Atech] e a L3 Harris Technologies para desenvolver um conceito de operações.

"Nosso objetivo é torná-lo mais acessível e escalável, levando em consideração aeronaves híbridas, elétricas e elétricas", disse David Rottblatt, líder do projeto de gerenciamento de tráfego aéreo urbano da EmbraerX.

Até o primeiro trimestre de 2021, a EmbraerX pretende incorporar os resultados de seus estudos às ANSPs (localizadas nos hemisférios leste e oeste) em um documento de consulta. Ao mesmo tempo, procurará criar "apoio da comunidade" a partir de possíveis cidades adotantes iniciais da UAM e, em seguida, recorrer aos reguladores com o que chama de um caso orientado por dados sobre como as operações poderiam começar.

Com a infraestrutura certa, a EmbraerX vê potencial para os serviços UAM crescerem rapidamente à medida que as aeronaves eVTOL alteram o escopo do transporte aéreo nas cidades e arredores. "Somente em Londres, vemos o potencial de dois milhões de usuários com cerca de 1.500 aeronaves eVTOL, com base em que cada pessoa as usaria uma vez por mês", disse Stein em um webinar durante o evento FIA Connect, em 23 de julho.


Postagem em destaque